Refugiados, recém-chegados com corredores humanitários

Refugiados, recém-chegados com corredores humanitários

Desenho de Francesco Piobbichi, equipe, programa Mediterranean Hope, Federação de Igrejas Protestantes na Itália (FCEI)

Roma (NEV), 28 de março de 2023 – Chegarão ao aeroporto de Fiumicino na quinta-feira, 30 de março, com um voo de Beirute, 58 refugiados e refugiadas sírios que viveram muito tempo nos campos de refugiados do Líbano ou em moradias precárias na periferia de Beirute. Trata-se de famílias que nos últimos meses sofreram uma grave deterioração das suas condições de vida devido à grave crise política, económica e social que assola o país. Entre eles 24 menores que, devido à situação das suas famílias, não puderam frequentar a escola, e alguns que necessitam de cuidados médicos urgentes. Sua entrada na Itália é possível graças aos corredores humanitários promovidos pela Comunidade de Sant’Egidio, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e a Tavola Valdese, em acordo com os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores, que desde fevereiro de 2016 trouxe para o nosso país, só do Líbano, 2.486 pessoas. Ao todo, mais de 6.000 refugiados chegaram à Europa pelos corredores humanitários.
As histórias de quem já chegou mostram que é possível não só salvar quem corre o risco de cair nas mãos dos traficantes de pessoas como também iniciar caminhos de integração. Num momento em que salvar vidas humanas parece cada vez mais urgente, como recordou também o Papa Francisco na recente audiência aos refugiados que chegaram graças aos corredores humanitários, modelo iniciado por Sant’Egidio e pelas Igrejas Protestantes, depois replicado com outras associações como bem, viu, ao contrário, a solidariedade cresce, graças à generosidade de muitos italianos – alguns dos quais até ofereceram suas casas para hospitalidade – e ao seu compromisso voluntário e gratuito.
As famílias que chegarem serão acolhidas em várias regiões italianas e iniciarão um caminho de integração: para os menores com a entrada imediata na escola, para os adultos com a aprendizagem da língua italiana e, uma vez obtido o estatuto de refugiado, a entrada no mundo do trabalho .

A nomeação para acolher os refugiados e um conferência de imprensa eles são definidos às 12 horas quinta-feira, 30 de marçocom chegada para jornalistas até às 11 horas na porta 5 do Terminal 3 partidas de Fiumicino ser acompanhado ao local da conferência.
eles vão intervir marco impagliazzopresidente da Comunidade de Sant’Egidio, marta bernardinicoordenadora do programa migrante da Federação das Igrejas Evangélicas, Manuela Vinayem nome do Tavola Valdese, responsável pelo Otto per mille da igreja valdense, juntamente com representantes dos Ministérios do Interior e das Relações Exteriores.
É necessário inscrever-se até quarta-feira, 29 de março, às 13h00, enviando um email para [email protected]indicando o jornal e anexando cópia de um documento de identificação (não o cartão profissional). É possível utilizar o estacionamento de vários andares (será entregue um bilhete especial de saída no ato do credenciamento)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ecumenismo, a formação da SAE de 25 a 31 de julho

Ecumenismo, a formação da SAE de 25 a 31 de julho

Unsplash foto Roma (NEV), 22 de julho de 2021 – A sessão de treinamento SAE está em andamento. O evento será realizado em Camaldoli, na província de Arezzo, de 25 a 31 de julho de 2021 sobre o tema, já agendado para o ano passado - em 2020 o evento não foi realizado, devido à pandemia -, "Você vai contar ao seu filho " (Ex 13.8). As palavras de fé na sucessão das gerações. Uma busca ecumênica (I). Para permitir uma utilização mais ampla das reportagens programadas para a 57ª Sessão Ecumênica de Formação da SAE, mesmo que não presencial, os principais eventos serão transmitidos em transmissão ao vivo, acessível a todos, no canal da SAE no Youtube. A semana em Camaldoli inclui relatórios no plenário, oficinas, entrevistas, grupos de trabalho, liturgias confessionais e ecumênicas, momentos de convívio e tarde livre para caminhadas na floresta ou visita à ermida. Entre os palestrantes, também o teólogo valdense Paulo ricoo pregador valdense Erica Sfreddaa pastora Ulrike Jourdano pastor batista Lydia Maggia pastora valdense Ilenya Gosso histórico Bruna Peyroto monitor valdense Daniele Parisio pastor valdense William Jourdano pastor batista Ângelo Reginato. Além disso, representantes ortodoxos, pentecostais, judaístas e da Coordenação Teológica Italiana (CTI). Aqui está o link para acessar o programa ao vivo. A SAE é uma associação inter-religiosa de leigos e leigas para o ecumenismo e o diálogo a partir do diálogo judaico-cristão. A principal iniciativa pública da SAE em nível nacional são as sessões anuais de verão de formação ecumênica. Iniciados em 1964, tiveram lugar em diferentes locais: de 1964 a 1967 no passo de Mendola, de 1968 a 1970 em Camaldoli, de 1971 a 1974 em Nápoles, de 1975 a 1998 novamente em Mendola e, finalmente, de 1999 até hoje, em Chianciano. Cada sessão, centrada num tema específico, divide-se em meditações bíblicas, relatórios gerais, grupos de estudo e celebrações litúrgicas. ...

Ler artigo
2 de abril é o Dia da Conscientização do Autismo.  O compromisso valdense e metodista

2 de abril é o Dia da Conscientização do Autismo. O compromisso valdense e metodista

O Dia Mundial de Conscientização do Autismo (WAAD) é celebrado todos os anos em 2 de abril, um evento que vê o compromisso concreto do Otto per Mille da Igreja Valdense em primeiro plano: na verdade, existem mais de 100 projetos que são apoiados financeiramente todos os anos graças às assinaturas dos contribuintes italianos. “Como uma Igreja Valdense, União das Igrejas Metodista e Valdense, e como crentes, ele comenta Manuela Vinay, chefe do Escritório Otto per Mille da Mesa Valdense, estamos empenhados em estar a serviço dos mais vulneráveis: os fundos Otto per Mille nos permitem, portanto, apoiar muitas associações (muitas vezes compostas por pais) que agem para oferecer crianças e para as meninas, uma chance de uma vida melhor. Os projetos dedicados a crianças e adolescentes autistas preocupam-se principalmente com a possibilidade de oferecer oportunidades de socialização para aumentar a autoestima e fortalecer o caminho para a autossuficiência, começando pelas pequenas coisas do dia a dia”. Entre as iniciativas mais significativas relacionadas com o mundo do autismo, o Centro BUM em Pinerolo, na província de Turim, também com sede em Grugliasco, é gerido diretamente pela Diaconia Valdense: "Em acordo e em rede com a ASL e os Serviços Sociais , explica Loretta Costantino, Responsável do Centro, oferecemos projetos de intervenção multidisciplinares para crianças e jovens dos seis aos 12 anos. Graças ao Otto per Mille, podemos ajudar financeiramente as famílias que utilizam serviços não contratados, garantindo o acompanhamento específico dos vários projetos e promovendo a formação contínua e fundamental do pessoal. O apoio de Otto per Mille também nos permite implementar redes territoriais para a criação de novos projetos voltados para a conscientização de uma comunidade inclusiva e aberta à convivência das diferenças”. A Igreja Valdense, a União das Igrejas Metodistas e Valdenses, contribui, como outras confissões religiosas, para a distribuição dos fundos Otto per Mille e optou por alocar todas as contribuições para apoiar intervenções sociais, assistenciais, humanitárias e culturais, na Itália e em o mundo. O Otto per Mille pode ser doado por todos os contribuintes a uma das entidades religiosas com as quais o Estado italiano tenha assinado um acordo, ou ao próprio Estado. O Otto per Mille na verdade funciona como um voto, pois é dividido proporcionalmente ao número de escolhas feitas. ...

Ler artigo
O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

O pastor japonês que ajuda migrantes na Islândia

Roma (NEV), 18 de fevereiro de 2020 - Toshiki Toma, 62, é um migrante que ajuda migrantes. Pastor luterano de origem japonesa, tornou-se “famoso” na Islândia, onde é passado por pessoas que, ao longo dos anos, escolheram a pequena ilha perto do Ártico como destino. Eu meu mim meu O site da Federação Luterana Mundial (FLM) conta essa história singular em uma entrevista com o pastor, que reproduzimos abaixo, traduzida. Toshiki Toma na Islândia "A Islândia aprecia as pessoas", diz Toshiki Toma, sacerdote de serviço especial para a comunidade imigrante na Islândia. Veja nosso vídeo principal sobre o Dia da Soberania da Islândia aqui: Íslands Publicado por RÚV English na segunda-feira, 10 de dezembro de 2018 “Primeiro, conte-nos sobre suas origens no Japão e por que você queria se tornar um pastor. Eu sou o único cristão na minha família, pois a maioria dos meus parentes são budistas ou xintoístas. Fui pela primeira vez a uma pequena igreja luterana no meu bairro de Tóquio quando tinha 18 ou 19 anos e estava procurando um propósito para minha vida. Na universidade, formei-me em ciências políticas e atuei no partido social-democrata e na minha igreja local. Depois de formado, trabalhei na secretaria de educação de um sindicato, onde pude constatar como as pessoas sempre se preocupavam com o futuro, com a velhice ou com os problemas familiares. Percebi que os direitos humanos e o trabalho político podem criar um terreno fértil para o bem-estar das pessoas, mas na verdade não podem criar felicidade, então decidi que queria trabalhar na igreja para ajudar as pessoas a encontrar a verdadeira felicidade. Como sua família reagiu à sua decisão de ser ordenado? Meu pai foi muito aberto sobre essa ideia. Quando lhe disse que queria largar meu emprego e ir para o seminário, ele respondeu: "É melhor trabalhar para Deus do que por dinheiro." Minha mãe não foi tão positiva no início, mas não se opôs à minha decisão e assim fui consagrada há 30 anos, em março de 1990, na Igreja Evangélica Luterana do Japão (JELC). Por que você se mudou para a Islândia? Durante meu último ano de seminário em 1989, fiz um curso de dois meses em Jerusalém, ministrado pela Igreja da Suécia. Lá conheci e me apaixonei por uma pastora islandesa e nos casamos após a minha consagração. Ela veio morar no Japão por dois anos, mas nossa igreja é muito pequena, então não havia possibilidade dela trabalhar como pastora e decidimos nos mudar para a Islândia em 1992. Nos divorciamos em 1999. Eu queria servir como pastor na igreja islandesa, mas não sabia falar o idioma, não conhecia ninguém, exceto a família de minha esposa, e tive que fazer alguns cursos na escola de teologia para me tornar pastor da Igreja Evangélica Luterana. da Islândia. Demorou cinco anos, então trabalhei meio período e aprendi o idioma enquanto procurava outras oportunidades. Agora você trabalha como pastor para imigrantes: que apoio você oferece? Não havia ninguém fazendo esse trabalho antes de mim, mas logo depois que cheguei, em meados dos anos 1990, a imigração começou a crescer, incluindo mulheres da Ásia – Filipinas, Tailândia, Vietnã – que se casaram com homens islandeses. Como mulheres asiáticas, muitas vezes eram tímidas demais para falar sobre seus problemas, mas achavam mais fácil falar comigo, vendo-me como alguém que entendia sua cultura. Muitos não eram cristãos, então, em vez de trabalhar como pastor, comecei como conselheiro para eles, pois não havia outro serviço de apoio em nível estadual ou municipal. Ajudei-os a encontrar trabalho e moradia e tentei ajudá-los a lidar com a discriminação que sofriam com pessoas que não estavam acostumadas a ter contato com estrangeiros. Se alguém não falasse seu idioma, geralmente para os islandeses isso era um sinal de grosseria ou desrespeito para com eles, então um limite nas habilidades linguísticas poderia torná-lo um cidadão de segunda categoria. A Islândia é um país tão pequeno e seu povo tem um forte apego ao idioma. É visto como um símbolo de unidade nacional e eles temem que, se perderem sua língua, perderão sua identidade. Quem são as pessoas que vêm até você para pedir ajuda e isso mudou ao longo dos anos? As coisas mudaram por volta de 2004, quando a Polônia e outros países do Leste Europeu aderiram à UE. A Islândia faz parte do Espaço Econômico Europeu e do Acordo de Schengen e tem feito um grande esforço para oferecer um melhor acolhimento aos imigrantes, por isso, ao longo dos anos, tive a oportunidade de retornar ao meu trabalho normal como pastor, como havia planejado inicialmente . Em 2008 tivemos a grande crise econômica, mas aos poucos as coisas voltaram ao normal por volta de 2012. Alguns anos depois, houve um novo fluxo de requerentes de asilo, vindos da África, América do Sul, Leste Europeu e Oriente Médio. Há entre 800 e 1.000 inscrições por ano e agora trabalho principalmente com elas. Na minha igreja (Breidholts Church International Congregation), 70 por cento das pessoas são do Irã, Iraque e Afeganistão, então eles seriam de origem muçulmana, mas ainda querem assistir aos nossos cultos de domingo e nós os batizamos, se assim o desejarem. Mesmo que não peçam asilo ou que seus pedidos sejam rejeitados, tentamos apoiá-los o máximo possível. Quão receptivos são os islandeses hoje, com os "novos" migrantes? Os islandeses querem ajudar, especialmente famílias com crianças, mas muitas vezes são menos empáticos com os rapazes, então eu os acolho especialmente. Sendo um país tão pequeno, os islandeses também valorizam as pessoas como indivíduos, de uma forma muito diferente do meu Japão, por isso espero que continuem a abraçar o valor único de cada indivíduo. Quando comecei este trabalho, a igreja não entendia totalmente meu ministério e me perguntavam: "Por que devemos ajudar os budistas ou outros?" Agora o bispo da Islândia me apóia muito e até diz que a igreja poderia fazer muito mais. Depois que uma de nossas delegações esteve em Genebra em setembro passado, também estabelecemos um grupo de trabalho para propor mais apoio aos requerentes de asilo no próximo sínodo da igreja. É uma grande mudança em relação a 10 anos atrás e estou muito feliz com isso." ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.