“Uma pessoa que acredita em Deus”

“Uma pessoa que acredita em Deus”

Foto de Pietro Romeo/Reforma

Roma (NEV), 8 de março de 2023 – 10 anos de papa Francisco. A escolha do nome, ligada a um percurso de pobreza. A cruz de ferro em vez de ouro. Apelo urbi et orbi como “Bispo de Roma”. O chamado evangélico ao amor e à misericórdia. A sensação de que uma “transição” estava prestes a se abrir no cristianismo. Esses são apenas alguns dos elementos que caracterizaram as reações do mundo ao novo papa em 2013. Há dez anos, o boletim do NEV e o semanário Riforma reuniram as vozes das igrejas protestantes italianas, européias, mundiais e especialmente latino-americanas.

Na celebração do início do pontificado, no Vaticano, estiveram presentes 33 delegações de igrejas cristãs e do movimento ecumênico. Ao assentamento, pela primeira vez desde o cisma de 1054, também Bartolomeu I, o Patriarca de Constantinopla. E depois, entre outros, Olav Fykse Tveitentão Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), representantes da Federação Luterana Mundial (WLF), da Aliança Batista Mundial e da Conferência das Igrejas Européias (KEK).

O teólogo valdense Paulo rico comentou assim a homilia: “Ternura, amor, atenção ao outro. Todos os temas evangélicos. Belas palavras, que fazem bem a todos nós precisamente porque são as palavras do Evangelho”. O então moderador da Mesa Valdense, pastor Eugênio Bernardini, escreveu uma carta a Francisco, que começava com “Querido irmão em Cristo”. E lembrou-se das semelhanças entre Francisco de Assis E Valdo de Lyon, que na mesma época compartilhou “a ideia de uma Igreja a serviço dos humildes e excluídos, inspirada e renovada pela Palavra de Deus”. Bergoglio já conhecia a igreja valdense, que com a emigração do Piemonte se estabeleceu há mais de um século entre a Argentina e o Uruguai. Uma intensa amizade também ligou Jorge Mario Bergoglio ao pastor valdense Norberto Bertonque faleceu em 2010.

Entre as reações do início do pontificado, a agência NEV recebeu também a do pároco maria bonafedeque esteve no Conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), do pastor batista Gabriela Liodo teólogo Fulvio Ferrario. É um editorial de Sérgio Rostagno, com o emblemático título “Francesco?”. Falou-se de luzes e sombras, das ambiguidades relativas às relações com a ditadura na Argentina, mas também de sobriedade, de esperanças de ecumenismo e de caminhos comuns para a afirmação dos direitos humanos e o combate à pobreza.

Pedimos ao pároco Massimo Aquilanteentão presidente da FCEI, para nos contar sobre o clima daquele momento.

“Lembro-me de três coisas desse período – diz Aquilante -. Imediatamente após a eleição, houve reações cautelosas no mundo protestante que, no entanto, destacou como novidade a eleição de um papa que vem do sul e seu conhecimento dos pentecostais da América Latina. Além disso, houve muitos comentários sobre a escolha de chamar-se Francisco por um jesuíta.

A segunda lembrança está relacionada à conferência com Lúcio Caracciolo, Paulo Naso, Núncio Galantino – presidente da Conferência Episcopal Italiana (CEI) – e outros. Limes havia lançado uma edição monográfica dedicada a Bergoglio. Descobriu-se que o Papa Francisco é uma pessoa que “acredita em Deus”. Como se dissesse que este papa não era simplesmente um político, como Woytila, ou um católico ortodoxo, como Ratzinger. Bergoglio é, portanto, um crente ‘normal’. Isso me impressionou e gostaria de confirmá-lo, por exemplo, pensando nas meditações matinais que o Papa Francisco fez durante a pandemia. Como protestantes, podemos ser tentados a não ouvir um papa precisamente “como papa”, mas me parece que Bergoglio é acima de tudo um homem de fé, e algumas de suas escolhas o demonstram. Portanto, um fio nos liga que diz respeito à nossa pertença comum a Jesus Cristo.

Em terceiro lugar, gostaria de recordar a visita histórica do Papa Francisco ao templo valdense de Turim, onde pediu perdão aos valdenses à Igreja Católica. Gesto que trouxe consigo críticas e oposição interna, que foi seguido por outros, confirmando sua atenção e sensibilidade para com o mundo evangélico e evangélico”.

Em suma, poucos meses depois do Sínodo dos Bispos e na sequência do que se pode definir como um percurso sinodal sem precedentes, pode-se dizer que o balanço de dez anos de pontificado do Papa Francisco é positivo. Aquilante conclui: “Esperávamos uma pessoa que pudesse fazer uma mudança no caminho ecumênico. Depois de dez anos, ele tenta novamente, tendo no coração os temas da misericórdia e da caridade. Os bispos têm uma grande consciência histórica, agora trata-se de levar esta mensagem até a base do catolicismo, especialmente italiano, para uma profunda transformação da teologia e da espiritualidade. Como crentes, de fato, devemos tentar superar as contradições entre altos pronunciamentos, por um lado, e uma população cristã que nem sempre está em sintonia com os tempos, por outro”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia de Martin Luther King Justiça racial, antimilitarismo, reconciliação

Dia de Martin Luther King Justiça racial, antimilitarismo, reconciliação

Roma (NEV), 13 de janeiro de 2023 – Em 15 de janeiro de 1929 nasceu Martin Luther King: Pastor batista, líder dos direitos civis, vencedor do Prêmio Nobel da Paz. Nos Estados Unidos, o Dia de Martin Luther King ocorre todos os anos na terceira segunda-feira de janeiro, justamente para lembrar sua figura e seus ideais. Entre os principais temas do chamado MLK Day estão a não violência e o antirracismo. Na comemoração do Igreja Batista Ebenézer em Atlanta, onde o próprio King foi pastor, o famoso cantor gospel estará presente Yolanda Adams. É também o momento de relançar a campanha #Nonviolence365, para um compromisso civil 365 dias por ano. “Seja um rei”, ele twittou Berenice Kingfilha mais nova de MLK, advogada, pastora, ativista, chefe do Centro que leva o nome do pai. Um apelo ao compromisso pessoal, como a mãe de Berenice, Coretta Scott Kingele definiu o comunidade amada: “uma visão realista de uma sociedade viável“. Uma cultura de “justiça, bondade e justiça que começa com cada um de nós no momento em que decidimos nos envolver com amor, dignidade e compaixão”. E ainda: "Na #BelovedCommunity, o cuidado e a compaixão orientam as políticas e práticas para a eliminação da pobreza, da fome e de todas as formas de fanatismo e violência em todo o mundo". “Na Amada Comunidade, o cuidado e a compaixão impulsionam as políticas políticas que apoiam a eliminação mundial da pobreza e da fome e de todas as formas de fanatismo e violência.” #CorettaScottKing pic.twitter.com/n9CxQDq3wP — Seja um Rei (@BerniceKing) 10 de janeiro de 2023 O mundo precisa de tantos MLKs? Precisamos de heróis? Para onde um Martin Luther King moderno levaria seu olhar, sua luta, seu corpo? Pedimos um comentário Paulo Nasoautor entre outras coisas do livro "Martin Luther King, uma história americana" (ed. Laterza). Paulo Naso escreve: “Pode ser que tenhamos que nos arrepender nesta geração. Não apenas pelas palavras mordazes das pessoas más e pelas ações violentas das pessoas más, mas pelo terrível silêncio e indiferença das pessoas boas que se sentam e dizem: “Espere na hora.” #MLK pic.twitter.com/hvNXW6UIFd — Seja um Rei (@BerniceKing) 12 de janeiro de 2023 Para saber mais: Acesse o NEV FACTSHEET sobre Martin Luther King e o movimento pelos direitos civis. Nesta página do Spotify, uma série de comícios e discursos públicos do pastor batista, ganhador do Prêmio Nobel da Paz. Aqui a entrevista de 15 de janeiro de 2021 a Paulo Nasopor ocasião da publicação do livro "Martin Luther King, uma história americana" (ed. Laterza). Paolo Naso é professor de Ciência Política na Universidade de Roma La Sapienza e coordenador do Conselho para as relações com o Islã no Ministério do Interior. Entre suas funções, também a de consultor de relações institucionais do Mediterranean Hope - Programa para Refugiados e Migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e Coordenador da Comissão de Estudos do Diálogo de Integração da FCEI. ...

Ler artigo
para quem não frequenta a aula de religião católica, um vademecum

para quem não frequenta a aula de religião católica, um vademecum

Foto de Kenny Eliason/Unsplash Roma (NEV/CS14), 30 de maio de 2023 – Tempo de escolhas para quem decide não frequentar a aula de religião católica na escola. A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) recorda isso. De 31 de maio a 30 de junho, de fato, é preciso manifestar preferência por uma das opções alternativas à aula de religião católica. Coincidindo com a abertura das inscrições para o ano letivo 2023/2024, o balcão “Escola, laicidade, pluralismo” da FCEI disponibiliza um novo “manual” para o exercício do direito de não usufruir do ensino religioso católico. O documento oferece "esclarecimentos para uma escolha informada" e analisa as várias opções possíveis. Além disso, aborda a questão do crédito escolar, explicando como e por que o autoestudo também participa da definição dos créditos escolares para o arredondamento da média. A Sportello também está à disposição para auxílio na realização do procedimento online. Em um manual anterior, também online, o Sportello coletou algumas perguntas frequentes sobre o assunto. Caso seja decidida a não utilização do IRC, os alunos e famílias são chamados a proceder a uma nova escolha entre as possíveis atividades alternativas previstas na legislação em vigor. Esta escolha deverá ser efetuada através do preenchimento do formulário C SHEET na função específica do sistema “INSCRIÇÃO ONLINE”, ligado a cada escola, acessível apenas no período de 31 de maio a 30 de junho de 2023 com recurso às credenciais SPID, CIE ou eiDAS. Entre as coisas a saber, para quem escolhe o chamado "horário alternativo", está a obrigação da escola de organizá-lo mesmo que seja para apenas um aluno. Além disso, ao contrário do que se possa pensar, a ativação do horário alternativo não envolve nenhum custo adicional porque a atividade é financiada por fundos ministeriais e não pelos orçamentos de cada escola. Portanto, a escola não pode apresentar razões orçamentárias. Além disso, “Não existe um número mínimo de alunos necessário para a ativação da disciplina alternativa. Mesmo na presença de um único aluno que tenha optado por atividades alternativas de ensino e formação, a escola é obrigada a garantir a efetividade do direito de escolha. Isso significa também que, uma vez designado para lecionar a disciplina alternativa, o professor é obrigado a exercer tal ensino, não podendo ser utilizado pela escola para cobrir faltas ou suplentes que coincidam com o horário letivo da disciplina alternativa. Nenhum impedimento de ordem organizativa, económica ou outra pode ser invocado pelas escolas pelo atraso ou, no pior dos casos, pela não ativação desse ensino”, escreve o advogado. Ilaria Valenzipessoa de contato do Sportello e consultor jurídico da FCEI. Finalmente, a questão dos créditos escolares. Quem não frequenta a aula de religião fica com crédito escolar ou, caso contrário, a sua escolha penaliza-o, subtraindo uma nota à avaliação final? “A este respeito, pretendemos esclarecer alguns aspectos – lê-se no documento -. Sabemos, porém, que as situações individuais variam de escola para escola e, demasiadas vezes, as indicações da lei estão sujeitas a interpretações nem sempre coerentes, acabando por atribuir um peso excessivo à aula de religião”. O julgamento do professor do IRC, no entanto, “não tem valor obrigatório na determinação do quadro final da média geral do aluno. Recorde-se ainda que, caso tenha optado por atividades de ensino e formação (a 'disciplina alternativa'), o professor responsável por esse ensino participará nos conselhos de turma e manifestará a sua opinião sobre o aluno, no da mesma forma que acontece na hora da religião”. Para pedidos de ajuda e mais informações, baixe o novo manual ou escreva para [email protected] ...

Ler artigo
A onda pentecostal e o precipício católico

A onda pentecostal e o precipício católico

Roma (NEV), 25 de julho de 2018 – O ensaio do cientista político Paolo Naso intitula-se “A onda pentecostal e o precipício católico”, publicado na edição de julho da revista geopolítica “Limes”, dedicada a “Francisco e o estado do igreja”. O artigo de Naso está incluído na segunda seção do volume, dedicada aos "desafiadores" da Igreja Católica. E certamente o movimento pentecostal pode ser considerado feroz concorrenteem constante e consistente crescimento na África, mas sobretudo na América Latina, o continente do papa "veio do fim do mundo". Naso mostra como o "penhasco católico" se relacionou com a "onda pentecostal": primeiro com hostilidade aberta (recíproca), mitigada na época do pontificado de Bento XVI "em homenagem à convergência comum em questões éticas: não ao aborto, ao homossexualidade e famílias gays”. Em vez disso, Bergoglio introduziu "uma estratégia de diálogo" baseada nas relações de fraternidade. Segundo alguns, seria uma “teologia da amizade” que “gera consenso a um preço baixíssimo”. Segundo outros, seria "mais uma rendição de um papa muito orientado para o ecumenismo". Naso se inclina para uma terceira análise que vê o diálogo empreendido pelo Papa Francisco como “fruto de uma experiência e reflexão sobre as perspectivas do cristianismo que, projetando-se para o Sul global, acaba interceptando o pentecostalismo em todos os seus quantitativos e qualitativos”. O ensaio recorda as relações do então bispo de Buenos Aires com o mundo pentecostal argentino; o encontro na Itália, em Caserta, com o pároco Giovanni Traettino da Igreja da reconciliação; o pedido de perdão aos católicos que, baseando-se na circular Bufarrini Guidi de 1935 - aquela que definia o culto pentecostal como "prejudicial à integridade física e mental da raça" - perseguiam os pentecostais em nosso país. Em conclusão, de acordo com Naso, “a estratégia de Francisco não é acidental ou instrumentalmente dialógica. Vindo dos 'fins do mundo', onde o pentecostalismo cresce mais rapidamente, o papa argentino sabe bem que seu crescimento também soa como uma crítica às formas tradicionais do catolicismo e a busca de uma espiritualidade à qual as Igrejas estabelecidas parecem incapazes de dar uma resposta". No que diz respeito ao movimento pentecostal, cabe destacar que o último número da International Review of Mission, revista do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), é dedicado à "Teologia Pentecostal da missão" com artigos, em inglês , amplamente assinada por expoentes do mundo pentecostal internacional. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.