Vídeo da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Vídeo da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Alguns frames do vídeo realizado por ocasião da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023

Roma (NEV), 17 de janeiro de 2023 – A unidade no cristianismo passa pela escuta de outras confissões. Essa, em resumo, é a mensagem do vídeo de lançamento da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) que começa amanhã, 18 de janeiro.

O texto bíblico que acompanha a Semana, retirado de Isaías 1.17, é “um convite que o próprio Senhor dirige ao seu povo no contexto de uma invectiva muito dura”, diz o pároco no vídeo Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). “O povo é repreendido por associar adoração com violência e abuso. E Deus diz: ‘Não quero sua adoração. Aprenda a fazer o bem, busque a justiça’. Com estas palavras é como se nos dissessem: cada um deve olhar para dentro de si, para os seus pecados, para juntos percorrermos o caminho da conversão», continua Garrone.

Derio Olivero, bispo de Pinerolo e presidente da Comissão Episcopal para o ecumenismo e o diálogo, afirma que “continuamos sonhando que vale a pena construir um mundo mais justo. Trabalhando a seriedade na construção de relacionamentos”. Dionísio de Kotyeonbispo auxiliar do metropolita ortodoxo da Itália Polykarpos, fala em vez disso como é importante “aprender a ouvir as diversas tradições cristãs, nesta unidade visível que tanto falta no mundo contemporâneo”.

A Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023 terminará no dia 25 de janeiro. Os textos litúrgicos foram preparados pelos irmãos e irmãs das igrejas de Minnesota. O contexto em que foram escritos é o da morte de George Floyd e eles também se concentram na violência sofrida pelos nativos americanos.

O vídeo é editado pelo Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso, dirigido por Maria Amata Calò e a supervisão da Direção Nacional de Comunicação Social. “O vídeo situa a Semana no caminho sinodal e sublinha a sua atualidade, num momento histórico de grande conflito”, escreveu Agensir.


Para saber mais:

Clique AQUI para ver os compromissos na Itália.

Para materiais em italiano clique AQUI. Para outros idiomas, veja abaixo:

Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos

Recursos para a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos 2023

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Tertio Millennio Film Fest 2018. Jovens, estamos aqui

Tertio Millennio Film Fest 2018. Jovens, estamos aqui

Imagine retirado de www.festivalglocal.it Roma (NEV), 13 de novembro de 2018 – São 10 os finalistas do concurso de curtas-metragens dedicado a jovens entre os 18 e os 29 anos, no âmbito do Tertio Millennio Film Fest, um festival de diálogo inter-religioso que se encontra na sua XXII edição. O concurso, intitulado “Estamos aqui – jovens, vontade de participar e procurar sentido” é promovido pela Fundação do Entretenimento (FEdS). Um prêmio dentro do prêmio, aguardando a exposição principal que será realizada em Roma de 11 a 15 de dezembro e que conta com o patrocínio do Pontifício Conselho para a Cultura, do Dicastério para a Comunicação da Santa Sé e do Escritório Nacional para as Comunicações Sociais da CEI , com a participação da Associação de Cinema Protestante"Roberto Sbaffi”, do Centro Judaico Italiano “Il Pitigliani”, da Comunidade Religiosa Islâmica Italiana (COREIS), da INTERFILM, da União das Comunidades Islâmicas da Itália (UCOII), da União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI) e da Igreja Ortodoxa Russa e Georgiana. As finalistas são: “Penelope” de Luca Rabotti“Kintsugi” de Daniel Greco, “Térreo” de Natalino Zangaro, “Pergunte ao Pó” de Elise Battisti, Alberto Castelli, Diletta Dan, Jorge Fabiano, Francesco Luciani, Mateus Vitelli“Inanimado” por Lúcia Bulgheroni, “Ossos” de Lorenzo Pallotta, “Denise” por Inglês Escarlate“La faim va tout droit” de Júlia Canela, “Nosso limite” por Adriano Morelli“Qualquer comércio” por Ricardo Frederico. A batuta passa agora para o Júri presidido por Constância Quatrigliocomposta por 6 jovens expoentes de comunidades religiosas que integram o Tertio Millennio Film Fest: Mustafá Martino Roma, Andrea Bencivenga, Jacopo Balliana, Francesca Romana Bianchini, Valéria Milão, Ben Mohamed Takoua. A entrega dos prêmios, que consistem em ferramentas técnicas de filmagem e edição, acontecerá durante a cerimônia de entrega dos Prêmios RdC, marcada para 14 de dezembro no Cinema Trevi. Os curtas-metragens finalistas foram apresentados em Varese por ocasião do Festival Glocal, na seção Glocal Cinema. #Nós somosaqui estão os 10 finalistasOs curtas-metragens que participarão da fase final do concurso promovido pela Fondazione Ente dello Spettacolo foram anunciados no Festival Glocal de Varese. Cerimônia de premiação em 14 de dezembro em Roma — Cinematografo.it (@cinematografoIT) 12 de novembro de 2018 ...

Ler artigo
olhar para a frente, com confiança e empenho

olhar para a frente, com confiança e empenho

O dia do encontro, realizado em Ampliaçãodividiu-se pela manhã em quatro temas focais no relatório do Comitê Permanente da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI), apresentado através de breves introduções, comentários e testemunhos, alguns momentos de saudações (as intervenções do moderador da a mesa valdense Alessandra Trottado secretário da Federação da Juventude Evangélica da Itália - FGEI - Annapaola CarbonatoDe Stephen Bertuzzi para o conselho da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália - FCEI - e o pároco Dominic Kofi Dansoque conclui seu compromisso na Itália para a Comunidade de Igrejas em Missão - CEVAA) e o culto da tarde, durante o qual os cerca de 120 participantes da Consulta se juntaram aos que acompanham a iniciativa há várias semanas adoração de zoom. Invertendo a ordem do relatório, começamos com "Orçamento e contribuições", e a discussão logo se expandiu para a dimensão de conexão e a relação entre as comunidades locais e os órgãos centrais, entre os quais muitos se queixam de desconexão, falta de confiança mútua. A questão financeira foi obviamente afetada pelas consequências da covid-19, que impedem que se façam previsões, tal como os restantes temas: “Ação social e espaço público”, com os testemunhos sobre a iniciativa Hora do Pequeno Almoço para Sem-abrigo em Milão e Roma e os projetos de formação profissional em Rapolla; “Relações internacionais e ecumênicas”, sobre o qual, além da suspensão de muitos encontros, foi reafirmada a importância da rede internacional em que vivem as igrejas metodistas italianas, e na qual elas podem dar uma valiosa contribuição. Em particular, sobre algumas questões que estão minando a “saúde” do Metodismo internacional (e não estamos falando de cobiça), por exemplo a visão da homossexualidade na Igreja Metodista Unida. “O futuro que nos atravessa”, último tema da manhã e primeiro do relatório, do qual constitui uma espécie de introdução, é também o mais imbuído da complexidade deste período, sem dúvida feito de problemas mas também de oportunidades e descobertas positivas, de que a própria consulta online foi exemplo, assim como o culto que a concluiu, realizado como um culto de renovação de Aliança segundo a tradição metodista. Como sempre, este momento tem encontrado um forte impulso na componente musical, que tem como base a produção de hinos de Charles Wesley: a parte musical do culto da renovação da aliança foi preparada por Anthony Montano e apresentado por Stephanie Gabuyo. A liturgia foi conduzida por membros da Comissão Permanente Samuel Carrare e Alberto Bragaglia e pelo pastor George Enninenquanto a pregação foi realizada em dois momentos pelo presidente, pastor Mirella Manocchioe depois pelo vice-presidente Enrico Bertollini a partir do último capítulo do livro de Josué, o discurso que este último, em Siquém, dirige ao povo de Israel, cuja parte central é a admoestação a temer o Senhor e a servir só a ele e a mais ninguém. “Servir a Deus – disse o Pastor Manocchio – não é fruto da capacidade de Israel, mas é obra de Deus; as pessoas nem sempre estão em condições de servi-lo, mas estão sempre em diálogo com ele, e é precisamente nesta conversa que percebem a manifestação da sua graça”. Bertollini enfatizou o caráter "ciumento" de Deus, que "faz de conta": e o povo só pode aceitar esta escolha, já feita por Ele, escolha que - diz Josué - deve ser feita Hoje, ainda que o resultado da liberdade e da vitória pareça já ter sido definitivamente alcançado. Hoje e todos os dias. Daí o sentido da Renovação da Aliança que fala a todos os evangélicos e da “nova partida”, representada visualmente pelas fotos das comunidades ao som das notas de outro hino. por Alberto Corsani e Sara Tourn (Reforma) ...

Ler artigo
Luteranos.  Reitor Carsten Gerdes no Sínodo Valdense: o arco-íris de Deus

Luteranos. Reitor Carsten Gerdes no Sínodo Valdense: o arco-íris de Deus

O Reitor do CELI, Pastor Carsten Gerdes falou hoje durante os trabalhos do Sínodo Valdense: somos, como protestantes e recordando os cinquenta anos do Acordo de Leunberg, o arco-íris de Deus. O reitor do CELI, acompanhado de sua esposa, Magdalena Tiebel-Gerdes, pároca da Comunidade de Ispra-Varese, trouxe as saudações do CELI, ou melhor, das quinze comunidades luteranas da Itália. Carsten Gerdes recordou as dificuldades que as Igrejas também enfrentaram durante a pandemia. “Nem tudo correu bem – disse Gerdes – perdemos amigos, comunidades, entes queridos, empregos, etc...” Mas talvez, continuou o Reitor, como Igrejas estejamos conscientes de que muita coisa na nossa vida quotidiana precisa de ser mudada. Ser Igrejas pequenas, sublinhou, não nos isenta de rejeitar o apelo ao compromisso com a criação e as alterações climáticas. Recordando o 50º aniversário do Acordo de Leunberg, o Reitor do CELI quis recordar o arco-íris como símbolo do mundo protestante. “Somos um arco-íris que é acima de tudo uma ponte colorida, sempre semelhante mas sempre diferente, que liga as pessoas umas às outras. Um símbolo que nos fala não só das diversidades que convivem e juntas revivem a sociedade, mas do quanto a multiplicidade de cores, sensibilidades e diversidades deve ser defendida por quem a quer reduzir a uma única cor. Por aqueles que querem transformar as nossas sociedades e as nossas comunidades, a Europa, numa fortaleza «monocromática»”. Leia no site do CELI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.