30 anos após a Assembleia Ecumênica Mundial em Seul

30 anos após a Assembleia Ecumênica Mundial em Seul

foto WCC

Por ocasião do trigésimo aniversário da Convocação Ecumênica de Seul (5 a 12 de março de 1990) sobre “Justiça, paz e proteção da criação”, publicamos uma prévia do texto do pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), que será transmitido no próximo domingo, 22 de março, no programa de rádio “Culto evangelico” da Radio1 RAI.


Roma (NEV), 17 de março de 2020 – “Chegou a hora de confirmar nossa aliança com Deus, que também nos une uns aos outros. Vivemos um momento único na história. Toda a vida na terra está ameaçada pela injustiça, pela guerra, pela destruição da criação porque quebramos a aliança com Deus”.

Assim começa a mensagem final da Assembleia Ecumênica Mundial sobre “Justiça, Paz e Integridade da Criação”, realizada há trinta anos em Seul, Coreia do Sul, de 5 a 12 de março de 1990.

Mais de mil pessoas, pertencentes a todas as confissões cristãs, participaram deste grande encontro promovido pelo Conselho Ecumênico de Igrejas; cerca de oitenta italianos, a maioria católicos, apesar de o Vaticano ter recusado o convite para ser co-convidador do evento e ter limitado sua presença oficial a vinte consultores.

A Assembléia concluiu com quatro “Atos de Aliança” e com dez afirmações. Os Atos do Pacto diziam respeito: 1) ao compromisso com uma ordem econômica justa; 2) pela desmilitarização das relações internacionais e por uma cultura de não violência; 3) preservar a dádiva da atmosfera terrestre e combater o efeito estufa; 4) e, finalmente, para erradicar o racismo.

E aqui estão as dez afirmações, todas muito oportunas: 1) devemos prestar contas a Deus de todo exercício de poder; 2) Deus faz uma escolha em favor dos pobres; 3) todos os povos e raças têm o mesmo valor; 4) homens e mulheres são criados à imagem de Deus; 5) a verdade é o fundamento de uma comunidade de seres livres; 6) Jesus Cristo traz paz; 7) a criação é amada por Deus; 8) a terra pertence a Deus; 9) a dignidade e o compromisso dos jovens devem ser reconhecidos; 10) Os direitos humanos são um dom de Deus.

Recordando o aniversário da Assembléia em Seul nestes dias, o pároco Martin Robraengajada há décadas no Conselho Ecumênico de Genebra precisamente no setor “Justiça, paz e proteção da criação”, sublinhou o caráter profético da prioridade dada ao tema da mudança climática, tema que há trinta anos não era de forma alguma moda, muito menos entre as igrejas cristãs.

E recordou a imagem do culto final, com o seu significativo gesto simbólico: participantes de todos os continentes reunidos em torno de uma cruz, segurando nas mãos um grande globo terrestre, “sinal de reconciliação, cura e bênção, mantendo-o unido num equilíbrio frágil”.

Cristãos que se comprometem a apoiar conjuntamente o frágil equilíbrio da terra, portanto: uma imagem e um compromisso sempre presentes, especialmente nestes tempos em que, devido ao coronavírus, vivemos de maneira particular nossa vulnerabilidade em um mundo globalizado.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Centro Inter-religioso para a Paz.  Carta aos Sínodos e associações

Centro Inter-religioso para a Paz. Carta aos Sínodos e associações

Desenho de Anna Contessini retirado de www.cipax-roma.it/galleria_contessini/index.html Roma (NEV), 6 de abril de 2022 - O Centro Interconfessional pela Paz (CIPAX) "recebeu com interesse e esperança a iniciativa da Igreja Católica de lançar uma dupla jornada sinodal, da Igreja italiana e universal, convidando os católicos a ouvir e à participação também de quem não está inserido nas estruturas eclesiásticas, de quem se sente distante, de quem pertence a outra tradição cristã ou professa outra religião, ou não crente”. Com estas palavras, a CIPAX apresenta a sua mensagem aos Sínodos e à Rede Sinodal de associações constituídas para o “caminho sinodal” da Igreja Católica. O ponto de vista da CIPAX expressa sua natureza de associação inter-religiosa comprometida com a paz. “Acreditamos que o networking é em si um valor importante: muitas vezes nossa capacidade de influenciar é enfraquecida pela incapacidade de superar o individualismo, o narcisismo e o egoísmo. Pretendemos, portanto, caminhar juntos. Por isso, além de pedir ao Sínodo dos Bispos Católicos que se abra ao mundo, propomos passos comuns às nossas associações para que tenham mais força e impacto, sobretudo porque uma instituição, religiosa ou não, seja ela qual for, não pode evoluir sem ser empurrado de baixo". A carta é composta por diferentes seções e propõe objetivos e caminhos comuns. “Considera-se essencial que neste percurso haja igual dignidade e respeito por cada componente participante, e que também sejam acolhidos e incluídos os não crentes que queiram partilhar valores e compromissos”, escreve o CIPAX. E acrescenta: “Pretendemos ir mais longe, numa dimensão inter-religiosa que aproxime todos em torno de alguns valores fundamentais. Esses valores para a CIPAX são paz, não violência, respeito aos direitos, igualdade e paridade entre as pessoas, liberdade e justiça, respeito ao meio ambiente. Para a CIPAX, ecumenismo e inter-religiosidade não podem prescindir da paz, e vice-versa”. O documento também fala de secularismo, minorias, não-violência, casamentos mistos, ministérios femininos, hospitalidade eucarística. Além disso, de um ecumenismo feito de escuta, portanto de silêncio e de superação das divisões: “Todos os fiéis devem poder participar das decisões que afetam sua vida e sua fé. Que todos eles sejam mestres e discípulos ao mesmo tempo. A diversidade é aceita como um ativo e não percebida como um obstáculo. Nesse sentido, o ecumenismo pode ser visto como uma projeção para o encontro inter-religioso, onde valores e ações comuns podem ser compartilhados. Práticas espirituais devem ser valorizadas. Diante das dificuldades iniciais imagináveis, é importante abrir espaço para a alteridade por meio da escuta, esvaziando-se de suas certezas para dar espaço ao “outro”, talvez até pelo silêncio que potencializa nossa sensibilidade. Incentivar o ecumenismo e a inter-religiosidade a partir de baixo, abrindo-se ao encontro com as diferentes experiências das associações religiosas para acolher as práticas que permitem avançar num caminho comum entre as diversas Igrejas e religiões. Na Ecúmena, no espaço habitado, recupera-se a dimensão espacial do círculo, numa referência à centralidade do púlpito, onde o centro é a comunidade, ainda que composta. A roda facilita o diálogo, o conhecimento, a inclusão, a partilha”. Baixe o documento completo. Acesse a apresentação da CIPAX. O Centro Inter-religioso pela Paz (CIPAX) é uma associação cultural que desde 1982 promove "a colaboração de forças religiosas e seculares para a construção da paz, da justiça e da proteção da criação". A CIPAX também se comprometeu, desde a sua criação, com o diálogo ecumênico e tem visto muitos protestantes em sua diretoria e entre seus membros. O canteiro de obras foi criado graças à contribuição de Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense. ...

Ler artigo
O grito de Paz.  Em Roma, oração e diálogo entre as religiões do mundo

O grito de Paz. Em Roma, oração e diálogo entre as religiões do mundo

Roma (NEV), 19 de outubro de 2022 - O habitual encontro internacional de oração e diálogo pela paz entre as religiões do mundo, organizado pela Comunidade de Sant'Egidio, será realizado em Roma de 23 a 25 de outubro. Título desta edição: "O grito da Paz". O programa desenvolve-se em várias sessões e fóruns no Centro de Congressos “La Nuvola”. Na terça-feira, 25, dentro do Coliseu, às 16h30, haverá uma oração cristã presidida por Papa Francisco, na presença de representantes das Igrejas e comunidades cristãs. Outras religiões também se reúnem em oração em outros locais da cidade. A cerimônia de encerramento, novamente no Coliseu às 17h, conta com a presença de representantes de religiões e instituições mundiais. Na cota “protestante”, o presidente participa pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI). Daniele Garrone E Paulo Naso, ex-coordenador do programa Mediterranean Hope. Haverá também outros líderes de igrejas reformadas europeias e mundiais, incluindo Parque Jong Chun E Gillian Kingstonrespectivamente Presidente e Vice-presidente do Conselho Metodista Mundial (WMC). Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Olav Fykse Tveit, Bispo, Presidente do Conselho da Igreja da Noruega, ex-Secretário Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC). Junto com eles, também líderes ortodoxos, judeus, muçulmanos, budistas e outros. “Enquanto as tensões e os conflitos se multiplicam no mundo, homens e mulheres de diversas religiões e culturas se encontram para três dias de diálogo e oração, para ouvir o clamor dos povos do mundo e encontrar juntos os caminhos da paz”, lê-se no site da iniciativa. A Assembleia de abertura (23 de outubro) conta com a participação, entre outros, do fundador da Comunidade de Sant'Egidio Andrew Riccardido Presidente da República Italiana Sérgio Mattarellado Presidente da República Francesa Emmanuel Macrondo Presidente da República do Níger Mohamed Bazoumdo Presidente da Conferência Episcopal Italiana Matteo Zuppipelo rabino-chefe da França Haim Korsiado secretário-geral da Liga Mundial Muçulmana Shaykh Muhammad bin Abdul Karim al-Issa. Abaixo, uma seleção do programa geral com os atendimentos reformados. 24 de outubro de 2022 09h30 – A Nuvem FÓRUM 1 – MÃE TERRA: UM PLANETA, UMA HUMANIDADE Mudanças climáticas, crise climática: além das negações, o planeta grita há tempos seu sofrimento, enquanto os eventos extremos, que sempre e cada vez mais afetaram os países mais pobres, também se tornaram a experiência cotidiana dos países mais ricos. Seca, fome, exploração da terra, grandes migrações, poluição, modelos de desenvolvimento. A resposta será global ou uma não resposta. Participe entre outros: Gillian Kingstonvice-presidente do Conselho Metodista Mundial (WMC). 16h30 – A Nuvem FÓRUM 5 – A GUERRA DESAFIA O FUTURO DA EUROPA A Queda do Muro de Berlim deu esperança ao mundo e acelerou o caminho para a formação de uma Europa unida, para uma União como um grande ator global de estabilidade e paz. As guerras não desapareceram, mas multiplicaram-se e a guerra na Ucrânia, por si só, arrisca quebrar a globalização, a cooperação entre países e povos, estilos de vida de forma não ocasional, trazendo as suas terríveis consequências em grande parte do planeta mas também entre os europeus. Muito do futuro da Europa e do seu papel no mundo depende da capacidade de fomentar o diálogo e os caminhos da paz mesmo em tempos de guerra. Participe entre outros: Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). 16h30 – A Nuvem FÓRUM 7 – A PALAVRA DE DEUS GERA SONHOS Na Bíblia, a Palavra de Deus é a palavra que cria, que realiza o que promete e realiza, não está distante da história, é a Palavra-que-faz a história. A história do mundo não é um tempo linear e há épocas em que é mais difícil ver e imaginar um futuro capaz de eliminar os sofrimentos e distorções do presente: "A palavra do Senhor era rara naqueles dias, as visões não eram frequentes” (I Sam. 3, 1). Na Palavra de Deus está também o segredo de não se aplanar no presente e de gerar o futuro com a imaginação de Deus e a sua amizade para cada mulher e cada homem. Participam entre outros: Daniele GarronePresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Parque Jong ChunPresidente do Conselho Metodista Mundial (WMC). 25 de outubro 09h30 – A Nuvem FÓRUM 10 – NINGUÉM SE SALVA: DIÁLOGO E MULTILATERALISMO EM UM MUNDO DIVIDIDO A guerra voltou a entrar com força no mundo ocidental no século XXI. Toda guerra promete ser curta e decisiva, mas todas as guerras se autoperpetuam, abrem-se para cenários impensáveis ​​antes de começarem, imprevisíveis. Dependem das decisões de poucos, mas envolvem todos. A crise alimentar, a instabilidade social e política repercutem-se agora não só nas populações dos países em guerra, nos países vizinhos, mas no resto do mundo, noutros continentes, no diálogo e nas fracturas geopolíticas do mundo . É preciso redescobrir os caminhos do diálogo e do multilateralismo para curar as feridas do mundo e reabrir o gosto pela paz. Participe entre outros: Olav Fykse TveitBispo, Presidente do Conselho da Igreja da Noruega. 09h30 – A Nuvem FÓRUM 13 – A RESPONSABILIDADE DAS RELIGIÕES NA CRISE DA GLOBALIZAÇÃO Nas últimas décadas, a globalização unificou os mercados e aproximou as populações. A globalização inacabada encontrou-se numa luta contraditória pela livre circulação de mercadorias, mas não de pessoas e povos. A globalização quebrou, após um aumento das tensões, com a guerra na Ucrânia e suas consequências. Nunca houve uma globalização do espírito e da solidariedade, ela não cresceu junto com a riqueza produzida, enquanto as desigualdades cresceram exponencialmente. As religiões têm a responsabilidade de ajudar todos a pensarem juntos uns com os outros e não uns contra os outros, além das fronteiras pessoais e nacionais, étnicas, religiosas e sociais. Por uma nova globalização. Participe entre outros: Paulo NasoFederação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). ...

Ler artigo
Anne Burghardt é a nova secretária da Federação Luterana Mundial

Anne Burghardt é a nova secretária da Federação Luterana Mundial

Burghardt assumirá o cargo de novo secretário-geral da FLM no início de novembro, sucedendo o pastor Martin Junge que liderou a comunhão de 148 igrejas nos últimos onze anos. Ela será a primeira mulher e a primeira representante da Europa Central e Oriental a ocupar esta posição de liderança. Após o anúncio, Burghardt disse: “Sinto-me honrado por este grande papel e profundamente grato pela confiança que os membros do Conselho depositaram em mim. Ao aceitar esta responsabilidade muito especial na comunhão, oro pela orientação do Espírito de Deus. Congratulo-me com a oportunidade de trabalhar com o Conselho, igrejas-membro e vários parceiros enquanto a Federação continua a participar da missão holística de Deus. Que Deus abençoe nossa comunhão para que, por sua vez, seja uma bênção para a igreja em geral e para o mundo”. Parabenizando Burghardt por sua eleição, o presidente da FLM, o arcebispo Panti Filibus Musa, ele declarou: “Parabenizo a pastora Burghardt por sua eleição. Desempenhará um papel vital na liderança de nossa comunhão global de igrejas, ajudando a moldar sua jornada contínua e a dar testemunho do Evangelho, trabalhando pela paz, justiça e reconciliação. Burghardt traz sua inestimável experiência e presentes para sua nova função e estou ansioso para trabalhar com ela." Burghardt possui ampla experiência no campo das relações ecumênicas, tendo também atuado como Secretária de Relações Ecumênicas nos Escritórios de Provisão de Genebra da Federação Luterana de 2013 a 2018. Também foi Coordenadora de Conteúdo da XII Assembleia da Federação Luterana Mundial, realizada em Windhoek , Namíbia em 2017, e nas comemorações dos 500 anos da Reforma no mesmo ano. Ele também é membro do conselho de diretores da Conferência das Igrejas Européias (KEK). O pastor Burghardt estudou teologia na Universidade de Tartu, na Estônia, na Friedrich-Alexander-Universität Erlangen-Nürnberg, na Alemanha, e na Universidade Humboldt de Berlim. Ele é mestre em Teologia e atualmente está concluindo estudos de doutorado no campo da liturgia ortodoxa. é casado com Arnd Matthias Burghardttambém ordenado pastor da Igreja Evangélica Luterana da Estônia e o casal tem dois filhos. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.