Conselho Ecumênico: eleito novo Comitê Central

Conselho Ecumênico: eleito novo Comitê Central

Foto Hillerrt/WCC

Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – Em seu sétimo dia útil, a Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) elegeu o novo Comitê Central. Entre os 150 membros que compõem o corpo executivo do CMI, o pastor valdense foi confirmado Michael Charbonnier que já fez parte, desde meados da última legislatura, do Comité Central cessante. A candidatura de Charbonnier foi apoiada pelas igrejas evangélicas da Espanha e de Portugal.

Pr. Michel Charbonnier

“É uma honra e uma grande responsabilidade a nível pessoal – declara Michel Charbonnier -, mas também uma grande oportunidade para as nossas igrejas darem a sua contribuição ao cristianismo global e, por sua vez, serem atravessadas e enriquecidas por ele. Ingressei no Comitê Central no final do último mandato, e logo em seguida nos deparamos com os desafios trazidos pela pandemia para continuar garantindo o funcionamento do Conselho. Foi um período complexo e cansativo mas também um importante campo de treino para compreender bem a sua dinâmica e funcionamento. O meu desejo é que no próximo mandato possamos dedicar menos energia à gestão de emergências, para trazê-los de volta à realização dos muitos projetos importantes que a Assembleia está delineando para o futuro, começando pelos de justiça climática, justiça racial e sexualidade humana ” .

A composição do Comitê Central é definida com base no equilíbrio entre áreas geográficas, afiliações denominacionais, ministros ordenados e leigos, homens e mulheres. Em particular, o novo Comitê vê a presença de 62 mulheres, 19 jovens, 44 leigos, 19 indígenas, 5 deficientes.

Ontem, a Assembleia elegeu seus novos presidentes: 6 para supervisionar as macrorregiões em que o CMI está dividido, 2 para a representação das igrejas ortodoxas. Para os nomes e perfis dos presidentes, clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“A fé e o amor são universais”

“A fé e o amor são universais”

2 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Prof Azza Karam, Secretária Geral de Religiões para a Paz, compartilha saudações à 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema "O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade". Karlsruhe (NEV), 5 de setembro de 2022 - "O amor de Cristo não é apenas para os cristãos, mas também para mim, e eu sou muçulmano". Com estas palavras Azza Karamsecretário-geral das Religiões pela Paz, coalizão internacional de representantes das religiões do mundo dedicadas à promoção da paz, "ganhou" os aplausos e o consenso da audiência plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, reunida na Alemanha desde agosto 31º. Egípcio, mora em Nova York, professor de estudos religiosos em Amsterdã, ex-funcionário da ONU, está à frente do movimento fundado em 1970 ao qual aderem mais de 900 líderes religiosos de 90 países. Nós a conhecemos nos bastidores do evento do WCC em Karlsruhe. Em seu discurso disse que "O amor de Cristo é para todos": o que isso significa? “A mensagem de Cristo é uma mensagem de fé, crença e paz que se aplica a todos os homens e mulheres. Não creio que haja qualquer referência nos Textos que diga que isso se aplica apenas aos cristãos. Mesmo que os diversos grupos e comunidades religiosas sempre tenham se "apropriado" da mensagem do Senhor, isso é normal. Mas isso contradiz o fundamento da mensagem - a revelação divina - que é e é válida para todos os seres humanos. E para todas as criaturas vivas. Quais são os principais desafios do movimento que representa? Religiões pela paz parece um pouco com as Nações Unidas, na verdade representamos todas as grandes instituições de religiões e credos do mundo – mais de uma centena – e por isso, assim como as Nações Unidas, temos uma assembléia geral… É um espaço e trabalho complexo porque cada entidade procura perseguir seus próprios interesses. Resguardar os espaços políticos de qualquer grupo que busque legitimar sua agenda também dificulta nossa missão. Acho que esta é uma das questões cruciais: todos nós vemos o que é o bem comum, mas temos que descobrir como chegar a um acordo sobre o que fazer juntos, como trabalhar juntos para salvar esse mesmo bem comum. Um desafio muito importante é justamente pedir aos nossos líderes que não pensem territorialmente, que não pensem apenas em sua própria igreja ou comunidade. E também temos que lidar com a interferência política, que sempre existiu, mas está crescendo. Acredito que com o colapso das ideologias – neoliberalismo, capitalismo, socialismo, comunismo – as religiões se tornaram cada vez mais uma oportunidade comum de contar histórias para conveniência política. Estamos vivendo a era – um fenômeno ciclicamente repetido – de uma forte aliança, vários tipos de alianças, entre partidos e atores políticos de um lado, instituições e atores religiosos de outro. Esse uso (ou abuso) de símbolos religiosos e religiões pela política é perigoso? Sim, muito, porque a fé não reconhece os limites das nações, a fé é universal. Enquanto a política é feita de limites, fronteiras e limites. Portanto, essas duas línguas são inúteis uma para a outra. Usar as religiões para legitimar uma narrativa política é, por um lado, limitar a ética e o propósito religioso e, por outro lado, armar a fé. O que vimos e estamos vendo na Ucrânia e na Rússia é um exemplo de como é totalmente inconcebível legitimar uma guerra em termos religiosos. Que papel para o Conselho Mundial de Igrejas neste quadro? O CMI tentou sistematicamente estabelecer um diálogo entre os diferentes atores cristãos e ortodoxos. E o desafio para o CMI, assim como para o Vaticano, é entender que o que está acontecendo não é uma questão cristã ou europeia. Duas guerras mundiais começaram na Europa. O que está acontecendo tem consequências dramáticas em termos de vidas humanas, mas também de matérias-primas, alimentos, energia. As tentativas feitas até agora parecem se concentrar em encontrar uma "solução cristã". Mas uma solução cristã para um problema global não pode ser encontrada. Quais são os próximos compromissos das religiões pela paz? Como no mito de Sísifo, procuramos trabalhar juntos para servir juntos, para apoiar os diferentes atores religiosos diante das emergências que continuarão a acontecer, envolvendo as instituições de cada religião e comunidade. Temos que trabalhar juntos, colaborar. O movimento ecumênico é certamente necessário, mas não creio que seja possível sem um movimento multirreligioso e sem diálogo, o ecumenismo sozinho ou o caminho de cada credo individual não será suficiente. Não é tão complicado quanto parece. Quando as religiões trabalham para servir juntas: essa é a cura de que precisamos, essa é a cooperação que nos permitirá salvar o bem comum. Quando cada religião faz por si é como se ferissemos a mão e cada dedo nos machucasse, e tentamos curar um dedo mas não será suficiente, porque teremos que curar a dor que vem do coração, da alma, da mente do nosso corpo. Estamos enfrentando os mesmos desafios de sempre, só que o planeta está ficando sem tempo. Sempre falamos de pobreza, guerras, ignorância, sempre temos os mesmos problemas desde que a humanidade vive neste planeta, mas agora é a Terra que está fora do tempo, porque a estamos destruindo”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Histórias sem fim.  O podcast.  Quaresma ou Tempo da Paixão?

Histórias sem fim. O podcast. Quaresma ou Tempo da Paixão?

Foto Sam Bloom - Unsplash Roma (NEV), 17 de março de 2021 – Este episódio do podcast "NEVerending stories", o podcast da agência de notícias NEV, é dedicado ao tempo da paixão, o período de espera pela Páscoa que na tradição cristã também é chamado " Quaresma". Por que as igrejas protestantes preferem chamar esse período litúrgico de "Tempo da Paixão"? Conversamos sobre isso com o pastor Luke Elderscom o reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau e com Maria Elena Lacquanitida Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. ...

Ler artigo
Piedicavallo (Biella).  O Festival de Música passa pelo histórico templo valdense

Piedicavallo (Biella). O Festival de Música passa pelo histórico templo valdense

foto Wikicommons Roma (NEV), 1 de agosto de 2023 - "Horizontes efêmeros", edição XXXIII da Festival Piedicavallo. Sons, música, conhecimento, num percurso cultural e musical já consolidado no Valle del Cervo, na província de Biella, neste Festival que há anos toca também o templo valdense, como palco de iniciativas e concertos. "Do subsolo das raízes, informe e fértil, onde tudo se origina, de repente uma batida rítmica, emergindo na superfície, deu corpo ao movimento: erguido no ar, o som e a voz sondam a atmosfera rarefeita de uma mudança " lê-se na introdução ao evento, que se desenvolve em três secções distintas: Simbiosi, Fortepiano e Aurora. O templo valdense de Piedicavallo tem uma longa história, diz o presidente do Conselho da igreja valdense de Biella Pedro Magliola (transmitido no culto evangélico na Rádio RAI1 no dia 16 de julho, do minuto '10''31 ao minuto '16''41, link no final da página). “A data de fundação da comunidade valdense remonta a 1888, quando o professor chega à aldeia Elisa Goss e encontrou uma escola. Dois anos depois, em 1890, dos mil habitantes, 77 haviam se tornado membros da igreja valdense”, explica Magliola. Posteriormente, um templo foi adicionado à escola, projetado pelo arquiteto Gay di Susa. Ao longo dos anos, a igreja segue a tendência demográfica. Hoje são cerca de 100 habitantes e a comunidade está praticamente extinta. O templo da pequena aldeia de Piedicavallo, no entanto, apesar de estar fechado nos meses de inverno, no verão é um centro de cultura e um local de culto, em domingos alternados, "Para não abrir mão de seu legado espiritual e material ", diz o presidente. O templo é todo em pedra e foi construído graças ao esforço econômico da população e da comunidade local. Um culto tradicional em Piemonte é celebrado todos os anos. A próxima, que encerra a temporada de verão do templo de Piedicavallo, será realizada no domingo, 27 de agosto. Nascido na onda da discussão conciliar dentro da Igreja Católica, seja para rezar a missa também em dialeto ou apenas em italiano (escolhendo então esta opção), explica Magliola, o culto em piemontês ganha vida graças à paixão de Gustavo Buratti, estudioso e defensor das minorias linguísticas e religiosas. O pastor o segurou inicialmente Ernesto Ayassotdo que com Buratti e com o poeta piemontês Camilo Brero no final da década de 1970, ele também traduziu alguns hinos para o piemontês. Entre os compromissos do Festival Piedicavallo destacamos: Quarta-feira 2, seção Simbiose, classe mestre do musicólogo Jacopo Tomatis sobre "Voz e som na era digital (ou era?).“. Das 15h30 às 18h30, no templo valdense. Sexta-feira 4, seção Fortepiano, concerto "forteou” do mestre Carlo Mascheroni. Aos 18, no templo valdense. Aqui a página do Festival: Culto Evangélico | Culto Evangélico de 16/07/2023 | Rai Rádio 1 | Reproduzir Som ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.