Conselho Ecumênico: eleito novo Comitê Central

Conselho Ecumênico: eleito novo Comitê Central

Foto Hillerrt/WCC

Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – Em seu sétimo dia útil, a Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) elegeu o novo Comitê Central. Entre os 150 membros que compõem o corpo executivo do CMI, o pastor valdense foi confirmado Michael Charbonnier que já fez parte, desde meados da última legislatura, do Comité Central cessante. A candidatura de Charbonnier foi apoiada pelas igrejas evangélicas da Espanha e de Portugal.

Pr. Michel Charbonnier

“É uma honra e uma grande responsabilidade a nível pessoal – declara Michel Charbonnier -, mas também uma grande oportunidade para as nossas igrejas darem a sua contribuição ao cristianismo global e, por sua vez, serem atravessadas e enriquecidas por ele. Ingressei no Comitê Central no final do último mandato, e logo em seguida nos deparamos com os desafios trazidos pela pandemia para continuar garantindo o funcionamento do Conselho. Foi um período complexo e cansativo mas também um importante campo de treino para compreender bem a sua dinâmica e funcionamento. O meu desejo é que no próximo mandato possamos dedicar menos energia à gestão de emergências, para trazê-los de volta à realização dos muitos projetos importantes que a Assembleia está delineando para o futuro, começando pelos de justiça climática, justiça racial e sexualidade humana ” .

A composição do Comitê Central é definida com base no equilíbrio entre áreas geográficas, afiliações denominacionais, ministros ordenados e leigos, homens e mulheres. Em particular, o novo Comitê vê a presença de 62 mulheres, 19 jovens, 44 leigos, 19 indígenas, 5 deficientes.

Ontem, a Assembleia elegeu seus novos presidentes: 6 para supervisionar as macrorregiões em que o CMI está dividido, 2 para a representação das igrejas ortodoxas. Para os nomes e perfis dos presidentes, clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Mulheres em igrejas e comunidades de fé: algo para mudar?

Mulheres em igrejas e comunidades de fé: algo para mudar?

Reconstrução feminina do "Quarto Stato" de Giuseppe Pellizza da Volpedo realizada por professores e alunos do instituto técnico comercial "Giovanni Caboto" de Chiavari - segunda-feira, 15 de janeiro de 2018 Roma (NEV), 5 de fevereiro de 2020 - A Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) - grupo de Milão e o Centro Cultural Protestante de Milão apresentam o seminário "Mulheres nas igrejas e comunidades de fé: algo para mudar?". É um ciclo de 4 encontros, que será aberto na segunda-feira, 10 de fevereiro, para explorar o papel das mulheres nas comunidades judaica e islâmica, nas igrejas evangélicas e na Igreja Católica Romana. “Nas igrejas e nas comunidades de fé existem diferentes ideias sobre a posição que a mulher deve ou pode ter – lê-se no cartaz -. Em algumas tradições religiosas houve notáveis ​​evoluções nos papéis aos quais eles têm acesso. De fato, dentro de sua religião, as mulheres podem ter uma importante função crítica ou proativa: onde assumiram cargos de responsabilidade, ocorreram mudanças significativas na vida e na prática da fé das comunidades. O tempo, as experiências e as reflexões espalhadas pelas diferentes confissões têm questionado as imagens consolidadas e os papéis estereotipados. Uma viagem está, portanto, em andamento. Na maioria das vezes, porém, ainda é uma jornada acidentada e com evidente resistência das comunidades em aceitar o pedido dooutra metade do céu ser mais presentes, mais responsáveis, mais protagonistas”. Os promotores também citam Susan Frederick Gray, presidente da Unitarian Universalist American Association (UUA): “O declínio não é responsabilidade das mulheres. E talvez sejamos a esperança para o futuro”. A perspectiva inicial do seminário, portanto, é que "a liderança feminina é essencial em uma época de declínio para muitas religiões". As reuniões serão coordenadas por Elza Ferrario da SAE e contará com a participação de estudiosos que desenvolverão problemáticas e perspectivas das diversas tradições religiosas. Abaixo está o programa. Baixe o cartaz Mulheres nas igrejas. segunda-feira, 10 de fevereiro de 2020 Mulheres em comunidades judaicas Miriam Camerini, diretor de teatro, estudioso do judaísmo, Milão – Jerusalém segunda-feira, 9 de março de 2020 Mulheres em comunidades islâmicas Marisa Iannucci, Islamologista, presidente da Life Association, Ravenna Segunda-feira, 20 de abril de 2020 Mulheres nas Igrejas Cristãs Evangélicas Elizabeth Greenteólogo e pastor da Igreja Evangélica Batista, Cagliari segunda-feira, 11 de maio de 2020 Mulheres na Igreja Católica Romana Maria Soave BuscemiBiblista, Centro Ecumênico de Estudos Bíblicos, Brasil Os encontros serão das 18h às 19h30 na Livraria Claudiana – Via Francesco Sforza 12/a – 20122 Milão – entrada livre ...

Ler artigo
Migrantes, eu era estrangeiro: são necessários canais de entrada acessíveis

Migrantes, eu era estrangeiro: são necessários canais de entrada acessíveis

Roma (NEV), 7 de março de 2023 – A campanha Eu era estrangeiro, à qual também adere a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), intervém sobre a tragédia de Cutro. “Nos últimos dias houve apelos, com diferentes tons, à necessidade de gerir os fluxos migratórios e garantir a possibilidade de chegar a Itália de forma segura – lê-se numa nota hoje divulgada -. Como campanha fui estrangeiro, hoje sentimos a necessidade de esclarecer, na grande confusão de títulos, declarações, análises apressadas a que assistimos, sublinhando alguns pontos firmes da nossa visão quanto ao tema da entrada para trabalho que é o área com a qual lidamos.O primeiro ponto fixo é a obrigação – nacional, europeia, internacional – de garantir às pessoas que fogem canais seguros e dedicados que lhes permitam ser acolhidas e encontrar proteção. Por outro lado, no que diz respeito aos fluxos de trabalho, desde 2017, pedimos uma alteração profunda ao atual sistema de entrada, mais de vinte anos após a sua introdução, uma vez que não funciona, é de difícil acesso para homens e mulheres trabalhadoras, não consegue satisfazer as exigências do mundo produtivo - como sublinham as associações patronais de muitos sectores - e continua a criar e alimentar irregularidades e trabalho não declarado. Este é o segundo ponto fixo: hoje só pode entrar na Itália quem já tem contrato e exclusivamente dentro das cotas e setores de trabalho definidos pelo decreto de fluxo, não com base nas necessidades concretas das empresas. Na prática, o empregador deve enviar o trabalhador do exterior já com o compromisso de contratá-lo, mesmo que – presumivelmente – nunca o tenha visto. Além disso, não há como contratar e legalizar uma pessoa já presente na Itália, mas sem documentos, com quem talvez você já tenha uma relação de trabalho informal (como costuma acontecer no cuidado e no trabalho doméstico). Outro ponto fixo de nossa análise: o verdadeiro método de recrutamento e estabilização na Itália foi e continua sendo o recurso às anistias periódicas, como vimos a partir de 2002. Uma negação de facto das escolhas políticas feitas até agora e uma admissão de impotência”.Face a tudo isto, “pensamos que não são suficientes os ajustamentos mínimos feitos recentemente ao decreto de fluxos que, embora confirmem o aumento de quotas já previsto no ano passado, não põem em causa o mecanismo excessivamente rígido. Já a campanha Eu era um estranho propõe uma abordagem pragmática, que parte do que acontece na realidade. Identificamos duas intervenções de reforma: a introdução de canais de entrada mais flexíveis (como a introdução da figura do patrocinador ou de uma autorização de procura de emprego) que sejam verdadeiramente acessíveis aos trabalhadores de países terceiros e que, ao mesmo tempo, respondam a as necessidades do nosso mundo produtivo. Outra intervenção fundamental: a possibilidade de regularizar as pessoas já presentes na Itália se tiverem disponibilidade de trabalho, com um mecanismo de regularização individual, sem necessidade de nova anistia. Acreditamos que estes são os únicos caminhos a seguir para tentar limitar o uso de viagens com risco de vida e devolver a dignidade a quem, mesmo sem autorização de residência, contribui para o progresso social e económico do país. Oferecemos ao governo e a todo o parlamento essas ferramentas, resultado de anos de trabalho conjunto de inúmeras organizações e de discussões com os territórios e o mundo produtivo. Além das restrições às licenças: o objetivo comum só pode ser, finalmente, aquela reforma evocada por todos, mas nunca perseguida até o fim”. A campanha Eu era estrangeiro é promovida por: Radicais Italianos, Fundação Casa da Caridade “Angelo Abriani”, ARCI, ASGI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, CILD, Fcei – Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, Oxfam Italia, ActionAid Italia, ACLI , Legambiente Onlus, ASCS – Agência Scalabriniana de Cooperação para o Desenvolvimento, AOI, com o apoio de numerosos prefeitos e dezenas de organizações. Para informações e contactos: [email protected] ...

Ler artigo
Crianças e guerra

Crianças e guerra

Foto de Rene Bernal, unsplash.com Roma (NEV), 6 de junho de 2022 - O Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) está organizando a reunião por videoconferência "As crianças e a guerra" na quarta-feira, 15 de junho de 2022, de 6 a 20h dirigida aos monitores das catequeses das igrejas evangélicas e a todos os interessados. A reunião será aberta com uma meditação do pároco e secretário executivo da FCEI Luca Baratto. Seguem-se as intervenções do professor da Universidade de Turim Bruno Maida, autor entre outras coisas do livro "A infância nas guerras do século XX"; o porta-voz da Unicef ​​​​Itália Andrea Iacomini; e a secretaria escolar de Emergência. Moderado Elena Ribet, agência de notícias Nev. Notícias do Evangelho. Para participar do encontro é necessário se inscrever preenchendo o formulário de inscrição online no link: O prazo para inscrições é até segunda-feira, 13 de junho de 2022. O link de convite para participar da reunião será enviado um dia antes da reunião. O cartaz do evento Para mais informações, entre em contato com o escritório da SIE em: [email protected] ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.