De guerras e pazes, ocupações e direitos.  O mundo em Karlsruhe

De guerras e pazes, ocupações e direitos. O mundo em Karlsruhe

Cole Keister, unsplash

Karlsruhe (NEV), 2 de setembro de 2022 – O elefante na sala é a questão ucraniana. Ou melhor, o que as igrejas cristãs decidirão fazer e dizer, depois das posições assumidas pelo patriarca de Moscou Kirill e seu apoio a Putin. Enquanto se aguarda o resultado final da cúpula em Karlsruhe, hoje, na XI Assembléia Geral do Conselho Mundial de Igrejas, oArcebispo Yevstratiy de Chernihiv e Nizhyn da Igreja Ortodoxa da Ucrânia (aqui o texto de seu discurso).

Mas, além dessa guerra, o evento internacional ocorrido na Alemanha é catalisador de muitos outros conflitos, de muitas outras vozes que falam de ocupações e direitos negados. Mas também de esperança e de possibilidade de “reconciliação”. Nós conhecemos alguns.

Palestina

Rifat Kassis é um conhecido ativista cristão palestino nascido na Cisjordânia, expoente do Kairos Palestina, movimento nascido do “Documento Kairos”, que defende “o fim da ocupação israelense e a obtenção de uma solução justa para o conflito”. O que eles querem é “criar consciência sobre o que está acontecendo na Palestina, mas também dar esperança às pessoas: a situação vai mudar, a ocupação vai acabar, o sistema de apartheid criado e fortalecido nos últimos anos deve chegar ao fim, para que haja um justo paz na região. Estamos aqui para pedir ao CMI que adote uma nova política – disse Kassis – que reconheça a situação no terreno, a urgência do que está acontecendo e a necessidade de acabar imediatamente. Deve chamar as coisas pelo nome. Considerando que muitas organizações internacionais de direitos humanos definem Israel como um sistema de apartheid (aqui a declaração da Anistia Internacional, ed) isso deve parar: a pré-condição para a paz é esta. Estamos aqui para fazer lobby por uma resolução que pode ser uma Roteiro pela paz”.

A solução do ‘dois estados, dois povos’, para o expoente de Kairós, deve ser superado. “Os fatos no terreno mostram que não funciona. Todas as soluções propostas até agora falharam, porque todas falharam em tornar a realidade clara, a situação deve ser considerada indo à raiz do problema. Queremos começar a partir daí. Não estamos aqui para decidir, não somos políticos, não estamos aqui para dar respostas ou propor soluções. Mas o condição sine qua non pois uma solução certa é parar de nos iludir com soluções que não são viáveis. Nós conversamos sobre isso nos últimos quarenta anos e nada aconteceu…”

O que as igrejas podem fazer? “Muitas igrejas já estão fazendo muito. Por exemplo, eles boicotam produtos, firmas, empresas, bancos que se beneficiam da ocupação. Mas, mais importante, as igrejas podem ter uma voz mais ética e não ceder a políticos corruptos. As igrejas – se quiserem – podem desempenhar um papel e é o da ética, da moral, dos princípios baseados na humanidade. Ambos podem atuar, com desinvestimentos e boicotes, mas também ser uma voz ética. Como palestinos, nossa maior esperança hoje está na sociedade civil, nas mãos dos povos, porque infelizmente todos os governos estão muito distantes… Todos os governos ocidentais, os EUA, os países europeus estão financiando e apoiando a ocupação e dando imunidade a Israel fazer o que quiser, ignorando os direitos humanos e o direito internacional… Queremos rejeitar a desumanização do povo palestino. Eles tentam silenciar nossa voz, distorcer os fatos aos olhos do público e “assustar” as pessoas com anti-semitismo: qualquer crítica imediatamente se torna uma forma de anti-semitismo e para mim aterrorizar as pessoas e negar-lhes o direito de falar e se expressar, isso é terrorismo”.

Observação. Qual é a posição do CMI sobre Israel e Palestina? Em uma declaração pública do Comitê Central do CMI datada de 18 de junho, há um “pedido pelo fim da ocupação e pela igualdade de direitos humanos para todos” na Terra Santa. O WCC reconheceu o Estado de Israel desde a sua criação em 1948, afirmou as garantias das Nações Unidas para sua existência, reconheceu o direito de Israel de proteger seu povo sob a lei internacional e manteve as garantias da integridade territorial de Israel e de todas as nações da região. O conselho sempre pediu o fim da violência, denunciou todas as formas de anti-semitismo, pediu o fim dos assentamentos ilegais nos Territórios Palestinos Ocupados e promoveu uma solução negociada de dois Estados para o conflito. O CMI nunca pediu um boicote econômico ao estado de Israel, mas trabalha com igrejas e outras organizações para uma paz justa na Palestina e em Israel por todos os meios não violentos possíveis, políticos e diplomáticos. O WCC não promove boicotes com base na nacionalidade neste ou em qualquer outro contexto. Nem defende medidas econômicas contra Israel. No entanto, ele tem uma posição política de longa data favorável ao boicote de bens e serviços dos assentamentos (considerados internacionalmente ilegais) nos Territórios Palestinos Ocupados.

EUA

Tawnya Denise Anderson é pastor da Igreja Presbiteriana nos Estados Unidos, serve em Kentucky, mora perto de Washington DC e faz parte do conselho da Missão Presbiteriana.

“Para mim é a primeira assembléia do CEC e é fascinante. Depois da pandemia é bom discutir tantos assuntos cruciais, nos reencontrar e perceber como cuidamos uns dos outros”, declara.

Sobre o direito ao aborto nos EUA, “como uma igreja presbiteriana dos EUA, há muito apoiamos o direito ao aborto e a saúde reprodutiva das mulheres. Claro que não somos monolíticos, também entendemos que dentro de algumas de nossas tradições existem pessoas que não pensam como nós sobre o aborto – elas são uma minoria em nossa denominação. Mas para a maioria de nós, a questão do aborto se enquadra na saúde reprodutiva e no direito de acesso aos cuidados. Continuamos esta batalha pelos direitos das mulheres, por meio de nossos escritórios em todo o país, e apoiamos outras denominações que o fazem localmente”. As igrejas europeias e mundiais podem fazer alguma coisa? “Enquanto isso, junte-se a nós em orações. Mas também nos ajude a arrecadar dinheiro para pessoas que precisam viajar para acessar o atendimento ao aborto, de um estado para outro. E podem conversar com seus governantes, fazer pressão sobre a situação nos Estados Unidos e a decisão da Suprema Corte de ser criticada em todos os níveis”.

O direito à saúde se confunde com os desafios do movimento Vidas negras importam. “Nossa denominação é 90% branca e temos uma longa história de ação não violenta, defesa, engajamento e testemunho ao lado de movimentos antidiscriminatórios. E sabemos, por exemplo, que é sobre os negros que a reviravolta do STF terá as piores consequências, sobre pessoas que já vivenciavam profundas desigualdades no acesso ao sistema de saúde, famílias negras, núcleos mais pobres e vulneráveis: é um tema, o do aborto, portanto não só de justiça de gênero e saúde, mas também de justiça racial, como costuma acontecer”.

Cuba

Edelberto Juan Valdese Fleites é pároco da Igreja Presbiteriana Reformada de Cuba e está em Karlsruhe junto com uma delegação de onze pessoas que representam diversas comunidades cristãs da ilha. Para o expoente cubano, o evento atual fala de “reconciliação, diálogo, entendimento e estamos celebrando esta assembleia em um mundo onde tudo isso falta. Todas estas palavras são fundamentais também para a Igreja cubana. Temos muitas dificuldades económicas, e como viver a unidade, o diálogo, o entendimento e a reconciliação numa sociedade com tantos problemas? As razões dos problemas de Cuba têm razões complexas: uma delas, há sessenta anos, é a bloqueio econômico-financeira mantida pelos EUA contra Cuba, e há um problema de nossa eficiência, dentro de nosso país, de tantas coisas que não funcionam. O que procuramos fazer é ajudar a população por meio de diversos projetos sociais, desde a purificação da água até o atendimento a idosos e crianças. Acima de tudo, tentamos dar esperança às pessoas e resolver os problemas das pessoas, tanto quanto podemos como igrejas”. O diálogo é um valor para as igrejas cubanas e o cultivam também com o Partido Comunista de Cuba, “o único partido que temos. Existe um gabinete ad hoc que trata precisamente das relações entre as igrejas e os órgãos e órgãos do Estado, e também resolve muitos problemas práticos – como, por exemplo, a renovação e manutenção dos edifícios das igrejas – em vários domínios. Existe um diálogo, nem sempre é fácil mas não deixa de ser um espaço de discussão e sobretudo de escuta, o que é importante”.

A delegação cubana pedirá ao CMI uma posição contra o embargo, que afeta “não tanto o governo quanto a população cubana. Gostaríamos de uma mudança na política dos Estados Unidos em relação a Cuba, para ter uma vida menos cansativa. E gostaríamos que as igrejas e a opinião pública falassem do povo cubano. O bloqueado está nos separando e o tema desta assembléia é precisamente a reconciliação: nunca podemos ser iguais, mas pelo menos podemos viver em diálogo dentro da diferença”.

Uruguai

Rogelio Dario Barolin é pastor da Igreja Valdense de Rio de la Plata, ordenado em 1999, nos últimos seis anos é secretário da Aliança de Igrejas Presbiterianas Reformadas da América Latina. Nessas redes, tenta-se “ligando a economia à teologia“.

Por isso, nos últimos anos, a campanha #ZacTax foi lançada também na América Latina, depois de outros continentes, “em nome da figura e seguindo o exemplo de Zaqueu, por um modelo tributário justo e capaz de reparar as injustiças que eles foram criados”. Porque “a economia não é apenas uma ciência que lida com números, mas tem um valor e deve ter a ver com o que é ético e certo. E também nos diz o que, como sociedade, toleramos ou aceitamos, em termos de injustiça.” Diferentes modelos serão estudados e propostos para cada país, dependendo dos contextos e leis vigentes.

Quanto ao papel das comunidades evangélicas na sociedade, sendo “um lugar onde as pessoas podem ser acolhidas e acompanhadas, este é um dos desafios mais importantes para as igrejas protestantes. Temos uma capacidade de resiliência muito grande e uma teologia que responde a muitas necessidades deste tempo; o problema é como se comunicar. Muitas vezes viemos dos guetos, mas é como se voltássemos para lá, trancados num gueto, sozinhos”.

Finalmente, no Uruguai, “há um declínio nas questões de direitos, há uma crescente criminalização do protesto social, nos anos pós-covid a distribuição da riqueza se polarizou, a desigualdade aumentou e os problemas das pessoas se agravaram mais vulneráveis… muito a fazer”.

Para mais informações sobre a campanha #ZacTax:

O planeta

Há outra guerra esquecida ou talvez negada como tal e é a da humanidade contra a Terra. Realizou-se hoje na cidade alemã uma – bastante pequena face ao número de pessoas presentes na Assembleia da CEC – manifestação de protesto, a propósito do #FridaysForFuture, com uma procissão que chegou à entrada da cimeira ecuménica, discursos de jovens e activistas, cânticos e dançando pelo meio ambiente. A fé, lê-se num dos cartazes dos jovens na procissão, é verde.


As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Especial Karlsruhe// Dorothee Mack, “um coração para o ecumenismo”

Especial Karlsruhe// Dorothee Mack, “um coração para o ecumenismo”

4 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Um serviço ecumênico com protestantes, católicos evangélicos da igreja livre e comunidade de língua farsi em Schlosshof Ettlingen na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema "O Amor de Cristo Leva o Mundo à Reconciliação e à Unidade". Karlsruhe (NEV), 8 de setembro de 2022 – Dorothee Mack é teólogo e pastor valdense, há pouco mais de um ano em Karlsruhe, cidade que sediou a décima primeira Assembleia do Conselho Ecumênico de Igrejas, após mais de dez anos de serviço pastoral na Igreja Evangélica Valdense de Milão. E foi de certa forma a "dona da casa" – no sentido mais acolhedor do termo – da delegação italiana que participou da semana de trabalho na Alemanha. 4 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Um serviço ecumênico com protestantes, católicos evangélicos da igreja livre e comunidade de língua farsi em Schlosshof Ettlingen na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”. Como foi a jornada das igrejas locais rumo ao evento WCC/WCC? “Tenho um 'coração para o ecumenismo' e por isso já durante o ano de preparação para a assembléia dediquei vários serviços, cerca de um por mês, aos convidados da Ecumene. Por exemplo, fiz um culto sobre a liturgia da renovação do pacto, que é metodista, e disse a mim mesmo 'vamos dar a conhecer à comunidade daqui', justamente para explorar as mil formas de expressar o cristianismo. Seguimos, portanto, este caminho de aproximação à assembléia e também de entrevistas, primeiro online e depois no jardim da igreja, com convidados ecumênicos, como um jovem protestante da República Tcheca, com o pároco William Jourdan da Mesa Valdense, da Itália, e outros. Durante os dias da Assembléia de Karlsruhe, "realizamos culto ecumênico em nosso bairro, com convidados da Itália, almoço de domingo com o Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, e com Juliano Savinadiretor da Unedi – Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da CEI”. Além disso, todas as manhãs Mack participava do coro da assembléia, com cantos, músicas e orações "de todo o mundo". Para o pároco valdense, o evento na Alemanha foi “um mergulho na interculturalidade, que vivi muito na igreja de Milão. É bom estar no meio de pessoas que vêm de todo o mundo, talvez tenham havido poucas oportunidades de aprofundamento, mas também momentos verdadeiramente preciosos. Numa dessas noites, por exemplo, através de uma jovem voluntária de nossa comunidade que se disponibilizou para organizar o encontro, recebemos um telefonema de um bispo anglicano da Tanzânia; no final foi adicionado ao nosso jantar e passamos uma noite todos juntos, com os voluntários da comunidade. Um bom momento de partilha”. ...

Ler artigo
Novo site da Conferência das Igrejas Europeias

Novo site da Conferência das Igrejas Europeias

Roma (NEV), 24 de março de 2023 - Está online o novo site da Conferência das Igrejas da Europa (KEK), "uma casa de comunicação da comunidade eclesial europeia, que conta as histórias e o trabalho da CEC e convida todos a participe", lê-se no comunicado de lançamento. O novo logotipo da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) Um novo design, um novo logotipo e maior segurança contra ameaças de hackers são as principais novidades. “Tornar a vida e o trabalho do CEC mais visíveis e acessíveis” “Este é um passo significativo em termos de visibilidade e acesso para as igrejas membros, conselhos nacionais de igrejas, organizações parceiras e todos os interessados ​​em seguir o CEC”, disse o secretário-geral do CEC Jørgen Skov Sørensen. “O novo site oferecerá espaço para as últimas informações sobre nossas atividades e iniciativas, especialmente em vista de nossa Assembleia Geral em junho – acrescentou -. Enquanto isso, o KEK continua o diálogo com as instituições políticas europeias e explora questões teológicas na esfera pública”. No site, com uma estrutura simplificada, é possível encontrar matérias envolventes, as últimas notícias, fotos, vídeos, documentos e arquivos. Naveen Qayyumgerente de comunicações da CEC, disse: "O novo site é um trabalho em andamento e suas sugestões são bem-vindas." “O CEC continua seu trabalho de construção da paz e reconciliação. Nesta jornada, o site da CEC servirá como uma ferramenta de comunicação chave para fornecer recursos inspiradores”, acrescentou Qayyum. Uma seção especial é dedicada à próxima Assembléia Geral do CEC em Tallinn. Outra seção também coleta as iniciativas das igrejas para a Ucrânia continuarão: solidariedade ecumênica entre as igrejas européias, orações pela paz e notícias relacionadas. Para mais informações contacte Naveen Qayyum – Tel. +32 486 75 82 36E-mail: [email protected]: www.ceceurope.orgFacebook: www.facebook.com/ceceuropeTwitter: @ceceuropeYouTube: Conferência de Igrejas ...

Ler artigo
Aliança Batista Mundial.  Mackey é o novo presidente

Aliança Batista Mundial. Mackey é o novo presidente

Roma (NEV), 30 de julho de 2020 – O novo presidente da Aliança Batista Mundial (BWA) é argentino. é sobre o pastor Tomas Mackeyque foi eleito em 23 de julho e cujo mandato será de cinco anos. Mackey foi reitor do Seminário Teológico Batista Internacional em Buenos Aires, Argentina, de 1993 a 2004, e é professor desde 1979. Dirige a Fraternidade Pastoral da Associação Batista Argentina (ABA), foi Secretário Executivo da Juventude Batista Argentina de 1976 a 1978, e é Conselheiro Juvenil da Associação Batista Argentina desde 2005. Foi membro fundador da Aliança Cristã de Igrejas Evangélicas da República Argentina (ACIERA), membro fundador e atual membro do Conselho de Administração do Fórum Social Ecumênico, bem como membro do Conselho de Administração da Kairos Fundação de 1988 a 2004 e membro do Conselho de Administração da Sociedade Bíblica Argentina de 2004 a 2008. Ele atua no pastorado desde 1978 e desde 1988 é pastor da Igreja Batista de Buenos Aires, Argentina. “A Global Baptist Alliance abriu meus olhos para o mundo”, disse Mackey. Estou ansioso pela oportunidade de continuar servindo ao Senhor e à família BWA nesta função e convido todos a se juntarem a mim para experimentar a bênção de servir ao Senhor e à família batista em todo o mundo”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.