Decreto de imigração, eu era estrangeiro: provisão inadequada

Decreto de imigração, eu era estrangeiro: provisão inadequada

Roma (NEV), 4 de maio de 2023 – O decreto do governo sobre imigração agora é lei. Para as organizações que promovem a campanha Eu era estrangeiro, que também é membro da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, “isso não é uma boa notícia”. Segundo Ero Straniero, seria uma medida: “inadequada face às entradas de trabalho no nosso país dado que, apesar das proclamações sobre o aumento regular dos fluxos, das promessas ao mundo produtivo carente de mão-de-obra e das intervenções mínimas para maior agilidade dos procedimentos, o sistema de contratação de estrangeiros continua sendo o, insuficiente e ultrapassado, de vinte anos atrás. Nem mesmo os previsíveis resultados do click day de 27 de março do ano passado, com mais de 240.000 pedidos de emprego contra 82.000 vagas disponíveis, serviram para pressionar o governo a dar um passo à frente e permitir que todos os empregadores que o solicitassem pudessem contratar o homem e trabalhadoras de que precisam nos próximos meses; desumano porque limita o acesso à protecção especial e priva milhares de pessoas que já se encontram em Itália e que aqui construíram relações e estabeleceram laços familiares e laborais, da possibilidade de sair da invisibilidade, obrigando-as novamente a viver na precariedade e provocando a criação constante de irregularidade; ilegítimo porque o respeito pela vida privada e familiar é um direito consagrado no artigo 8.º da Convenção Europeia dos Direitos do Homem (CEDH) e o nosso país tem a obrigação de assegurá-lo e não de negá-lo, como de facto prevê a intervenção do Governo sobre proteção especial; inúteis porque continuamos, já há vinte anos, a iludir-nos de que basta construir CPR em todas as regiões e aumentar os tempos de detenção para resolver o problema da irregularidade, quando já se constatou que o número de repatriamentos efectuados todos os anos é muito menor do que o número de pessoas mantidas nessas estruturas onde o abuso e a violência estão na ordem do dia; errado e contraproducente em termos de inclusão e segurança social porque o sistema de acolhimento é intervencionado cortando serviços e impedindo o acesso ao circuito SAI e o acolhimento generalizado de requerentes de asilo: o governo opta por negar o precioso trabalho de autarcas e organizações da sociedade civil nos últimos anos para uma acolhida voltada para a inclusão nos territórios das pessoas que chegam à Itália e se casa com a abordagem míope e perigosa dos decretos Salvini de 2018 porque se pretende criar precariedade, invisibilidade, exploração, com o objetivo de transformar imigração um problema, um bicho-papão a abalar e não uma oportunidade para a sociedade”.

Por isso, hoje a campanha renova seu compromisso de “reformar a gestão dos fluxos migratórios em nosso país e garantir aos estrangeiros que aqui vivem e trabalham dignidade, oportunidade e participação”, conclui uma nota divulgada hoje por Ero Straniero.

artigo anteriorVocê não está sozinho! Evangelização e direitos das mulheres
Próximo artigoA fabrica

Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Montagem CEC.  Europa, um projeto de paz que começa no Oriente Médio

Montagem CEC. Europa, um projeto de paz que começa no Oriente Médio

O arcebispo de Canterbury, Justin Welby, na assembléia da CEC. Foto CEC. Novi Sad, 4 de junho de 2018 – O medo é o maior obstáculo que o testemunho cristão deve superar na Europa. É em torno dessa ideia que girou o discurso do arcebispo de Cantuária, Justin Welbyna Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio - 5 de junho). Falando ontem, 3 de junho, dedicado ao tema da presença e testemunho das igrejas na Europa, Welby recordou como a Europa se encontra numa situação de fragilidade, obrigada a enfrentar múltiplos desafios entre os quais, acrescentou, o “Brexit não é o mais insidioso ”. Referindo-se ao modelo de vida cristã do monaquismo beneditino, Welby propôs uma ideia da igreja como uma “comunidade santa, baseada no amor mútuo, no serviço e na hospitalidade. A presença e o testemunho cristão devem apresentar-se como voz de unidade e reconciliação mais forte que o poder divisor” das forças centrífugas dos novos nacionalismos e soberanias. Bispo Petra Bosse-Hube; foto CEC. o bispo Petra Bosse-Huber da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD), destacou como a Europa é um projeto de paz nascido para superar as hostilidades que historicamente opuseram as nações do continente. “Desse ponto de vista, a Europa tem sido bem-sucedida. E, no entanto, hoje, é extremamente difícil comunicar esta dimensão do projeto europeu a uma sociedade que considera a paz uma condição dada como certa e garantida em si mesma, e desconhece que deve ser preservada”. Arquimandrita Alexi Chehadeh; foto CEC. "No entanto, a paz da Europa começa no Médio Oriente", retorquiu o arquimandrita na discussão que se seguiu às duas intervenções Alexi Chehadeh, diretor do Departamento de Relações Ecumênicas e Desenvolvimento (DERD) do Patriarcado Grego Ortodoxo de Antioquia, que opera como uma ONG com sede em Damasco. Chehadeh, sublinhando a importância de uma visão europeia capaz de olhar para as múltiplas crises do Médio Oriente, lançou um apelo às Igrejas e instituições do nosso continente para que apoiem a «permanência dos cristãos nos lugares onde nasceu a nossa fé». A Assembleia também foi saudada por Bartolomeu IPatriarca Ecumênico de Constantinopla, através de carta lida pelo Metropolita Emanuel da França. Impossibilitado de estar presente em Novi Sad, o vice-presidente do Parlamento Europeu, Mairead McGuinnessenviou uma mensagem em vídeo à Assembleia da CEC. ...

Ler artigo
Gottfried Locher renuncia à Comunhão das igrejas protestantes na Europa

Gottfried Locher renuncia à Comunhão das igrejas protestantes na Europa

Roma (NEV), 29 de junho de 2020 – O pastor Gottfier Locher ele não é mais o presidente executivo da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE). Conforme noticiado em nota de imprensa do órgão protestante europeu, Locher apresentou sua renúncia durante uma sessão do Conselho do CCPE, realizada por videoconferência no dia 26 de junho. O pastor John Bradbury (United Reformed Church, Londres) recebeu a gestão executiva interinamente. As renúncias do CCPE seguem as renunciadas por Locher em 2020 da presidência da Federação de Igrejas Evangélicas na Suíça. “Sinto que agora também devo renunciar ao meu cargo no CCPE”, escreveu Locher na exposição de motivos dirigida ao Conselho do CCPE, acrescentando que “o Conselho deve ser composto pelo maior número possível de titulares de cargos”. Locher foi eleito para o Presidium de três membros do CCPE na Assembleia Geral de 2012 em Florença e foi eleito Presidente Executivo após a morte do bispo Friedrich Weber em 2015. Locher lembrou a Assembleia Geral do CCPE realizada em Basel em 2018 como o destaque de seu mandato. A eleição do novo Presidente Executivo ocorrerá durante a próxima reunião do Conselho prevista para janeiro de 2021 em Estrasburgo. “O Presidium, o Conselho e os escritórios centrais do CCPE trabalham em estreita relação de confiança – declarou Bradbury -. A recente admissão da Igreja Evangélica Luterana da Islândia e as intensas discussões das igrejas-membro sobre os efeitos da crise do vírus corona demonstram o vigor de nossa Comunhão”. O pastor valdense também participou da reunião em 26 de junho Pawel Gajewskimembro do Conselho do CCPE. ...

Ler artigo
50 anos de protestantismo/RAI

50 anos de protestantismo/RAI

Roma (NEV), 29 de dezembro de 2022 – Em 4 de janeiro de 1973, o primeiro episódio da coluna Protestantismo foi transmitido pela RAI2. Um episódio especial será transmitido no domingo, 8 de janeiro de 2023, para celebrar e refazer as etapas deste programa. “Passaram-se 50 anos e a nossa revista televisiva vai celebrá-los com um especial em que ouviremos as vozes de quem construiu o espetáculo e de quem nele trabalhou com paixão e competência ao longo dos anos – escreve a redacção da RAI programa editado pela Federação das Igrejas da Itália (FCEI) -. Uma viagem pelo mundo protestante e por todas as transformações que passaram pelo nosso país”. A coluna, agora transmitida pela RAI3, oferece debates sobre temas teológicos e éticos, reportagens sobre a vida das igrejas evangélicas e protestantes na Itália e no mundo. Também cuida dos cultos no Eurovision, tanto da Itália quanto de igrejas protestantes de outros países. A história do programa Protestantismo, desde o seu início, se confunde com a de sua contraparte "irmã judia" Fonte da vida, uma coluna sobre história e cultura judaica produzida pela RAI em colaboração com a União das Comunidades Judaicas Italianas (UCEI). As duas transmissões representam um dos primeiros espaços de pluralismo religioso organizados pelo serviço público italiano de rádio e televisão. “Sorgente di vita” também comemora 50 anos com noite e episódio dedicados (clique AQUI para mais detalhes). Para o protestantismo especial, o encontro é na RAI3 no domingo, 8 de janeiro, às 7 da manhã. Repita: terça-feira, 10 de janeiro, por volta das 13h10, quarta-feira, 11 de janeiro, sempre às 13h10 e novamente segunda-feira, 16 de janeiro, às 13h45, sempre no RAI3. Todos os episódios do protestantismo podem ser vistos no Raiplay. Clique AQUI para ver o arquivo do episódio. Você também pode acompanhar a coluna no Facebook e Twitter. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.