Dia de Martin Luther King Justiça racial, antimilitarismo, reconciliação

Dia de Martin Luther King Justiça racial, antimilitarismo, reconciliação

Roma (NEV), 13 de janeiro de 2023 – Em 15 de janeiro de 1929 nasceu Martin Luther King: Pastor batista, líder dos direitos civis, vencedor do Prêmio Nobel da Paz. Nos Estados Unidos, o Dia de Martin Luther King ocorre todos os anos na terceira segunda-feira de janeiro, justamente para lembrar sua figura e seus ideais.

Entre os principais temas do chamado MLK Day estão a não violência e o antirracismo. Na comemoração do Igreja Batista Ebenézer em Atlanta, onde o próprio King foi pastor, o famoso cantor gospel estará presente Yolanda Adams. É também o momento de relançar a campanha #Nonviolence365, para um compromisso civil 365 dias por ano. “Seja um rei”, ele twittou Berenice Kingfilha mais nova de MLK, advogada, pastora, ativista, chefe do Centro que leva o nome do pai.

Um apelo ao compromisso pessoal, como a mãe de Berenice, Coretta Scott Kingele definiu o comunidade amada: “uma visão realista de uma sociedade viável“. Uma cultura de “justiça, bondade e justiça que começa com cada um de nós no momento em que decidimos nos envolver com amor, dignidade e compaixão”. E ainda: “Na #BelovedCommunity, o cuidado e a compaixão orientam as políticas e práticas para a eliminação da pobreza, da fome e de todas as formas de fanatismo e violência em todo o mundo”.


O mundo precisa de tantos MLKs? Precisamos de heróis? Para onde um Martin Luther King moderno levaria seu olhar, sua luta, seu corpo? Pedimos um comentário Paulo Nasoautor entre outras coisas do livro “Martin Luther King, uma história americana” (ed. Laterza).

Paulo Naso escreve:

<Ronald Reagan em 1983, uma circunstância em alguns aspectos paradoxal. De facto, a política de Reagan não se destacou pelo apoio à causa dos direitos dos afro-americanos mas, pelo contrário, pelos cortes em várias medidas de assistência e assistência social de que muitos deles beneficiaram.

Mas essa não foi a única ocasião em que se fez um uso paradoxal e instrumental de Martin Luther King. São inúmeros os livros que transformaram um líder contestado em vida, preso 29 vezes, submetido a pelo menos três atentados, em um “herói americano”.

Em muitos aspectos, essa operação de “beatificação” adoçou a mensagem de King: exaltou sua não-violência, suas raízes sólidas na tradição cristã americana, sua confiança na democracia americana; mas, ao mesmo tempo, ignorou sua denúncia da injustiça econômica do sistema americano; sua oposição à guerra do Vietnã, seu apoio à causa dos americanos pobres, negros e brancos.

Assim surge das comemorações institucionais um Rei mumificado, um herói que com sua luta e sua morte absolve os americanos dos pecados de escravidão, segregação e racismo.

“Sonho Americano” e “Pesadelo Americano”

Para bem recordar King, é preciso antes de mais estudá-lo, sem medo de identificar e reconstituir os pontos de viragem que também caracterizaram o seu ministério: por exemplo, a denúncia da guerra, ou do entrelaçamento entre racismo, militarismo e interesses económicos . E até desconfiança no sistema americano: todos lembram e celebram King que em 1963 fez seu discurso sobre o “sonho americano”; pouquíssimos lembram que o próprio King, nos últimos anos de sua vida, falava em vez do “pesadelo americano”, uma espécie de destino que condenava os meninos negros e mais pobres à marginalização social, em um sistema que pregava a igualdade de oportunidades para todos. Para dar sentido às comemorações de King, precisamos levar em conta o racismo de hoje e não apenas o de ontem. Um relatório da prestigiada e autorizada revista lanceta documenta que, nos últimos quarenta anos, a força policial esteve envolvida em mais de 30.000 assassinatos, em sua maioria afro-americanos. Essa é a força dramática do Black Lives Matter, movimento nascido há três anos após a morte de George Floydo afro-americano morto por um policial que por mais de oito minutos descarregou seu peso sobre o corpo de um homem desarmado.

O legado de King é jogado nessas questões, não na celebração do sonho americano que garante o direito à vida, à liberdade e à busca da felicidade. Não para todos, pelo menos, e muito menos para os negros americanos do que para os brancos.

Um aviso oportuno sobre guerra e paz

E depois há o tema da guerra. Qualquer comparação entre a guerra do Vietnã e a invasão russa da Ucrânia não faz sentido. Diferentes contextos, diferentes atores, diferentes estratégias. Mais importante, como americano, King ficou do lado dos agressores e não dos atacados. Portanto, não acho que possamos simplificar uma comparação impossível e complexa imaginando o que King teria dito ou feito diante dos massacres russos em Donbass.

Mas sabemos que King condenou a lógica da guerra, os investimentos no setor militar e a política de armamentos. E esse alerta permanece totalmente relevante, e deve ser sempre, não apenas diante de um conflito. A essa altura já é tarde demais. A paz verdadeira e duradoura é preparada e construída em tempos de paz.

King e o sermão de sua vida. Um testemunho cristão encarnado na história

Mas King era também e acima de tudo um pastor evangélico. E, para bem o recordar, não se pode ignorar a sua ligação com a tradição das igrejas negras, nascidas em engenhos onde os escravos, excluídos da Santa Ceia celebrada na igreja dos seus senhores, davam vida às suas próprias igrejas, talvez passando a rezar debaixo de uma árvore ou perto de um galinheiro. E nessas igrejas quem podia e sabia lia a Bíblia, muitas vezes o Antigo Testamento e as páginas da libertação do povo de Israel das cadeias do faraó. A fé cristã de Martin Luther King foi moldada naquelas leituras que se tornaram o sermão de sua vida. Um testemunho cristão encarnado na história: isso nos deixa MLK. E a profecia de uma comunidade de homens e mulheres reconciliados em Cristo, o que ele chamou de amada comunidade.

Justiça racial, antimilitarismo, reconciliação: estes são os temas a partir dos quais começar de novo para entender o legado de King e libertá-lo do elenco retórico que foi construído em torno dele.>>


Para saber mais:

Acesse o NEV FACTSHEET sobre Martin Luther King e o movimento pelos direitos civis.

Nesta página do Spotify, uma série de comícios e discursos públicos do pastor batista, ganhador do Prêmio Nobel da Paz.

Aqui a entrevista de 15 de janeiro de 2021 a Paulo Nasopor ocasião da publicação do livro “Martin Luther King, uma história americana” (ed. Laterza).

Paolo Naso é professor de Ciência Política na Universidade de Roma La Sapienza e coordenador do Conselho para as relações com o Islã no Ministério do Interior. Entre suas funções, também a de consultor de relações institucionais do Mediterranean Hope – Programa para Refugiados e Migrantes da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI) e Coordenador da Comissão de Estudos do Diálogo de Integração da FCEI.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas reformadas em todo o mundo.  Círculo de compartilhamento: Europa, racismos globais

Igrejas reformadas em todo o mundo. Círculo de compartilhamento: Europa, racismos globais

Banco de Imagens - CMCR Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2021 – A Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR) lançou um “processo de discernimento”. É um ciclo de encontros online sobre o tema "COVID e além". A próxima “roda de partilha” realiza-se hoje, quarta-feira, dia 24 de fevereiro, a partir das 15h00 (CET). “A ideia do círculo de partilha – escreve o CMCR – é manifestar-se sobre temas de particular urgência no contexto da pandemia da COVID-19 e das injustiças a que ela expõe. A intenção é gerar ideias sobre como a Comunhão, em todos os níveis, deve responder à crise”. Racismo, autoritarismo e nacionalismo Esta sessão centrar-se-á nas apresentações do CMCR-Europa e do processo RAN (racismo, autoritarismo e nacionalismo). Representantes das igrejas reformadas europeias falarão partindo deste conceito: “Não tenha medo em tempos de pandemia”. A pandemia tem um impacto econômico especialmente nos mais pobres. “As igrejas – prossegue o CMCR – são chamadas a reconsiderar o papel que podem desempenhar nas sociedades secularizadas, transmitindo uma mensagem profética sobre temas como o Estado de direito e a democracia, as normas sanitárias e a proteção dos pobres”. Os palestrantes do processo RAN abordarão o aumento crescente e muitas vezes violento de ideologias racistas. Tais ideologias, argumenta a Comunhão, são frequentemente alimentadas por discursos nacionalistas. “As forças de direita, alimentadas por ideologias racistas e quase fascistas, têm-se afirmado tanto na vida política como na política em muitas partes do mundo”, denuncia o CMCR. Na conversa, será dada voz às comunidades vítimas da racialização ao redor do mundo, explorando as conexões entre racismo, autoritarismo e nacionalismo. Entre os pilares, as teologias da vida nos movimentos populares, que oferecem “a possibilidade de resistência e transformação”. O círculo de compartilhamento será transmitido ao vivo nas páginas do CMCR no Facebook, em inglês, francês, espanhol e postado no canal WCRC no YouTube. Você pode participar com comentários e mensagens escrevendo para este endereço de e-mail: [email protected] “O que Deus quer de nós? Discernir, confessar e testemunhar no tempo do COVID-19 e além." É o processo de discernimento, com duração de um ano, tendo em vista o encontro presencial previsto para o final de 2021. O caminho culminará com a confissão coletiva da Comunhão por ocasião da Assembleia Geral de 2024, intitulada “Um Deus de vida”. Mais informações estão disponíveis em wcrc.ch/require. ...

Ler artigo
Sínodo luterano, de 29 de abril a 1º de maio, online

Sínodo luterano, de 29 de abril a 1º de maio, online

Roma (NEV), 9 de fevereiro de 2021 – A segunda sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália será realizada online, de 29 de abril a 1º de maio próximo. “A pandemia – escreve o presidente do Sínodo no convite aos participantes, Wolfgang Prader – mudou radical e profundamente nossas vidas. Nem a igreja, nem a sociedade, nem os indivíduos esperavam efeitos tão massivos. Como nós cristãos queremos e como devemos enfrentar os novos desafios? “Continuidade, mudança, futuro – a misericórdia é responsabilidade da Igreja” será o tema do Sínodo deste ano”. A reunião acontecerá no zoom e terá início na quinta-feira, dia 29 de abril, às 17h30. Para maiores informações: artigo anteriorUnidade dos Cristãos. Uma carta conjunta de católicos, ortodoxos e protestantesPróximo artigoMestrado em "Liberdade religiosa, liberdade de consciência, direitos e geopolítica das religiões" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Parentes substitutos.  Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Parentes substitutos. Quando cuidadoras e empregadas domésticas se tornam mães, esposas ou filhos

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 16 de março de 2023 – 2 milhões de ajudantes e cuidadores domésticos, especialmente mulheres, mas não só. Cerca de metade dos quais são invisíveis e pagos fora dos livros. Apenas os trabalhadores do setor de serviços e mecânicos são numericamente mais numerosos, com 4,1 e 2,3 milhões de pessoas, respectivamente. Os que trabalham no setor doméstico superam os professores e os que trabalham nos transportes (ver Il Sole 24 Ore neste artigo). Estamos falando de mulheres e homens que cozinham; lavam e passam roupas; limpam cozinhas, salas e banheiros; que cuidam dos filhos dos outros; que acompanham os idosos na jornada, longa ou curta, da velhice. O trabalho doméstico é, na maioria dos casos, realizado por mulheres, tanto no que diz respeito a quem é pago para fazer este trabalho como nas famílias (em todos os países europeus há uma percentagem mais elevada de mulheres do que de homens que se ocupam dos cuidados com os filhos, tarefas domésticas e cozinha, dados ISTAT). No entanto, pesa sobre os cuidadores e trabalhadores domésticos uma “substituição” de papéis, que implica também um envolvimento relacional, emocional, existencial. Bem como, em alguns casos, a falta de reconhecimento social e econômico. Essas pessoas vivem conosco, em nossa sociedade, em nossas casas, frequentam nossas igrejas. Pedimos ao ministro de evangelização da Igreja Batista de Roma Trastevere, pároco Ivano De Gasperisum testemunho. “A ajuda doméstica é um tema sempre presente que preocupa os ricos, mas não só. Este tema também questiona as comunidades religiosas e os círculos de fé. Devemos sempre ter clareza sobre os limites entre experimentar um privilégio, um apoio e o que poderíamos definir como exploração real”, diz o pastor. “É o pão de cada dia para nós – continua De Gasperis – acompanhar essas irmãs, essas famílias, esses irmãos. Freqüentemente, famílias inteiras estão envolvidas neste trabalho, às vezes esposas e maridos são separados porque trabalham em famílias diferentes. Eles vivem em situações difíceis. Recentemente, conversei com uma mulher que queria parar. Porque quase se tornam mães dos filhos que cuidam. Há mães que se desinteressam completamente dos filhos naturais. Mães e pais que delegam, que confiam quase totalmente a educação dos filhos a babás; empregadas domésticas que quase se tornam esposas de maridos com quem talvez não haja mais um bom relacionamento. Onde talvez existam casais divorciados. Em alguns casos, esses colaboradores se veem tendo que fazer a mediação entre um e outro". Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI – openai.com (ER/NEV) …”sacrificar-se como membros da família” A estas “nossas irmãs”, a estes “nossos irmãos”, é pedido que “vivam para os outros, portanto, que se sacrifiquem como se fossem membros da família. Eles se dirigem aos empregadores como 'minha avó'. Eles vivem juntos, às vezes desenvolvendo patologias”, continua o pastor. Algumas dessas pessoas têm contato limitado com o mundo exterior, “justamente pelo trabalho delicado que realizam. Alguns empregadores até os fazem prometer não ver ninguém, trancam os cuidadores e os idosos durante anos” (pense no período da pandemia). Essas pessoas “tornam-se mães, esposas, filhas. Às vezes, eles são mal pagos ou, se pagos honestamente, certamente não são pagos por esse tipo de 'performance'. Fala-se inclusive de um novo perfil psicopatológico, a 'síndrome italiana'. Uma forma de depressão. Pensemos, por exemplo, em quantos são obrigados a chorar à distância. Ou, de volta ao seu país de origem, encontram-se em casa com maridos que já eram um casal estável com outra mulher e com filhos que as odeiam porque se sentiram abandonadas quando suas mães vieram trabalhar na Itália”. Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico No próximo dia 23 de março (às 10h na Sala Salvadori da Câmara dos Deputados, em Roma) a segunda papel do Relatório 2023 Família (Net) Trabalho, "Workshop sobre casa, família e trabalho doméstico". Editado pelo Centro de Estudos e Investigação Idos, este relatório centra-se na necessidade familiar de mão-de-obra estrangeira no sector dos cuidados e assistência ao domicílio. Entre os palestrantes também Júlia Gori, oficiais de projeto do programa de refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), "Esperança do Mediterrâneo", representando a campanha "Fui estrangeiro" à qual a própria FCEI adere. Giulia Gori vai chamar a atenção para a questão da falhada regularização de 2020 ("Fui estrangeira" de facto faz um acompanhamento atento das práticas, donde resulta que ao fim de três anos alguns territórios já realizaram cerca de metade delas). Além disso, a proposta de superação do sistema de cotas do decreto de fluxo, cotas que, aliás, não contemplam as pessoas que exercem o trabalho doméstico, portanto, impossibilitadas de regularizar-se. Em cima da mesa, fui estrangeiro ainda põe o pedido de abertura a autorizações de residência para trabalho ou a uma regularização que permita a saída do trabalho não declarado. O Relatório 2023 será apresentado na íntegra em novembro deste ano e está dividido em 4 capítulos, cada um dos quais a cargo de um dos parceiros do projeto, promovido pela Assindatcolf em parceria com o Censis, Effe (European Federation for Family Employment & Home Care), Fundação de Estudos de Consultores Trabalhistas e Centro de Estudos e Pesquisas Idos. Para saber mais: 01/03/2023 Migrantes, Assindatcolf-Idos: para o setor doméstico fluxos fechados há 12 anos, cuidadores e trabalhadores domésticos não estão mais disponíveis 09/03/2023 Migrantes, Assindatcolf: Governo estende decreto de fluxo também a empregadas domésticas e cuidadoras ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.