“Uma visita encorajadora.  eu olho para a frente

“Uma visita encorajadora. eu olho para a frente

Genebra (Suíça), 21 de junho de 2018, Papa Francisco no Conselho Mundial de Igrejas – foto: Albin Hillert/WCC

Genebra (NEV), 25 de junho de 2018 – No final do dia que viu pela última vez 21 de junho Papa Francisco fazer uma “peregrinação ecumênica” na sede do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) em Genebra por ocasião do 70º aniversário do corpo ecumênico mundial, pedimos ao pároco algumas palavras Konrad Raiser, de 1993 a 2003 secretário-geral do CMI. Teólogo alemão, há 80 anos em favor da unidade visível entre os cristãos, Raiser viveu todas as épocas do ecumenismo e diz que volta a olhar para frente com esperança.

Pastor Raiser, dentre os temas abordados durante o dia pelo lema “Caminhando, rezando, trabalhando juntos”, qual é o que você considera mais importante?

a visita de Papa Francisco foi encorajador em muitos aspectos. Entre os temas abordados, o mais significativo é certamente o relativo ao intenso trabalho que o CMI vem realizando com a Igreja Católica sobre temas que hoje não podem mais ser adiados: fluxos migratórios, xenofobia e populismo.

Pastor Konrad Raiser, ex-secretário geral do CMI

Você se refere à conferência internacional promovida conjuntamente a ser realizada em meados de setembro no Vaticano com o próprio título “Migrações, xenofobia, populismo”?

Sim, já há algum tempo, em preparação para este evento, temos mantido discussões intensas com nossos parceiros católicos sobre o papel e a responsabilidade que todas as igrejas têm no combate a fenômenos como o racismo, o nacionalismo e a violência. É um ponto muito importante que, em termos de diálogo ecumênico, nos permite olhar para frente com esperança. Esta conferência também acontecerá em conexão com o Pacto Global de Migração proposta pelo secretário-geral das Nações Unidas António Guterres e que estará na pauta da Assembleia Geral da ONU no final do ano.

Em suma, uma crise migratória, a ascensão do populismo e o aumento dos fenômenos do racismo no mundo precisam primeiro que as igrejas se reúnam em torno de uma mesa para descobrir o que fazer juntas?

No que me diz respeito, a atenção dispensada a estas questões – e a qualidade do trabalho realizado – recordam-me o que foi a SODEPAX, a Comissão conjunta CEC-Igreja Católica sobre “sociedade, desenvolvimento e paz” nascida após o Vaticano II Conselho; uma experiência significativa que infelizmente terminou em 1980. Aqui, depois de uma pausa muito longa, parece-me que estamos nos reconectando com aquela discussão lá, e é uma boa notícia. Como é uma boa notícia que com Papa Francisco, em termos de evangelização, deparamo-nos com a superação da diferenciação entre missão e diaconia. Juntos hoje podemos afirmar que a diaconia ativa é parte integrante da missão.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Conferência das Igrejas Europeias (KEK): que visão da Europa?

Conferência das Igrejas Europeias (KEK): que visão da Europa?

Roma (NEV), 14 de outubro de 2019 - A Conferência das Igrejas Europeias (KEK) estará envolvida em duas reuniões importantes esta semana. A primeira, a ser realizada em Bruxelas (Bélgica) no dia 15 de outubro no Capela para a Europa (Capela para a Europa, espaço intercultural e ecumênico), acontece em colaboração com a Comissão das Conferências Episcopais da Europa (COMECE) e terá direito. “Europa: desafios pós-eleitorais”. A intenção é fazer um balanço, após as eleições europeias de maio, sobre a visão da Europa. Os participantes contribuirão para a reflexão sobre política e sociedade, para inspirar maior participação da sociedade civil. palestrantes o pastor Peter PavlovicSecretário para os Assuntos Europeus da CEC, Genevieve Ponsdiretor de Instituto Jacques Delors E Manuel Barrios, Secretário Geral da COMECE; moderado Franziska Broich, correspondente na UE da agência noticiosa católica KNA. Encontro na Rue Van Maerlant, 10-12h às 19h. Foto retirada do site do KEK O segundo encontro, intitulado "A alternativa ao populismo do ponto de vista dos direitos humanos", será realizado em Málaga, Espanha, de 17 a 19 de outubro de 2019 no Centro Ecumênico Los Rubios, em colaboração com a Igreja Evangélica Espanhola. A conferência destacará o Artigo 20(2) do Pacto Internacional de Direitos Civis e Políticos de 1966: “Qualquer defesa do ódio nacional, racial ou religioso que constitua incitação à discriminação, hostilidade ou violência será proibida por lei”. Partindo de uma preocupação comum pela estigmatização das minorias religiosas e étnicas, migrantes, refugiados e outros grupos vulneráveis, as Igrejas europeias pretendem aprofundar as experiências locais e nacionais, a fim de elaborar um guia para uso das comunidades aderentes, com particular atenção à democracia e ao estado de direito. Entre outros, o pároco intervirá Luca Barattoresponsável pelo ecumenismo e secretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O CEC é um órgão que reúne 114 igrejas de tradição ortodoxa, protestante e anglicana na Europa. ...

Ler artigo
afirmar a plenitude da vida

afirmar a plenitude da vida

Foto Hillert/WCC Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – “Nosso futuro está pegando fogo” e ainda há espaço para esperança em um mundo diferente. “Percorramos o caminho de Cristo que, no seu amor, nos conduz à plenitude da vida para todos e cada um”. Assim se expressou ontem de manhã, segunda-feira, 5 de setembro, Ruth Mathenjovem delegado da Igreja Síria Ortodoxa Malankara, durante a sessão plenária da XI Assembleia Geral do Conselho Ecumênico de Igrejas (CMI), em curso em Karlsruhe (Alemanha), dedicada ao tema "Afirmar a plenitude da vida". A reunião decorreu de acordo com o método de talanoapraticada nas ilhas do Pacífico para compartilhar um pensamento, uma história que “se enriquece com a contribuição de cada participante e no final se torna a história comum” de todos aqueles que contribuíram para moldá-la, explicou o pároco Babá Tutari da Igreja Metodista na Nova Zelândia, moderador do encontro. Três perguntas guiaram a conversa. A primeira: onde estamos? "Vivemos em um mundo que cada vez mais exclui, cria pobreza e injustiça", disse ele Rudelmar Bueno de Faria, secretário-geral da Action by Churches Together (ACT) Alliance, uma organização ecumênica de ajuda e socorro. “Em vez disso, queremos um modelo econômico que permita que todas as pessoas e todos os seres vivos prosperem e vivam com dignidade”. À segunda pergunta – para onde queremos ir? – eles responderam de forma eficaz Iemaima Jennifer Vaaida população indígena de Samoa, e Jocabed Solano, mulher indígena do Panamá. “No caminho de Cristo, sigo em direção a um mundo onde minha cultura e identidade indígena não sejam negadas, mas façam parte de uma narrativa para a construção de um mundo sustentável”, disse Vaai, insistindo em um ponto que esta Assembleia tem repetidamente enfatizado: defender as culturas indígenas é defender a criação. “Sonho com um mundo onde a economia seja baseada no respeito e na harmonia com a terra. Sonho com uma igreja que seja luz no mundo e percorra o caminho da defesa da vida e da harmonia”, compartilhou Solano com toda a Assembleia. A última pergunta: como alcançamos esses sonhos e objetivos? “É necessária uma conversão profunda. É necessário que cada um de nós saiba dizer 'sinto muito' ao irmão e à irmã contra quem pecou por exclusão e prevaricação", disse o sacerdote anglicano Gideon Byamugisha, co-fundador da Rede Internacional de Líderes Religiosos Vivendo com ou Afetados Pessoalmente pelo HIV/AIDS. “Só serão eficazes soluções que consigam contemplar as necessidades dos últimos, dos mínimos, daqueles que se sentem perdidos. Nenhuma outra estratégia funcionará”, concluiu Byamugisha. A sessão inspirada na prática de Talanoa incluiu as apresentações musicais e teatrais doconjuntos “Oikoumene Pasifika“, incluindo a “Dança da Vida” com que terminou a sessão. ...

Ler artigo
EffectBible.  A parábola de Jó, um justo sendo testado

EffectBible. A parábola de Jó, um justo sendo testado

Uma imagem do filme "As Maçãs de Adão", retirada de www.teodorafilm.com Roma (NEV), 28 de abril de 2022 – A revista EffettoBibbia foi aberta em 26 de abril deste ano com o título “A parábola de Jó, um homem justo posto à prova”. Oito dias de filmes, debates, leituras e música. O pastor Pedro Ciaccio, especialista em cinema e membro do Conselho da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), abriu o EffettoBibbia com uma prolusão dedicada à figura de Jó no cinema. Ciaccio também apresentou a visão do primeiro filme exibido por ocasião da crítica "As Maçãs de Adão", de Anders Thomas Jensen (Dinamarca, 2005). Discurso de abertura de Peter Ciaccio “A Bíblia é uma biblioteca de imagens. Jó é um dos livros mais imaginativos – começou Peter Ciaccio -. Tecnicamente, o cinema é fruto da pintura e da fotografia, mas a alma do cinema é a literatura, especialmente o romance do século XIX”. O cinema, como o romance do século XIX, explora o mal em suas formas. São muitas as referências que nos remetem mais ou menos explicitamente a Jó e, em geral, à questão do "mal", da fragilidade do ser humano, da fé. Ciaccio citou Charles Dickens, Fiódor Dostoiévski, Alessandro Manzonie então Stanley Kubrick, Terrence Malick: “Em Kubrick há explicitamente Nietzsche. O macaco que se torna consciente e se torna homem, que por sua vez se torna consciente e se torna super-homem ou super-homem. Em Malick, por outro lado, seu amado Heidegger está bastante escondido. O homem nasce super-homem e torna-se homem no embate com a realidade, da qual sai destruído”. Em sua fala, Ciaccio uniu crítica cinematográfica e texto bíblico, também por meio da leitura de algumas passagens do livro de Jó. E falou de “Deus oculto”. Um Deus que se esconde de Jó e um segundo Deus oculto Carl Theodor Dreyer, Robert Bresson, Ingmar Bergman, Andrei Tarkovski e muitos outros. “Imagens, muitas imagens – disse o pastor Ciaccio – nascem todas da pergunta sobre a fé de Jó. Vale a pena acreditar em Deus? E se não vale a pena acreditar, então talvez Deus não exista? As perguntas representam uma tentativa de superar as dicotomias entre realidade e instituições, bem e mal, fé e negação. A dúvida atroz é: "E se Deus me odiava, e se ele não existisse, o que estou fazendo aqui nesta terra?". Uma resposta possível é que Deus é Deus, e não nossa projeção de Deus, concluiu Ciaccio. A EffettoBibbia é organizada e promovida pelo Comitê de Cultura Bíblica de Bérgamo, que reúne ACLI, o Centro Cultural da Graça, o Centro Cultural Protestante, a Fundação Serughetti La Porta, Grupos de Leitura Contínua da Palavra de Deus, o Escritório de Estudos Bíblicos Apostolado da Diocese de Bérgamo. Descarregue aqui o folheto. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.