Convenção de Gana em Pordenone.  Estar e ir à igreja juntos

Convenção de Gana em Pordenone. Estar e ir à igreja juntos

Convenção 2023 – foto cedida pelo pastor Luca Anziani

Roma (NEV), 4 de abril de 2023 – A Convenção do componente metodista de Gana foi realizada em Pordenone. Promovida por grupos ganenses ativamente envolvidos nas igrejas valdenses e metodistas locais, a convenção é normalmente realizada no Domingo de Ramos, para que o culto possa ser celebrado nas igrejas locais na Páscoa.

o organizador, Richard Kofi AmpofoConselheiro da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI), disse: Redescobrimos a alegria de estarmos juntos, presencialmente, depois de três anos em que as convenções foram online por causa da covid. Após a pandemia, muitas pessoas do componente ganense foram para outras partes do mundo, mas a convenção teve boa participação. Este ano fomos 350 adultos batizados e 130 crianças”, continuou o Conselheiro.

A celebração começa nos autocarros, acrescentou: «Desde a partida até à chegada, e também no regresso, prega-se o amor de Deus, canta-se, partilham-se momentos de meditação e oração. Em suma, é uma celebração que não começa no salão da igreja, mas nos acompanha ao longo de todo o percurso, que para nós durou três horas. Uma viagem passada com tranquilidade e alegria. Em Pordenone, compartilhamos hinos, danças, pregações e palestras de testemunho. Cada igreja prepara e traz comida e bebida para o almoço comunitário. Entre uma coisa e outra, a convenção durou das 10h45 às 15h45”.

São 5 autocarros de diferentes regiões, cada um com cerca de 60/65 pessoas a bordo, que chegaram a Pordenone, entre outros, de Udine, Novara, Bérgamo, Brescia, Casalmaggiore, Milão, Bassano del Grappa, Conegliano, Pádua, Treviso, Verona , Vicenza, Bolonha, Mezzano, Modena e Parma.

Um momento muito emocionante foi o dos testemunhos de adultos e jovens – disse novamente Richard Kofi Ampofo -. Além disso, foi preciosa a presença de idosos ganenses, irmãos e irmãs italianos, músicos e coristas. Entre os participantes, o pastor presbiteriano americano Ansah. A irmã Irene AbbraEmbaixador do Clima do Conselho Metodista Europeu Jovem. Annapaola Carbonato representando a Federação da Juventude Evangélica na Itália (FGEI). David Ollearopároco valdense de Vicenza, representando também a Comissão Executiva do II distrito. George Ennin, pastor metodista de Pordenone. A pastora de Como, Anne Zelltambém membro da comissão Ser Igreja Juntos (ECI) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Gesine Traversaripastora em Veneza. Durante o culto, a santa ceia foi celebrada por todos os pastores juntos. Outro momento significativo foi o daApelo para fundos. O apelo para contribuir para as despesas da Convenção permitiu angariar 1.800 euros”. Próximo compromisso, o dos congressos de circuito, no domingo antes do Natal. Além disso, já começa a ser avaliada a próxima sede da Convenção de 2024, que também será escolhida com base na disponibilidade das igrejas para sediar o evento.

A liturgia foi conduzida por Stella Baidoo, um jovem estudante da Faculdade Valdense de Teologia, aspirante a pastor. A pregação ficou a cargo do pastor Luke Elders, presidente da Obra das Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI). “O culto aconteceu em diferentes idiomas, italiano, twi e inglês. O sermão do Domingo de Ramos, sobre os textos indicados por ‘Um dia, uma palavra’, foi traduzido por Stella Baidoo – disse Anziani -. A liturgia, repleta de danças, cantos e testemunhos, é representativa de ser igreja unida”. No seu sermão, o presidente da OPCEMI referiu-se à “necessidade de resistir a todas as tentações, internas e externas, das coisas simples”, convidando-nos assim a “aceitar os desafios do presente, com vocação para as coisas difíceis”. Como crentes, de fato, “somos chamados a uma alta tarefa teológica e cultural”, disse Luca Anziani, sublinhando o valor do projeto Ser Igreja Juntos, uma invenção criativa que, na Itália, trouxe e continua trazendo seus frutos de integração na Igreja e na sociedade. O moderador da Mesa Valdense, diácono, também voltou a este conceito Alessandra Trottaque fez um discurso de encorajamento, reafirmando com veemência “a escolha feita há muitos anos por nossas igrejas no caminho da Ser Igreja Juntos como caminho para ser plenamente a Igreja de Jesus Cristo”. O moderador destacou ainda como esta escolha “nem a mais confortável, nem a mais fácil”, oferece ao mundo dividido um “testemunho poderoso do amor que une, superando as barreiras de identidades fechadas e defensivas que separam e excluem”. É fundamental, segundo Trotta, “cuidar e nutrir constantemente o sentido dessa escolha. Responsabilidade que envolve a primeira geração que a fez, que deve estar sempre pronta para prestar contas desta escolha a quem olha de fora e nos julga dizendo que ‘não é possível’. Uma importante responsabilidade também para a geração mais jovem, que cresceu neste caminho e encarna o seu valor e é chamada a assumir um papel dinamizador, trazendo o contributo de uma visão mais ampla, sem preconceitos e com uma energia de inovação e transformação de que muito temos necessário”. Alessandra Trotta também pediu para rezar pelos dois jovens que vêm do caminho da ECI e estudam para ser pastores, com a esperança de que “outros jovens possam acolher a vocação para servir o Evangelho e a Igreja em um ministério pastoral ou diaconal ou nos ministérios locais em que a pluralidade e a variedade dos dons enriquecem a Igreja e a tornam competente para a sua missão de anunciar no tempo presente».


Galeria de fotos (foto cortesia de Richard Kofi Ampofo)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Bolonha.  Pontes de paz, religiões e culturas em diálogo

Bolonha. Pontes de paz, religiões e culturas em diálogo

Roma (NEV), 11 de outubro de 2018 – Haverá também o moderador da Mesa Valdense, pároco Eugênio BernardiniE Paulo Nasocoordenadora do Mediterranean Hope (MH) – programa para refugiados e migrantes da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), na 32ª etapa do “espírito de Assis”, inaugurado em 1986 por João Paulo II e levado adiante pela Comunidade de Sant' Egidio, que este ano completa cinqüenta anos de atividade. A conferência consistirá numa Assembleia Plenária de abertura no Centro de Congressos da Feira na tarde de domingo, dia 14 de outubro, e numa série de painéis temáticos que decorrerão no centro da cidade na manhã dos dias 15 e 16. A Cerimônia Final acontecerá na Piazza Maggiore na tarde de terça-feira, 16 de outubro. Muitos temas serão abordados nos vinte e cinco painéis esperados, todos caracterizados por uma criteriosa seleção de personalidades em diálogo, tanto religiosas como seculares: a Europa e a sua crise, a solidariedade entre gerações, o diálogo inter-religioso, o ambiente, o desarmamento, o papel da crentes diante das guerras, da violência generalizada na América Latina. Eugenio Bernardini intervirá numa mesa redonda subordinada ao tema “Desarmar conflitos”, enquanto Paolo Naso participará no painel “Migrações e o futuro: corredores humanitários”. Entre as personalidades importantes presentes Ahmad Muhammad Al-TayyebGrande Imã de Al-Azhar; Berenice Kingpastor batista e filha de Martin Luther King. ...

Ler artigo
6 de novembro, Dia da ONU contra a Exploração do Meio Ambiente na Guerra

6 de novembro, Dia da ONU contra a Exploração do Meio Ambiente na Guerra

Um ativista da paz nepalês da Operação Híbrida União Africana-ONU em Darfur (UNAMID) planta uma árvore do lado de fora da sede da UNAMID em El Fasher, Sudão. Foto da ONU/Albert Gonzalez Farran tirada de www.un.org/en/observances/environment-in-war-protection-day Roma (NEV), 3 de novembro de 2022 – No dia 6 de novembro, data em que se celebra desde 2001 o Dia Internacional para a Prevenção da Exploração do Meio Ambiente na Guerra e nos Conflitos Armados, também terá início a Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima ( COP27 ). Neste contexto, e às vésperas do encontro nacional de ecocomunidades organizado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), foi lançado um documento conjunto. Assinado por GLAM, Pax Christi e pelo Grupo Inter-religioso para as Atividades Ecumênicas de Nápoles, o documento fala daecocídio como "um crime, pois ameaça a paz, a segurança e o bem-estar do mundo". Recordando uma declaração divulgada pelo Observatório sobre conflitos e meio ambiente e outras organizações, os signatários lembram que “O meio ambiente é um objetivo civil. A proteção ambiental é vital para a proteção dos civis. A contaminação ambiental pelo uso de armas explosivas representa riscos agudos e crônicos à saúde dos civis. Os detritos gerados pelo uso intensivo de armas explosivas em áreas povoadas podem criar riscos ambientais persistentes à saúde”. Além disso, sublinhando a coincidência entre o Dia da ONU e o início da COP27, as organizações voltam a escrever: "acreditamos que o termo 'desarmamento climático' exprime a ameaça ao planeta e o sofrimento do resto da criação devido às violentas e armadas gerenciamento de conflitos humanos. O dia 6 de novembro é, portanto, um dia para renovar o compromisso por uma paz justa para a Terra que passe pelo desarmamento e pela libertação das guerras e de uma 'ordem' mundial baseada na agressão, terror e desestabilização”. Para saber mais Baixe aqui o apelo conjunto: Dia da ONU sobre guerras, conflitos e meio ambiente. Para saber mais sobre o VI encontro nacional de ecocomunidades, intitulado "Plantando uma semente" (Nápoles, 4-6 de novembro de 2022), baixe o programa completo aqui: brochura do encontro nacional de ecocomunidades de 4 a 6 de novembro. Entre outras coisas, uma conferência pública, intitulada "Eco teologias para a comunidade da criação", está prevista para 4 de novembro às 18h30. Presença na igreja valdense, via dei Cimbri, 8 em Nápoles ou online na página GLAM no Facebook. Para todos os detalhes clique aqui: Folheto Conferência Pública 4 de novembro Nápoles. a COP27 A COP27 é a 27ª conferência das Nações Unidas sobre mudanças climáticas e será realizada de 6 a 18 de novembro de 2022 em Sharm El Sheikh, Egito. Da Itália, o jovem metodista é creditado Irene Abbra, entre os representantes da campanha global Clima SIM (sigla para Youth Ecumenical Summit), liderada por jovens cristãos entre 18 e 30 anos. Irene Abra também é Embaixadora do Clima do Conselho Metodista Europeu. O Climate YES nasceu no contexto da COP26 e da campanha mundial metodista Climate Justice for All (CJ4A). Quarenta jovens ativistas climáticos da Federação Luterana Mundial (FLM) também se juntarão à COP27 em uma espécie de revezamento com o lema "A criação não está à venda". São jovens de todo o mundo que, juntamente com várias organizações religiosas e da sociedade civil, defendem questões ambientais e negociam por justiça climática a nível global, regional e local. A FLM está presente nas conferências de mudanças climáticas das Nações Unidas desde 2011, defendendo o clima e a justiça intergeracional. ...

Ler artigo
Conselho da Europa vota pela criminalização do ecocídio

Conselho da Europa vota pela criminalização do ecocídio

Detalhe da capa do relatório "Lei de ecocídio para uma economia dentro dos limites planetários", janeiro de 2023 Roma (NEV), 31 de janeiro de 2023 – Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa ele votou com uma maioria esmagadora e sem objeção para o reconhecimento do ecocídio. Foi relançado pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A postura histórica é um avanço para os movimentos que há muito clamam por uma resposta global à questão da destruição da natureza e dos ecossistemas. A decisão de adotar o resolução 2477 e a recomendação 2246 vem após a análise de um relatório recente da Comissão de Assuntos Sociais, Saúde e Desenvolvimento Sustentável sobre o impacto ambiental dos conflitos armados. Sobre stopecocide.earth lê-se: “Apresentado pelo orador John Howell (Reino Unido, Conservadores Europeus), o relatório afirma que os danos ambientais múltiplos, graves, duradouros e principalmente irreversíveis causados ​​por conflitos armados afetam não apenas os ecossistemas, mas também a saúde humana fora da área de conflito e muito depois do fim do conflito. Os direitos humanos à vida e a um meio ambiente saudável ficam assim comprometidos”. Ecocídio é crime A resolução exorta os Estados membros do Conselho a "construir e consolidar um quadro jurídico para uma maior protecção do ambiente em conflitos armados a nível nacional, europeu e internacional", inter alia, "melhorando o seu arsenal jurídico para criminalizar e processar eficazmente ecocídio e tomar medidas concretas para alterar o Estatuto de Roma do Tribunal Penal Internacional, a fim de incluir o ecocídio como um novo crime”. O Conselho da Europa também se pronunciou sobre as lacunas legais na matéria e sobre a falta de um "mecanismo internacional permanente para monitorar violações legais e lidar com pedidos de indenização por danos ambientais". O contexto imediato da resolução, segundo pare com o ecocídiodiz respeito à Ucrânia, que "sofreu altos níveis de danos ambientais de várias formas no ano passado devido aos ataques russos, desde 'grandes incêndios florestais' até 'campos agrícolas contaminados por petróleo e rios onde os peixes são sufocados sob as manchas de óleo' ( fonte: Horário, 18/10/22). Outros danos vêm do uso de "produtos químicos, munições e equipamentos militares", mas também de armazenamento de combustível, infraestrutura industrial, água, energia e sistemas de gerenciamento de resíduos, áreas urbanas, áreas agrícolas e naturais. “A avaliação de tais danos exigirá uma infinidade de métodos complexos para estabelecer impactos e planejar atividades de recuperação”, diz o documento “O impacto ambiental do conflito na Ucrânia: uma análise preliminar” (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente – PNUMA, outubro de 2022). Os impactos ambientais existem na guerra e na paz, na Ucrânia e em outros lugares. ele ainda escreve pare com o ecocídio: isso pode ser visto "desde os resultados ainda perceptíveis do uso do Agente Laranja no Vietnã na década de 1960 (ao qual se referia a cunhagem original da palavra 'ecocídio') até a poluição de urânio no sul do Iraque após a Guerra do Golfo de 1991" . A expectativa agora é que essa decisão afete as discussões em curso na UE sobre a revisão da diretiva de proteção ambiental por meio do direito penal. De realçar ainda a recente aprovação pelo Conselho do European Law Institute (ELI) de um lei modelo sobre ecocídio, desenvolvido para o contexto da UE. A lei modelo será votada em fevereiro. Vários movimentos convergem em todo o mundo sobre a questão do ecocídio. Assuntos seculares e religiosos, incluindo a Igreja da Suécia e, na Itália, a própria GLAM, que tem traduzido e divulgado os conteúdos aqui relatados em sua rede. Para saber mais: ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.