um compromisso escrito na pele

um compromisso escrito na pele

À esquerda, a tatuagem da palavra filoxenia em grego

Novi Sad (NEV), 2 de junho de 2018 – Há quem escreva seu amor na pele, tendo o nome da pessoa amada tatuado no corpo. Aconteceu também na Conferência das Igrejas da Europa (KEK), em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio – 5 de junho).

Em resposta à mensagem do estudo bíblico sobre o tema da hospitalidade, proferida pelo pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), um jovem participante do encontro europeu teve a palavra tatuada no braço filoxenia – amor, amizade para o estrangeiro – central no discurso do negro sobre a hospitalidade.

Patriarca Inácio Afrém II; foto CEC.

A hospitalidade foi o tema de todo o dia de ontem, 1 de junho. Além de negro, ele falou sobre isso Inácio Aprhem IIPatriarca de Antioquia da Igreja Siríaca Ortodoxa. “A hospitalidade é inerente ao ser cristão. A natureza de Deus é o amor e como cristãos devemos aprender com o nosso Mestre celestial”, disse o patriarca que sublinhou como o Oriente Médio tem uma longa história de hospitalidade que começa desde os tempos da Bíblia e chega até os dias atuais. “Hoje – recordou Aphrem II – um terço da população do Líbano é composta por refugiados sírios” que encontraram refúgio naquela nação.

O pastor Meletis Meletiadis; foto CEC.

O pastor também falou sobre hospitalidade Meletis Meletiadisilustrando o compromisso da Igreja Evangélica Grega com os migrantes: “Queremos que a sua primeira experiência na Europa seja de acolhimento, amizade, respeito e dignidade”.

Finalmente, a Assembleia saudou com gratidão Doris Peschke que após anos de serviço deixa o secretariado geral da Comissão das Igrejas para os Migrantes na Europa (CCME).

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Assim a ecoteologia une os cristãos

Assim a ecoteologia une os cristãos

Foto Riccardo Chiarini / Unsplash Roma (NEV), 14 de julho de 2020 - Mais um encontro com o pensamento protestante no Interris.it, graças à entrevista de James Galeazzi pastora Daniela DiCarlo. Daniela DiCarlo Os temas delineados vão do ecumenismo à unidade entre os cristãos, passando pela bioética e pela violência contra a mulher. Da necessidade de uma "conversão ecológica" a uma autocrítica corajosa em relação aos caminhos ainda por trilhar, o pastor Di Carlo identifica alguns marcos que podem fazer a diferença no caminho cristão, mas também em geral na sociedade como um todo . “Certamente ainda não é hora de falar sobre recepção eucarística ou sacerdócio feminino – começa Di Carlo -. Porém, é muito importante que as igrejas, unidas, digam uma palavra radical sobre a criação”. Leia a entrevista com Daniela Di Carlo em Interris.it. ...

Ler artigo
“A paz deve ser buscada e encontrada”

“A paz deve ser buscada e encontrada”

Foto Sunyu / Unsplash Roma (NEV), 28 de março de 2023 – “Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram o natural”. Assim foi escrito em uma das moções aprovadas pelas mulheres presentes no XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que terminou no domingo passado em Florença. Esta moção, aprovada com três quartos dos votos, algumas abstenções e um voto contra, pretende recordar a fé no Deus da paz e inspirar-se na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzer. A FDEI denuncia a lógica patriarcal de opressão e poder que está por trás das guerras, afetando de maneira particular as mulheres. "O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados" continua a moção, que então entra no mérito do conflito que afeta a Europa e todas as guerras e conflitos ainda presentes no mundo. Conflitos que dizem respeito ao FDEI “para mulheres cujos corpos se tornam terreno de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente ". No documento, as mulheres apelam à necessidade da "mediação de conflitos tal como expressa a Carta das Nações Unidas" e ao respeito de todos os seres humanos e das suas necessidades conforme indicado na Declaração Universal dos Direitos do Homem, "não por acaso formulada com a mediação de um mulher (Eleanor Roosevelt)”. A moção conclui compartilhando um pensamento de Dorothee Sölle: "a paz às vezes parece se esconder ou ser escondida, mas deve ser buscada e encontrada... eles são cristãos (e Christian, acrescenta o FDEI, ed.) só quem luta pela paz na esperança”. Abaixo, a íntegra da moção. Para saber mais, leia também: Moção de paz - XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) - março de 2023 As mulheres presentes ao XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas, recordando a fé no Deus da paz e inspiradas na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzerafirmam que a oposição à guerra não pode ser silenciada, seja pela sensação de impotência que nos esmaga, seja por razões de alinhamento e oportunidade. O Deus que abre um caminho no deserto ao povo afligido pela violência e pela deportação nos convida a tomar uma posição para acabar com todas as guerras (Is 40,1-5). Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram os ambientes naturais. Todas as guerras deixam sempre um rastro de ódio que destrói ainda mais as relações entre os povos, que só podem ser conquistadas trabalhando para restaurar a confiança, o respeito mútuo e a justiça. O pastor sabia bem Túlio Vinay quando depois da guerra trabalhou para tornar possível a reconciliação entre os jovens dos países envolvidos no conflito. É por isso que nós, mulheres evangélicas, nos sentimos empenhadas em trabalhar pela paz e pela reconciliação. Somos chamados por Deus e haurimos esperança na experiência de homens e mulheres cristãos que trabalharam pela paz e pela justiça em várias partes do mundo. Não podemos esquecer e denunciar que as guerras seguem sempre lógicas patriarcais de opressão e poder que muitas vezes envolvem também as mulheres. O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados, ou como está escrito pelo profeta Isaías: “Cada sapato usado pelo guerreiro na luta, cada manto manchado de sangue, será incendiado, será devorado pelo fogo. Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o domínio repousará sobre seus ombros.” (cap. 9,4-5). Por fim, o conflito que afeta a Europa nos preocupa, assim como as guerras e conflitos do mundo: para mulheres cujos corpos se tornam motivo de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente . Por isso, pedimos com urgência que se busque uma lógica diferente de relacionamento entre os povos por meio da mediação de conflitos expressa na Carta da ONU e o respeito a todos os seres humanos e suas necessidades contidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos, não por acaso formulada com a mediação de uma mulher (Eleanor Roosevelt). Finalmente, queremos concluir com um pensamento que Dorothee Sölle nos deixou: “A paz às vezes parece se esconder ou se esconder, mas deve ser buscada e encontrada… eles são cristãos (e cristão) só quem luta pela paz na esperança”. ...

Ler artigo
Também Mediterrâneo Esperança em Karlsruhe

Também Mediterrâneo Esperança em Karlsruhe

foto @Mohamed Amine Ben Haj Slama, unsplash Roma (NEV), 30 de agosto de 2022 – O workshop que o Mediterranean Hope (MH), o programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália, organizará durante a Assembleia Geral do Conselho Ecumênico é intitulado "O custo de uma laranja ". das igrejas. O evento será aberto em 31 de agosto em Karlsruhe, Alemanha. A iniciativa da marca MH está marcada em particular para a tarde de quinta-feira, dia 1 de setembro, das 15h30 às 16h45 No dia 4 de setembro, às 11h, os operadores do Mediterranean Hope, e em particular o coordenador marta bernardinio operador e mediador Ibrahim Diabate por Rosarno e a operadora Fiona Kendall participarão de um culto, seguido de almoço e apresentação das atividades do programa da FCEI na igreja do pároco Dorothee Mack. Aqui está o programa das oficinas que inclui também o encontro promovido pelos protestantes italianos: Por fim, de 1 a 7 de setembro, será montada a exposição "Ouça minha voz", já organizada em Roma nos últimos meses. O NEV seguirá a cúpula com um relatório ad hoc de Karlsruhe. Seguem os artigos da assessoria de imprensa da FCEI já publicados nos últimos dias: O que vai acontecer em Karlsruhe (24/08/2022) Em direção a Karlsruhe. Em nome da justiça climática (19/08/2022) Comitê Central do CMI, uma página de ecumenismo vivido (31/07/2022) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.