“Juntos”, o Congresso da Aliança Batista Mundial está chegando

“Juntos”, o Congresso da Aliança Batista Mundial está chegando

Roma (NEV), 24 de março de 2021 – A União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) está entre os participantes do 22º Congresso da Aliança Batista Mundial (ABM).

O presidente da UCEBI escreve, João Paulo Arquidiáconoem uma nota: “Esta é a primeira Convenção totalmente virtual, que tem o potencial de ser o encontro de batistas mais diversificado e globalmente participado desde que a Aliança Batista foi formada em 1905”.

Com a mudança do Congresso para um evento virtual, a ABM previu a possibilidade de inscrição gratuita dos participantes. Esta opção gratuita, explica Arcidiacono, permite o acesso à Festa de Abertura do Congresso em 7 de julho de 2021 e à Festa de Encerramento em 10 de julho de 2021.

“Esta é uma oportunidade sem precedentes oferecida a todos os batistas pela primeira vez”, disse o presidente.

Cerca de 100 fiéis de igrejas pertencentes à UCEBI participarão destes “momentos históricos de culto e adoração como Celebrantes do Congresso”. Para informações clique aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#WCC70.  O Conselho Mundial de Igrejas em Amsterdã para o 70º aniversário de sua fundação

#WCC70. O Conselho Mundial de Igrejas em Amsterdã para o 70º aniversário de sua fundação

Roma (NEV), 14 de agosto de 2018 – O ponto alto das comemorações do 70º aniversário do corpo ecumênico mundial acontecerá em Amsterdã, local da fundação do Conselho Mundial de Igrejas (CMI). As comemorações, anunciadas oficialmente pelo secretário geral do CMI, o pároco luterano Olav Fykse Tveitem janeiro na igreja metodista de Chongwenmen em Pequim (China), teve várias etapas, incluindo a inauguração em Genebra durante a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, a conferência mundial em Arusha na Tanzânia e a homenagem do Papa Francisco na sede do CMI em junho passado . “Feliz aniversário, na esperança de que nos próximos anos o CMI possa contribuir para dar passos significativos no caminho da unidade. Da unidade das igrejas assim como de toda a humanidade", disse o presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, pároco Luca Maria Negro na coluna ecumênica, aos microfones do Culto Evangélico transmitido no último domingo pela Rádio1 RAI. A primeira assembléia do Conselho Mundial de Igrejas em Amsterdã, 1948 (foto CEC) O evento de 23 de agosto inclui uma celebração na histórica Nieuwe Kirk, uma igreja do século XV, e contará com a presença do secretário Tveit, moderador do CMI Agnes Abuom e numerosos expoentes ecumênicos. Está programada também uma peregrinação juvenil “On the Move” e uma marcha pela paz com participantes, entre outros, da Coreia do Sul, Colômbia, Gana, Grécia, Holanda. Também no contexto do 70º aniversário, a Universidade Teológica Protestante organiza o simpósio "Hospitalidade no caminho da paz e da justiça". As reuniões estão marcadas Mathilde Sabbagh do Sínodo Evangélico Nacional da Síria e Líbano e com Mpho tutudiretor do Fundação Desmond e Leah Tutu na África do Sul. O CMI reúne cerca de 350 igrejas ortodoxas, católicas antigas, anglicanas, batistas, evangélicas, luteranas, menonitas, metodistas, reformadas, igrejas livres independentes e algumas igrejas pentecostais, totalizando mais de meio bilhão de cristãos em todo o mundo. ...

Ler artigo
24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

24 de agosto de 1572: o massacre dos huguenotes

Foto: Dea / Scala, Florença - tirada de Torre Pellice (NEV), 24 de agosto de 2023 – Em 24 de agosto de 1572 “Paris acordou – supondo que qualquer um dos seus habitantes pudesse ter dormido – num banho de sangue. De facto, durante a noite começou uma terrível carnificina que continuaria durante os três dias seguintes e que em pouco tempo se espalharia por outras cidades do reino de França”. José Javier Ruiz Ibáñez escreve na National Georaphic Storica. A rainha-mãe, a católica Caterina de' Medici, foi responsabilizada pelo massacre, também conhecido como "massacre de San Bartolomeo". Perguntamos ao pastor Rio Emanuelque entre outras coisas possui doutorado em história da igreja em Zurique, para comentar este dramático momento histórico. O contexto do massacre é o de dois lados opostos, o católico da família Guise e o calvinista em torno de Antonio di Borbone-Vendôme e do almirante Gaspard de Coligny. Catarina concorda em casar sua filha Margarida de Valois com o jovem protestante Henrique de Bourbon, rei de Navarra, na esperança de dar estabilidade à Coroa. Nos dias de festa, Coligny é ferido numa tentativa de assassinato. Na mesma noite os portões da cidade são fechados e o massacre começa. Coligny é morto, seu cadáver jogado pela janela, decapitado e arrastado pela rua. O Papa Gregório XIII, após o massacre, canta uma Te Deum ação de graças a São Luís dos Franceses. “Um dos elementos mais evidentes é representado pela traição da hospitalidade – disse Fiume -. A festa de casamento que se torna um massacre. Segue-se um banho de sangue, com os habitantes da cidade procurando os huguenotes para matá-los. Como na Conspiração Pazzi, ou em outros momentos históricos, por um dia a cidade está pingando sangue, mas no dia anterior e no dia seguinte tudo continua igual. É o que Sandro Pertini descreve como “indigno” do ser humano. O massacre de San Bartolomeo é uma expressão da bestialidade e do fracasso da diplomacia. Medo, sentimentos monárquicos e antimonárquicos se entrelaçam e afundam qualquer tentativa de conciliação – veja-se os Colóquios de Poissy, com a rainha regente que compara o general jesuíta Giacomo Laynez, sucessor de Santo Inácio, e Teodoro de Beza. Este episódio de hoje diz-nos que, antes de mais, não devemos esquecer. Se aconteceu, pode acontecer, temos visto episódios de massacres populares, ainda na ex-Iugoslávia. Certa fúria da multidão não se supera, sejamos cautelosos. O massacre dos huguenotes é uma página pouco conhecida, mas os massacres ainda estão aí, estão noutros lugares, mas acontecem. Poderíamos dizer que não foi apenas um conflito de religião, mas também um confronto entre diferentes formas e concepções de poder, numa época em que a reforma calvinista não era a verdadeira novidade, ou seja, o absolutismo, mas queria em certo sentido preservar de privilégios locais num sentido mais “federalista”, com a França de parlamentos locais. É uma textura cultural internacional que o calvinismo, tendo provocado imediatamente um deslocamento das elites devido à perseguição, criou muito cedo. Pode-se ver nele um projeto já europeu, que é percebido como uma ameaça, porque traz uma outra forma de ver as coisas. Do outro lado estava uma dinastia enfraquecida, que resistia à decadência. Um Valois casando-se com um Bourbon torna-se o momento crítico, após o qual, enquanto a paz é feita, a guerra é feita. Numa visão da realidade reconciliada teria então existido um rei protestante... mas a história diz-nos, em vez disso, vemos isso na iconografia de pessoas despedaçadas e atiradas ao Sena, no início dos pogroms locais, que se repete em Lyon e outros lugares, com a caça aos huguenotes. Portanto, ainda hoje precisamos estar vigilantes, porque a história nos ensina como é fácil passar da paz à guerra, da celebração ao derramamento de sangue”. ...

Ler artigo
“Desenvolvendo uma religião de liberdade”

“Desenvolvendo uma religião de liberdade”

Detalhe da capa do livro "Os pentecostais na Itália. Leituras, perspectivas, experiências", editado por Carmine Napolitano para as edições Claudiana - Roma (NEV), 6 de março de 2023 – Terceiro episódio do Especial liberdade religiosa da Agência NEV, para retomar os temas da conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias” realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Após as primeiras entrevistas, um Paulo Naso está em Ilaria Valenzié a vez do presidente Federação das Igrejas Pentecostais (FCP), pároco carmim napolitano. Na conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias”, realizada recentemente em Roma, falou-se da liberdade religiosa como questão cultural. O que você acha? Acredito que a liberdade religiosa na Itália sempre foi principalmente uma questão cultural. Em nosso país, é muito difícil imaginar formas de cultura e prática religiosa diferentes da maioria e mesmo quando isso é reconhecido, a confissão religiosa majoritária é considerada como parâmetro de avaliação jurídica inclusive das demais confissões religiosas. A conferência destacou como é complicado, em todos os níveis, chamar a atenção política e cultural para o pluralismo religioso que já constitui um fato vivenciado diariamente em diferentes contextos, como escolas; e isso favorece um sério atraso também na aplicação da legislação ligada ao direito à liberdade religiosa, apesar das amplas e claras disposições constitucionais. Os meios de comunicação de massa e as academias correm o risco de retratar os fenômenos religiosos de maneira superficial ou abstrata ou, em todo caso, distante da realidade? Por que, na sua opinião? Exatamente pelos motivos citados. A defasagem cultural na compreensão e legitimação da diversidade religiosa produz desinteresse e estrabismo na leitura do pluralismo religioso. Você acha que em um artigo científico de um ano atrás em uma renomada revista jurídica eu li que Lutero era um heresiarca! E em um manual de história moderna ler que o princípio da cuius regio eius et religio sancionado com a paz de Augusta em 1555 deve ser considerado o primeiro ato jurídico de liberdade religiosa na Europa moderna. Se essas mensagens são transmitidas nas universidades onde se formam as classes dominantes, o que queremos esperar que digam os alunos que ouviram essas coisas quando se tornarem operadores dos meios de comunicação de massa ou divulgadores científicos e culturais? Em suma, muitas vezes falta uma abordagem séria e qualificada para a leitura do pluralismo religioso e acabamos falando dele por boatos, por slogans e usando terminologia ultrapassada e ofensiva. Quantas comunidades a Federação das Igrejas Pentecostais representa? Atualmente existem mais de 400 comunidades locais ligadas à Federação por diversos motivos; muitos deles fazem parte de redes nacionais e algumas dessas redes também têm reconhecimento legal. Mas a Federação representa apenas uma parte do mundo pentecostal na Itália, que é muito mais amplo e estima-se que cerca de 500.000 pessoas adiram a ela, se levarmos em conta também as comunidades formadas por imigrantes. Que tipo de dificuldades as Igrejas pentecostais encontram para professar sua fé, do ponto de vista jurídico e prático? Na Itália sempre houve um 'caso pentecostal' quando se tratava de medir a profundidade ou o progresso da liberdade religiosa. Os pentecostais foram uma 'chance' quando tiveram que enfrentar o regime fascista em uma luta desigual e solitária; foram quando, depois da guerra, tiveram que sofrer a discriminação dos primeiros governos republicanos, fornecendo muito material para a batalha relativa à liberdade religiosa que naqueles anos era travada nos meios de comunicação, nos tribunais e no Parlamento; são hoje porque não conseguem ver reconhecida a sua pluralidade e diversidade. Em suma, é difícil compreender a sua articulação múltipla Se considerarmos a vastidão do movimento, a sua difusão pelo mundo e a pluralidade de experiências eclesiais anteriores que nele convergiram dada a sua transversalidade como movimento de despertar, compreendemos que configura-se como um mundo variado de grupos, organizações e sujeitos eclesiais que deram vida a um denominacionalismo pentecostal específico; neste mundo existem referências culturais e teológicas homogêneas, mas também posições às vezes marcadamente diferentes umas das outras. E tudo isso não é superado pelo fato de algumas organizações pentecostais também terem conquistado reconhecimentos jurídicos de outros perfis; porque há muitos mais esperando. O que você sugeriria à política para ampliar o horizonte da liberdade religiosa na Itália, especialmente diante do que Paolo Naso chama de “político” dos “tempos que não estão maduros” e das “outras prioridades”? Concordo plenamente com a análise de Paolo Naso; a política está terrivelmente atrasada em relação aos desafios e exigências do pluralismo religioso neste país, tanto em termos quantitativos (já somos 10% da população que professa uma fé religiosa diferente da maioria) como em termos de qualidade, dado o recente a pesquisa realizada por Naso juntamente com outros na Lombardia sobre a relação entre imigração e locais de culto leva a considerar as comunidades religiosas como capital social. Mas o despreparo da política diante dessas mudanças é desarmante; é urgente lançar mão de uma lei de liberdade religiosa que seja capaz de implementar adequadamente os princípios constitucionais sobre a matéria. Por mais de trinta anos, porém, esse desejo não foi realizado. Acredito que para criar uma norma devemos nos referir a um princípio e para ter um princípio devemos nos referir a um valor; em outras palavras: uma lei sobre liberdade religiosa exige a crença no direito à liberdade religiosa e esse direito deve ser fundamentado na concepção da liberdade como um valor. Em suma, a liberdade religiosa só pode ser verdadeiramente concebida e realizada numa sociedade e numa cultura que saibam desenvolver uma religião de liberdade. Consulte todos os insights do Especial liberdade religiosa. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.