Escuta, diagnóstico e tratamento

Escuta, diagnóstico e tratamento

Imagem retirada do flyer do curso “Escuta, diagnóstico e tratamento” com o pároco valdense Sergio Manna, organizado e promovido em colaboração com o Conselho das Igrejas Evangélicas do território romano – maio de 2023

Roma (NEV), 18 de maio de 2023 – Acaba de terminar em Roma o curso “Escuta, diagnóstico e tratamento” com o pastor valdense Sérgio Maná. Especialista em “Educação pastoral clínica” (CPE), Manna é capelão clínico e supervisor certificado no Faculdade de Supervisão Pastoral e Psicoterapia. O curso, que decorreu nas instalações da igreja valdense na via IV novembro – a mais antiga da capital, fundada após o rompimento da Porta Pia – foi organizado e promovido em colaboração com o Conselho das Igrejas Evangélicas do território romano.

“É um módulo de três dias que venho propondo há vários anos – explica Sergio Manna -. Existem cursos no hospital, obrigatórios para os nossos alunos de teologia (os pertencentes ao CPE), mas há algum tempo surgiu a necessidade de organizar cursos dirigidos aos leigos das comunidades, a pessoas que tenham a intenção de realizar um trabalho voluntário serviço, aos chamados visitantes locais, aos diáconos… Pensemos, por exemplo, nos Consistórios. Outrora, na visão reformada, o Consistório era imaginado mais do que um órgão administrativo como um colégio de anciãos e anciãs com a função de cuidar da comunidade. Um papel que ainda hoje pode e deve ser valorizado”.

O curso decorre cerca das 9h às 17h, com intervalo para almoço, durante três dias. Isso é treinamento básico.

Primeiro dia: o que é ouvir?

O primeiro dia é inteiramente dedicado ao tema da escuta. “O que é a escuta empática? Como as palavras e emoções nos ajudam a entender e reconhecer o que a pessoa está vivenciando? O primeiro passo é simplesmente ouvir. Depois, a gente se aprofunda no assunto para entender como aprender a arte de curar”, diz o pastor.

Por exemplo, trabalhamos em verbatim. Uma espécie de transcrição anônima, em forma de linguagem direta e com total respeito à privacidade das pessoas envolvidas, de uma visita pastoral efetivamente realizada. A situação é relida, reproduzida, analisada.

“Proponho 7 casos – diz Sergio Manna -. Em cada um deles, há uma pessoa dizendo uma determinada frase. Portanto, convido você a discutir o que essa pessoa está dizendo e sentindo, trabalhamos cada palavra, tentando parafrasear e devolver o conteúdo emocional. A segunda parte do exercício consiste em escolher, com base na sua própria interpretação, o que pode dizer à pessoa em questão. Proponho respostas possíveis, que são muitas. Se nenhuma das frases for convincente, peço que outras sejam propostas”.

Pontualmente, Manna nos conta novamente, “acontece que quem participa do curso se identifica com a situação em questão e responde com base no que sente, ao invés de reconhecer as emoções e palavras da pessoa cujas necessidades estamos analisando” . Um caso clássico é o de uma pessoa que fica zangada porque os filhos não a visitam. Quando perguntado: “Como essa pessoa se sente?” alguns respondem: “ele se sente culpado”. Não, diz Manna, “essa pessoa está com raiva. É uma emoção mais difícil de administrar e reconhecer, mas na verdade é raiva. Devemos entender que a raiva é uma das emoções básicas dos seres humanos e devemos tentar descobrir o que fazer com ela.

Tenha raiva e não peque, diz o apóstolo Paulo, como que para nos lembrar que essa emoção não deve ser reprimida, mas controlada”.

Segundo dia: diagnóstico pastoral e espiritual

O segundo dia de formação centra-se no tema do diagnóstico: “Todo mundo fala de pastoral e de cuidado espiritual, mas quase ninguém fala de diagnóstico, pastoral ou espiritual. Eu trabalho neste conceito porque é uma coisa muito importante. Tudo bem se um médico nos desse uma cura sem fazer um diagnóstico? Não. A mesma coisa vale no cuidado das almas”, afirma o pároco. São referidos dois modelos, um dos quais desenvolvido pela psicóloga Paul Willem Pruyser em meados dos anos 70. Pruyser, autor entre outras coisas do livro “O ministro como diagnosticador”, fala de pastores e sacerdotes em um “novo cativeiro babilônico”, retomando a linguagem de Lutero. “O risco é de imitar as línguas. Algumas variáveis ​​têm como conotação termos que derivam da espiritualidade, com origem bem mais antiga que o nascimento da psicanálise e da psiquiatria – argumenta Manna -. Alguns psiquiatras tratam a questão da fé como se pertencesse a uma patologia. Em um registro médico de um paciente que pode ter revelado sua fé, observou-se que este paciente tinha ‘a estranha fantasia’ de que Jesus era seu ‘salvador pessoal‘. Os psiquiatras subestimam a contribuição positiva da fé no processo de cura, assim como os capelães às vezes não levam suficientemente a sério os aspectos psicológicos”.

Outro elemento importante do curso é representado pela análise das ferramentas de cuidado. Ferramentas de cuidado que são “nossas e dos pacientes – especifica o pároco -. Recursos espirituais, orações, leituras, escrituras. E muitos outros, que talvez pertençam a um universo religioso que não é necessariamente o meu, por exemplo os ícones para um crente ortodoxo, mas que devem ser valorizados”.

Terceiro dia: cuidado espiritual dos moribundos

A terceira parte enfoca o cuidado espiritual dos moribundos, seus familiares e queridos doadores. Também esta seção do curso consiste em uma parte teórica e depois de um trabalho sobre textualmente ligado a experiências concretas.


Uma experiência a repetir

O curso contou com a participação de 25 pessoas das diversas comunidades pertencentes à Consulta que, recordamos, congrega valdenses, metodistas, batistas, adventistas, luteranas e a comunidade evangélica francófona de Roma. Entre eles, visitantes, alguns simpatizantes das igrejas e também dois psicólogos.

“Temos recebido um feedback muito positivo”, comentou o pastor Winfrid Pfannkuche que, juntamente com sua esposa Nadia Delli Castellicuidou da logística e hospitalidade da igreja valdense na via IV novembro.

“Acho que é uma experiência a ser repetida, e talvez repetida ciclicamente – continuou Pfannkuche – especialmente em uma cidade como Roma. A ideia era nos encontrarmos, no pós-covid, para sair do egocentrismo, dos entrincheiramentos. Reabrir aos outros, fazê-lo juntos também em chave ecumênica, pelo menos entre os protestantes, e recuperar a atenção para o que está ao nosso redor, no território, na cidade. Há muito a ser feito para refazer os laços comunitários. As visitas têm prioridade, mas tem se tornado difícil realizá-las, às vezes até atrapalhadas. Dez, vinte anos atrás, as pessoas esperavam a visita do pastor, ela era considerada fundamental. Agora algo mudou, na confiança, na confidência, nos hábitos. Encontros como este, podemos realmente dizer, são… maná no deserto”.

O interesse por este curso demonstra a capacidade e o desejo de ser comunidade, de querer ser e (re)construir-se como povo protestante em Roma.

“Roma é a cidade mais protestante da Itália – repetiu o pastor Pfannkuche, parafraseando Paulo rico -. Roma, porém, vive uma fase de forte desintegração e abandono. Vemos também um forte reflexo do que acontece a nível social nas igrejas, cujo potencial nem sempre é bem aproveitado. Da transformação da mentalidade em relação à evangelização, à fuga da cidade; do turismo de massas ao desamor por um centro histórico agora pano de fundo de tudo menos do passado. Ir à igreja longe de casa tornou-se cansativo. Por isso, como equipe pastoral valdense e metodista, estamos trabalhando para criar relacionamentos, mesmo na diáspora, mesmo no esforço ‘elitista’ de ser uma minoria. Dar vida a uma formação transversal que une as realidades de diferentes igrejas em Roma é algo excepcional. Temos que caminhar nessa direção”.

Este curso é gratuito para as comunidades e está disponível para todas as igrejas da Itália. Já foram realizadas edições, por exemplo, na Puglia, Roma, Bérgamo e Milão. Ao final do treinamento é emitido um certificado.

O flyer do curso: brochura CPE VISITORS Roma2023def

Para informações: [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Junto.  Cultura, poder, palavra de Deus sobre ministério feminino

Junto. Cultura, poder, palavra de Deus sobre ministério feminino

Roma (NEV), 12 de dezembro de 2019 - O Departamento de Teologia da União das Igrejas Evangélicas Batistas na Itália (UCEBI) preparou um dossiê que contém as traduções de algumas das intervenções mais significativas da Conferência Teológica Batista Internacional (BICTE), que decorreu no passado mês de julho em Nassau (Bahamas). A delegação italiana, composta pela pastora Silvia Rapisarda e a pastora Cristina Arquidiáconasupervisionou a seleção e edição dos textos. "Com este dossiê - dizem - queremos encorajar as igrejas a iniciar ou aprofundar o compromisso e a reflexão sobre o quanto as interpretações culturais e de poder da Palavra de Deus têm produzido discriminação e negação da vocação ao ministério de muitos mulheres, desfigurando assim a imagem de Deus. Idealmente, nos colocamos em continuidade com os materiais oferecidos até agora pelos movimentos de mulheres e com a consciência cada vez maior dos homens de que é necessário partir da própria experiência para dar lugar à Palavra de Deus que chama todos a segui-lo". A reunião de Nassau contou com a participação de mais de duzentos homens e mulheres de todo o mundo. O dossiê contém a tradução de algumas das principais intervenções: a de Molly Marshall, professor de teologia e presidente do Central Baptist Theological Center (EUA), que abriu a plenária com uma palestra sobre a transformação da identidade e prática das igrejas a partir da plena inclusão da mulher na pastoral; que de Paul Fiddes, teóloga britânica, que realizou uma reflexão sobre o "Lugar da mulher na eclesiologia batista" a partir das confissões de fé dos batistas no século XVII; a do teólogo francês Valerie Duval-Poujolprofessora de Grego Bíblico, membro do comitê executivo da Conferência Européia de Igrejas (KEK), que destacou como as traduções da Bíblia condicionaram e ainda condicionam o reconhecimento do papel da mulher nas igrejas. E novamente o texto do pastor André Bokundoa-Bo-Likabe, da República Democrática do Congo, que reflete sobre o contexto atual no Congo, onde a missão coincidiu com a colonização. “ O dossiê contém ainda a Agenda de Reconhecimento do Ministério Feminino, aprovada pela Assembleia Anual da Aliança Batista Mundial, realizada logo após o BICTE, e os Princípios e diretrizes das relações intrabatistas. Este último documento registra a diversidade constitutiva dentro das Igrejas batistas e entre elas, e testemunha o compromisso de escutar uns aos outros em vista do caminho comum. Baixe o arquivo AQUI. ...

Ler artigo
Otto per mille Waldensian, projetos aprovados publicados

Otto per mille Waldensian, projetos aprovados publicados

No que respeita aos países estrangeiros, a maioria dos projetos aprovados concentra-se em África, Médio Oriente, América Latina: vão desde o Quirguistão ao Mali, passando por projetos que serão implementados na Faixa de Gaza. Duas realidades em particular estão sendo ajudadas no Afeganistão, e há pelo menos três anos o Otto per mille Waldensian apoia projetos que visam sobretudo a emancipação das mulheres. Agora, uma vez publicada a lista, as associações e entidades que receberam os aportes poderão iniciar os projetos até o final do mês. Como já havia explicado ao NEV Manuela Vinay, chefe do Otto per mille da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodistas e Valdenses (OPM), por ocasião do Sínodo, o Otto per mille registrou um número recorde de membros este ano, em termos de pedidos: “Quase 5 mil – 4992 – pedidos de financiamento, enquanto em 2019 foram cerca de 4100. Estamos a falar de mais 1400 pedidos, face aos últimos três concursos. Estamos, por isso, muito motivados - acrescenta -, e queremos dizer não só a quem participou no concurso, mas a todos, a toda a sociedade civil, que estamos prontos e determinados a ajudar, a fazer a nossa parte”. Como sempre anunciado durante o Sínodo, também estão sendo captados recursos do fundo de emergência para apoiar projetos extraordinários de ajuda às populações do Haiti e do Afeganistão. “Como nos anos anteriores – declarou Alessandra Trottamoderador do Tavola Valdese, em nota publicada em chiesavaldese.org – pautamo-nos na avaliação dos projetos por alguns critérios básicos: atenção máxima a projetos que atendam às necessidades dos sujeitos mais vulneráveis ​​da forma mais emancipadora possível; a abertura para apoiar diferentes níveis de intervenção, que nunca devem ser colocados em competição, desde o de socorro e ajuda imediata, até ao de projetos de mais longo prazo que visam afetar as causas das desigualdades e promover transformações sociais e culturais positivas; e o equilíbrio entre o apoio a organizações consolidadas e com grande capacidade operacional mesmo em cenários complexos e também a pequenas associações que demonstram conhecimento e raízes reais nos contextos territoriais em que operam e uma atenção profunda a relações de cuidado próximas. Estamos agora empenhados em dar substância ao compromisso – ao qual o Sínodo nos encorajou fortemente – de destinar uma parte significativa do fundo especial residual criado para a emergência do Coronavírus às questões trabalhistas, com atenção particular à condição das mulheres e dos jovens ” . ...

Ler artigo
Encontro Ecumênico com a Presidência Alemã da União Europeia

Encontro Ecumênico com a Presidência Alemã da União Europeia

Foto CEC Roma (NEV/KEK), 7 de julho de 2020 – Pour la version française, veuillez cliquer ici Clique aqui para o Fassung alemão Uma delegação ecumênica da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comissão das Conferências Episcopais da União Européia (COMECE) reuniu-se em Bruxelas na terça-feira, 7 de julho de 2020, com Michael Claussembaixador na Representação Permanente da Alemanha junto à União Europeia (UE), para compartilhar opiniões sobre as prioridades da presidência alemã do Conselho da UE. A delegação instou a nova presidência da UE a renovar o seu compromisso com o projeto europeu e os seus valores comuns, de forma a tornar a Europa mais justa, justa e sustentável. Durante o encontro, CEC e COMECE apresentaram um documento conjunto com reflexões, propostas e recomendações políticas das igrejas da UE, também no contexto da atual pandemia de covid-19, sobre o programa da Presidência Alemã da UE “Juntos pela recuperação da Europa” . Durante o encontro, foi destacada a necessidade de “a UE e os seus Estados membros, juntamente com as igrejas e comunidades religiosas, bem como as partes interessadas da sociedade civil, colaborarem de forma a tornar a Europa não só mais forte, mas também mais inovadora, justa e sustentável” . "Como Igrejas - lê-se na declaração conjunta apresentada pelas Igrejas europeias - estamos empenhados em construir pontes de paz e hospitalidade e em promover uma visão global do bem comum, em busca de uma Europa humana, social e sustentável, em paz consigo mesma e com os seus vizinhos, onde prevaleçam os direitos humanos e a solidariedade”. A reunião foi um primeiro passo. De facto, KEK e COMECE vão continuar a estar envolvidos com a nova Presidência da UE, trazendo o seu contributo até à cimeira com Michael RothMinistro de Estado para a Europa no Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, a ser realizado na terça-feira, 27 de outubro de 2020, em Berlim. A delegação ecumênica era composta por Enrique Barrios Prieto ManualSecretário Geral da COMECE; Lena KumlinConselheiro Sênior para Política da UE da CEC, ramo da Igreja Evangélica Luterana da Finlândia; Friederike Ladenburgerconsultor jurídico de ética, pesquisa e saúde do COMECE; Katrin Hatzinger, Diretor do Escritório de Bruxelas da Igreja Protestante na Alemanha (EKD). As reuniões com as presidências do Conselho da UE fazem parte de uma longa tradição sustentada pelo Artigo 17 do Tratado sobre o Funcionamento da UE (TFUE), que prevê um diálogo aberto, transparente e regular entre as instituições da UE e as igrejas. Para mais informações, leia a Contribuição COMECE e CEC para o programa da Presidência Alemã da UE: Juntos para a recuperação da Europa ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.