AIDS.  Celebração inter-religiosa em nome da resiliência e da esperança

AIDS. Celebração inter-religiosa em nome da resiliência e da esperança

Roma (NEV), 6 de julho de 2020 – realizada em 7 de julho de 2020, a partir das 9h, horário do Pacífico, a maior conferência anual do mundo sobre HIV e AIDS com o tema “Dor. Resiliência. Ter esperança. Renovação”.

Líderes inter-religiosos globais se reunirão online para “celebrar, refletir e orar sobre as questões da AIDS”. São esperados discursos da África do Sul, Estados Unidos, Israel e outros países.

O evento é organizado pela Grace Cathedral, uma igreja episcopal no coração de São Francisco, em parceria com a Diocese Episcopal da Califórnia, a Aliança Ecumênica para a Defesa do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), a Rollins School of Public Health da Universidade Emory, Conselho Inter-religioso de São Francisco e UNAIDS.

“Convidamos o mundo a apoiar a comunidade de agentes de saúde e líderes espirituais, compartilhando esta celebração inter-religiosa virtual”, escrevem os organizadores.

A celebração será aberta na capela inter-religiosa com as boas-vindas de Nancy Pelosi; seguir-se-ão leituras, vídeos e orações sobre os temas da conferência AIDS 2020, com intervenções, entre outras, de Khadijah Abdullah e de Yvette A. Flundercantor, pastor da Cidade de Refúgio da Igreja Unida de Cristo (UCC) em Oakland, Califórnia.

Inscrições e filiações em Facebook E Eventbrite.

Aqui está o flyer para impressão.

A conferência AIDS 2020 reúne cientistas, defensores, políticos e pessoas vivendo com HIV de todo o mundo. Os últimos desenvolvimentos na pesquisa do HIV também serão discutidos durante a conferência.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Natal do trabalhador, dedicado aos trabalhadores da antiga Ilva

Natal do trabalhador, dedicado aos trabalhadores da antiga Ilva

Foto Creative Common Zero Roma (NEV), 25 de dezembro de 2019 – Publicamos o texto do sermão do pastor Raffaele Volpe foi ao ar na manhã desta quarta-feira, 25 de dezembro, durante o programa "Culto Evangélico" da Radiouno RAI. O Natal é o nascimento de Jesus, o Filho de Deus, mas também o filho de José, o carpinteiro, operário e trabalhador. E é precisamente aos trabalhadores, e em particular aos da ex-Ilva, que o Pr. Volpe dedica este Natal de 2019, valendo-se tanto das passagens bíblicas como da sua experiência pessoal. Caro ouvinte e querida ouvinte, Feliz Natal! Somos guardiães e testemunhas de um milagre: a gruta de Belém é o lugar onde Deus decidiu nos chamar. Devemos deixar nossas casas, nossas moradas aquecidas, nossos lugares seguros e caminhar rumo ao grande milagre da história da humanidade: na gruta de Belém, o próprio Deus se fez humano. Oremos: Senhor, decidiste encontrar-nos na carne e no sangue daquele menino chamado Jesus. Ali quiseste dizer-nos que as nossas misérias, as nossas angústias, as nossas tentações, o nosso pecado, toda a nossa humanidade não está abandonada a si mesma, mas se tornou seu. Assumiste as nossas fragilidades para que pudéssemos encontrar neste gesto de amor a força para sermos mais humanos. Amém. Agora vamos ouvir a leitura do texto bíblico para a meditação de hoje: "Não é este o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria e seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas?“, (Mateus 13:55) O Natal é a festa dos filhos e filhas. Celebração das famílias, mesmo diferentes. Festa para os pais que sonham em construir o futuro dando a vida. A passagem do Evangelho de Mateus que ouvimos nos lembra que Jesus também era um filho. Imediatamente pensamos em Jesus como o Filho de Deus e nos esquecemos de Jesus, filho do carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, José, Simão e Judas. Filho de uma família da classe trabalhadora. Aquela que vive pensando no futuro dos filhos. Compras no supermercado tentando economizar dinheiro. Em uma família da classe trabalhadora você luta de manhã à noite, mas os filhos e filhas não precisam saber disso; você luta para avançar, peça por peça, passo a passo. O Italsider de Bagnoli Meu pai era um simples trabalhador em Olivetti. Ele havia perdido quatro dedos de uma das mãos no canteiro de obras da estação central de Nápoles. Tinha sido sua sorte, disse ele, porque lhe permitiu ter um pouco de deficiência e encontrar um emprego na Olivetti. Cresci em uma família da classe trabalhadora, aprendendo a respeitar o próximo e a viver com o essencial, nada mais, mas nunca menos. E nunca tive vergonha de não ter dinheiro suficiente no bolso aos domingos com os amigos. Em neste dia de Natal, como filho de um trabalhador, gostaria de dedicar este culto aos trabalhadores da antiga Ilva de Taranto. O pastor trabalhador Umberto Delle Donne Lembro-me da sensação de calor quando meu pastor, Umberto Delle Donne, um trabalhador da Italsider em Bagnoli, me levou em frente ao quarto alto-forno. Era tudo um brilho de chamas, uma luz intensa, toda concentrada naquela boca do forno e escuridão ao redor. Não foi o inferno, mas apenas graças àqueles trabalhadores que alimentaram o forno, mexeram como uma panela. ele disse bem Pier Paolo Pasolini: “O que permanece original no trabalhador é o que não é verbal: por exemplo, sua fisicalidade, sua voz, seu corpo. O corpo: aqui está uma terra ainda não colonizada pelo poder”. Uma fábrica não é um inferno graças aos corpos de trabalhadores e trabalhadoras. Ainda que muitas vezes até os corpos não colonizados pelo poder sucumbam à lógica do poder. José, o pai de Jesus, também era trabalhador. E Jesus foi apelidado: filho do carpinteiro. Aí esse apelido sumiu e chamaram de Jesus"o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago e de José, de Judas e de Simão", (Marcos 6:3). O pai, Giuseppe, desapareceu repentinamente. Os Evangelhos não nos dizem onde foi parar José, mas conhecendo a vida de um trabalhador não é descabido imaginá-lo esmagado sob o peso de uma longa trave de madeira, essa mesma trave onde se encontrava o seu filho, e também o Filho de Deus, então subirá esmagando a ganância do mundo sob o peso de seu corpo. Muitos se perguntam: o que Jesus fez em seus trinta anos antes do início de sua peregrinação da Galiléia a Jerusalém anunciando a esperança aos desabrigados de que Deus estava ali perto deles? Muitos têm levantado esta questão. E mais uma vez que resposta mais simples e natural do que pensar que depois da morte de José, Jesus trabalhou como carpinteiro na mesma carpintaria. Jesus, trabalhador, filho de trabalhador. Então, a quem dedicar este Natal senão a vocês, trabalhadores e trabalhadoras da antiga Ilva de Taranto? Você que certamente sabe mais sobre José e Jesus do que eu. Gostaria de dedicá-lo a vocês, a vocês que trabalham dia e noite, muitas vezes juntos, deixando seus filhos com os avós. Para vocês, especialistas em orçamento mensal. Para você que sussurra uma oração: Senhor, deixe-me voltar para casa hoje também. A você que, por outro lado, reivindica em voz alta o direito ao trabalho e o direito à saúde ao mesmo tempo. Mesmo que mecanismos diabólicos tenham tornado essa afirmação antinatural. Taranto e Ilva Dedico a vocês este Natal, trazendo-lhes uma boa notícia: Jesus, o carpinteiro, filho de carpinteiro, também era o Filho de Deus, aquele Deus dos profetas que chamou os governantes a juízo; que denunciaram aqueles que constroem suas casas pisoteando os pobres; aquele Deus que no monte Sião fez do respeito à lei o fundamento de toda liberdade; aquele Deus que não parou no julgamento, mas se fez trabalhador em Jesus até sua morte e morte de cruz. Este Deus está do seu lado! O Natal está do seu lado! O Filho de Deus está com você! Feliz Natal então. Adriano Olivetti Então, depois das férias, será necessário recomeçar um projeto simples: tornar novamente humano o trabalho de um trabalhador. “Ao trabalhar todos os dias entre as paredes da fábrica e as máquinas e bancadas e outros homens para produzir algo que vemos correr pelas ruas do mundo e nos devolver em salários que são pão, vinho e casa, participamos todos os dias na pulsante vida da fábrica, nas suas pequenas coisas e nas suas grandes coisas, acabamos por amá-la, apegando-nos a ela e então ela torna-se verdadeiramente nossa, a obra vai-se tornando aos poucos parte da nossa alma, portanto torna-se uma imensa força espiritual”, assim ele se expressou Adriano Olivetti. A partir daqui, depois das férias, teremos que recomeçar. Enquanto isso, no entanto, muitas felicidades e que Deus os abençoe e proteja. Amém Oremos: Senhor neste dia extraordinário, neste dia de Natal, quero rogar-te pelos trabalhadores da antiga Ilva. Eu quero orar a você por todos os trabalhadores. Proteja-os, Senhor, proteja suas famílias e suas vidas. Amém! ...

Ler artigo
Este é o Caminho – Nev

Este é o Caminho – Nev

Roma (NEV), 03 de fevereiro de 2023 – por Benedetta Fragomeni – No meio dessa experiência, me pego fazendo um balanço do que foi e do que espero que seja. A experiência do serviço público com a Mediterranean Hope tem tantas nuances que, pensando bem, me parece que estou vivendo não uma, mas mil aventuras. A regularidade do empenho dá-te a constância, o sentido de responsabilidade próprio de um trabalho. O contacto com as pessoas, beneficiárias dos projetos, dá-lhe a empatia e muitas reflexões próprias do voluntariado. As frequentes oportunidades de treinamento, dentro do MH ou com os demais voluntários da Diaconia Valdense, lhe dão a oportunidade de aprofundar seus conhecimentos, o interesse pelo aprendizado típico de um curso de estudos. A relação com os operadores, com os colegas voluntários, ao longo do tempo, dá-nos a sensação de estar em família. Na minha vida já passei por esses ambientes, mas encontrá-los todos em uma única experiência me deu a consciência de ter feito a escolha certa. Um ano de vida que você coloca à disposição de um projeto com suas estratégias, recursos, questões críticas e objetivos que, se tiver sorte, descobre que são iguais aos seus. A variedade de atividades que, com confiança, os responsáveis ​​confiam a vocês, é o que mais aprecio. O serviço passa por coisas que parecem as mais simples como acompanhar os operadores aos nossos centros, acompanhar os beneficiários a um exame médico, verificar ou preencher documentos. No meu caso, passa pela comunicação, pelas redes sociais. Depois pelo apoio à organização dos corredores humanitários, à recepção. Você está em serviço. Você fica onde precisa, confia um pouco em quem está dirigindo e inicialmente cruza os dedos, porque eles te obrigam a fazer algo que você gosta e porque você faz jus às exigências. Então o conhecimento toma conta, o compartilhamento, o diálogo e a experiência se abrem em uma troca. A certeza das muitas coisas que estás a aprender junta-se à esperança de estares por sua vez a deixar algo de ti. Sim, eu diria que o serviço público é um ofício. Todas as reuniões que tive até agora graças ao funcionalismo público tiveram essa dinâmica, a experiência de acolher os corredores humanitários, o período em Lampedusa mas também a busca de formas novas e eficazes de contar tudo isso. Ofereça seu tempo, seus recursos e receba em troca a oportunidade de conhecer duas realidades; aquela que você ouviu falar de longe e aquela que sempre esteve perto de você mas você percebe que ainda não explorou, a sua realidade. É realmente uma forma de se conhecer e imaginar qual caminho você gostaria de trilhar e devo dizer que o meu é muito parecido com o que já tenho sob meus pés. Até às 14h00 de sexta-feira, dia 10 de fevereiro de 2023, é possível apresentar candidatura para participar num dos projetos da função pública que decorrerão entre 2023 e 2024 em todo o país e no estrangeiro. Duas vagas estão disponíveis no Programa para Migrantes e Refugiados da Federação das Igrejas Protestantes da Itália, em Roma. Para se inscrever, é necessário fazê-lo através do portal online-demand.serviziocivile.it. As especificações são: Título: Este é o caminho Código do projeto: PTXSU0019022010895NXX 2 vagas nos Serviços de Inclusão de Roma, Via del Campo 44D (anteriormente via di Torre Spaccata) – Sede código: 178989 2 posições nos escritórios da FCEI em Roma, Via Firenze 38 – Código da sede: 178966 ...

Ler artigo
Maria Vingiani: explorando os caminhos do encontro

Maria Vingiani: explorando os caminhos do encontro

Com efeito, em 2021, recorda Gavarini, foram organizados três momentos de recordação e estudo: dois online, a 26 de fevereiro de 2021, promovidos não só pela Sae, mas também pela Universidade Ca' Foscari de Veneza, pelo San Bernardino Institute of Estudos Ecumênicos em Veneza, da bunda. «Amici di don Germano Pattaro» e por familiares, e uma segunda vez em março; então, em outubro, o Sae organizou um dia na Faculdade Valdense de Teologia em Roma. O encontro de Pinerolo é promovido pela SAE (Grupo dos Vales de Pinerolo e Valdenses) em conjunto com a Comissão para o Ecumenismo das Igrejas Valdenses do Primeiro Distrito, que aderiu à iniciativa: a intenção é, explica Gavarini novamente, "divulgar este volume e o conhecimento desta figura que esteve entre os pioneiros do ecumenismo na Itália, dando origem a uma associação única a nível europeu, não só na Itália, como notaram testemunhas de autoridade como o teólogo valdense Paulo rico. Aproveitamos também a presença do jornalista em Pinerolo Raffaele Luise, decano dos vaticanistas de Rai, também aluno de Maria Vingiani, tendo sido professor no liceu. Juntamente com Luise envolvemos o atual presidente da Sae, Erica Sfreddaque teve a oportunidade de colaborar durante muito tempo, quando jovem, com a própria Maria Vingiani, como posso dizer que tive a sorte de o fazer eu próprio». Para quem ainda não conhece a figura de Maria Vingiani ou do Sae, uma boa oportunidade para o fazer, numa das primeiras “oficinas ecuménicas” em Itália, Pinerolo. Leia sobre a reforma ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.