Diálogo ecumênico em nosso tempo

Diálogo ecumênico em nosso tempo

Torre Pellice (Turim), 29 de agosto de 2018 (SSSMV/12) – A coletiva de imprensa do Sínodo das igrejas metodistas e valdenses foi dedicada ao tema do ecumenismo, tanto o externo voltado para outras confissões cristãs quanto o intraprotestante , realizada esta manhã na casa valdense em Torre Pellice.

O pastor Fulvio Ferrariodecano da Faculdade Valdense de Teologia em Roma, apresentou o documento “Diálogo ecumênico em nosso tempo” que será discutido na sessão sinodal de amanhã à tarde.

“É um documento que não pretende ser ‘normativo’, mas sim uma ferramenta de referência para reflexão e orientação para nossas igrejas”, explicou Ferrario. Este é o primeiro texto sobre este tema apresentado no Sínodo desde 1998. “A intenção – acrescentou Ferrario – é dar conta do novo clima ecumênico criado com a eleição do Papa Francisco”.

Em particular, questiona-se se o clima de fraternidade criado sobretudo pelas visitas de Francisco à igreja valdense de Turim em 2015, a Lund para o início das comemorações dos 500 anos da Reforma Protestante em 2016 e a sede do Conselho Ecumênico das Igrejas (CEC), em junho passado, em Genebra, teve repercussões “na vida cotidiana das Igrejas e no mútuo reconhecimento teológico”.

O pastor batista também falou na coletiva de imprensa Cristina Arquidiácona que introduziu o tema das relações ecumênicas interprotestantes e em particular entre as igrejas metodistas e valdenses e a União Cristã Evangélica Batista na Itália (UCEBI).

“Relatórios BMV [l’acronimo dei progetti di collaborazione tra Battisti, Metodisti e Valdesi, n.d.r.] eles já são antigos – disse Arcidiacono – e vêem uma multiplicidade de colaborações, desde a “Reforma” semanal comum até o reconhecimento mútuo dos ministros do culto”.

O Sínodo e a próxima Assembleia Batista, marcada para novembro próximo, questionam a oportunidade de organizar nos próximos dois anos a convocação conjunta de uma Assembleia/Sínodo em que as duas assembleias “se encontrariam para discutir questões relacionadas ao testemunho comum na Itália” .

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Continuar Uma torre de livros

Continuar Uma torre de livros

DCIM101MEDIADJI_0121.JPG Roma (NEV), 10 de julho de 2023 - O festival literário "Uma torre de livros" continua, agora em sua décima sexta edição. Após a abertura da resenha, no último fim de semana, continua hoje, a partir das 18h, com Brunetto Salvarani para falar sobre seu "Sem homens e sem Deus" (Editori Laterza) e, às 21h, com Alessandro Rocca Photographer & Filmmaker e Luciano Scalettari, que contará a história da ResQ – Pessoas salvando pessoas. Amanhã, às 18h00, o foco será a situação turca juntamente com Murat Cinar, enquanto às 21h00 haverá o concerto “Une bombe atomique appelée Boris. O mundo de Boris Vian". organizado pela Associação Musicainsieme. O festival acontece na Torre Pellice (To), jardim do Liceo Valdese, via Beckwith 1 O evento é idealizado e organizado pela Biblioteca Claudiana de Torre Pellice e pela Associação Diversi Sguardi e realizado em conjunto com Riforma – L'Eco delle Valli Valdesi. Todos os encontros são gratuitos e serão realizados mesmo em caso de chuva. ...

Ler artigo
Kingston, apelo ecumênico pela paz

Kingston, apelo ecumênico pela paz

Kingston, Jamaica Roma (NEV), 23 de março de 2011 – Ao som de um hino composto para a ocasião, a cerimônia de lançamento da Convocação Ecumênica Internacional pela Paz, convocada na capital da ilha caribenha pelo Conselho da Conferência Ecumênica de Igrejas (CEC) de 17 a 25 de maio próximo. A cerimônia, organizada pelo Conselho de Igrejas da Jamaica e pela Conferência de Igrejas do Caribe (CCC), foi aberta pelo arcebispo católico Donald Reece, presidente do CCC: "A Jamaica é um lugar adequado para refletir sobre a paz, porque aqui sabemos bem o que significa marchar da violência para a paz”, disse Reece referindo-se à história de violência de toda a região do Caribe marcada pelo tráfico de escravos e pelos contratos de servidão. Apesar desta história passada, nenhum ser humano “é chamado ao ódio e à guerra, mas a experimentar a unidade e a paz”. No discurso principal da reunião, Mathews George Chunakara, diretor do programa de assuntos internacionais do CMI, destacou como a Convocação de Kingston está fortemente enraizada na experiência da Década para derrotar a violência (2001-2010), patrocinada pelo CMI. “Kingston representa o ápice da Década - sublinhou Chunakara -, bem como mais uma oportunidade para as igrejas renovarem seu compromisso com a não-violência e a paz justa”. , que recordou os muitos momentos que caracterizarão a Convocação de maio: não só conferências e grupos de estudo, mas também o plantio de árvores e um concerto pela paz. Um momento que vai unir as igrejas ao redor do mundo é o Domingo da Paz, convocado para o dia 22 de maio, durante o qual os cultos das igrejas de todos os continentes rezarão com as palavras de uma oração composta pelas igrejas caribenhas para a ocasião. Os protestantes italianos também estarão presentes na Convocação pela Paz em Kingston, representados pela Pastora Letizia Tomassone, vice-presidente da Federação de Igrejas Evangélicas da Itália. (www.overcomingviolence.org/). Tomassone também estará entre os palestrantes do seminário "Ousando a paz pela fé", que será realizado em Roma no sábado, 2 e domingo, 3 de abril, com o título "Além da violência". À margem do seminário, que também terá intervenções do teólogo adventista Hans Gutierrez e Tonio Dall'Olio da associação “Libera” e membro do conselho da Mesa da Paz, a reunião dos delegados italianos será realizada na Convocação de Kingston. ...

Ler artigo
Despatriarcar o nome de Deus

Despatriarcar o nome de Deus

Roma (NEV), 29 de julho de 2021 – A sessão ecumênica de Camaldoli está na metade de seu curso. A Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) dá a notícia em nota à imprensa. Na noite de terça-feira no claustro da igreja do mosteiro celebrou-se o culto de Santa Cena com a pregação da pastora Ilenya Goss, da Igreja Valdense de Mântua, animada por pastores, pastores e leigos e leigas de várias igrejas reformadas italianas. Estiveram presentes na assembleia os monges da comunidade camaldulense que acolhem a sessão na casa de hóspedes do mosteiro. "A Palavra nos constitui como uma assembléia que escuta", disse Goss em seu sermão sobre a passagem final do Evangelho de Mateus em que Jesus convoca os discípulos antes de se separarem definitivamente, com a promessa "estou sempre com vocês, até o fim do idade "presente". No mandato dado aos discípulos, geralmente definido como missionário e voltado para a conversão, na realidade existe um espírito completamente diferente, disse o pároco. "Jesus diz" vá para discípulo”: viver a vida de discípulo e chamar os outros a viver como discípulos, a entrar em relação com o Mestre. Fazer discípulos passa de discípulos para discípulos, mas apenas um é o Mestre. Somos chamados a compartilhar o dom recebido sem possuí-lo". No final, uma arrecadação foi arrecadada e doada a um projeto para crianças em dificuldade em Burkina Faso através do irmão Enzo Biemmi. A entrevista em streaming foi realizada na quarta-feira por sabina baralde Turim, com o teólogo valdense Paulo ricoligado de Roma, e o teólogo católico da Coordenação Teológica Italiana (Cti) Christine Simonelli, presente em Camaldoli na Sala del Landino. As perguntas iam além do título do encontro "Pai nosso que estais no céu": como dizer Deus hoje": qual é a relação entre a crescente necessidade de serenidade e paz e a busca de Deus, como resolver a dicotomia entre a dramática acontecimentos do mundo e o desejo de felicidade, o que significa fazer teologia nas periferias existenciais, qual a maior contribuição que as teologias femininas podem trazer à busca de Deus. Para Paolo Ricca “buscar a Deus significa buscar a paz e a serenidade. Não devemos acreditar que a busca da paz seja evasiva, uma operação egoísta, mas vital. Claro que a busca de Deus não é só isso, mas também é isso. Não precisamos ter medo de buscar a Deus buscando essas coisas.” O pastor disse considerar o desejo de felicidade compatível na perspectiva reconciliada do mundo destinado à transfiguração. Nos tempos modernos, a felicidade foi incluída como um direito na Declaração de Independência dos Estados Unidos de 1776. Na Bíblia, a felicidade é uma dádiva, não um direito. O Sermão da Montanha que diz "bem-aventurados", isto é, felizes, está ligado ao Reino de Deus. A busca da felicidade em meio aos dramas cotidianos é legítima porque em tudo isso o Reino se aproximou. Para Cristina Simonelli, ex-presidente do CTI, viver, como viveu por vinte e cinco anos, em um acampamento cigano “foi uma expansão de fronteiras. Reconhecer a todos como filhos, filhas, pais e mães. Não vivi como alternativa, não consigo distinguir minha vida, a graça que recebi por ter meus pés ali e a teologia da mulher. Um dos motivos de eu ter ido foi: “Quero testar se o 'Pai Nosso' vale”. Não me fiz a pergunta do pai e da mãe, mas do 'nosso'. Eu vivi como uma promessa cumprida. Esse aspecto da oração do 'Pai Nosso' foi importante, uma palavra profética”. A contribuição das teologias femininas em busca de Deus Simonelli a define com três elementos emprestados de um livro de sua colega Elisabeth Green: adulteração, profundidade, respeito. “A adulteração não é apenas perturbadora, mas também liberta as pessoas e as Escrituras. Respeito profundo pela Tradição sem deixar nada firme, capotando. Por respeito e obediência a adulteração, ou seja, abrir tudo e tentar liberar tudo. Liberte-se, passe pelos tratados teológicos e pela Escritura”. Da oração do "Pai Nosso" o teólogo sublinhou que na versão de Mateus ela é introduzida pelo convite a não fazer como os pagãos, a não desperdiçar palavras. Uma poluição de palavras ocorreu na nomeação do pai que tem sido usada ao longo dos séculos para justificar o poder e o patriarcado. “Todo o poder no céu e na terra foi dado a Jesus, não a nós.” A palavra pai pode ser mantida, mas acompanhada de mãe. “É importante despatriarcar. A proclamação do evangelho eAbba falado por Jesus diz como entender pai e mãe. Pai não é o nome de Deus, mas é figura de relação, origem da vida e guarda, paterna e materna. Não queremos substituir a mãe pelo pai. Mantemos ambos, mantemos a complexidade das diferenças entre homens e mulheres e também entre confissões. Poderemos afirmar a riqueza da comunhão como diferenças reconciliadas e reconvertidas pelo verme originário da hierarquia”. À tarde, os participantes da sessão subiram até a Sagrada Ermida para uma visita guiada pelo prior. A noite foi dedicada à memória do fundador do Sae, Maria Vingianicom depoimentos da neta Francesca Vingiani e de colaboradores e colaboradoras. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.