Sem guerra, da Sardenha à Assembleia da CEC em Karlsruhe

Sem guerra, da Sardenha à Assembleia da CEC em Karlsruhe

Foto arquivo retepacedisarmo.org

Roma (NEV), 3 de setembro de 2022 – ‘De uma economia extrativa e armada a uma reconversão pacífica’, este é o título de um seminário realizado na tarde deste sábado, 3 de setembro, em Karlsruhe, um dos Brunnen, as várias iniciativas da sociedade civil, e outras, promovidas por ocasião da XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas. No centro do workshop esteve a experiência de “Liberu dae sa gherra” – Warfree, um plano para a promoção, valorização e valorização das actividades produtivas que em Sulcis-Iglesiente e em toda a Sardenha “recusam a economia predatória e violenta gerada pela produção de armamentos”, como se afirma na apresentação da iniciativa. Em 2021, portanto, foi formada a associação WarFree, da qual também participa a Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, entre outras disciplinas.

Em Karlsruhe, o projeto foi apresentado por Antonella Visintin da Comissão GLAM da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com os representantes da associação, o presidente Cynthia Guaita e o co-presidente Arnaldo Scarpa.

“A produção de armas e munições – explicaram os promotores do workshop – é um negócio mortal, a exportação de ambos é um negócio gigantesco. As grandes fábricas de armas estão posicionadas internacionalmente com subsidiárias e filiais em muitos países diferentes. É o caso da alemã Rheinmetall, que tem uma filial na Sardenha e outra na Cidade do Cabo. Na Sardenha, a resistência aumentou entre a população local quando ficou claro que as bombas produzidas na ilha haviam sido usadas pela Arábia Saudita na guerra do Iêmen. Organizações religiosas e da sociedade civil se levantaram e protestaram contra a exportação de bombas da Sardenha. Eles fundaram uma cooperativa “livre de guerra”, que busca reunir pequenas e médias empresas na área ao redor da fábrica de bombas, comprometidas com uma economia pacífica sustentável, fora de qualquer atividade de guerra. Ao fornecer a esses negócios uma plataforma online comum, a iniciativa busca fortalecer esses negócios para que as pessoas que moram na área tenham uma alternativa para trabalhar na fábrica de bombas. No seminário, as vozes dos que vivem na Sardenha e seus protestos e vamos procurar uma economia alternativa e sem guerra e discutir como podemos ajudá-los em sua luta e como podemos agir contra uma indústria semelhante em nosso bairro”.

“Acompanhamos o projeto desde o início – explicou Antonella Visintin da Comissão GLAM da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – porque a Igreja Batista da Sardenha pediu apoio. Assim colaborámos de imediato com a comissão e ajudámos a organizar a conferência em março de 2019 – somos de facto um dos três parceiros do projeto Paz Conversão Sardenha. Como podemos contribuir como igrejas? Fazemos parte – tanto o comitê quanto a Glam – da Rede Italiana de Paz e Desarmamento, que inclui associações seculares e religiosas: também há colaboração nesta área. Para nós é um tema e um compromisso muito importante, no marco do compromisso do Concílio Ecumênico pela “paz justa”. De fato, lembramos que em 1948, na primeira assembléia do CMI, em Amsterdã, foi dito que “a guerra é contra a vontade de Deus”.

Entre outras coisas, o CMI aprovou uma Declaração ‘No Caminho para a Paz Justa’ em sua décima assembleia em 2013 em Busan, que será seguida neste ano.

Por estas razões, “Consideramos este projeto parte deste percurso e é importante que haja um território em que existam razões concretas de reconversão da sua estrutura produtiva do ponto de vista da sustentabilidade para com o ambiente e na ética termos, contra qualquer guerra”.

Além disso, nos últimos dias, Visintin e outros ativistas estiveram “na região de Bodensee (na fronteira sudoeste da Alemanha com a Suíça e a Áustria) que, como a região de Hesse, tem uma forte concentração de fábricas de armas. O que continuamos a entender cada vez mais é o quão importante é a legitimidade cultural da produção de armas em um determinado território”.

O objetivo é uma declaração de posição do órgão reunida em Karlsruhe até 8 de setembro.

“Gostaríamos de ajudar o CMI a produzir declarações sobre o tema da paz justa, a fim de fortalecer o compromisso local das igrejas nacionais individuais”, concluiu o representante da Comissão GLAM.

Armas produzidas na Itália e conversão à paz. A pesquisa realizada pela Igreja Evangélica de Baden, pela Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e pelo Comitê de Reconversão RWM.

Paz, Visintin: “Só se faz com justiça social” Algumas das etapas do projeto nas palavras da coordenadora do GLAM, Antonella Visintin. “WarFree-Livre da guerra”. Uma marca ética para empresas que se recusam a produzir armas. A Comissão de Globalização e Ambiente da FCEI continua o seu trabalho em prol da reconversão e da consciência da paz. Da Sardenha à Alemanha e além…

Baixe o Folheto WarFree.

Consulte a página de empresas WarFree.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências

Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências

Foto James Barr / Unsplash Roma (NEV), 3 de dezembro de 2019 - A conferência de dois dias intitulada "Pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências", promovida pela Faculdade Pentecostal de Estudos Religiosos, começa na quinta-feira, 5 de dezembro, em Battipaglia (Salerno). A Agência NEV entrevistou o pastor carmim napolitanoDecano da Faculdade e Presidente da Federação das Igrejas Pentecostais (FCP). Como nasceu esta conferência e quais são os seus objetivos? A conferência insere-se no interesse da Faculdade Pentecostal, que desde a sua criação tem promovido o estudo do mundo pentecostal tanto numa perspectiva confessional como numa perspectiva de investigação académica. Em 2008, por exemplo, por ocasião do primeiro centenário da presença pentecostal na Itália; e depois em 2015, ano em que nos concentramos no movimento pentecostal da Campânia, onde a presença é mais significativa. Ainda em 2015, 80 anos depois da circular Buffarini-Guidi contra os pentecostais, refletimos sobre aquele gravíssimo ato de intolerância religiosa que atingiu este movimento eclesial durante o fascismo. Esta conferência foi criada para fazer um balanço da situação dos estudos sobre o movimento pentecostal. Paralelamente ao nosso interesse, outras universidades e instituições acadêmicas, religiosas ou não, também têm feito análises e pesquisas sobre os pentecostais, ora se cruzando conosco, ora de forma independente. A conferência de estudo que propusemos visa, portanto, reunir todos aqueles que estão envolvidos neste tema na Itália. Iremos nos comparar segundo perspectivas internas e externas, também em nível internacional, para uma leitura atenta e proativa do pentecostalismo, que é considerado um fenômeno religioso significativo em todo o mundo Qual é o número de pentecostais na Itália? Além da Federação das igrejas pentecostais, existem as Assembléias de Deus e um componente substancial de igrejas independentes que elevam o número de pentecostais italianos, segundo as estatísticas, para cerca de 300.000 pessoas. A estas deve-se acrescentar a linha de igrejas pentecostais nascidas após os fenômenos migratórios, que se estima reunir mais de 100.000 pessoas na Itália. O total representa um número significativo, mesmo em comparação com outros países europeus. Existe homogeneidade no pentecostalismo italiano? Há uma certa homogeneidade nas redes que conectam as diferentes áreas do movimento. As várias denominações reúnem temas que apresentam particularidades diversificadas sobretudo no que diz respeito às modalidades litúrgicas ou características doutrinárias menos relevantes. Do ponto de vista da estrutura jurídica e da organização interna as igrejas do FCP são bastante próximas. As igrejas de origem migrante são caracterizadas por elementos culturais específicos que afetam a prática pastoral e a interpretação teológica. É também por isso que não estamos falando de uma igreja pentecostal, mas de um movimento, para identificar uma denominação caracterizada por um determinado tipo de espiritualidade, independentemente de origem ou distribuição geográfica. Quais são as relações com as outras igrejas protestantes e evangélicas italianas? O FCP mantém estreitas relações de amizade e colaboração, desde a sua criação, com a Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI), da qual é membro observador. Atualmente ocupa a vice-presidência da Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS), na qual está envolvida há vários anos. Também mantivemos diálogos teológicos com as igrejas valdenses, metodistas, batistas e adventistas. Entre os palestrantes da conferência "Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências", estão acadêmicos e especialistas, incluindo Paulo Naso da Universidade de Roma La Sapienza, o teólogo valdense Paulo ricoo pastor David Romanodiretor do Instituto Adventista de Cultura Bíblica (IACB) “Villa Aurora” e Ilaria Valenziassessor jurídico da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), para o Centro Studi Confronti – Fondazione Kessler. Os trabalhos serão abertos na câmara municipal do município de Battipaglia no dia 5 de dezembro às 15h (Piazza Aldo Moro) e continuarão no dia 6 no centro de congressos do hotel San Luca (SS 18 Tirrena Inferiore, n.18). A conferência contou com o patrocínio da Região da Campânia e do Município de Battipaglia, bem como do FCP. Para mais informações: www.fcpitalia.org Descarregue aqui o folheto ...

Ler artigo
Veneza 79. Prêmio INTERFILM para “A Baleia” de Darren Aronofsky

Veneza 79. Prêmio INTERFILM para “A Baleia” de Darren Aronofsky

Foto do filme "A Baleia" de Darren Aronofsky (EUA 2022) Roma (NEV), 12 de setembro de 2022 - No 79º Festival Internacional de Cinema de Veneza (31 de agosto a 10 de setembro de 2022), o júri INTERFILM concedeu o Prêmio INTERFILM para a Promoção do Diálogo Inter-religioso ao filme "A Baleia" de Darren Aronofsky (EUA 2022). Este é o raciocínio: Em “A Baleia”, de Darren Aronofsky, um pai está confinado ao corpo, ao lar e à vida. Em busca de libertação, ele é visitado por personagens que, enojados com a visão de sua aparência física, lhe oferecem várias maneiras de sobreviver. O filme retrata de forma poderosa a fragilidade das relações humanas e a possibilidade de perdão e salvação. Os membros do Júri Internacional INTERFILM Júri INTERFILM, Veneza 79 (2022) – foto inter-film.org O Júri Internacional INTERFILM, sigla que reúne associações europeias de cinema protestante, é este ano constituído pelo pastor e “teólogo pop” Pedro CiaccioPresidente da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” – membro italiano da INTERFILM. Alina Gabriela Birzache (Reino Unido). Robert K. Johnston (EUA). Jolyon Mitchell (Escócia/Reino Unido, Presidente). Daria Pezzoli-Olgiati (Suíço). O filme também recebeu outros três prêmios de júris independentes (Prêmio Cinema Sara, Prêmio Leoncino d'Oro, 'Prêmio Sorriso Diverso Veneza')”. O Júri da INTERFILM também sublinhou a “qualidade especial de 'Mestre Jardineiro' de Paul Schrader (EUA 2022), 'Argentina, 1985' de mitra de santiago (Argentina, EUA 2022) e 'The Son' de Florian Zeller (Grã-Bretanha 2022) durante a cerimônia de premiação no Hotel Excelsior”. Desde 2011, explica a INTERFILM, um júri concedeu a Veneza o Prêmio INTERFILM pela promoção do diálogo inter-religioso. O objetivo do prêmio, conforme consta no regulamento, é "apoiar filmes que promovam compreensão, respeito, simpatia e paz entre pessoas de diferentes origens, histórias e crenças, ao invés de conflito, violência e opressão". O júri leva em consideração tanto os filmes da Competição Internacional quanto os da seção Horizontes. Este é o décimo primeiro Prêmio INTERFILM concedido, nos 90 anos de fundação do Festival. Leone d'Oro e outros prêmios O Leão de Ouro do Júri do Festival, presidido por Julianne Moorefoi premiado com o documentário “All the Beauty and the Bloodshed” de Laura Poitras (EUA 2022). O Grande Prêmio do Júri para “Saint Omer” de Alice Diop (França 2022). Na seção Horizontes, o prêmio de Melhor Filme foi para “Jang-e jahani sevom” (Terceira Guerra Mundial), de Houman Seyedi (Irã 2022), o Prêmio de Melhor Diretor a Tizza Covi E Rainer Frimmel para “Vera” (Áustria 2022). Prêmios pelo conjunto da obra também foram para Paul Schrader como diretor ea Catherine Deneuve como atriz. O júri da Federação Internacional de Críticos de Cinema (FIPRESCI) atribuiu o prémio da competição internacional a "Argentina, 1985" e o da secção Horizontes a "Autobiografia" de Makbul Mubarak (Indonésia, França, Alemanha, Polônia, Cingapura, Filipinas, Catar 2022). “Argentina, 1985” também obteve uma menção honrosa do júri SIGNIS, que premiou “Chiara” de Susana Nichiarelli (Itália, Bélgica 2022). Para mais informações: www.inter-film.org ...

Ler artigo
Igrejas conciliares ecumênicas.  Ioan Sauca secretário-geral interino

Igrejas conciliares ecumênicas. Ioan Sauca secretário-geral interino

Ioan Sauca. Foto Albin Hillert - CEC Roma (NEV), 3 de março de 2020 – Padre Ioan Sauca foi nomeado secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) a partir de 1º de abril. Sauca, atualmente vice-secretário geral do programa de educação ecumênica do CMI e do Instituto Ecumênico Bossey, ocupará o cargo até o próximo Comitê Executivo. A liderança do Comitê Central do CMI decidiu adiar para junho a reunião marcada para 18 e 24 de março, bem como a do Comitê Executivo que deveria tê-la precedido, à luz das preocupações e da atual disseminação internacional do Coronavírus (COVID19). . O moderador do CMI, Agnes Abuom, pediu apoio e orações à comunidade global, dirigindo palavras de confiança a Sauca. O atual Secretário Geral, pároco Olav Fykse Tveit, deixará o CEC em 31 de março e em 26 de abril em Trondheim assumirá o cargo de novo presidente do Conselho da Igreja da Noruega, órgão executivo da principal igreja episcopal do país escandinavo, que prevê a responsabilidade de a catedral de Nidaros e o bispado da diocese. Tveit apresentará seu relatório final ao Comitê Central em agosto. Sauca, que vem da Igreja Ortodoxa na Romênia, é professor de missiologia e teologia ecumênica em Bossey desde 1998 e diretor desde 2001. Desde 2014 é vice-secretário geral do CEC. Sauca juntou-se ao CMI pela primeira vez em 1994 como Secretário Executivo para Estudos Ortodoxos e Relações Missionárias. Ele primeiro ensinou missão e ecumenismo na faculdade de teologia em Sibiu, Romênia, e serviu seu patriarcado como chefe do recém-criado Departamento de Imprensa e Comunicações, responsável pelas relações externas e ecumênicas da igreja e pela instrução religiosa nas escolas públicas. Sauca estudou nas Faculdades Teológicas de Sibiu e Bucareste, Romênia, e recebeu seu doutorado em Teologia pela Universidade de Birmingham, Reino Unido. Ele também estudou na Escola de Pós-Graduação do Bossey Ecumenical Institute. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.