França, lei contra o separatismo religioso, as Igrejas: “Liberdades fundamentais em risco”

França, lei contra o separatismo religioso, as Igrejas: “Liberdades fundamentais em risco”

Paris. Foto de Colin Maynard, unsplash

Roma (NEV), 11 Março de 2021 – A lei contra o separatismo religioso francês “Riscos de violação das liberdades fundamentais que são liberdade de culto, associação, educação e até liberdade de opinião”. Isso eles denunciam em uma carta conjunta publicada anteontem em Le Figaro os representantes das igrejas protestante, católica e ortodoxa na França, sobre o tema da polêmica nova lei sobre “separatismo religioso”. O diploma, intitulado “pelo respeito dos princípios da República”, encomendado pelo Emmanuel Macron para combater o Islã radical, está no centro de forte controvérsia porque afetaria a religião muçulmana só isto – e não o fundamentalismo – e, segundo os cristãos, a liberdade de culto em geral. Então aqui está a forte posição assinada pelo pastor François Clavairolypresidente da Protestant Fédération de France (organização homóloga da FCEI, ed.), por Monsenhor Eric de Moulins-Beaufortpresidente da Conferência Episcopal Francesa e arcebispo de Reims e pelo Metropolita Emmanuel Adamakis.

“Saudamos sem reservas as disposições do projeto de lei que permitem uma luta mais direta contra os casamentos forçados – lê-se no texto em Le Figaro -, mutilação sexual, desigualdade de herança, incitação ao ódio e à discriminação em todas as suas formas […]. Mas de que adianta complicar a vida das associações religiosas previstas na lei de 1905 (que regula o exercício da maioria dos cultos praticados na França, ed.)? Pensamos seriamente que quem quer viver “longe” da República desafiando os seus fundamentos vai aderir a um estatuto oficial, constantemente sob o olhar dos prefeitos? Como podemos esperar que estas disposições dêem aos nossos concidadãos muçulmanos confiança na vontade da República de permitir-lhes viver a sua fé com liberdade e sentido de responsabilidade e praticar a sua religião apenas dentro dos limites do respeito pela ordem pública?” .

A oposição política também compartilha os temores de uma possível discriminação contra pessoas de fé islâmica. o grupo de France insoumise há meses denuncia uma “estigmatização dos muçulmanos” através do texto da lei, que “só vai produzir mais uma aura de desconfiança em relação às associações animadas por concidadãos de fé muçulmana”.

A lei contra o “separatismo islâmico” surge após inúmeros episódios de violência e terrorismo, desde o ataque à redação da Charlie Hebdo de 2015, em que morreram doze pessoas, à decapitação do professor Samuel Pattyem outubro do ano passado. Daí a decisão de Macron de endurecer, de combater o fundamentalismo.

É, como ele explica Reforma neste artigo, “do enésimo capítulo da história ligada à nova lei desejada pelo presidente Macron para aumentar o controle sobre as possíveis tendências antirrepublicanas de pregações e sermões. Regra concebida sobretudo em termos de maior controle das atividades das comunidades islâmicas, e que na realidade penaliza em certa medida todas as igrejas e comunidades religiosas”.

A lei exige, entre outras coisas, que todas as associações respeitem os “valores republicanos” e declarem especificamente cada doação que receberem acima de 10.000 euros. Entre os artigos mais contestados, como explica viras relativas aos subsídios, às obrigações declarativas das associações religiosas, às associações “mistas” apenas parcialmente ligadas ao culto e à faculdade de encerramento administrativo dos locais de culto por motivos de ordem pública.

O projeto de lei já foi aprovado (com 347 votos a favor, 151 contra e 65 abstenções) em fevereiro pela Assembleia Nacional, e deverá ser discutido no Senado a partir do próximo dia 30 de março.

A disposição, concluem os três representantes católicos, protestantes e ortodoxos em sua carta, “continua seu curso legislativo. Esperamos que as razões da nossa preocupação com este texto sejam compreendidas, tanto pelos parlamentares como pelo poder executivo, para que o debate parlamentar, em diálogo com o governo, permita a elaboração de um texto que respeite as liberdades de todos os cidadãos franceses”.

Aqui o texto integral da carta dos três representantes das igrejas cristãs francesas, traduzida para o italiano por Reformae em sua versão original em francês, no site da FPF.

Neste vídeo, um comentário de François Clavairoly, presidente da Protestant Fédération de France, que fala de “um projeto de lei discriminatório para as religiões”:

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências

Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências

Foto James Barr / Unsplash Roma (NEV), 3 de dezembro de 2019 - A conferência de dois dias intitulada "Pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências", promovida pela Faculdade Pentecostal de Estudos Religiosos, começa na quinta-feira, 5 de dezembro, em Battipaglia (Salerno). A Agência NEV entrevistou o pastor carmim napolitanoDecano da Faculdade e Presidente da Federação das Igrejas Pentecostais (FCP). Como nasceu esta conferência e quais são os seus objetivos? A conferência insere-se no interesse da Faculdade Pentecostal, que desde a sua criação tem promovido o estudo do mundo pentecostal tanto numa perspectiva confessional como numa perspectiva de investigação académica. Em 2008, por exemplo, por ocasião do primeiro centenário da presença pentecostal na Itália; e depois em 2015, ano em que nos concentramos no movimento pentecostal da Campânia, onde a presença é mais significativa. Ainda em 2015, 80 anos depois da circular Buffarini-Guidi contra os pentecostais, refletimos sobre aquele gravíssimo ato de intolerância religiosa que atingiu este movimento eclesial durante o fascismo. Esta conferência foi criada para fazer um balanço da situação dos estudos sobre o movimento pentecostal. Paralelamente ao nosso interesse, outras universidades e instituições acadêmicas, religiosas ou não, também têm feito análises e pesquisas sobre os pentecostais, ora se cruzando conosco, ora de forma independente. A conferência de estudo que propusemos visa, portanto, reunir todos aqueles que estão envolvidos neste tema na Itália. Iremos nos comparar segundo perspectivas internas e externas, também em nível internacional, para uma leitura atenta e proativa do pentecostalismo, que é considerado um fenômeno religioso significativo em todo o mundo Qual é o número de pentecostais na Itália? Além da Federação das igrejas pentecostais, existem as Assembléias de Deus e um componente substancial de igrejas independentes que elevam o número de pentecostais italianos, segundo as estatísticas, para cerca de 300.000 pessoas. A estas deve-se acrescentar a linha de igrejas pentecostais nascidas após os fenômenos migratórios, que se estima reunir mais de 100.000 pessoas na Itália. O total representa um número significativo, mesmo em comparação com outros países europeus. Existe homogeneidade no pentecostalismo italiano? Há uma certa homogeneidade nas redes que conectam as diferentes áreas do movimento. As várias denominações reúnem temas que apresentam particularidades diversificadas sobretudo no que diz respeito às modalidades litúrgicas ou características doutrinárias menos relevantes. Do ponto de vista da estrutura jurídica e da organização interna as igrejas do FCP são bastante próximas. As igrejas de origem migrante são caracterizadas por elementos culturais específicos que afetam a prática pastoral e a interpretação teológica. É também por isso que não estamos falando de uma igreja pentecostal, mas de um movimento, para identificar uma denominação caracterizada por um determinado tipo de espiritualidade, independentemente de origem ou distribuição geográfica. Quais são as relações com as outras igrejas protestantes e evangélicas italianas? O FCP mantém estreitas relações de amizade e colaboração, desde a sua criação, com a Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI), da qual é membro observador. Atualmente ocupa a vice-presidência da Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS), na qual está envolvida há vários anos. Também mantivemos diálogos teológicos com as igrejas valdenses, metodistas, batistas e adventistas. Entre os palestrantes da conferência "Os pentecostais na Itália: leituras, perspectivas, experiências", estão acadêmicos e especialistas, incluindo Paulo Naso da Universidade de Roma La Sapienza, o teólogo valdense Paulo ricoo pastor David Romanodiretor do Instituto Adventista de Cultura Bíblica (IACB) “Villa Aurora” e Ilaria Valenziassessor jurídico da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), para o Centro Studi Confronti – Fondazione Kessler. Os trabalhos serão abertos na câmara municipal do município de Battipaglia no dia 5 de dezembro às 15h (Piazza Aldo Moro) e continuarão no dia 6 no centro de congressos do hotel San Luca (SS 18 Tirrena Inferiore, n.18). A conferência contou com o patrocínio da Região da Campânia e do Município de Battipaglia, bem como do FCP. Para mais informações: www.fcpitalia.org Descarregue aqui o folheto ...

Ler artigo
Bíblia.  Uma nova tradução italiana para o Jubileu da Reforma 2017

Bíblia. Uma nova tradução italiana para o Jubileu da Reforma 2017

Roma (NEV), 23 de outubro de 2013 – Uma nova tradução da Bíblia para o italiano. Esta é a iniciativa que a Sociedade Bíblica na Itália (SBI) está lançando em vista do 500º aniversário da Reforma em 2017. "O grande mérito dos reformadores - escreve o pastor Eric Noffke, presidente da SBI, em carta enviada em a ocasião do domingo da Reforma deste ano – foi precisamente a de chamar o cristianismo de volta à sua fonte, a Cristo, ao Verbo de Deus feito carne, cujo único testemunho de autoridade se encontra nas Escrituras do Antigo e do Novo Testamento”. A iniciativa será apoiada não apenas pelo SBI, mas também pelas igrejas evangélicas italianas às quais a carta de Noffke é dirigida para solicitar sua adesão. De facto, os custos não são indiferentes e ascendem a cerca de 500.000 euros num período de dez anos. “Para apoiar o empreendimento contamos não só com o empenho dos executivos nacionais das igrejas, mas pretendemos criar uma rede de indivíduos dispostos a nos apoiar com pequenas mas constantes quantias ao longo do tempo”, especifica o presidente da SBI. O método escolhido para a tradução também será novo. “A Bíblia protestante em italiano está ligada ao nome de um indivíduo, Giovanni Diodati – explica Noffke -. O método que temos em mente é mais coral porque envolve um grupo de tradutores, consultores e revisores escolhidos no mundo da evangelização italiana, para fazer uma tradução fiel à letra dos textos bíblicos e em uma linguagem moderna”. O Novo Testamento e os Salmos devem ser publicados em 2017, ano do Jubileu da Reforma, enquanto a Bíblia inteira deve ser impressa em 2023. “Esta nova tradução pretende dar expressão renovada à Palavra e pretende ser o legado da nossa geração para as que virão”, conclui Noffke. ...

Ler artigo
“Você só cresce se sonhar”.  Reflexões sobre humilhação e humildade

“Você só cresce se sonhar”. Reflexões sobre humilhação e humildade

Foto Annie Spratt / Unsplash Roma (NEV), 25 de novembro de 2022 - Publicamos a nota do pastor evangélico batista Cristina Arquidiáconatransmitido pela Rádio RAI 1 no domingo, 27 de novembro de 2022, na transmissão "Culto evangelico" - seção "Finestra Aperta". Você só cresce se sonhar. Então ele disse Danilo Doces, pacifista, educador, sociólogo, muito atuante nas áreas mais pobres e esquecidas do país, desde a década de 1950. Você só cresce se sonhado, só se reconhecido como parte de uma visão mais ampla, de uma vida que vai além da minha também. Você cresce apenas se humilhado parece significar hoje. Humilhar é um verbo que se refere à terra. Húmus, terra que fertiliza, que nutre. A humildade é característica de quem sabe que ser baixo é uma condição comum e oferece um ponto de observação diferente. Na Bíblia, no Evangelho de Lucas, Deus é cantado pela voz de uma jovem grávida, Maria, abraçada e reconhecida por Isabel, sua parente, também grávida, como aquela que se rebaixa (se humilha?) que já está abaixo, apenas ela, como aquela que levantou os humildes e tirou o poder dos orgulhosos, enviou os ricos de mãos vazias e encheu de bens tantos e quantos tinham fome. Humilhar, nas palavras do poder, assume o sentido não só de rebaixar, mais, de envergonhar, de não reconhecer, de castigar. Talvez os adultos de hoje humilhem meninos e meninas mesmo quando não os veem, não os escutam, não confiam neles. E ao invés de se questionarem sobre suas próprias escolhas e ações, talvez atuem tal qual foram humilhados, em outros contextos e em outros tempos, e reproponham uma pedagogia "negra", feita de pequenas e grandes torturas psicológicas e físicas de honra, de poder. Tudo isso nada tem a ver com a possibilidade de reparar uma relação, de participar materialmente da restauração de algo que está quebrado, coisas pelas quais um adolescente estaria mais do que disposto. Na última semana, foram comemorados o Dia dos Direitos da Criança e o Dia Internacional contra a Violência contra a Mulher. No espaço de tempo de um dia, condensa-se o cotidiano de dificuldades de reconhecimento, relações de poder, abuso psicológico, violência física, exploração infantil, venda de crianças, disparidades nas condições de trabalho e econômicas, reproposição pública de clichês e estereótipos, desde a infância de mulheres e homens. Diariamente. Sonhar com uma nova forma de ser comunidade passa pela possibilidade de nos reconhecermos sonhados e sonhados, já amados. Juntamente com Maria que canta o magnificat, os Evangelhos propõem um José que sonha e no sonho deixa Deus sonhá-lo, para ser um homem diferente do que o poder gostaria que fosse: José é acompanhado para nascer de novo, graças a uma parteira de Deus , que a reconhece como parte do projeto de amor pela humanidade. Um homem não patriarcal em uma sociedade patriarcal dará o exemplo de um homem para seu filho. E assim o poder será humilhado, trazido de volta à terra. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.