Encontro Ecumênico com a Presidência Alemã da União Europeia

Encontro Ecumênico com a Presidência Alemã da União Europeia

Foto CEC

Roma (NEV/KEK), 7 de julho de 2020 –

Pour la version française, veuillez cliquer ici

Clique aqui para o Fassung alemão

Uma delegação ecumênica da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comissão das Conferências Episcopais da União Européia (COMECE) reuniu-se em Bruxelas na terça-feira, 7 de julho de 2020, com Michael Claussembaixador na Representação Permanente da Alemanha junto à União Europeia (UE), para compartilhar opiniões sobre as prioridades da presidência alemã do Conselho da UE.

A delegação instou a nova presidência da UE a renovar o seu compromisso com o projeto europeu e os seus valores comuns, de forma a tornar a Europa mais justa, justa e sustentável.

Durante o encontro, CEC e COMECE apresentaram um documento conjunto com reflexões, propostas e recomendações políticas das igrejas da UE, também no contexto da atual pandemia de covid-19, sobre o programa da Presidência Alemã da UE “Juntos pela recuperação da Europa” .

Durante o encontro, foi destacada a necessidade de “a UE e os seus Estados membros, juntamente com as igrejas e comunidades religiosas, bem como as partes interessadas da sociedade civil, colaborarem de forma a tornar a Europa não só mais forte, mas também mais inovadora, justa e sustentável” .

“Como Igrejas – lê-se na declaração conjunta apresentada pelas Igrejas europeias – estamos empenhados em construir pontes de paz e hospitalidade e em promover uma visão global do bem comum, em busca de uma Europa humana, social e sustentável, em paz consigo mesma e com os seus vizinhos, onde prevaleçam os direitos humanos e a solidariedade”.

A reunião foi um primeiro passo. De facto, KEK e COMECE vão continuar a estar envolvidos com a nova Presidência da UE, trazendo o seu contributo até à cimeira com Michael RothMinistro de Estado para a Europa no Ministério das Relações Exteriores da Alemanha, a ser realizado na terça-feira, 27 de outubro de 2020, em Berlim.

A delegação ecumênica era composta por Enrique Barrios Prieto ManualSecretário Geral da COMECE; Lena KumlinConselheiro Sênior para Política da UE da CEC, ramo da Igreja Evangélica Luterana da Finlândia; Friederike Ladenburgerconsultor jurídico de ética, pesquisa e saúde do COMECE; Katrin Hatzinger, Diretor do Escritório de Bruxelas da Igreja Protestante na Alemanha (EKD).

As reuniões com as presidências do Conselho da UE fazem parte de uma longa tradição sustentada pelo Artigo 17 do Tratado sobre o Funcionamento da UE (TFUE), que prevê um diálogo aberto, transparente e regular entre as instituições da UE e as igrejas.

Para mais informações, leia a Contribuição COMECE e CEC para o programa da Presidência Alemã da UE: Juntos para a recuperação da Europa

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

16 dias para superar a violência, 11º dia.  Cuidadores entre a escravidão e a humanidade

16 dias para superar a violência, 11º dia. Cuidadores entre a escravidão e a humanidade

Detalhe do cartaz do filme ROMA, de Alfonso Cuaron (México, 2018, 135') Roma (NEV), 5 de dezembro de 2022 - Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da a Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 11: 5 DE DEZEMBRO Cuidadores: semi-escravos ou seres humanos? SOLICITARdiscutirComo tornar mais dignoa vida dos cuidadores? PARAConfiamos nossos mais velhos a eles e nãonossas casas, às vezes até nossos filhos, mas oferecemos-lhes salários ridículos, horas inadmissível e, muitas vezes, sem regracontrato. Mais de 60% dos trabalhadores domésticos são estrangeiros e, destes, mais de 80% mulheres.Muitos trabalham ilegalmente para garantir a si mesmos uma compensação um pouco mais substancialreferindo-se, no entanto, ao direito aos cuidados de saúderia, às contribuições e proteções que seriam devidasro de lei. Sem dias de folga, doença, espaços para a vida privada. Em alguns casos, então, atrás do mercado de cuidadores estrangeiros lá são mecanismos idênticos aos do tráfego humano: os recrutadores entram em contato com você para provocê traz trabalho, eles pagam sua viagem para a Itália, para depois "colocar-se" com uma família, com turnos intermináveis, privando-o de seu passaporte, ameaçando te colocar na calçadade se você não cumprir as regras e exigir até mesmo subornos a serem pagos à organizaçãoção. Os membros da família estão cada vez menos presentes com os idosos, são cada vez mais exigentes em econclusão das tarefas domésticas, o ua humanidade tem cada vez menos lugar do que os relacionamentostrabalhar com essas pessoas.O Nós vemos sempre menos.Na web existem anúncios como “Servizio Badanti 7 dias por semana… a partir de € 720”.Sim, você leu corretamente. Este tipo de injustiça, tornada possível pela necessidade das vítimas e muitas vezes silenciadas das paredes domésticas e a cumplicidade entre exploradores e "empregadores", reclama o justotia, requer nossa atenção. Proposta de Visão:ROMA direção Afonso Cuarón México, 2018, 135' História de uma empregada indiana de um família rica da Cidade do México (distrito de Roma), por todos e todas explorados e vilipendiados, mas cheios de dignidade, doçura, capacidade de cuidar. VERSÍCULO BÍBLICO Darei a vocês um novo coração e porei um novo espírito dentro de vocês; Tirarei de seu corpo o coração de pedra e lhe darei um coração de carne. Porei dentro de vós o meu Espírito e farei com que andeis nos meus estatutos, observeis e cumprais as minhas prescrições. (Ezequiel 36, 26-27) COMENTE Ezequiel ilustra um transplante: é removidoum coração endurecido, incapaz de garantirre vida, e substituído por um coração molee animado. Até o espírito requer um masmanutenção: o humano é rebelde, esquivote à ação de Deus, mas quando admitimos quanto precisamos Dele, Deus pode “fazer assim” que começamos a andar seEu conduzo suas leis, colocando dentro de nós o Seu Espírito! Sem o novo coração que Deus nos dá ofertas através do sacrifício feito por Jesus, não seremos capazes de amar, estimar, defender os nossos próximo, intercedendo por este mundo injusto. Sem o Seu Espírito não teremos sucessopermanecer sensível e conectado para discernirmal e enfrentá-lo. Como diz um velhohino: “Quem contempla a miséria alheia temeenquanto o choro triste sobe ao céu, alguns para cada um tormento em seu coração não estremece para seu Mestre ele não é mais fiel”. ORAÇÃO Senhor Jesus, obrigado por sua presença em nossas vidas.Você liberta os prisioneiros, levanta os caídos,curar os feridos. Ajude-nos a dizer a verdade,dai-nos coragem para denunciar injustiças ecolaborar na libertação dos explorados.Torna-nos atentos e sensíveis.Que você seja abençoado sempre. Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo
Dia da Terra Comissão GLAM: Quão saudável é o planeta?

Dia da Terra Comissão GLAM: Quão saudável é o planeta?

Imagem retirada de Roma (NEV), 22 de abril de 2023 – Por ocasião do Dia Mundial da Terra 2023, publicamos a mensagem da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). DIA MUNDIAL DA TERRA 2023 Quão saudável é o planeta? Esta é a primeira pergunta que devemos nos fazer ao celebrar o Dia da Terra, dia mundial da terra que já está em sua 53ª edição. Um dia desejado pelas Nações Unidas para solicitar atenção especial aos recursos do planeta e à defesa contra desastres ambientais. Naquela ocasião, em 22 de abril de 1970, 20 milhões de cidadãos americanos saíram às ruas para mostrar seu apoio à Terra. Uma consideração é obrigatória, em meio século as políticas econômicas, ambientais e trabalhistas promulgadas pelos governos não foram adequadas para garantir a atenção que os manifestantes pediram. Dois dados parecem oportunos mencionar, o relatório de 2023 publicado pela ISPRA em 18 de abril e o estado atual da transição ecológica. O Relatório do Inventário Nacional 2023 publicado pelo Instituto Superior de Pesquisa e Proteção Ambiental, indica que as emissões de CO2 em 2022 tiveram um aumento em relação a 2021. O número definitivo ainda não foi divulgado, mas pesa muito o crescimento das emissões dos transportes e da produção de energia, em contraste com o desafio deste início de milênio tanto no que diz respeito à poluição quanto ao clima mudança: aceleração da pesquisa tecnológica para o uso de fontes renováveis ​​de forma sustentável (com referência à substituição de energias fósseis por terras raras) e redução do consumo por meio de economia e eficiência. No entanto, isso desconsidera o atraso e os obstáculos colocados em todos os níveis pelos interesses dominantes dos combustíveis fósseis, embora as sanções à Rússia associadas à guerra na Ucrânia devessem ter impulsionado a transição energética. A Itália é o sexto maior credor de combustíveis fósseis do mundo. De acordo com o Relatório Estatístico do GSE, um terço do consumo de energia italiano é dado pelo transporte e hoje mais de 90% ainda está ligado aos produtos petrolíferos. Cerca de 70% do consumo de energia térmica provém do aquecimento de edifícios. Pouco menos de um quinto em 2021 veio de fontes renováveis. Segundo dados da Terna (empresa que administra a rede nacional de transmissão), em 2022 a demanda de eletricidade na Itália foi de 316,8 bilhões de quilowatts-hora, 1% a menos que em 2021. A produção nacional líquida em 2022 (equivalente a 86,4% da oferta de energia) foi de 276,4 bilhões de quilowatts-hora (-1,3% em relação aos doze meses anteriores). 31,1% da demanda foi atendida por fontes renováveis. Em particular, as fontes fotovoltaica e termelétrica cresceram 11,8% e 6,1%, respectivamente, enquanto as fontes hidrelétricas registraram quedas de 37,7%, 1,8% e 1,6% (devido à estiagem), eólica e geotérmica. Não partilhamos da decisão do Governo de aumentar a produção de energia a partir do carvão, motivada pela vontade de deixar a balança externa quase inalterada, na pendência da conversão da “neutralidade carbónica” anunciada pela Enel em 2016 enquanto o grupo Eni triplica os seus lucros face a 2021 O problema não está no imediatismo, porque o aumento parece ser pequeno em qualquer caso (contribuindo também para o colapso das despesas com aquecimento e consumo das empresas intensivas em energia de 5,4% -Índice Imcei-) mas no desalinhamento da dados estimados para 2030, com mais de 15 milhões de toneladas de CO2 mais do que as metas estabelecidas pelo European Effort Sharing. No Dia da Terra, a GLAM acredita estar a encorajar a responsabilidade perante a vida da Criação que reencontra a primavera neste hemisfério, com escolhas energéticas também sustentáveis ​​a nível social, como expressão de um processo geral de descolonização do planeta pela nossa espécie para deixar espaço vital para plantas e animais que não gostam de nossas escolhas ou sofrem de incompatibilidade. A Comissão GLAM “O Dia da Terra, que desde 1970 celebra o ambiente e a proteção do planeta, é um aniversário que viu a sua importância consolidada ao longo do tempo – lê-se na página dedicada ao Dia da Terra no RaiPlay -. O tema da Jornada é cada vez mais atual, está no centro dos programas governamentais, porque exige mudanças rápidas, urgentes e inadiáveis”. No dia 22 de abril às 13 #OnePeopleOnePlanet, da Calábria, um talk show intitulado "Bridges over the Mediterranean". A consulta é no RaiPlay. Pistas Cláudio Paravati. ...

Ler artigo
16 dias para superar a violência, 12º dia.  Ser velho (e solitário?)

16 dias para superar a violência, 12º dia. Ser velho (e solitário?)

Foto tirada de Roma (NEV), 6 de dezembro de 2022 – Publicamos, em fascículos e dia a dia, as reflexões do livrinho "16 dias contra a violência" editado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) a partir de 25 de novembro, Dia Internacional da Eliminação da violência contra a mulher, até 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. Para rever a apresentação oficial do dossiê, clique aqui. DIA 12: 6 DE DEZEMBRO Ser velho (e solitário?) SOLICITARdiscutirQuais soluçõespara uma idade avançada"de uma mulher"? Vamos pensar nisso! Antônia, 86 anos mEu sou casado em segundo lugar com umhomem ansioso por carinho, companhiae apoiar como eu. Foi bom, até-porque eu poderia ser o elemento forte docasal. Quando, em vez disso, tive um derrame, e deconseqüentemente era ele quem tinha que me ajudar, eu soufomos “convencidos” a sair de casa eligados em um Rsa. Eu me sinto em um pri-Gione, dourado, claro, mas não é minha casa. vamos começar dar a ela palavras. eu digo ter“velho”, não velho, Seniore via mitigaçãofazer. Eu quero desafiar todo o feio que se escondeesse termo.Ser velho não é ser velho:a velhice feminina é um pouco diferente, emuitas vezes é um pouco pior do que o masculino.Em primeiro lugar, mais frequentemente significa estar sozinho: manopessoas na casa dos oitenta, apenas 40% das mulheresainda é casado, enquanto 80% doshomens ainda é. Homens vivem quatroou cinco anos mais jovem que as mulheres (em média), masmais raramente ficam sozinhos no período finalda vida deles. Nós mulheres vivemos mais,mas em troca vivemos sozinhos. Hoje o so-existem 8 milhões de famílias unipessoais erepresentam um terço de todos os agregados familiares.Metade desses 8 milhões são pessoas com mais de65 anos.Ser velho significa ser cuidadoresdo marido, ou parceiro, depois de ser umsido dos pais e talvez dos paisde seu marido. Mas depois, quando antespessoa que você vai precisar de ajuda, carinho eempresa, você se encontra sem ninguém em quecontar.A reforma dos cuidados aos idosos nãoautossuficiente foi aprovado recentemente, masrequer certos tempos de realização e financiamentocolocações adequadas. Hoje dois terços dos convidadosda RSA são mulheres. E as alternativas ao RSA,ou a humanização da RSA, são percorridos emgrande parte para construir. proposta de visão TOMATES VERDES FRITO (NA PARADA DO TREM) dirigido por Jon Avnet Estados Unidos da Américaca, 1991, 125'Da história de uma velha animadata em uma casa de repouso, uma mulher frustrado aprende de um cativante história de amor, amizade, rebelião contra o racismo, que se torna inspiração para sua câmera radicalequilíbrio da vida. VERSÍCULO BÍBLICO Agora que cheguei à velhice e aos cabelos brancos, ó Deus, não me desampares, até que eu tenha contado as maravilhas do teu braço a esta geração e o teu poder às que hão de vir. (Salmo 71, 18) COMENTE O antigo homem de oração de Israel experimentou a presença e a ajuda do poder de Deus em todas as perseguições que sofreu. Agora ele se encontra em maior dificuldade devido à sua idade avançada: suas forças estão diminuindo e seus adversários podem pensar que Deus o abandonou.No entanto, o seu pedido de ajuda não tem o tom desconsolado e débil que se poderia esperar de uma pessoa sobrecarregada pelo peso da idade. Longe disso: pede novas energias para poder transmitir eficazmente o seu testemunho às novas gerações! Consciente de estar inserido na grande história da salvação, ele reivindica a relevância de sua própria experiência humana e espiritual e um papel ainda ativo na sociedade: ele não pede para si, egoisticamente, mas para o bem da geração futura e para o maior glória de Deus. ORAÇÃO Senhor de nossos dias, nãopedimos que nos estendavida indefinidamente e emqualquer condição. Mais do que-a quantidade de anos por favorpedimos que nos dê a capacidadety para experimentá-los à luz desua graça, em solidariedadecom o nosso vizinho, nodignidade de suas filhas, de seus filhos,amar e amar a si mesmo. Permita-nosser capaz de expressar em palavras emostrar nossa gratidãopelo que você operounós, por Cristo, nosso Senhor.Amém. A cartilha “16 dias para vencer a violência” pode ser baixada na íntegra em formato PDF (clique no link abaixo): 16 dias FDEI 2022 (disponível também em alemão, inglês e espanhol). Falamos de Irã, Afeganistão, Argentina, mas também de trabalho; dos jovens; de contracepção, aborto, prevenção; de política. E de felicidade. A publicação contra a violência contra a mulher também pode ser encontrada em encarte no semanário Riforma. “16 Dias Contra a Violência” é uma campanha internacional anual que começa em 25 de novembro, Dia Internacional pela Eliminação da Violência contra a Mulher, e termina em 10 de dezembro, Dia dos Direitos Humanos. O Conselho Mundial de Igrejas (CEC) também está se juntando à campanha com várias iniciativas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.