Semana da Liberdade 2023: “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”

Semana da Liberdade 2023: “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”

foto: Liz Vo, unsplash

Roma (NEV), 12 de dezembro de 2022 – Por ocasião do aniversário de 17 de fevereiro de 1848, quando Carlo Alberto concedeu direitos civis e políticos aos valdenses e logo depois aos judeus do Reino da Sardenha, as igrejas evangélicas celebram uma “Semana da liberdade” que inclui eventos e manifestações em toda a Itália.
O tema indicado para 2023 é “Liberdade, Cidadania, Responsabilidade”.
“Com estes termos – explica Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) – pretendemos recordar um tema que desapareceu da agenda política, o da cidadania para milhares de ‘italianos de facto’ a quem é negado o reconhecimento formal da sua presença, do seu trabalho e seu engajamento cívico na Itália. Há muitos anos – continua Garrone – como evangélicos nos empenhamos em afirmar que não há verdadeira liberdade sem direitos e que a cidadania, com os direitos e os diversos deveres que ela implica, fortalece a coesão de uma comunidade nacional.
No entanto, com as palavras “Liberdade, cidadania, responsabilidade” não nos referimos apenas aos imigrantes, mas também a nós, italianos, que possuímos a cidadania por nascimento e muitas vezes esquecemos de refletir sobre seu significado, suas implicações e como vivê-la em nosso cotidiano. vida. Somos os primeiros a redescobrir o significado profundo do nosso compromisso cívico e a responsabilidade que ele implica. A cidadania é um pacto entre iguais, um vínculo de coesão social e adesão a um sistema de princípios fundamentais. Em suma, nesta Semana – conclui Garrone – pretendemos reflectir sobre a nossa sociedade, sobre as fracturas que minam os laços de coesão, sobre os desafios da integração e da inclusão, sobre as responsabilidades que implica ser cidadão e, no nosso caso, crente que “procure o bem da cidade” (Jr 29:7).
Tendo em vista a Semana da Liberdade de 2023, será publicado um volume dedicado à cidadania, promovido pela Comissão de Estudos da FCEI e editado pelo jurista Ilaria Valenzi: coleta ensaios de I. Valenzi, E. Bein Ricco, T. Moritz, L. Alfieri, MC Giorda e R. Ricucci, D. Spini, B. Peyrot, E. Noffke, P. Naso. “Não é um manifesto – explicam os promotores da iniciativa editorial – mas uma ajuda ao estudo, à discussão comunitária, à reflexão, ao diálogo com aqueles que se interrogam sobre o futuro da nossa democracia constitucional. É com essa postura que queremos participar do debate no espaço público”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A fé faz o futuro.  O blog da Rede Luterana pelo Meio Ambiente

A fé faz o futuro. O blog da Rede Luterana pelo Meio Ambiente

Foto retirada de fedefafuturo.home.blog Roma (NEV), 5 de setembro de 2022 – Continuam as iniciativas no contexto do Tempo da Criação 2022. A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), por ocasião deste período litúrgico celebrado mundialmente até 4 de outubro, lança o blog de sua Rede pelo Meio Ambiente. Chama-se "Fede fa futuro" e contém materiais em italiano e alemão para se tornar "Eco-famílias". Os coordenadores da Rede CELI de Meio Ambiente são Mateus Nicolini E Annette Brunger. A Rede acredita que para nos tornarmos uma Eco-Comunidade devemos, antes de mais nada, partir do comportamento doméstico. “Todos somos chamados a mudar nosso estilo de vida. E para refletir se o paradigma econômico e social consumista em que estamos imersos é realmente útil para fins de proteção ambiental – lê-se em um dos insights -. É um compromisso que se encontra expresso na mesma resolução 2019/17, que aprova o “Estatuto do Sínodo do CELI sobre o tema da ecologia e sustentabilidade em nossas comunidades”, que se tornou um compromisso a ser assumido em nível comunitário . Onde se lê: 'Estamos empenhados em mudar nosso estilo de vida pessoal por meio de medidas concretas, para viver e agir de forma mais justa'.” Nicolini escreve: “Como é evidente, a mudança começa de 'baixo', de nosso comportamento, investindo em primeiro lugar nosso lar e ambiente familiar. Devemos nos tornar eco-indivíduos e – por que não? - Também eco-famílias. As propostas e sugestões que os membros da Rede indicaram em suas contribuições para o Tempo da Criação 2022 vão nessa direção. Compras. A gestão da água. Brincadeiras infantis, que podem ser repensadas valorizando, por exemplo, a reutilização e a reciclagem (também solidária)”. Em última análise, o envolvimento afeta todas as pessoas. Brünger conclui: “É uma pequena contribuição para incentivá-lo a parar um momento antes de comprar qualquer produto ou viajar por diferentes meios, para se perguntar: eu realmente preciso disso? Posso encontrar uma solução com menor impacto ambiental? Em que condições de vida e trabalho dos trabalhadores eles foram produzidos?”. Os leitores são convidados a compartilhar suas experiências de sustentabilidade escrevendo para [email protected] com o assunto “Rete per l'Ambiente”. Aqui está o link para o blog: Alguns dos insights: ÁGUA – DAS WASSER (Andrea Massias, Christiane Lamberts) Foto retirada de fedefafuturo.home.blog O CARRO – DAS AUTO (Franz Mitterer) Foto retirada de fedefafuturo.home.blog AS CRIANÇAS – KLEINE KINDER (Selina Heinz-Smillovich, Miriam Weiß) Foto retirada de fedefafuturo.home.blog COMPRAS (Elvira Ackermann) Foto retirada de fedefafuturo.home.blog LIMPEZA SEM SUJEIRA – Sauber machen ohne zu verschmutzen (Sabine Wolters) Foto retirada de fedefafuturo.home.blog ...

Ler artigo
“Igreja, peça desculpas a nós”.  A Carta das Mulheres Cristãs

“Igreja, peça desculpas a nós”. A Carta das Mulheres Cristãs

Versão em inglês, carta aberta: A Igreja nos pede desculpas. A paz mundial não pode existir sem hierarquias eclesiásticas pedindo desculpas às mulheres Français, lettre ouverte: Église donne-nous tes desculpas. La paix dans le monde ne peut se passe des desculpas aux femmes de la parte de la hiérarchie ecclésiastique Roma (NEV), 8 de julho de 2020 - Continua a chegar a carta aberta intitulada "A Igreja, desculpe-nos", que denuncia a estrutura patriarcal e androcêntrica das instituições religiosas e da sociedade. "Se a Igreja Católica teme um cisma dentro de si - devido às esquálidas manobras arquitetadas pelo conservadorismo - deve também questionar a possibilidade de um cisma por parte das mulheres" lê-se no preâmbulo da carta, que tem como subtítulo: "Paz na mundo não pode prescindir de desculpas às mulheres das hierarquias eclesiásticas". Nascida de uma "sede de justiça", a carta denuncia as ações e frases abusivas que foram reservadas às mulheres ao longo dos séculos, "um 'patrimônio' sem limites que designa um passado que pesa e não passa; cuja memória não deve ser apagada ou ignorada virando a página. Acreditamos que só a partir da assunção responsável destas afirmações é que os representantes do poder clerical masculino podem tomar consciência desta triste 'arqueologia' que os moldou”. A carta vem de mulheres crentes e destaca que “as relações entre mulheres e homens dentro da Igreja estão doentes há muito tempo, porque estão impregnadas de estereótipos rígidos sobre as mulheres: visões degradantes, que distorcem sua imagem negando sua integridade. A partir dessas premissas, a desvalorização do feminino é uma consequência lógica”. As mulheres pedem consciência e conversão, em nome de um "discipulado de iguais" bíblico. Entre as pessoas que aderiram ao documento estão freiras, religiosas, leigas, mulheres de movimentos ecumênicos, homens e até algumas protestantes, entre elas o pastor valdense Daniela DiCarloo pastor batista Gabriela Lio, Renate Zwick da Rede de Mulheres Luteranas e Claudia Angeletti, para a Associação Rosa Parks – centro cultural protestante. Entre os primeiros signatários, Paula Cavallari do Observatório Inter-religioso sobre a violência contra a mulher (OIVD), mulheres das Comunidades Cristãs de Base italianas e da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE), e Anne Soupa, biblista, presidente do Comitê de la Jupe em Paris, que recentemente apresentou sua candidatura ao cargo de arcebispo de Lyon, recebendo o apoio de muitas mulheres católicas e protestantes em vários países europeus. Entre as assinaturas ilustres, também Antonieta Poderosa E Giancarla Codrignani. As mulheres pedem distância das "declarações insultuosas dos Padres da Igreja, Apologistas Cristãos ou Santos", relatando alguns exemplos. “Algumas violações graves cometidas pelo clero masculino (às vezes com a cumplicidade de mulheres consagradas) contra o sexo feminino” são listadas na carta. Entre elas, a exclusão do reconhecimento à imagem de Deus, as relações de dominação e submissão, a exploração do trabalho das mulheres consagradas como trabalho escravo sem reconhecimento econômico e social, espiritual, de consciência e abuso sexual, a demonização da feminilidade corporal e a construção da imagem da "mulher sedutora", para legitimar a visão segundo a qual as mulheres são responsáveis ​​pelas atitudes assediadoras/abusivas dos homens, pelo controle da sexualidade e do corpo feminino, pela indiferença em relação ao consumo de pornografia e de prostituição. A carta também se refere à falha na reforma da liturgia e da linguagem pastoral e catequética, que atualmente não reconhece a subjetividade das mulheres; às traduções questionáveis, se não totalmente errôneas, dos Textos Sagrados, "imbuídas de preconceito patriarcal"; à visão desequilibrada da relação homem/mulher "através da exclusão das mulheres não só dos ministérios, mas também de todos os órgãos de decisão dentro da Igreja". A carta conclui com um apelo, para que o reconhecimento de tais insultos “não seja uma simples declaração de princípio, mas seja acompanhado de atos concretos” para a geração, todos juntos, de uma nova visão cultural, que ponha fim à dramática fenômeno da violência contra a mulher e dos feminicídios. Fenômeno estritamente condicionado pelos fenômenos descritos acima. Para se inscrever e ler a carta aberta na íntegra, clique AQUI ...

Ler artigo
A nova edição do Dossiê Estatístico de Imigração

A nova edição do Dossiê Estatístico de Imigração

Foto do Centro de Estudos e Pesquisa IDOS Roma (NEV), 18 de outubro de 2022 – Está de volta o encontro com a apresentação do Dossiê Estatístico de Imigração 2022. O evento será realizado no dia 27 de outubro, às 10h30, no Nuovo Teatro Orione, em Roma, e será aberto com a introdução do moderador da Mesa Valdense, Alessandra Trotta, cuja fala será seguida da projeção de um vídeo. O conteúdo do Dossiê será então ilustrado por Luca Di Sciullopresidente do Centro de Estudos e Pesquisas IDOS. Entre as prévias do Dossiê Estatístico de Imigração 2022 publicadas nos comunicados de imprensa do IDOS, lemos trechos de um relatório sobre o que deu errado no acolhimento de ucranianos e sobre a situação dos trabalhadores imigrantes na Itália. “Se eles pudessem não apenas trabalhar mais horas regularmente – declara em comunicado de Sciullo – dado que o subemprego muitas vezes esconde um black job contextual, mas também o acesso a profissões mais qualificadas, com contratos mais estáveis ​​e proteção efetiva, seria valorizado um potencial ainda hoje mortificado, embora extremamente precioso nesta fase de crise global. Um potencial que beneficiaria, além dos imigrantes, todo o sistema do país, pois diminuiria a economia subterrânea e a evasão, aumentaria ainda mais a arrecadação em impostos e contribuições, tornaria a economia italiana mais transnacional e competitiva”. Estão programados discursos aprofundados de vários convidados. Entre eles, o jornalista Eleanor Camillio professor de sociologia das migrações Maurizio Ambrosini, Paulo de Nardis, presidente do Instituto de Estudos Políticos “S. Pio V” que encerrará o evento e Cláudio Paravatidiretor do Centro de Estudos e da revista Confronti e apresentador do Protestantismo, para coordenar a apresentação. O Dossiê será apresentado, assim como em Roma, simultaneamente em todas as regiões e províncias autônomas, a entrada é gratuita e um exemplar do volume será distribuído gratuitamente a cada participante. A programação completa da iniciativa está disponível neste link. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.