um gesto violento em um lugar de fraternidade

um gesto violento em um lugar de fraternidade

A igreja ADI de Orta di Atella

Roma (NEV), 14 de dezembro de 2022 – No Extremo Oeste, a nova fronteira do crime eram os assaltos a trens; hoje, na Itália, incrivelmente parece ser roubos a igrejas. As cerca de 70 pessoas que se reuniram para o culto noturno nas dependências da igreja das Assembléias de Deus (ADI) em Orta di Atella (Caserta), no domingo, 11 de dezembro, foram agredidas por seis assaltantes com os rostos cobertos. “Foi um verdadeiro assalto à mão armada – explicou o pároco Dario Jazzetta que presidiu o culto no domingo à noite -. Alguns de nossos irmãos foram ameaçados com uma arma na cabeça e todos foram solicitados a entregar seus objetos de valor”.

Perplexidade, consternação, mas também surpresa, são os sentimentos que o pastor transmite ao relatar o roubo. “Acho que algo assim nunca aconteceu antes. E certamente as igrejas pentecostais na Itália não vivenciam momentos de violência como este desde os tempos das leis fascistas que nos discriminavam”.

O interior da igreja.

O prejuízo é, por um lado, econômico. “Em cada culto – explica o pároco – existe um espaço dedicado à recolha de ofertas” que os fiéis doam à igreja e que a igreja utiliza para se financiar. “Mas é sobretudo o dano moral que tanto pesa. Ficamos impressionados com a violência deste ataque, sem qualquer consideração pelas muitas crianças presentes que estavam assustadas. Houve também pessoas com problemas cardíacos, a quem não aconteceu nada de grave, mas que certamente sofreram mais do que os outros”.

Além disso, “lamentamos essas ações, mas infelizmente não nos surpreendemos, ao ouvi-las se referir a roubos em supermercados ou outros estabelecimentos comerciais”, acrescenta o pastor Iazzetta. E embora na concepção evangélica o local de culto não seja um local sagrado, todavia “a igreja é e continua sendo um local de fraternidade e alegria, deve ser percebida e respeitada como um local seguro, de paz”.

“Naturalmente, a comunidade não se deixa desanimar, somos sustentados pela fé em Deus e pela fraternidade mútua de irmãos e irmãs. Além disso, o perdão é um elemento fundamental na fé cristã. No entanto, nos faz sentir mal pensar que nosso mesmo contratempo pode acontecer com outras pessoas também”.

A solidariedade da diocese católica chegou à comunidade. A polícia assegurou o seu total empenho na investigação em curso.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Formas radicalmente novas de viver para proteger nossa casa comum

Formas radicalmente novas de viver para proteger nossa casa comum

Roma (NEV), 1º de setembro de 2020 - Cristãos de todo o mundo celebram a partir de hoje o Tempo da Criação 2020. "A celebração deste ano - declara o Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em nota - tem uma ressonância particular. As crises sanitária, económica e ambiental que abalaram o nosso mundo exigem que os cristãos iniciem um “jubileu pela nossa Terra”, que é precisamente o tema desta edição, e que encontrem “maneiras radicalmente novas de viver”. Para o Rev. Prof Dr. Ioan Sauca, secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas, “O Tempo da Criação é um grande exemplo de um verdadeiro espírito ecumênico para orar e agir juntos para enfrentar os desafios globais em que vivemos hoje. A fé é um elemento indispensável para mudar o mundo e torná-lo mais sustentável e justo. O Tempo da Criação testemunha isso”, disse o líder do CMI. Ao longo do evento, milhares de compromissos digitais e centenas de reuniões locais acontecerão: de Nanyuki, no Quênia, onde serão plantadas árvores frutíferas para proteger um local ambientalmente ameaçado, até o Rio de Janeiro, Brasil, onde mais árvores serão plantadas para trazer atenção ao desastre ecológico da Amazônia, até Wellington, Nova Zelândia, onde um grupo ecumênico fará uma caminhada de reflexão sobre a história da criação do Gênesis. Aqui o guia para a celebração em inglês e na versão italiana. ...

Ler artigo
Dois territórios, uma igreja.  Alessandra Trotta no Sínodo do Rio de La Plata

Dois territórios, uma igreja. Alessandra Trotta no Sínodo do Rio de La Plata

Roma (NEV), 4 de fevereiro de 2020 – “Três novos membros foram eleitos para a Mesa Valdense na Itália e, de sete membros, cinco são mulheres. Esta é uma grande transformação. Até meu sotaque – talvez alguém perceba – é uma grande mudança. Para nossa igreja na Itália, ter um moderador siciliano, uma mulher, um diácono e um metodista é um grande desafio. Com isso quero dizer que estamos em meio a grandes transformações e que nossa Igreja está tentando entender como elas são vividas”. Alessandra Trottamoderadora da Mesa Valdense, que participa do Sínodo da Igreja Valdense do Rio de La Plata, transmitiu sua saudação aos sinodais com um discurso que abrangeu desde as linhas comuns, até as transformações e desafios atuais que os dois áreas da Igreja Evangélica Valdense estão enfrentando. “Já estamos vivendo uma transformação, nossa igreja está mudando. Às vezes não percebemos que compartilhamos esse desafio de mudar com vocês, mas devemos repensar nossa relação mesmo nas transformações que a igreja está vivendo, repensar os modelos, as estruturas, as prioridades, as coisas mais importantes”, disse Trotta. O moderador italiano referiu-se ainda a alguns esquemas comuns de trabalho que são discutidos pelos órgãos executivos de cada área, como a intensificação das trocas – “porque faz diferença quando, por um tempo, você pode andar na roupa do outro . Assim compreenderemos melhor o contexto em que se forma o seu testemunho, compreenderemos as suas preocupações, os seus sonhos, mas também o que está a viver, as ações em que põe o seu corpo, os recursos que põe em jogo: isto seria muito bom”, continuou. Continuando com as preocupações compartilhadas pelas duas áreas da igreja valdense, Trotta se referiu ao tema que a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália decidiu desenvolver nas atividades de 17 de fevereiro: o anti-semitismo. “Esses discursos de ódio atingem tudo o que não é 'conforme': os judeus, mas com a mesma força, violência e agressão, – pelo menos na Itália – também imigrantes, mulheres emancipadas, homossexuais. O projeto é o mesmo e acho que as igrejas, que têm uma sensibilidade particular, devem se responsabilizar por fazer soar o alarme”. ...

Ler artigo
“A paz deve ser buscada e encontrada”

“A paz deve ser buscada e encontrada”

Foto Sunyu / Unsplash Roma (NEV), 28 de março de 2023 – “Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram o natural”. Assim foi escrito em uma das moções aprovadas pelas mulheres presentes no XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), que terminou no domingo passado em Florença. Esta moção, aprovada com três quartos dos votos, algumas abstenções e um voto contra, pretende recordar a fé no Deus da paz e inspirar-se na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzer. A FDEI denuncia a lógica patriarcal de opressão e poder que está por trás das guerras, afetando de maneira particular as mulheres. "O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados" continua a moção, que então entra no mérito do conflito que afeta a Europa e todas as guerras e conflitos ainda presentes no mundo. Conflitos que dizem respeito ao FDEI “para mulheres cujos corpos se tornam terreno de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente ". No documento, as mulheres apelam à necessidade da "mediação de conflitos tal como expressa a Carta das Nações Unidas" e ao respeito de todos os seres humanos e das suas necessidades conforme indicado na Declaração Universal dos Direitos do Homem, "não por acaso formulada com a mediação de um mulher (Eleanor Roosevelt)”. A moção conclui compartilhando um pensamento de Dorothee Sölle: "a paz às vezes parece se esconder ou ser escondida, mas deve ser buscada e encontrada... eles são cristãos (e Christian, acrescenta o FDEI, ed.) só quem luta pela paz na esperança”. Abaixo, a íntegra da moção. Para saber mais, leia também: Moção de paz - XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) - março de 2023 As mulheres presentes ao XIII Congresso da Federação das Mulheres Evangélicas, recordando a fé no Deus da paz e inspiradas na prática não violenta e pacifista da Dorothee Solle, Martin Niemöller E Helmut Gollwitzerafirmam que a oposição à guerra não pode ser silenciada, seja pela sensação de impotência que nos esmaga, seja por razões de alinhamento e oportunidade. O Deus que abre um caminho no deserto ao povo afligido pela violência e pela deportação nos convida a tomar uma posição para acabar com todas as guerras (Is 40,1-5). Na história da humanidade, as guerras nunca resolveram as causas dos conflitos entre povos, grupos e nações, mas pioraram as condições de vida das vítimas de ambas as partes em conflito e comprometeram os ambientes naturais. Todas as guerras deixam sempre um rastro de ódio que destrói ainda mais as relações entre os povos, que só podem ser conquistadas trabalhando para restaurar a confiança, o respeito mútuo e a justiça. O pastor sabia bem Túlio Vinay quando depois da guerra trabalhou para tornar possível a reconciliação entre os jovens dos países envolvidos no conflito. É por isso que nós, mulheres evangélicas, nos sentimos empenhadas em trabalhar pela paz e pela reconciliação. Somos chamados por Deus e haurimos esperança na experiência de homens e mulheres cristãos que trabalharam pela paz e pela justiça em várias partes do mundo. Não podemos esquecer e denunciar que as guerras seguem sempre lógicas patriarcais de opressão e poder que muitas vezes envolvem também as mulheres. O aumento dos gastos militares está em total contraste com a inspiração bíblica de transformar nossas espadas em arados, ou como está escrito pelo profeta Isaías: “Cada sapato usado pelo guerreiro na luta, cada manto manchado de sangue, será incendiado, será devorado pelo fogo. Porque um menino nos nasceu, um filho nos foi dado, e o domínio repousará sobre seus ombros.” (cap. 9,4-5). Por fim, o conflito que afeta a Europa nos preocupa, assim como as guerras e conflitos do mundo: para mulheres cujos corpos se tornam motivo de conflito; para meninos e meninas que crescem num clima de medo, violência e confronto onde a lógica é a da vitória do mais forte; para homens que também são dominados pelo absurdo da guerra, ou que estão totalmente envolvidos no uso da violência para fazer valer seus direitos e preservar seu poder, enquanto se tornam instrumentos de morte, destruição, massacres de seres humanos e destruição do meio ambiente . Por isso, pedimos com urgência que se busque uma lógica diferente de relacionamento entre os povos por meio da mediação de conflitos expressa na Carta da ONU e o respeito a todos os seres humanos e suas necessidades contidos na Declaração Universal dos Direitos Humanos, não por acaso formulada com a mediação de uma mulher (Eleanor Roosevelt). Finalmente, queremos concluir com um pensamento que Dorothee Sölle nos deixou: “A paz às vezes parece se esconder ou se esconder, mas deve ser buscada e encontrada… eles são cristãos (e cristão) só quem luta pela paz na esperança”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.