31 de outubro de 2022. A Reforma Protestante completa 505 anos.

31 de outubro de 2022. A Reforma Protestante completa 505 anos.

Roma (NEV), 27 de outubro de 2022 – somente as Escrituras. Somente Cristo. Só Graça. Fé sozinho. (escritura sozinha. Solus Christus. Gratidão sozinha. Sola Fide). Estes são quatro princípios fundamentais da Reforma da Igreja, cujo início se convencionou situar em 31 de outubro de 1517. De fato, nesta data, Martinho Lutero afixou suas 95 teses no portal da igreja do Castelo de Wittenberg.

A partir do século XVI, a Reforma Protestante expandiu-se e transformou-se, levando ao nascimento de movimentos e igrejas que, ainda hoje, se inspiram no princípio de uma igreja”sempre reformando”.

A maioria das igrejas protestantes italianas “históricas” estão hoje reunidas na Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), que se reúne em sua segunda Reunião geral.

O dia 31 de outubro, que este ano marca os 505 anos da Reforma Protestante, cai precisamente nos dias úteis dos “estados gerais” das igrejas reformadas italianas. Marcado, já a partir de 29 de outubro, um culto inaugural e uma iniciativa pública.

Para comemorar esta data são organizados cultos, conferências, encontros em todo o mundo… Quanto à “Festa della Reforma” na Itália, além da já citada Assise, destacamos as seguintes iniciativas.


domingo, 6 de novembro

Protestantismo especial. Culto evangélico da Reforma em directo Eurovisão. Da Igreja Protestante Unida da Bélgica em Pâturages (Colfontaine). RAI TRE – de 10 a 11. Edição italiana editada pelo programa “Protestantesimo”.


Domingo 30 de outubro

TELEVISÃO – Domingo 30, até RAITRE às 7, novo episódio da coluna “protestantismo” por título “As mil faces da Reforma”.

Para o Domingo da Reforma, as arrecadações arrecadadas nos cultos das igrejas metodista e valdense irão para o sustento da Sociedade Bíblica na Itália. Em várias cidades italianas são realizados “cultos da Reforma” especiais, organizados pelas igrejas locais.

Também no mesmo dia, na Igreja Valdense na Piazza Cavour em Roma, a Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (WCRC/CMCR) organiza um culto especial bilíngue (italiano e inglês) – também em streaming. Aqui os detalhes. Aqui a liturgia em inglês.


terça-feira, 1 de novembro

O Conselho das Igrejas Evangélicas do Território Romano convida à celebração da Reforma. A partir das 15h30 na Piazza Lutero, dentro do parque Colle Oppio.

TELEVISÃO – Na noite entre terça-feira, 1º e quarta-feira, 2 de novembro, no RAITRE em 1.10, primeira réplica do episódio de “protestantismo” por título “As mil faces da Reforma”.

TELEVISÃO – Na noite entre quarta-feira 2 e quinta-feira 3, até RAITRE em 1.10, segunda réplica do episódio de “protestantismo” por título “As mil faces da Reforma”.


Para saber mais

Arquivos: A Reforma Protestante; Martinho Lutero.

Agenda de compromissos.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

De Karlsruhe 2022 a Chiang Mai 2025: o grande engarrafamento ecumênico

De Karlsruhe 2022 a Chiang Mai 2025: o grande engarrafamento ecumênico

Roma (NEV), 4 de março de 2023 – Será um verdadeiro engarrafamento ecumênico, em termos inequívocos. Dentro de três anos, nada menos que seis organismos ecumênicos internacionais e grandes famílias confessionais realizarão suas Assembléias Gerais em todo o mundo. As agendas, já cheias de compromissos, tornam-se inviáveis; passam a estudar as rotas aéreas ou ferroviárias para chegar à Estônia, aos Estados Unidos ou à Tailândia, tentando (desnecessariamente) buscar aquelas com menor impacto ambiental. E, é claro, os tesoureiros suam frio ao pensar nos custos de participação que, para algumas igrejas, envolvem mais de um evento. Esta é a imagem, entre o entusiasmado e o dramático, que Mário Fisher, secretário-geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE), delineado perante os representantes dos Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias (ENCC), reunidos em Bruxelas de 27 de fevereiro a 1º de março passado. O culpado deste engarrafamento é facilmente identificável: é a pandemia de Covid19 que tem impedido os vários Assisies de cumprirem os seus horários, suficientemente distanciados uns dos outros. Porém, por mais exigente que seja o calendário, o que prevalece é a vontade de restabelecer relações e continuar raciocínios que só fazem sentido olhando-se nos olhos, pessoalmente. Esperando que daqui a seis ou sete anos, quando as mesmas assembleias forem convocadas novamente, o gargalo não se repita e as diversas entidades adotem uma estratégia de sobrevivência para tornar sustentáveis ​​os grandes encontros de fé. De qualquer forma, aqui está a programação. XI Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) Karlsruhe, Alemanha, 31 de agosto a 8 de setembro de 2022 – Lema: O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade É o único evento já concluído. A Assembléia do CMI voltou à Europa 50 anos depois da última vez, trazendo 4.000 pessoas de todos os continentes para a Alemanha. Um encontro dedicado à inclusão para caminharmos juntos em um mundo dividido e sem paz. Da Itália, participaram delegados e observadores da Igreja Evangélica Valdense, da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas da Itália, da União Cristã Evangélica Batista da Itália e da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. Para saber o que aconteceu, clique aqui. XVI Assembleia Geral da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) Tallinn, Estônia, 15 a 20 de junho de 2023 – Lema: Sob a bênção de Deus – moldando o futuro A Assembleia Geral da CEC será um momento de oração, fraternidade e reflexão pela vida e testemunho das igrejas do continente. Haverá um espaço de escuta e discussão dedicado às igrejas em “áreas de conflito”. Entre os oradores, o ex-arcebispo de Canterbury Rowan Williams e o patriarca de Constantinopla Bartolomeu. As igrejas italianas membros da CEC são a Igreja Evangélica Valdense, a Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália, a União Cristã Evangélica Batista da Itália, a Igreja Evangélica Luterana na Itália e a Federação das Igrejas Evangélicas na Itália. XIII Assembléia Geral da Federação Luterana Mundial (WLF) Cracóvia, Polônia, 13 a 19 de setembro de 2023 Lema: Um Corpo, um Espírito, uma Esperança Na Polônia, são esperados 355 delegados de igrejas luteranas de todo o mundo, incluindo a Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI). O programa pretende refletir sobre a unidade na fé dos luteranos do mundo e sobre seu compromisso de dar testemunho do evangelho por meio do serviço, da missão e da ação diaconal profética. Uma visita ao Museu e Memorial Auschwitz-Birkenau faz parte do programa. Conferência geral da Igreja Metodista Unida (UMC) Charlotte, Carolina do Norte, EUA, 23 de abril a 3 de maio de 2024 Lema: …e reconhecer que eu sou Deus Já adiada para 2020 e 2022, a Conferência UMC trará entre 5.500 e 7.000 pessoas de todo o mundo para Charlotte. A UMC está sediada nos Estados Unidos, mas é uma igreja internacional com 12 milhões de membros em quatro continentes. Na Europa, os metodistas austríacos, sérvios e alemães são afiliados à UMC, só para citar alguns. Um dos tópicos da Conferência será a discussão sobre a sexualidade humana, que há muito está em andamento nas igrejas da UMC em todo o mundo. VI Assembleia Geral da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CPCE), Sibiu, Romênia, 27 de agosto a 2 de setembro de 2024 Lema: À luz de Cristo – Chamados à esperança A Assembleia será também uma ocasião para celebrar o 50º aniversário da acordo de Leuenberg (1973-2023) em torno do qual nasceu o CPCE. O CPCE inclui a Igreja Evangélica Valdense, a Sociedade para Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália e a Igreja Evangélica Luterana na Itália. Conselho Geral da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR)Chiang Mai, Tailândia, 2025 Lema: Persevere em seu testemunho A Igreja Evangélica Valdense faz parte da CMCR. ...

Ler artigo
“Ser uma igreja universal com rosto indígena-afro-latino-americano”

“Ser uma igreja universal com rosto indígena-afro-latino-americano”

Detalhe de uma obra de Oswaldo Guayasamin Roma (NEV), 14 de agosto de 2020 – Filipe Adolfopastor da Igreja Evangélica Luterana no Equador e ex-presidente e secretário do Conselho Latino-Americano de Igrejas (CLAI), recorda com carinho e emoção o encontro que teve em 1992 com o bispo, teólogo e poeta Pedro Casaldáligaque faleceu há uma semana, aos 93 anos. "A Felipe, irmão no espírito de Jesus e na missão solidária da única Igreja universal que Ele ama" diz a dedicatória escrita por Casaldáliga sobre o livro "Espiritualidad de la Liberación", do próprio Casaldáliga e José María Vigil, que Adolf queria compartilhar com a Agência NEV. De origem catalã Casaldáliga, no Brasil desde 1968, foi consagrado bispo em 1971 na Prelazia de São Félix do Araguaia-MT. Ele se aliou às populações indígenas e camponesas que haviam sido expulsas de suas terras devido ao avanço dos latifundiários. Sua carta pastoral de 1971 “Uma Igreja na Amazônia em conflito com o latifúndio e a marginalização social” lhe custou várias ameaças de morte e várias tentativas de expulsão do país pela ditadura militar. “Quando pessoas como Pedro Casaldáliga nos deixarem – disse Adolf à Agência NEV – digamos que a floresta está acabando porque a 'queda' de uma árvore como essa tira o oxigênio vital da vida. Sua vida sacerdotal foi toda vivida no Brasil, na Amazônia, ao lado dos mais pobres dos pobres que hoje choram sua partida”. Adolf recorda o encontro com o teólogo católico e o diálogo entre eles sobre o tema da espiritualidade: “A sua fé baseava-se numa espiritualidade libertadora e macro-ecuménica; o ecumenismo não deve ser vivido apenas entre as igrejas, mas em unidade com as populações mais pobres e marginalizadas e, neste sentido, Casaldáliga participou ativamente das Assembleias do Povo de Deus na América Latina. Para ele, espiritualidade é vida e não sistematização teórica, mas é justamente essa espiritualidade vivida em termos de libertação que tem custos políticos”. “O bispo hispano-brasileiro – lembra Adolf – nunca se cansou de imaginar uma verdadeira igreja latino-americana e disse: 'Temos o direito e o dever de ser nós mesmos, aqui e agora, e viver nosso tempo de maneira cristã. Ser aqui a Igreja universal de Jesus, mas com rosto indígena, indígena-afro-latino-americano'”. “O livro “Espiritualidad de la Liberación” – continua Adolf – deve ser um guia para os viajantes. O vento do Espírito não se prende e 'sopra onde quer' movendo e renovando corações e estruturas. Este volume, como se diz no Prólogo, testemunha a existência de 'santos patriarcas e matriarcas indígenas e negros, de mulheres heroicas do povo - índios, negros, mestiços crioulos -, de trabalhadores do campo, das minas, na indústria, nos rios, a multidão de santos inocentes – prematuramente martirizados – e toda a legião de filhos e filhas do único Deus que tem muitos nomes, que compôs a totalidade da espiritualidade latino-americana antes e depois de 1492'”. ...

Ler artigo
Valdenses: Reforma, Responsabilidade, Participação – Nev

Valdenses: Reforma, Responsabilidade, Participação – Nev

Torre Pellice (TO), (NEV/Confronti.net), 24 de agosto de 2020 – A mesa redonda acontecerá esta noite, às 21h, por ocasião da noite pública organizada pela Mesa Valdense, na Torre Pellice e ao vivo no Facebook em a página da Igreja Valdense. Endereço de saudação esperado via mensagem de vídeo de David SassoliPresidente do Parlamento Europeu, e as intervenções dos convidados da mesa redonda: Vittorio Cogliati Dezza (Fórum de Desigualdade na Diversidade, Legambiente), Elly Schlein (Vice-presidente da Região Emilia Romagna, via link de vídeo), Valdo Spini (Presidente da Fundação Circolo Fratelli Rosselli, ex-Ministro do Meio Ambiente); a noite será moderada por Cláudio Paravati E Ilaria Valenzi (Centro Studi e Rivista Confronti) e enriquecido pela música do maestro Alessandro Sgobbioantes das conclusões confiadas ao moderador do Tavola Valdese, o diácono Alessandra Trotta. Segue abaixo o resumo da fala de Valdo Spini, que será divulgado com antecedência: “Apenas no dia 20 de agosto, oDia de ultrapassagem, o dia em que a natureza esgotou seus recursos de comida, água e espaço disponíveis para a humanidade no ano atual. O que significa que a partir de agora, até 31 de dezembro, consumiremos os recursos do futuro. O confinamento para o Covid-19 atrasou esse prazo em 3 semanas em relação ao ano passado, porque tínhamos que poluir menos. É claro que não devemos esperar contar com tais eventos, mas isso constitui uma indicação do novo modelo de desenvolvimento que respeita o meio ambiente que devemos perseguir. Neste contexto, é sem dúvida um elemento positivo que a União Europeia esteja a preparar-se para enfrentar as consequências do pós-Covid com um Fundo de Recuperação que tem entre os seus parâmetros fundamentais o Green Deal, ou seja, a política ambiental. Acho que seria muito apreciado por fundadores como Altiero Spinelli e Mario Alberto Rollier, falecido há quarenta anos, se a União Europeia desta vez entrasse em campo e criasse instrumentos financeiros comuns para a recuperação pós-Covid e que uma parte deles foram financiados com títulos da dívida europeia. A Europa é, portanto, o ponto de referência necessário e indispensável para a Itália. Vamos receber mais de 190 mil milhões de euros de Fundo de Recuperação, dos quais cerca de 80 não reembolsáveis. Além disso, seria desejável que também usássemos a ESM para fortalecer o sistema público de saúde e a saúde preventiva na área. Estes fundos europeus são uma oportunidade única para a Itália. O nosso país encontra-se numa encruzilhada: ou prossegue uma verdadeira reforma da Itália, ou recai nas velhas feridas e males que travaram o seu desenvolvimento económico e social e, em última análise, civil. Precisamente de um lugar como Torre Pellice nos apetece lançar um apelo a esta verdadeira Reforma Italiana baseada no trabalho, nos negócios, no ambiente, na formação, na educação e na coesão social. Seria preciso uma mistura de ética de trabalho protestante evocada por Max Weber, ecologia integral bem descrita por Louvado seja você do Papa Francisco; De estado de bem-estar à la Lord Beveridge, e o espírito de inovação de um Bill Gates. No entanto, tudo isto tem um pressuposto: que a sociedade civil demonstre a sua capacidade para voltar a impulsionar e motivar a participação política e, em particular, dos jovens. O pressuposto é uma política feita de valores e princípios, e capaz de suscitar não profissões, mas vocações reais – por outro lado, o famoso termo Beruf pode ser traduzido de duas formas: profissão ou vocação –. Cabe à política consolidar e perdurar aquele espírito de solidariedade e coesão que nos permitiu enfrentar a fase mais dura da confinamento. Apelamos às consciências do nosso país para que mantenham este espírito, quer na necessária fase de prevenção e prudência que deve evitar uma recaída da pandemia, quer no espírito que deve animar a reconstrução económica e social. Estamos conscientes de que as consequências da covid 19 serão sentidas em particular pelos mais fracos e marginalizados (mas não só!), e não podemos permitir diferenças insustentáveis ​​de desigualdade no nosso país. Nesse sentido, colocamos no centro desta reflexão a justiça social e ambiental na recuperação econômica e produtiva de nosso país”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.