Vigília ecumênica e encontro do povo de Deus para um caminho sinodal

Vigília ecumênica e encontro do povo de Deus para um caminho sinodal

O logotipo de “Juntos – Reunião do Povo de Deus” – retirado de together2023.net

Roma (NEV), 23 de janeiro de 2023 – A coletiva de imprensa para a apresentação da vigília ecumênica de oração e da iniciativa “Juntos – Reunião do Povo de Deus” foi realizada esta manhã, a ser realizada em setembro, na vigília do XVI Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos sobre o tema: “Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”.

um quadro da gravação da coletiva de imprensa de 23 de janeiro de 2023 – Vatican News

Cardeal Jean-Claude Hollerich; Frere Alois, Prior da Comunidade de Taizé; o arcebispo Ian Ernest, representante pessoal do Arcebispo de Cantuária junto à Santa Sé; Sua Eminência Khajag Barsamian, Representante da Igreja Apostólica Armênia junto à Santa Sé; o pastor Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e da Federação Protestante Francesa (FPF).

“A coletiva de imprensa de hoje destacou repetidamente a relação entre o caminho sinodal empreendido pela Igreja Católica e o ecumenismo”, declarou o secretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco Luca Barattopresente na Sala de Imprensa da Santa Sé.

E acrescentou:

“Creio que essa relação existe, com razão, antes de tudo porque há tantas igrejas cristãs que têm sua própria experiência de sinodalidade a respeito da qual a Igreja Católica ouviu de várias maneiras. E depois porque falar de sinodalidade não é simplesmente falar da estrutura da igreja organizacional ou da eclesiologia, mas é também falar da maneira pela qual os cristãos pretendem se conectar uns com os outros em essência. Portanto, ecumenismo e sinodalidade são certamente dois conceitos que se cruzam, também nesta ocasião. Creio que é importante também que as igrejas evangélicas se comprometam com a iniciativa, porque se convergirem na Praça de São Pedro para uma vigília de oração, o dia será, no entanto, dedicado a itinerários de cidade nos quais as várias vozes cristãs presentes na cidade será valorizada, presente em Roma, mesmo as das igrejas evangélicas. Estar pronto com uma oferta de encontros, sobre temas que nos são específicos, e de roteiros que possam mostrar e destacar os lugares evangélicos da cidade parece-me precisamente um bem e uma oportunidade a não perder”.

A vigília ecumênica de oração será presidida pelo Papa Francisco e faz parte de uma “iniciativa ecumênica promovida pela Comunidade de Taizé em colaboração com a Diocese de Roma, a Secretaria Geral do Sínodo, o Dicastério para a Promoção da Unidade dos Cristãos, o Dicastério para a Leigos, Família e Vida, assim como numerosas outras igrejas cristãs e associações eclesiais e ecumênicas”, lê-se no Boletim oficial.


Por uma teologia do Espírito

O espírito sinodal e o espírito da unidade cristã, disse Hollerich em sua introdução, são baseados no batismo comum. “Há irmãos e irmãs batizados em outras igrejas. Como católico, digo que precisamos deles, precisamos de vocês, para realmente estarmos em um caminho de conversão”. Nos últimos anos, graças ao Dicastério dirigido pelo cardeal Koch, “muitas diferenças doutrinárias foram melhor compreendidas. Agora temos que ir mais longe”, disse novamente o cardeal. Sublinhando que colocar a ênfase, no caminho sinodal, no batismo e no espírito santo “é uma grande oportunidade para dar mais um passo no ecumenismo. Vimos em outras igrejas como é importante a teologia do espírito. Devemos humildemente aprender com eles e garantir um papel maior para o espírito, em nossas ações e na igreja. Não há sinodalidade real sem unidade entre os cristãos […] Precisamos de irmãs e irmãos de outras igrejas. Podemos aprender com eles que existem tantas maneiras diferentes de ser sinodal e criar um novo começo. Ouvir o Espírito Santo e converter-nos à sinodalidade nos aproximará como irmãs e irmãos em Cristo”.

Os jovens chamam para ouvir os pobres e a terra

Frei Alois nos convidou a nos comprometermos com o projeto sinodal com estas palavras: “As sociedades e as igrejas precisam de unidade. Devemos fazer o importante esforço de escuta das novas gerações, que nos exortam a estar atentos à solidariedade e à responsabilidade ecológica, ao grito dos pobres e da terra”.

Novas asas para o ecumenismo

Ernesto recordou a longa tradição sinodal anglicana e sublinhou “o empenho de todas as Igrejas na busca de compreensão, como testemunhas da compaixão de Deus em um mundo necessitado de justiça e paz”. Sublinhou também como este caminho retoma a visão do Concílio Vaticano II, que reúne de diversas maneiras o povo de Deus de todos os cantos do mundo: “um caminho que nos conduz à Igreja que escuta, que vai além dos confins da a Igreja de Roma e abre as portas para uma colaboração mais ampla, um ecumenismo de ação e para promover a inclusão […] A jornada sinodal de Papa Francisco dará novas asas à forma como nos unimos de maneira ecumênica”.

A humildade é uma fonte de inspiração

Barsamian falou de como o processo sinodal iniciado pelo Papa Francisco está sendo acolhido, graças também ao envolvimento de outras confissões, do Oriente ao Ocidente. Sublinhou também o valor do encontro, por exemplo nas ocasiões em que pôde apresentar as tradições sinodais das igrejas ortodoxas orientais, em particular a armênia, reconhecendo neste caminho “abertura e sinceridade, espírito de humildade”, em continuidade como já mencionado do Vaticano II e indicando Francisco como “fonte e inspiração desta visão. Eu realmente admiro e amo sua humildade. O Santo Padre, seu espírito, é um grande exemplo. Isso nos motiva e nos encoraja a todos para alcançar a unidade”.

“Ouvir todo o povo de Deus é uma grande novidade”

O presidente da CEC, Krieger, expressou gratidão por outras igrejas terem sido convidadas a contribuir: “Isso marcará a história das igrejas por décadas. Não só para a Igreja Católica, mas para todo o movimento ecumênico. A CEC é muito sensível à maneira como o papa tentou envolver outras igrejas no processo sinodal. Como pastor da igreja reformada acredito e sei que o processo sinodal tem um caráter transformador, pois todas as decisões que são tomadas são resultado de um processo que marca a igreja. Não se entra na escuta, na troca ou no debate sem ser por ela transformado. É a ação do Espírito de Deus que pela primeira vez na história do ecumenismo as igrejas oram por outras igrejas. Acho importante aceitar o convite e que todos os protestantes da Itália também participem deste encontro, da vigília e das atividades preparatórias. […] A realidade sinodal é muito diferente nas igrejas. Na família ortodoxa é a reunião de bispos e patriarcas. Na minha igreja reúne leigos e mulheres, ministros e ministros do culto, teólogos… este processo organizado pela Igreja Católica, de escuta em todo o mundo, de escuta de todo o povo de Deus, é uma grande novidade. Além disso, nos sínodos costumamos rezar por questões internas. O convite a todas as igrejas para rezar pelo caminho da Igreja Católica também é uma novidade pela qual me sinto muito grato”.

Caminhe com o Senhor

Hollerich encerrou a reunião dizendo que estava “confiante de que, como igreja, seremos capazes de progredir juntos. Não podemos avançar como católicos sem olhar humildemente para outras confissões cristãs. Somos chamados a caminhar com o Senhor, a confiar-nos a Deus e ao Espírito Santo. Não é política da igreja, estamos falando sobre a oração do povo de Deus caminhando juntos em humildade”. E anunciou que depois da vigília, em setembro, os bispos e os participantes do Sínodo se encontrarão em retiro durante três dias.

Aqui está a gravação completa da conferência de imprensa

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Metodismo, política e maçonaria na Itália entre dois séculos

Metodismo, política e maçonaria na Itália entre dois séculos

Roma (NEV), 12 de fevereiro de 2020. A relação existente entre as igrejas protestantes e a Maçonaria do Grande Oriente da Itália deriva do antigo rito escocês, já desde 1860, e até o primeiro quartel do novo século. "Uma estimativa dos evangélicos pertencentes à Ordem naqueles anos é aproximada por padrão", explicou o Prof. Marco Novarino, da Universidade de Turim, abrindo a segunda parte da jornada de estudos "A limões Católico. Ambições e estratégias do Metodismo para uma Itália unida”. No entanto, disse Novarino: "é possível estimar que houve 123 pastores iniciados na loja maçônica do Grande Oriente da Itália naquele período". E depois acrescentou: “a estes devemos acrescentar também outros membros leigos das igrejas protestantes. A convergência de diferentes elementos sociais e culturais existentes entre os dois mundos deu origem ao que se chamou a figura do maçom evangélico". Em particular, havia: "o amargo sentimento antipapista e anticlerical que os unia a ambos e, além disso, sob a influência político-religiosa britânica e americana, cosmopolita que os unia". Uma relação, aquela entre os membros das igrejas evangélicas e a Maçonaria italiana, que no entanto já trava no início da Primeira Guerra Mundial como resultado da opção intervencionista e do crescente nacionalismo entre os círculos maçônicos, "que antes eram cosmopolita", lembrou o professor Novarino. Assim surgiu o fascismo, o isolacionismo americano e a crise de 1929; e com ela veio o financiamento da missão episcopal que veio dos Estados Unidos, que tinha a ambição de "construir uma nova classe dirigente italiana que fosse iluminada pelo Evangelho e longe das superstições clericais, papais e romanas", como ele explicou no final da tarde, em seu relatório intitulado: "A questão religiosa nas relações ítalo-americanas", o historiador Luca Castagna, da Universidade de Salerno. Uma ambição evidentemente desconsiderada de "formar uma classe dominante metodista na Itália unificada", objeto do relatório final que foi confiado ao professor Daniele Garrone, um dos maiores especialistas do protestantismo italiano. Ele lembrou o caso específico do instituto Monte Mario, em Roma, um instituto de ensino superior de alto nível, criado "com o objetivo de formar jovens que deveriam renovar a classe dominante na Itália". Garrone explicou, citando documentos de Nova York e guardados na Torre Pellice, que: “o objetivo do colégio internacional era aumentar os cursos a serem ministrados em inglês, a frequência de cursos esportivos, melhorar a oferta financeira e a cultura de Monte Mario, em suma, construir uma nova classe dirigente italiana, iluminada pelo Evangelho”. E então concluiu – não sem antes ter descrito o prédio que abrigava o colégio Monte Mário também do ponto de vista arquitetônico e paisagístico – considerando que: “O objetivo de Monte Mário era criar uma espécie de contrapartida educacional ao de origem católica privada”. ...

Ler artigo
Cristãos contra a tortura.  Relatório internacional publicado

Cristãos contra a tortura. Relatório internacional publicado

Imagem retirada do relatório 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT) Roma (NEV), 13 de maio de 2022 – A Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT) compartilhou o relatório de atividades de 2021 da Federação Internacional da ACAT (FIACAT). A FIACAT é uma ONG, observadora nas Nações Unidas, no Conselho da Europa e na Comissão Africana dos Direitos Humanos e dos Povos. O relatório fala, entre outras coisas, dos programas de abolição da pena de morte e de luta contra a prisão preventiva abusiva em África. Passados ​​cerca de nove anos de implementação, escreve a Federação, “é tempo de fazer um balanço”. O relatório “Seis países africanos aboliram a pena de morte por lei (República do Congo, Madagascar, Guiné, Burkina Faso, Chade, Serra Leoa). Isso eleva seu número total no continente para 23”, diz o site da ACAT. Ao nível da prisão preventiva abusiva, “foram tramitados 7.216 autos. E 4.762 foram objeto de decisões judiciais desde o início do programa. Os resultados são satisfatórios, embora se esperasse um maior progresso para acabar com a superlotação prisional, em particular por meio do uso de medidas alternativas”. Além disso, a FIACAT está agora investigando questões de migração na Europa e suas fronteiras. Fá-lo através do projeto transmedia jogos de sombra, realizado com o ACAT italiano e belga. São muitas as colaborações a nível institucional e não governamental, com um compromisso crescente para o futuro “pela construção de um mundo sem tortura nem pena de morte”. 2021 foi também o ano da atribuição do prémio Cássia Sóentregue em 9 de dezembro em Barcelona à FIACAT por sua luta pelos direitos humanos e seu caráter ecumênico. Por fim, escreva os ACATs: “Como não se alegrar com a libertação de Germain Rukuki após quatro anos de detenção arbitrária? Este é o lugar certo para agradecer especialmente a forte mobilização dos membros da rede FIACAT". Leia o artigo completo e baixe o relatório em inglês ou francês clicando AQUI. UM GATO A filial italiana da Ação dos Cristãos pela Abolição da Tortura se inspira no pastor valdense Túlio Vinay. Vinay foi um dos primeiros na Europa a denunciar a violência sofrida pelos presos políticos no Vietnã. A ACAT Italia foi formalmente fundada na primavera de 1987, graças à contribuição da igreja valdense de Roma e do movimento "Renascimento Cristão". Desde o início, a ACAT optou por operar em uma base ecumênica, reunindo protestantes, católicos, ortodoxos e outras confissões cristãs dispostas a rezar e agir juntos. Desde 2008, a ACAT instituiu um prêmio de graduação para teses sobre tortura e pena de morte com o apoio do Otto per mille das igrejas metodista e valdense. A ACAT Italia faz parte da FIACAT. ...

Ler artigo
“Construindo juntos o futuro luterano”

“Construindo juntos o futuro luterano”

Cordelia Vitiello, Jerusalém 2022. Ao fundo o Monte das Oliveiras Roma (NEV), 28 de junho de 2022 – O Conselho da Federação Luterana Mundial (WLF) concluiu recentemente em Genebra. Nós perguntamos Cordelia Vitiellomembro do Conselho e representante legal do Consistório da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), para nos contar sobre essa experiência. “Reencontramo-nos pessoalmente depois de dois anos – disse Cordelia Vitiello -. Foi a primeira experiência do novo Secretário Geral, Rev. Anne Burghardt. o arcebispo Panti Filibus Musapresidente da FLM, abriu oficialmente a reunião na assinatura dos versículos de Colossenses 1:9-20”. A agenda é sempre muito densa e, em particular, houve um foco no planejamento da próxima Assembleia Geral a ser realizada em 2023 em Cracóvia sobre o tema da identidade luterana e das mulheres nos ministérios ordenados (“Lutheran Identity and women in ordenado minister”) . Além disso, informou Vitiello, foram discutidos os relatórios das diversas Comissões. "Meu mandato mudou - disse Vitiello -, sendo primeiro na comissão de Serviço Mundial (braço humanitário/operacional da Federação) e agora na de Advocacia e Voz Pública, onde cuidaremos de fortalecer o serviço e o trabalho da igrejas em seu território, à luz das reflexões realizadas nos últimos anos. Entre os temas mais debatidos, a guerra na Ucrânia. A Federação Luterana Mundial conclama o mundo inteiro a orar pelo fim de todos os conflitos. Tivemos também presente no Concílio um jovem luterano russo, que se absteve durante a discussão e cuja presença foi significativa”. Mais desafios luteranos O trabalho também continua em outras frentes, explicou Vitiello: “Faço parte de uma comissão do Hospital Augusta Victoria, em Jerusalém, onde fui recentemente para a primeira reunião pós-pandemia. Executamos uma variedade de programas internos. Especificamente, sou o referente do grupo para o sistema de qualidade no hospital. É uma comissão trienal, cuja tarefa já me foi confiada no ano passado pelo anterior Secretário-Geral Martin Junge, como também sou presidente da Fundação Evangélica Betânia e do Hospital Evangélico de Nápoles. Na verdade, nessas funções construí uma expertise específica na área”. Quanto à Itália e ao CELI, continuou Vitiello, "será interessante construir o futuro da igreja luterana junto com o novo reitor Carsten Gerdes. Os temas a serem abordados são centrais: a relação do consistório com as comunidades, a comunicação, a captação de recursos, o luterano Otto per mille. Em suma, trata-se de como melhorar nossa organização interna e nossa visibilidade externa. É importante para nós e para o nosso futuro”, concluiu Vitiello. A FLM comemora este ano 75 anos de fundação. O Conselho aprovou quatro declarações públicas sobre fome, pandemias, conflito Israel-Palestina e guerras. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.