Vigília ecumênica e encontro do povo de Deus para um caminho sinodal

Vigília ecumênica e encontro do povo de Deus para um caminho sinodal

O logotipo de “Juntos – Reunião do Povo de Deus” – retirado de together2023.net

Roma (NEV), 23 de janeiro de 2023 – A coletiva de imprensa para a apresentação da vigília ecumênica de oração e da iniciativa “Juntos – Reunião do Povo de Deus” foi realizada esta manhã, a ser realizada em setembro, na vigília do XVI Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos sobre o tema: “Por uma Igreja sinodal: comunhão, participação e missão”.

um quadro da gravação da coletiva de imprensa de 23 de janeiro de 2023 – Vatican News

Cardeal Jean-Claude Hollerich; Frere Alois, Prior da Comunidade de Taizé; o arcebispo Ian Ernest, representante pessoal do Arcebispo de Cantuária junto à Santa Sé; Sua Eminência Khajag Barsamian, Representante da Igreja Apostólica Armênia junto à Santa Sé; o pastor Christian KriegerPresidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) e da Federação Protestante Francesa (FPF).

“A coletiva de imprensa de hoje destacou repetidamente a relação entre o caminho sinodal empreendido pela Igreja Católica e o ecumenismo”, declarou o secretário executivo da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), pároco Luca Barattopresente na Sala de Imprensa da Santa Sé.

E acrescentou:

“Creio que essa relação existe, com razão, antes de tudo porque há tantas igrejas cristãs que têm sua própria experiência de sinodalidade a respeito da qual a Igreja Católica ouviu de várias maneiras. E depois porque falar de sinodalidade não é simplesmente falar da estrutura da igreja organizacional ou da eclesiologia, mas é também falar da maneira pela qual os cristãos pretendem se conectar uns com os outros em essência. Portanto, ecumenismo e sinodalidade são certamente dois conceitos que se cruzam, também nesta ocasião. Creio que é importante também que as igrejas evangélicas se comprometam com a iniciativa, porque se convergirem na Praça de São Pedro para uma vigília de oração, o dia será, no entanto, dedicado a itinerários de cidade nos quais as várias vozes cristãs presentes na cidade será valorizada, presente em Roma, mesmo as das igrejas evangélicas. Estar pronto com uma oferta de encontros, sobre temas que nos são específicos, e de roteiros que possam mostrar e destacar os lugares evangélicos da cidade parece-me precisamente um bem e uma oportunidade a não perder”.

A vigília ecumênica de oração será presidida pelo Papa Francisco e faz parte de uma “iniciativa ecumênica promovida pela Comunidade de Taizé em colaboração com a Diocese de Roma, a Secretaria Geral do Sínodo, o Dicastério para a Promoção da Unidade dos Cristãos, o Dicastério para a Leigos, Família e Vida, assim como numerosas outras igrejas cristãs e associações eclesiais e ecumênicas”, lê-se no Boletim oficial.


Por uma teologia do Espírito

O espírito sinodal e o espírito da unidade cristã, disse Hollerich em sua introdução, são baseados no batismo comum. “Há irmãos e irmãs batizados em outras igrejas. Como católico, digo que precisamos deles, precisamos de vocês, para realmente estarmos em um caminho de conversão”. Nos últimos anos, graças ao Dicastério dirigido pelo cardeal Koch, “muitas diferenças doutrinárias foram melhor compreendidas. Agora temos que ir mais longe”, disse novamente o cardeal. Sublinhando que colocar a ênfase, no caminho sinodal, no batismo e no espírito santo “é uma grande oportunidade para dar mais um passo no ecumenismo. Vimos em outras igrejas como é importante a teologia do espírito. Devemos humildemente aprender com eles e garantir um papel maior para o espírito, em nossas ações e na igreja. Não há sinodalidade real sem unidade entre os cristãos […] Precisamos de irmãs e irmãos de outras igrejas. Podemos aprender com eles que existem tantas maneiras diferentes de ser sinodal e criar um novo começo. Ouvir o Espírito Santo e converter-nos à sinodalidade nos aproximará como irmãs e irmãos em Cristo”.

Os jovens chamam para ouvir os pobres e a terra

Frei Alois nos convidou a nos comprometermos com o projeto sinodal com estas palavras: “As sociedades e as igrejas precisam de unidade. Devemos fazer o importante esforço de escuta das novas gerações, que nos exortam a estar atentos à solidariedade e à responsabilidade ecológica, ao grito dos pobres e da terra”.

Novas asas para o ecumenismo

Ernesto recordou a longa tradição sinodal anglicana e sublinhou “o empenho de todas as Igrejas na busca de compreensão, como testemunhas da compaixão de Deus em um mundo necessitado de justiça e paz”. Sublinhou também como este caminho retoma a visão do Concílio Vaticano II, que reúne de diversas maneiras o povo de Deus de todos os cantos do mundo: “um caminho que nos conduz à Igreja que escuta, que vai além dos confins da a Igreja de Roma e abre as portas para uma colaboração mais ampla, um ecumenismo de ação e para promover a inclusão […] A jornada sinodal de Papa Francisco dará novas asas à forma como nos unimos de maneira ecumênica”.

A humildade é uma fonte de inspiração

Barsamian falou de como o processo sinodal iniciado pelo Papa Francisco está sendo acolhido, graças também ao envolvimento de outras confissões, do Oriente ao Ocidente. Sublinhou também o valor do encontro, por exemplo nas ocasiões em que pôde apresentar as tradições sinodais das igrejas ortodoxas orientais, em particular a armênia, reconhecendo neste caminho “abertura e sinceridade, espírito de humildade”, em continuidade como já mencionado do Vaticano II e indicando Francisco como “fonte e inspiração desta visão. Eu realmente admiro e amo sua humildade. O Santo Padre, seu espírito, é um grande exemplo. Isso nos motiva e nos encoraja a todos para alcançar a unidade”.

“Ouvir todo o povo de Deus é uma grande novidade”

O presidente da CEC, Krieger, expressou gratidão por outras igrejas terem sido convidadas a contribuir: “Isso marcará a história das igrejas por décadas. Não só para a Igreja Católica, mas para todo o movimento ecumênico. A CEC é muito sensível à maneira como o papa tentou envolver outras igrejas no processo sinodal. Como pastor da igreja reformada acredito e sei que o processo sinodal tem um caráter transformador, pois todas as decisões que são tomadas são resultado de um processo que marca a igreja. Não se entra na escuta, na troca ou no debate sem ser por ela transformado. É a ação do Espírito de Deus que pela primeira vez na história do ecumenismo as igrejas oram por outras igrejas. Acho importante aceitar o convite e que todos os protestantes da Itália também participem deste encontro, da vigília e das atividades preparatórias. […] A realidade sinodal é muito diferente nas igrejas. Na família ortodoxa é a reunião de bispos e patriarcas. Na minha igreja reúne leigos e mulheres, ministros e ministros do culto, teólogos… este processo organizado pela Igreja Católica, de escuta em todo o mundo, de escuta de todo o povo de Deus, é uma grande novidade. Além disso, nos sínodos costumamos rezar por questões internas. O convite a todas as igrejas para rezar pelo caminho da Igreja Católica também é uma novidade pela qual me sinto muito grato”.

Caminhe com o Senhor

Hollerich encerrou a reunião dizendo que estava “confiante de que, como igreja, seremos capazes de progredir juntos. Não podemos avançar como católicos sem olhar humildemente para outras confissões cristãs. Somos chamados a caminhar com o Senhor, a confiar-nos a Deus e ao Espírito Santo. Não é política da igreja, estamos falando sobre a oração do povo de Deus caminhando juntos em humildade”. E anunciou que depois da vigília, em setembro, os bispos e os participantes do Sínodo se encontrarão em retiro durante três dias.

Aqui está a gravação completa da conferência de imprensa

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

juventude evangélica.  Amanhã abre o XIX Congresso da FGEI

juventude evangélica. Amanhã abre o XIX Congresso da FGEI

Roma (NEV), 30 de outubro de 2013 – Mais de noventa jovens batistas, metodistas e valdenses se reuniram para o XIX Congresso da Federação Italiana da Juventude Evangélica (FGEI), que será realizado de 31 de outubro a 3 de novembro no Centro Ecumene de Velletri ( RM). Um FGEI que nos últimos 30 meses – este é o período de tempo entre um Congresso e outro – tornou-se mais intercultural e intergeracional. No centro das atenções estará a combinação: cuidado e testemunho. “O cuidado como oferta de serviço às comunidades, o testemunho como necessidade de sair de nossas igrejas para ir à cidade, estar lá, trazer a própria voz”, explica o secretário cessante Claudio Paravati, e acrescenta: “Não há dúvida que hoje o FGEI por um lado está rejuvenescido, por outro, com a presença de 'novos italianos' também em nossas comunidades, se diversificou em termos de origens culturais”. Não é por acaso que nos últimos meses a FGEI aumentou a sintonia e a colaboração com o programa "Estar juntos a Igreja" (ECI) promovido pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O FGEI, portanto, participou ativamente do primeiro projeto LINFA (laboratório de formação e recepção intercultural) promovido pelo ECI, enquanto junto com a Rádio evangélica Beckwith criou o projeto "Geração Itália" destinado a documentar a presença de jovens nas igrejas. A ideia é produzir material atualizado também tendo em vista um dos próximos seminários LINFA sobre o tema da dinâmica intergeracional previsto para março de 2014. Entretanto, o Conselho FGEI repensou o projeto ECI em chave juvenil como EGI (Being young together): trata-se de “reimaginar” e redesenhar um FGEI que tenha em conta as necessidades de uma nova geração com raízes múltiplas. “Uma necessidade que deve afetar todo o mundo juvenil e eclesiástico”, diz Paravati, que também faz um balanço de sua experiência como secretário: “Estes dois anos e meio de mandato foram uma mudança profunda em minha vida. Dei tudo o que pude com espírito de serviço, mas foi muito pouco em comparação com o que recebi. Os afetos, momentos de edificação e oportunidades de crescimento foram inúmeros. Estar a serviço é algo precioso, é bom lembrar de agradecer por esta oportunidade, mesmo nos momentos de dor”. O Congresso que se abre amanhã não só delineará as prioridades para o próximo mandato estabelecendo os trabalhos dos grupos, mas - entre outros cargos - também elegerá os sete membros do Conselho, que, por sua vez, elegerá o novo secretário ( ...

Ler artigo
Luteranos do mundo.  Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

Luteranos do mundo. Anne Burghardt recebe Prêmio Gotha da Paz

A partir da esquerda: o prefeito de Gotha, Knut Kreuch, a secretária geral da Federação Luterana Mundial, Anne Burghardt e o bispo da Igreja Evangélica da Alemanha Central, Friedrich Kramer, por ocasião da entrega do prêmio "Der Friedenstein" a Anne Burghardt . Foto: Lutz Ebhardt Roma (NEV), 9 de maio de 2022 – O Secretário Geral da Federação Luterana Mundial (FLM), pároco Anne Burghardtrecebeu o prêmio "Der Friedenstein" 2022. Ao receber o prêmio, Burghardt lembrou a urgência de educar os jovens para serem promotores da reconciliação e da paz. A cerimônia de entrega ocorreu no dia 5 de maio na Gotha Cultural Foundation. É sobre a cidade da Turíngia onde Martinho Lutero ele ficou e pregou no período da Reforma. Gotha comemora 500 anos desde a Reforma este ano. Na cerimônia de premiação no histórico Palácio Friedenstein, Burghardt falou sobre o compromisso da FLM em promover "dignidade humana, justiça e paz". O prêmio, disse ele, será “um incentivo significativo para cada um de nossos funcionários e apoiadores, profissionais e voluntários, para continuar contribuindo para o trabalho vital de construção da paz. Tanto dentro das famílias, igrejas e comunidades, tanto nacional como internacionalmente”. Na motivação para o prêmio, o Comitê Organizador falou de Burghardt como um "especialista comprovado em teologia" e um líder "comprometido com o ecumenismo e as relações internacionais". Recebendo o prêmio em nome da comunhão global de igrejas da Federação Luterana Mundial, o pastor destacou a resposta da organização religiosa após o conflito na Ucrânia. Este esforço humanitário é coordenado em estreito contato com as igrejas dos países vizinhos, que estão na vanguarda da ajuda aos refugiados. O secretário luterano também destacou a necessidade de manter longe dos holofotes da mídia outros conflitos e crises que continuam fazendo vítimas e devastando comunidades. “Onde quer que a FLM esteja presente – disse – estamos tentando apoiar e dar voz aos que são marginalizados e sofrem com a guerra e a violência, a discriminação e o deslocamento”. missões de paz O prêmio será doado ao projeto Mensageiros da Paz da FLM para a formação de jovens para a mediação e construção da paz e reconciliação. O projeto é inter-religioso e intercultural. “Como organização de fé – concluiu Burghardt -, entendemos nossa missão como participação na missão holística de Deus, uma missão de serviço aos outros. Falar em favor dos homens e mulheres oprimidos. E pela resistência pacífica às estruturas injustas que oprimem, excluem e dividem povos e nações”. A premiação ocorre no ano em que a FLM comemora 75 anos de fundação. Anteriormente, eles receberam este prêmio, entre outros, a rainha Sílvia da Suéciao maestro alemão Kurt Masur e o dissidente chinês Wei Jingsheng. ...

Ler artigo
Alemanha.  Um selo para as Mulheres da Reforma

Alemanha. Um selo para as Mulheres da Reforma

Roma (NEV), 28 de outubro de 2020 – O Ministério das Finanças alemão emitiu um selo especial “Mulheres da Reforma”. “Muitos associam Martinho Lutero à Reforma. No entanto, foi moldado por muitos, incluindo mulheres”, disse ela. Nikolaus Schneiderex-presidente do conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). Em um artigo de Eske Wollrad do Centro Evangélico para Mulheres e Homens em Hanover, em bundesfinanzministerium.de, lemos sobre as mulheres que desempenharam um papel decisivo na formação da Reforma, desde Elisabeth von Calenberg-Göttingen para Elisabeth von Rochlitz. “A palavra de Deus não está ligada a um mediador, encarnado por um sacerdote, mas torna-se acessível através do estudo da Bíblia. Assim, a Reforma também foi um movimento para as mulheres, motivando-as a se tornarem teologicamente ativas”, escreve Wollrad. Entre as mulheres da Reforma também Argula von Grumbach, Baronesa da Francônia, uma das mais famosas autoras de panfletos do movimento e conhecida muito além das fronteiras da Francônia. E então Katharina Zell, que defendeu publicamente, com base bíblica, seu casamento com um padre da catedral de Estrasburgo. “A mensagem da Reforma era, para as mulheres, mas não só, a liberdade – conclui Wollrad -. Não há necessidade de qualquer autoridade para interpretar a Escritura como ensino infalível da igreja. Todo cristão, e a igreja como um todo, pode ler as Sagradas Escrituras. Desta intuição teológica chegamos, ainda que nem sempre de forma linear, aos valores modernos de uma sociedade democrática, assim como à liberdade de expressão e pensamento”. O selo especial e o primeiro dia de cancelamento foram desenhados por Susann Stefanizen. O selo tem um valor de 370 cêntimos e está disponível desde 1 de outubro de 2020 nas estações de correios da Deutsche Post. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.