A Resistência Transmitida – Nev

A Resistência Transmitida – Nev

Roma (NEV/Riforma.it), 24 de abril de 2023 – Pelo menos quatro gerações se sucederam desde 8 de setembro de 1943, que marcou o período mais difícil da Resistência contra o nazifascismo, em oitenta anos, enquanto as testemunhas diretas partiram.

Ao longo desse tempo, os historiadores trabalharam na reconstrução dos acontecimentos, dinâmicas e interpretações, com obras polêmicas como as de Renzo De Felice ou com leituras, como a de Claudio Pavone que reconheceu, a partir do próprio título de seu livro mais famoso , Uma guerra civil. Ensaio histórico sobre a moral na resistência (Turim, 1991), a existência simultânea de três guerras: uma patriótica, uma de classe e uma civil. Também houve muita discussão sobre questões como o papel da dissidência na era fascista quando, entre 1926 e 1943, 15.806 antifascistas (891 mulheres) foram encaminhados ao Juizado Especial de Defesa do Estado e até 12.330 ( 145 mulheres) enviadas para o exílio interno e ainda 160.000 submetidas a “supervisão especial”.

O projeto totalitário foi analisado através da educação da juventude e da efetividade dos mitos do Império, da civilização italiana e católica, do legado imperial, etc. Por um lado, foi sublinhada a escolha motivada dos partidários, que depois de terem deixado as suas consciências balançar no vazio, recuperaram a plena responsabilidade individual nos valores da liberdade e da justiça. Por outro lado, a obediência daqueles que, participando na guerra patriótica, consideravam a morte um “feliz martírio”, como recitam várias canções fascistas, necessária para aniquilar o inimigo, identificando-se num projeto total de ação violenta. Esta página da história dividiu a sociedade italiana, mesmo na memória posterior.

No entanto, a história da Resistência não pode ser esquecida por pelo menos três razões. A primeira é que sua moral fundamentava os valores da Constituição italiana. Para que se enraizasse, teria sido necessário um sólido projeto de formação das gerações seguintes nas escolas e fora delas, também com o exemplo de uma representação política coerente. A segunda razão é que era preciso admitir que nem todos haviam escolhido, que muitos haviam “olhado”, defendendo a própria especial. A Resistência não perturbou apenas os aliados – a 7 e 26 de Dezembro de 1944, nos documentos nascidos das reuniões entre Cinai (Comité de Libertação Nacional da Alta Itália) conhecidos como Protocolos de Roma, os britânicos negaram a este órgão o reconhecimento da função governamental que lhe confiava com um simples papel técnico – mas uma parte dos aparatos institucionais que, com a anistia de Togliatti, retomam a continuidade com o fascismo. A brecha na sociedade italiana, em outras palavras, quase nunca foi sanada com um salutar ato de justiça. A enorme tarefa de curar as feridas da oposição entre os italianos não se cumpriu na franqueza de verdades transparentes, mesmo incômodas, e vemos ela se arrastar até o nosso presente, reverberada na linguagem totalitária e discriminadora daquelas forças políticas de flagrante fascismo antepassados. A terceira razão pela qual a história da Resistência não pode ser esquecida é que, mesmo que não seja dita, ela permanece exatamente com suas divisões na sociedade italiana, porque a Resistência é certamente um acontecimento histórico, mas também um sentimento e um estilo de vida que todos A era fez com que as pessoas se descobrissem não como os brados de hosanas nas praças à guerra e a Mussolini, mas como aquele com quem compartilhar uma nova visão de vida comum, respeitosa uns com os outros.

A escolha de ontem, diz Pavone, sempre precisou ser renovada a cada dia. Assim como para nós hoje, todos os dias nos perguntamos o que significam os Princípios da Constituição.

Foto de Nadia Ginevra Goglio, Monumento em memória dos guerrilheiros que morreram nas mãos dos fascistas, Fondotoce (VB)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

riqueza, pobreza e bens terrenos

riqueza, pobreza e bens terrenos

Roma (NEV), 25 de julho de 2018 - A Sessão de Formação LV da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) abre no dia 29 de julho na Domus Pacis de Santa Maria degli Angeli em Assis (PG), que este ano abre um novo ciclo de reflexões em torno do tema “As Igrejas diante da riqueza, da pobreza e dos bens da terra. Uma busca ecumênica". Conforme explicado no comunicado de apresentação do evento, esta sessão colocará o acento na riqueza, a próxima na pobreza, enquanto o tema dos bens da terra será o leitmotiv do biénio. A Sessão – que tem como principal referência bíblica as palavras do Apóstolo Paulo “Sei passar necessidade, sei ter abundância” (Filipenses 4:12) – será apresentada pelo presidente da SAE, Piero Stefani, e verá até o próximo dia 4 de julho os discursos de acadêmicos e representantes de famílias católicas, protestantes e ortodoxas italianas. o tema será abordado na perspectiva da justiça, da paz e da salvaguarda da criação (entre outros, será discutido por Simone Morandini do Instituto San Bernardino de Estudos Ecumênicos de Veneza); desmistificando alguns clichês, como a presença judaica no mundo econômico e financeiro (Rony Hamuai, Universidade Católica de Milão); desafiando a "teologia da riqueza" típica de algumas correntes do mundo evangélico (Hanz Gutiérrez, Instituto Adventista de Cultura Bíblica em Florença); propondo uma mesa redonda sobre como as diferentes igrejas cristãs se financiam. A presença protestante também foi expressiva este ano: palestrantes estarão entre os palestrantes Bruno Bellion, Pawel Gajewski, Paulo rico, Letizia Tomassone; enquanto estarão entre os condutores dos laboratórios Pedro Ciaccio, Stefano Giannatempo, Ilenia Gos, Lydia Maggi. Erica Sfredda em vez disso, ele faz parte do Grupo de Oração e Liturgia da Sessão. Entre os momentos, destacamos um momento de reflexão sobre a hospitalidade eucarística promovido pelo grupo ecumênico de Turim “Speziamo il pane” que acontecerá na noite de 31 de julho. ...

Ler artigo
Entrevista com Daniele Garrone, Presidente das Igrejas Evangélicas Federais na Itália

Entrevista com Daniele Garrone, Presidente das Igrejas Evangélicas Federais na Itália

Daniele Garrone em Lampedusa, em frente à Porta d'Europa (escultura de Domenico Paladino em memória dos migrantes que morreram no mar) Roma (NEV), 10 de fevereiro de 2022 – Na véspera da Semana da Liberdade, entrevistamos o presidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI), Daniele Garrone. A Semana acontece próximo ao dia 17 de fevereiro, data do aniversário da concessão dos direitos civis aos valdenses, em decorrência da Carta-Patente expedida pelo rei Carlo Alberto, em 1848. Algumas semanas depois, os mesmos direitos foram concedidos aos Judeus. Seu mandato como Presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália começou há pouco mais de três meses, juntamente com o novo Conselho. Do ponto de vista organizacional e programático, que são as moradas do triénio que vos espera? Como é comum em nossas igrejas, não se é chamado a ocupar determinados cargos com base em um programa: as linhas de trabalho indicadas nos estatutos e "atualizadas" pelos mandatos da assembléia. A assembléia, duas vezes ao ano, debate e verifica o andamento da Federação. Nesse sentido, nosso estilo de trabalho é fortemente "parlamentar". Continuaremos a realizar nossos esforços em vários setores. Os corredores humanitários, que tiveram uma extensão significativa com o apoio dos Ministérios do Interior e das Relações Exteriores; os projetos dentro da Mediterranean Hope, incluindo a assistência aos desembarques em Lampedusa e as iniciativas de apoio aos trabalhadores na planície de Rosarno e contra a contratação ilegal. Nesses setores, o apoio que recebemos continua e até se estende, aqui na Itália, de igrejas membros da Federação, como da União Budista Italiana, mas também de igrejas irmãs e organizações no exterior. Além disso, continua o trabalho de reflexão sobre questões importantes para o debate público em nosso país, em particular sobre a liberdade religiosa. Vamos intensificar a atividade de investigação e mobilização sobre as questões da liberdade religiosa (que deve ser igual para todos, sem privilégios e discriminações) e da laicidade, a começar pelas escolas públicas. Em breve publicaremos um volume sobre “populismo e religiões” resultante de uma série de webinars que criamos com parceiros de igrejas irmãs na Europa e América. Cuidaremos da comunicação não só sobre as atividades da Federação, mas sobre a realidade e as posições das igrejas protestantes na Itália. Outro setor fundamental é o da conscientização sobre a proteção do planeta. Oferecemos ferramentas para o ensino da Bíblia em nossas comunidades, mas também na esfera cultural. Apesar dos grandes obstáculos colocados pela pandemia - por exemplo tivemos de adiar a grande "assembléia geral" que de três em três anos oferece a oportunidade de conhecer, discutir e interagir com o espaço público - não reduzimos as iniciativas, mesmo que tudo esteja mais complicado é difícil. A Federação é um conjunto de igrejas protestantes com diferentes histórias e diferentes estruturas. Na sua opinião, quais são os aspectos mais criativos e desafiadores para as igrejas e comunidades federadas neste momento histórico? A Federação é um laboratório importante para o que é uma ideia tipicamente protestante, a da unidade na diversidade. É possível acordar em assembléia, decidir juntos compromissos comuns e falar a uma só voz sem esse homólogo ou obscurecer as diferenças. As diferenças históricas e organizacionais não superam a fé comum e não impedem compromissos compartilhados. Recebemos tudo isso como herança preciosa, mas também como vocação. Devemos valorizá-la ainda mais nestes tempos em que parece que as identidades devem ser gritadas em vez de discutidas e em que a diversidade é temida quando não contrariada. A teologia e a pastoral são elementos que se entrelaçam cotidianamente no trabalho e na vida dos crentes, tanto na esfera diaconal, quanto profissional e existencial. O que você acha? Em todas as áreas da vida, e cada uma delas é sustentada e orientada pela vocação, é preciso pensar na fé e a fé suscita perguntas, leva-nos a refletir. Não na solidão, porque há a dimensão da oração, de se expor ao Outro, e do outro como nós, que - de fora de nós - pode nos fazer reverberar aquela Palavra que não encontramos em nós mesmos, que pode compartilhe os fardos conosco. Pensamento, oração, consolo mútuo. Como disse Lutero mutuum colloquium et consolatio fratrum et sororum: diálogo mútuo e consolação entre irmãos e irmãs. Nos próximos dias, mais aprofundamentos sobre o tema da liberdade e sobre os encontros agendados para o dia 17 de fevereiro. ...

Ler artigo
liberdade também significa pensar criticamente

liberdade também significa pensar criticamente

Roma (NEV), 3 de dezembro de 2019 - O bispo luterano Margot Kässmann ela era secretária-geral do Kirchentag. Em 2009 ela foi a primeira mulher eleita presidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). Embaixadora do Jubileu da Reforma EKD de 2012 a 2017, ela foi bispa da maior igreja regional evangélica luterana da Alemanha. Mãe de quatro filhas, publicou recentemente, por ocasião do seu sexagésimo aniversário, o volume "Schöne Aussichten auf die besten Jahre - Belas perspectivas para os melhores anos". Margot Kässmann Em entrevista ao site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), o bispo Käßmann declara: “Liberdade significa assumir responsabilidades, e para mim liberdade também significa o dever de pensar criticamente”. “Em nossa sociedade orientada para o dinheiro, temos que defender valores como caridade, responsabilidade para com os outros, solidariedade e comunidade. A Igreja cria tudo isso. Mas a Igreja também deve ser autocrítica, tantas faltas acumulou ao longo dos anos e séculos”. Sobre as relações entre católicos e protestantes, Käßmann continua: “Não gostaria de UMA igreja, mas gostaria de poder celebrar a comunhão juntos, oficialmente”. Leia a entrevista completa com Margot Käßmann no site do CELI. O Kirchentag nasceu por iniciativa de um grupo de protestantes alemães que, em 1949, após os terríveis anos da Segunda Guerra Mundial, imaginaram um grande fórum cristão aberto à sociedade, à política e aos temas espirituais. A Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) instituiu esse tipo de Congresso com a ideia de “reunir pessoas que estão questionando a fé cristã. Reúna os cristãos protestantes e fortaleça-os em sua fé. Incentivar a responsabilidade na Igreja, capacitar o testemunho e o serviço no mundo e contribuir para a comunhão do Cristianismo mundial”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.