A Resistência Transmitida – Nev

A Resistência Transmitida – Nev

Roma (NEV/Riforma.it), 24 de abril de 2023 – Pelo menos quatro gerações se sucederam desde 8 de setembro de 1943, que marcou o período mais difícil da Resistência contra o nazifascismo, em oitenta anos, enquanto as testemunhas diretas partiram.

Ao longo desse tempo, os historiadores trabalharam na reconstrução dos acontecimentos, dinâmicas e interpretações, com obras polêmicas como as de Renzo De Felice ou com leituras, como a de Claudio Pavone que reconheceu, a partir do próprio título de seu livro mais famoso , Uma guerra civil. Ensaio histórico sobre a moral na resistência (Turim, 1991), a existência simultânea de três guerras: uma patriótica, uma de classe e uma civil. Também houve muita discussão sobre questões como o papel da dissidência na era fascista quando, entre 1926 e 1943, 15.806 antifascistas (891 mulheres) foram encaminhados ao Juizado Especial de Defesa do Estado e até 12.330 ( 145 mulheres) enviadas para o exílio interno e ainda 160.000 submetidas a “supervisão especial”.

O projeto totalitário foi analisado através da educação da juventude e da efetividade dos mitos do Império, da civilização italiana e católica, do legado imperial, etc. Por um lado, foi sublinhada a escolha motivada dos partidários, que depois de terem deixado as suas consciências balançar no vazio, recuperaram a plena responsabilidade individual nos valores da liberdade e da justiça. Por outro lado, a obediência daqueles que, participando na guerra patriótica, consideravam a morte um “feliz martírio”, como recitam várias canções fascistas, necessária para aniquilar o inimigo, identificando-se num projeto total de ação violenta. Esta página da história dividiu a sociedade italiana, mesmo na memória posterior.

No entanto, a história da Resistência não pode ser esquecida por pelo menos três razões. A primeira é que sua moral fundamentava os valores da Constituição italiana. Para que se enraizasse, teria sido necessário um sólido projeto de formação das gerações seguintes nas escolas e fora delas, também com o exemplo de uma representação política coerente. A segunda razão é que era preciso admitir que nem todos haviam escolhido, que muitos haviam “olhado”, defendendo a própria especial. A Resistência não perturbou apenas os aliados – a 7 e 26 de Dezembro de 1944, nos documentos nascidos das reuniões entre Cinai (Comité de Libertação Nacional da Alta Itália) conhecidos como Protocolos de Roma, os britânicos negaram a este órgão o reconhecimento da função governamental que lhe confiava com um simples papel técnico – mas uma parte dos aparatos institucionais que, com a anistia de Togliatti, retomam a continuidade com o fascismo. A brecha na sociedade italiana, em outras palavras, quase nunca foi sanada com um salutar ato de justiça. A enorme tarefa de curar as feridas da oposição entre os italianos não se cumpriu na franqueza de verdades transparentes, mesmo incômodas, e vemos ela se arrastar até o nosso presente, reverberada na linguagem totalitária e discriminadora daquelas forças políticas de flagrante fascismo antepassados. A terceira razão pela qual a história da Resistência não pode ser esquecida é que, mesmo que não seja dita, ela permanece exatamente com suas divisões na sociedade italiana, porque a Resistência é certamente um acontecimento histórico, mas também um sentimento e um estilo de vida que todos A era fez com que as pessoas se descobrissem não como os brados de hosanas nas praças à guerra e a Mussolini, mas como aquele com quem compartilhar uma nova visão de vida comum, respeitosa uns com os outros.

A escolha de ontem, diz Pavone, sempre precisou ser renovada a cada dia. Assim como para nós hoje, todos os dias nos perguntamos o que significam os Princípios da Constituição.

Foto de Nadia Ginevra Goglio, Monumento em memória dos guerrilheiros que morreram nas mãos dos fascistas, Fondotoce (VB)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

O papel da fé nas Nações Unidas

O papel da fé nas Nações Unidas

Roma (NEV), 7 de setembro de 2020 – Por ocasião das comemorações do 75º aniversário das Nações Unidas, no dia 8 de setembro será realizada uma iniciativa sobre o papel da fé. O Conselho Mundial de Igrejas (CMI) está envolvido com as Nações Unidas desde a elaboração da Declaração Universal dos Direitos Humanos no final da década de 1940. Hoje, eles se juntam a mais de 40 líderes globais que representam o mesmo número de organizações religiosas no Conselho Multifé. O Conselho Multi-Religioso das Nações Unidas (Conselho Consultivo Multi-religioso das Nações Unidas – MFAC) foi criada em 2018 pela agência das Nações Unidas para religião e desenvolvimento. O Conselho tem funções consultivas sobre questões religiosas para 22 órgãos das Nações Unidas que lidam com direitos humanos, paz, segurança e desenvolvimento sustentável. Será "uma oportunidade para compartilhar mensagens-chave de esperança e solidariedade entre comunidades de fé em todo o mundo e para aumentar a conscientização sobre a colaboração entre organizações religiosas e agências das Nações Unidas", diz a apresentação da iniciativa, que destaca a importância da cooperação para o desenvolvimento sustentável desenvolvimento. Para a Agenda 2030 das Nações Unidas, existem 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (Metas de desenvolvimento sustentável – ODS) a serem alcançados: do fim da pobreza e das desigualdades econômicas e de gênero, ao desenvolvimento social, do combate às mudanças climáticas, até a construção de sociedades pacíficas até o ano de 2030. O evento estará disponível em streaming neste link Clique para mais informações e inscrições AQUI ...

Ler artigo
Igrejas e intercultura.  O vídeo do Serviço de Educação e Educação está online

Igrejas e intercultura. O vídeo do Serviço de Educação e Educação está online

Grupo de jovens interculturais - foto Alessia Passarelli Roma (NEV), 15 de maio de 2023 - O vídeo do encontro de formação "Igrejas e intercultura" organizado em abril pelo Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e por L' é online Amigo das Crianças. o missionário Grace Pratt Morris-Chapman ele abriu os procedimentos com uma meditação introdutória. Então o pesquisador interveio Alessia Passarelli, que falou sobre a evolução e as novas perspectivas do projeto “Sendo Igreja Juntos” (ECI). A pastora valdense Anne Zell e o pastor batista Nicolau Laricchio eles falaram sobre sua experiência pessoal e profissional em igrejas batistas, metodistas e valdenses interculturais. Entre os temas abordados e explorados, o conceito de mediação e integração, formas de ser comunidade encontrando lugares e espaços de entendimento mútuo e pontos de acordo. “Ser uma igreja juntos – explicou Passarelli – é uma experiência, mas também um caminho sociológico”. Em sociologia falamos de três tipos de abordagens: assimilação, exclusão, integração. Esta última, a integração, é um “processo dinâmico de reconhecimento mútuo e mudança que leva a uma nova forma de ser a sociedade”, disse Passarelli. Mas o que significa "integração" em um contexto eclesiástico? No vídeo há algumas respostas, que dizem respeito a como renegociar o habitus religioso, portanto as práticas e modo de vida de uma comunidade. “Desde os lugares preferidos nos bancos, à forma de ler a Bíblia e a liturgia, aos hinos que se cantam, que instrumentos e como tocar, a outras pequenas rotinas que definem zonas de conforto…” são muitos os elementos a considerar, continuou Passarelli. Igrejas interculturais e comunidades inclusivas já são uma realidade, porém ainda há muito trabalho a ser feito e deve ser feito constantemente. Irmãs e irmãos que vêm de outros países levaram ao crescimento e mudança no protestantismo italiano de todas as denominações, disse Passarelli, com diferenças de igreja para igreja. Também precisamos falar sobre liderança, participação democrática, linguagem, trabalho, relações amigáveis ​​entre comunidades e abordagem ética. Relacionamentos de "boa vizinhança" não significam "ser convidados juntos". Por exemplo, a definição de "igrejas étnicas" é um termo problemático. Mesmo uma igreja italiana é "étnica", pois é "monocultural". Um dos elementos fundamentais a ter presente diz respeito à necessidade de todos e cada um se “sentir em casa”, redescobrir o reconhecimento social e desenvolver visões comuns de futuro. “Estar juntos na igreja é uma direção”, concluiu Passarelli. Para saber mais, assista a gravação (link abaixo). O vídeo também foi relançado na página da União das Igrejas Evangélicas Batistas da Itália (UCEBI). [embed]https://www.youtube.com/watch?v=unbm-VreBi4[/embed] ...

Ler artigo
Dia da Terra 2022 – Nevada

Dia da Terra 2022 – Nevada

Roma, 21 de abril de 2022 – Uma maratona multimídia de 14 horas para celebrar o 52º Dia Mundial da Terra. Amanhã, 22 de abril, da Nuvola di Fuksas em Roma em transmissão ao vivo em raiplay.it e diferida em vaticannews.va, o Dia da Terra Itália e o Movimento dos Focolares apresentam a terceira edição de #OnePeopleOnePlanet. O evento “enviará uma forte mensagem de esperança ao mundo e um importante apelo à ação para proteger o planeta. Mais uma vez os jovens estão no centro, os verdadeiros protagonistas da grande questão ambiental”, refere o comunicado de apresentação da iniciativa. Às 14h00 será a vez do debate intitulado "Pontes sobre o Mediterrâneo", conduzido por Cláudio Paravaticondutor de protestantismoo diretor de Comparar. Um momento “em que o ambiente, a solidariedade, o trabalho são contados pelos testemunhos e palavras de quem vive no Mediterrâneo, o mar não é grande o suficiente para dividir, mas também não é pequeno o suficiente para unir. É por isso que se constroem pontes, é por isso que se encontram no Mediterrâneo os perigos do nosso tempo, mas também os recursos para os poder ultrapassar. No estúdio e remotamente, falaremos sobre culturas, economias, diálogo e confronto, refugiados e hospitalidade, corredores humanitários, guerras esquecidas, integração e trabalho”. Entre os convidados Emanuela Claudia Del Re ex-vice-ministro da Cooperação Internacional, Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, Marco Impagliazzo, presidente de Sant'Egidio, Alberto Negrijornalista e Maria Di Pierri da Associação Sul. Desde 1970, a ONG Earth Day – reconhecida pela Secretaria Geral da ONU – organiza o mais impactante momento de conscientização ambiental do mundo com bilhões de pessoas mobilizadas todos os anos por meio do trabalho de 75 mil parceiros distribuídos nos 193 países membros das Nações Unidas. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.