Protestantes?  Viajando.  Um especial do protestantismo

Protestantes? Viajando. Um especial do protestantismo

Roma (NEV), 19 de agosto de 2020 – Quem são os protestantes na Itália hoje? Como vivem e testemunham a sua fé e qual é a sua contribuição como cidadãos?

Para responder a essas perguntas, o Protestantismo, coluna de cultura e informação religiosa editada pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e transmitida pela RAI2, decidiu embarcar em uma viagem por nossa península em um trailer.

Da Sicília ao Piemonte conheceu comunidades, igrejas e atividades diaconais, ouviu as dificuldades e visitou os projetos, entrelaçou relações e contou histórias e história.

Por toda a Itália livre do bloqueio, de Roma a Scicli, de Matera a Ventimiglia, o autor e diretor Paulo Emílio Landi reuniu-se com evangélicos italianos para saber quem são, no que acreditam e o que está no centro de sua ação na sociedade italiana.

Uma viagem de 3.000 km em um trailer, acompanhado pela equipe de televisão, pelo pastor valdense José Platãopelo jornalista Nadia Angelucci e depois de Stephanie Scuderi.

História, Bíblia, oração, obras sociais e muitos quilômetros para compor o retrato de uma significativa minoria que todos já ouviram falar, mas poucos conhecem.

Os dois especiais serão transmitidos nos dias 23 de agosto e 2 de setembro, às 9h20, com reprises posteriores.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Pisa, ameaças às instituições e à Igreja Valdense

Pisa, ameaças às instituições e à Igreja Valdense

Roma, (NEV/Reforma), 28 de janeiro de 2019 – No mês de dezembro demos conta do apoio que a igreja valdense de Pisa deu à hipótese de construção de uma mesquita. Nos últimos dias, uma carta anônima expressou ameaças dirigidas a um círculo Pd, a diocese e a própria igreja valdense, que responde da seguinte forma: “Quando nos posicionamos a favor da liberdade de culto para todos e, portanto, também a favor da construção da mesquita em Pisa, sabíamos que nem todos gostariam de nossa opinião. No entanto, não esperávamos, e nos preocupamos, que alguém pensasse em responder com uma carta anônima ameaçando explodir o círculo Pisanova-Cisanello Pd, o conselho pastoral diocesano e nossa Igreja por causa das posições expressas em favor da liberdade de expressão adorar. Somos solidários com o círculo Pd e o conselho pastoral diocesano que foram ameaçados junto conosco - e retribuímos sua solidariedade, assim como agradecemos a ACLI, Agesci, a Rede de estudantes do ensino médio, a União Universitária, o Prefeito, Una città in Comune, Sinistra per e os muitos concidadãos que expressaram sua solidariedade conosco. Naturalmente este episódio não muda o nosso compromisso com a liberdade de culto, tanto dos muçulmanos como de todos os outros, que, além de ser um princípio essencial para a nossa forma de viver a fé cristã, é garantida pela Constituição do nosso país. Não vivemos e não viveremos com medo, apesar das ameaças, não porque nos sintamos fortes ou poderosos, mas porque confiamos no Deus da paz e do diálogo. Como diz o Salmo 27: “O Senhor é minha luz e minha salvação, a quem temerei? O Senhor é o baluarte da minha vida, de quem terei medo?”. Estamos à disposição para discutir o assunto com quem discordar de nós, tiver a coragem de suas declarações e estiver disposto a se confrontar civilizadamente. Em vez disso, vamos apresentar queixa contra aqueles que, esgotados os argumentos, recorreram às ameaças. O Conselho da Igreja Evangélica Valdense de Pisa – 27 de janeiro de 2019 Palavras de solidariedade vieram, entre outras coisas, do prefeito de Pisa Michele Conti e da ANPI. ...

Ler artigo
“Estar enraizado no novo”.  A adesão da UCEBI

“Estar enraizado no novo”. A adesão da UCEBI

Foto de Emma Gossett - Unsplash Roma (NEV), 24 de julho de 2020 – João Paulo Arquidiáconopresidente da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) expressou plena adesão ao "Radicarsi nel Nuovo", o documento ecumênico para o período pós-Covid elaborado por um grupo de "cidadãos pertencentes a diferentes confissões cristãs" em Milão com o objetivo de ajudar as comunidades a fazer perguntas e compromissos, tanto políticos quanto teológicos, após a pandemia. Na mensagem de adesão, o arcediago espera que o documento "possa encontrar ampla divulgação nas igrejas de todas as confissões religiosas para que seja estímulo e estímulo ao diálogo e à participação ativa dos crentes nas demandas de paz, social e econômica justiça, acolhida dos migrantes e a integridade da criação nela expressa”. Em nome da UCEBI O arcediago "espera também que o documento encontre a devida atenção por parte do Governo italiano para levar em consideração os apelos sentidos nele contidos", como a 'providência paradoxal' da pandemia que deve estimular o desejo de renascimento e o tema de ' arrependimento' , termo secular e religioso que se refere a uma visão crítica e autocrítica do nosso modo de vida. “Que o Deus de paz, graça e misericórdia olhe por Sua criação” conclui o presidente da UCEBI. Leia todo o documento AQUI. Para inscrições, escreva para [email protected] ...

Ler artigo
As mulheres libertam o sagrado

As mulheres libertam o sagrado

Foto Adista Roma (NEV), 26 de junho de 2020 - O semanário de informação independente "Adista" relata em um dossiê "o caminho nada fácil que levou as mulheres das Igrejas cristãs não católicas ao acesso a ministérios e pastorados, ainda excluídas da Igreja de Roma" . Uma história multifacetada da qual emergem as tentativas de desmantelar estruturas e privilégios machistas, autoritarismo e clericalismo. “Os companheiros de viagem deste número da Adista – lê-se na apresentação –, pela ordem em que aparecem os seus ensaios, são o pastor valdense Alexandre Esposito; o luterano Gabriela Woller; o pastor batista Cristina Arquidiácona; Maria Vitória Longhitanopresbítero da Convocação das Igrejas Episcopais na Europa; Basil Petràdecano da faculdade de teologia da Itália central; David Romanodiretor do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da União Italiana das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA)”. A imagem inteiramente masculina de Deus "influencia não só as práticas religiosas, mas também as culturas, o bom senso e as práticas cotidianas" escrevem novamente os editores, que nos convidam a investigar a palavra bíblica "a partir de uma leitura mais cuidadosa, crítica, historicista das Escrituras", o que significa também "contextualizar e libertar a mensagem bíblica das superestruturas culturais do passado, das 'traduções' inadequadas e insuficientes que derivam de uma má compreensão dos textos, para tornar as religiões não mais dogmáticas, fechadas e separadas dos recintos do sagrado ' (sempre declinado no singular masculino), mas inclusivo e plural”. O dossiê faz parte da série de números especiais da Adista intitulado "As Igrejas face à violência de género" e pretende explorar temas como os preconceitos e os instrumentos de repressão e exclusão das mulheres na Igreja e na sociedade, os "carismas" femininos e a presença feminina no púlpito, na pregação da Palavra ou na administração dos sacramentos, elementos que tornam visível "a diferença dos corpos, presença muitas vezes perturbadora - sobretudo aos olhos católicos e por ocasião das celebrações ecumênicas - porque manifesta a existência de um ministério não mais vinculado ao corpo masculino e à masculinidade de Jesus e da Igreja". O dossiê também foi compartilhado na página do Facebook da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.