Da Barcaça ao Oscar – Nev

Da Barcaça ao Oscar – Nev

foto não salpicada

Roma (NEV), 13 de março de 2023 – por Pedro Ciaccio – “Minha viagem E começou em um barcoumpassei um ano em um campo de refugiados e de alguma forma acabei aqui no palco pivocê importante em Hollywood; dícone que as histórias tal eles acontecem Sozinho nos filmes, Eu não posso acreditar que isso está acontecendo comigo. as palavras maisvocê importante da noite do Oscar os pronunciou Ke Huy Quanvencedor da estatueta de melhor ator coadjuvante, premiado por sua atuação destacada em Waymond Wang em Tudo em todos os lugares ao mesmo tempo.

euator nasceu em uma grande família em 1971 em Saigão (latual Ho Chi Minh), mas fugiu delao No 1978. Ele se refugiou com seu pai e cinco irmãosou em um campo de refugiados em Hong Kong, enquanto a mãe e outros três irmãos encontraram refúgio na Malásia, provavelmente no campo de refugiadosIlha de Bidong. Em 1979 toda a família foi acolhida nos Estados Unidos noparte dos programas de reassentamento de refugiados do governo Carter.

Ke Huy Quan foi, portanto, um dos pessoas do barco, as cerca de 800.000 pessoas que deixaram o Vietnã comunista e chegaram com segurança aos poucos campos de refugiados localizados nos países que fazem fronteira com o Mar da China Meridional. De acordo comO Alto Comissariado da ONU para Refugiados, entre 200.000 e 400.000 refugiados morreram no mar.

Quando você começaou carreira de ator quando criança, co-estrelando Indiana Jones e o Templo da Perdição (1984) E Os Goonies (1985). Mais tarde não foi maisvocê contratado para algum papel importante, como se não fosse mais necessário como adultovocê a chinês. Começou então a estudar cinema e a trabalhar sobretudo naescopo de produção, atéE os diretores Daniel Kwan E Daniel Scheinert eles não o contrataram para o filme que triunfou ontem à noite no Oscar.

Diga aoépico de Quan, de um refugiado em um barco ao efêmero holofote sobre a criança prodígio e depois novamente deesquecimento até o triunfo na noite do Oscar, não E uma digressão, tanto porqueE hoje falar sobre refugiados em barcos não E nunca uma distração também porqueE A história de Quan explica de alguma forma o sucesso de Tudo em todos os lugares ao mesmo tempo.

O filme que ganhou sete estatuetas ontem à noite (e vários outros prêmios nos últimos meses) teve latenção de muitos Não por queE disse ao multiverso, como sim E leia por aí, mas por queE falou de forma original, surpreendente e espetacular (difícil ver esses três atributos juntos) de fragilidadepara e precariedadepara deser humano como indivíduo e como comunidadepara. A precariedadeé pelas consequências sofridas em decorrência das escolhas feitas, mesmo as aparentemente insignificantes. a fragilidadeé dado refletindo sobre isso: fiz bem? E se Em vez de eu tinha feito issooComo seria minha vida agora?“. E uma ninhada que podeou tornam-se obsessão e levam ao colapso da psique, depressão, destruição de relacionamentos importantes, fim deamor e felicidadepara.

Em umera caracterizada por uma forte alienação, por radicalizações violentas, pela crise da política e da comunidadeparados receios pelo trabalho e pela saúde do planeta, sem esquecer as consequências pós-pandemia e o medo da guerra iminente, não E difícil entender como Tudo em todos os lugares ao mesmo tempo falou ao coração de tãoo muitas pessoas.

O que os pais de Quan pensaram quando se separaram em 1979 para salvar a família? Estamos indo bem? Não E melhor ficar aqui? E se não sobrevivermos à travessia? E se sobrevivermos, mas eles nos empurrarem para trás? E se não tivermos mais quevocê Encontrar novamente?

Um filme funciona se o público clicar neleempatia. Na verdade, pensando bem, quem não E sucesso de sentir tudo desabar sobre você, como se estivesse acontecendo com você Tudo, em todos os lugares, tudoJunto?

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

África.  O lento caminho dos direitos humanos.  Prêmio ACAT abre a conferência

África. O lento caminho dos direitos humanos. Prêmio ACAT abre a conferência

Roma (NEV), 12 de dezembro de 2022 - A conferência "África, a lenta jornada dos direitos humanos: desafios, perspectivas, testemunhos" está sendo realizada hoje às 17h30 na Aula Magna da Faculdade Valdense de Teologia em Roma. Promovido porAção dos Cristãos pela Abolição da Tortura (ACAT)representa o evento final do projeto ACAT Italia 2022 Graduation Award "para acabar com a tortura e pelos direitos dos migrantes" e é apoiado peloOito por mil da Igreja Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense. “Em que estado estão os direitos fundamentais no continente africano? Quais são os cenários e as dificuldades enfrentadas pelos defensores de direitos humanos? Como se entrelaçam as violações a que são submetidas mulheres e homens com o fenômeno da migração?” Estas são apenas algumas das perguntas que os hóspedes tentarão responder. A ACAT escreve: “Uma data que não é acidental, mas escolhida porque perto de 10 de dezembro, Dia Internacional dos Direitos Humanos e uma questão igualmente não aleatória, a dos direitos humanos no continente africano, numa fase em que a rota mediterrânica volta a ocupar as páginas dos jornais e a animar o debate público de forma extremamente instrumental e ao mesmo tempo superficial, como se por trás do fenômeno migratório houvesse razões não muito específicas mas também muito heterogêneas". De facto, de acordo com o Relatório 2021/22 da Amnistia Internacional, a associação informa, “os últimos anos, graças à pandemia de covid19, os conflitos em curso, a forte instabilidade política e social, as catástrofes ambientais, a corrida ao primeiro explorar, foram marcada por uma acentuada deterioração em matéria de protecção dos direitos fundamentais. Dos massacres contra civis perpetrados por grupos armados, inclusive de origem terrorista, à limitação da liberdade de expressão e do direito de oposição por parte dos Estados, passando pelo uso de armas contra manifestantes pacíficos, censura ou perseguição a ativistas e defensores de direitos humanos, sem esquecer a dificuldade de acesso a cuidados básicos de saúde, água, alimentação, ou o aumento da violência e abusos contra mulheres, meninas e pessoas LGBTI". Participantes: Michael Kalembamembro da ACAT República Democrática do Congo, membro do Bureau Internacional da FIACAT (Federação Internacional da ACAT), coordenador do projeto FIACAT-ACAT DRC contra a prisão preventiva abusiva e atualmente refugiado na França precisamente em virtude de seu compromisso com os direitos humanos . Lyonel Grassy, Directeur de plaidoyer da FIACAT e ativo em vários projetos no continente africano. Irmã Paula Vizzottomissionário da Imaculada Conceição, voluntário por muitos anos nas prisões de Camarões e atualmente em Rebibbia. Luke Attanasiojornalista e escritor, autor de Amanhã do boletim Áfricas (África no plural). Para coordenar as intervenções Massimo Zaurrinijornalista de revista africa e diretor administrativo da África e Negócios. Na abertura, a cerimônia de premiação do ACAT Italia 2022 Graduation Award. Aqui está o folheto: ...

Ler artigo
17 de fevereiro no calendário escolar: o “caso” no Piemonte

17 de fevereiro no calendário escolar: o “caso” no Piemonte

Roma (NEV), 19 de julho de 2022 – 17 de fevereiro é uma festa pela liberdade de todos, "que faz parte da história geral da liberdade de consciência", na Itália e na Europa, "deve ser uma festa para todos". Ele disse isso hoje, em uma entrevista para a Rádio Beckwith, Bruna Peyrotpresidente da Fundação Centro Cultural Valdense de Torre Pellice, o "coração" dos vales valdenses no Piemonte. Fundo: ontem Mônica Canalis, vice-secretário do PD Piemonte e vereador e Mark Cognovereador da Cidade Metropolitana e prefeito de Torre Pellice (Turim) denuncia que no calendário escolar do Piemonte a minoria religiosa dos valdenses teria sido "ignorada", pois "ao contrário dos anos anteriores, foi negado suspender as aulas no dia da festa, 17 de fevereiro”. A Valdensian Cultural Center Foundation envia imediatamente uma carta pública ao governador Albert Círio e ao prefeito de Torre Pellice, para pedir "reconsideração de decisões que prejudicam a expressão cultural e civil de grande parte da cidadania", conforme consta no texto abaixo, publicado na página fb da instituição protestante. Algumas horas depois da resposta do Conselheiro para a Educação da Região do Piemonte Elena Chiorino: "O calendário escolar é uma referência para todos, visando garantir a uniformidade e continuidade das atividades em sala de aula, também e sobretudo no interesse das famílias: isso não exclui a plena autonomia das escolas que têm o direito de estabelecer adaptações para o calendário, face às necessidades decorrentes do alargamento do plano de oferta formativa e às necessidades ambientais específicas. As escolas podem definir projetos ligados a tradições locais ou eventos intimamente ligados ao seu território, adaptando assim as atividades escolares”. Aqui a entrevista da Rádio Beckwith com Bruna Peyrot e que um Mônica Canalis. Para saber mais:“17 de fevereiro na escola? A Região está retrocedendo”, artigo de Reforma FACTSHEET 17 de fevereiro para os valdenses ...

Ler artigo
Interconectados?  Fé e ecologia na era digital

Interconectados? Fé e ecologia na era digital

Roma (NEV), 15 de outubro de 2019 – A conferência “Inter-connecti? Fé e ecologia na era digital”, em colaboração entre a Igreja Evangélica Batista de Cagliari, a Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha e o Departamento diocesano de Pastoral Social e Trabalhista. "Queríamos fazer esta pergunta para incitar os palestrantes a encontrar uma visão comum - disse o pastor e teólogo batista Elizabeth Green à Agência NEV –. O que acontece quando estamos interconectados? O significado é criar a ocasião para um olhar recíproco. Combinar ecumenismo e ecologia, essa é a aposta. Aqui e em Sulcis estamos trabalhando essas questões, de baixo, de forma ecumênica. Acho interessante uma discussão com quem trabalha de cima, numa troca em pé de igualdade com quem é academicamente engajado”. Abaixo está o programa. Faça o download do pôster INTER CONNECTED aqui. Sexta-feira, 18 de outubro, às 16h30 Saudação e apresentação: Francesco Maceri SJ, decano da Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha. Moderado: Elizabeth Greenpastor e teólogo da Igreja Evangélica Batista 17h00 Reportagem: Separe e conecte. sabedoria bíblica – Ângelo Reginatopastor e biblista, membro do Departamento de Teologia da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) 17h45 Intervalo 18h00 Reportagem: Laudato si': uma abordagem de sistemas complexos – Mauro Bossi SJ, editor da revista Updates Sociali 18h45: Discussão 19h15: Apresentação da exposição fotográfica: Terra para habitar, beleza para manter, editado pela Coordenação Regional para o projeto cultural da Conferência Episcopal da Sardenha. A exposição estará patente na Faculdade até 31 de Outubro Sábado, 19 de outubro, às 9h30 Moderador: Pe. Mário FarciPontifícia Faculdade Teológica da Sardenha Relação: Tecendo redes: ecúmeno e ecologia? Simone Morandiniprofessor do Instituto San Bernardino de Estudos Ecumênicos – Veneza 10.15 Discussão Quebrar 11h00 Mesa Redonda: Moderada pelo Pe. José TiloccaPontifícia Faculdade Teológica da Sardenha Caixas de som: Excelentíssimo Dr. Gianni LampisConselheiro para a Defesa do Meio Ambiente - Região da Sardenha) dr. Charles MiliaPresidente do Eco-instituto do Mediterrâneo) Dr. Daniela Ducatoreferência em produção industrial circular La Casa Verde CO2.0 Conclusões: Mons. Arrigo MiglioArcebispo de Cagliari, Grão-Chanceler da Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha. A conferência será realizada na Aula Magna da Pontifícia Faculdade Teológica da Sardenha, na via Enrico Sanjust, 13 – Cagliari. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.