Jovens transexuais, suas vidas importam

Jovens transexuais, suas vidas importam

Karollyne Hubert, antisplash

Roma (NEV), 13 de março de 2023 – O bem-estar dos jovens transgêneros e não-binários é importante. Isso foi sublinhado pela Igreja Unida de Cristo (UCC), manifestando-se a respeito de inúmeras medidas atualmente em discussão em vários estados dos EUA. No início de março, de acordo com a igreja, “385 projetos de lei anti-LGBTQ foram apresentados, incluindo 108 destinados a acabar com os cuidados de saúde de afirmação de gênero para jovens trans e não binários. Isso coloca em risco mais de 54.000 jovens trans que estão assumindo ativamente cuidados médicos que salvam vidas – as leis mais anti-LGBTQ já introduzidas em uma única temporada legislativa.

A Conferência Indiana-Kentucky UCC, que sediará o Sínodo Geral em junho, segue especificamente 20 projetos de lei anti-LGBTQ. Que a UCC define como “tentativas violentas de interromper o florescimento da criação de Deus”.

A juventude trans, continua o site da igreja, “são membros sagrados de nossa família coletiva. Agora, mais do que nunca, a juventude trans precisa de nós. E, neste momento, nossa resposta cristocêntrica só pode ser retornar à abundância que o próprio Deus nos dá para florescer.

Aos jovens trans e não binários, “saibam que a Igreja Unida de Cristo atua em solidariedade a vocês”, continua o texto.

No portal encontram-se também várias formas e sugestões para atuar diretamente, mobilizar e fazer ouvir a sua voz. Por exemplo, enviando uma mensagem aos representantes do Congresso ou organizando eventos de conscientização.
“Podemos agir com amor, graça e justiça por nossos irmãos e irmãs trans e não binários”, conclui o UCC.


Para saber mais:

ACLU (União Americana pelas Liberdades Civis)

Tempo

REFO Rede Evangélica fé e homossexualidade

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Milão, a livraria Claudiana entre as lojas históricas

Milão, a livraria Claudiana entre as lojas históricas

Roma (NEV), 18 de outubro de 2022 – A Livraria Claudiana de Milão é uma das 35 novas 'lojas históricas' premiadas ontem pela Prefeitura da capital lombarda. 'Oficinas históricas' são atividades comerciais que operam há pelo menos 50 anos no mesmo setor de produtos. Ontem, segunda-feira, 17 de outubro de 2022, foi realizada a tradicional cerimônia de premiação no Palazzo Marino, na presença do prefeito, José Salae o Conselheiro para o Desenvolvimento Econômico, Alessia Cappello. O município milanês, com resolução de 2004, estabeleceu o Registro de Lojas Históricas "[…] com o objetivo de proteger e defender as atividades comerciais e artesanais com fortes raízes urbanas que confiram valor a bens culturais e em risco de extinção”. Ontem, portanto, às mais de 500 atividades comerciais já inscritas neste Registo, juntaram-se mais 35, algumas com mais de cem anos de história. A livraria Claudiana, em Milão, é a única do grupo e foi apontada pelos participantes da cerimônia como um dos mais importantes centros culturais da cidade. Todo o grupo que atualmente trabalha na livraria da via Francesco Sforza (Martina Bianchi, Samuele Carrari, Rebeca Malla) E Samuele Bernardinilivreiro histórico da Claudiana, que a comandou por mais de quarenta anos. "A livraria Claudiana de Milão abre suas portas na cidade no final de 1968 - declara Samuele Carrari - por isso, em 2019, passados ​​os 50 anos necessários, achamos importante declinar, mesmo que simbolicamente, a importância dessa atividade através a inscrição em tal registo. Sempre reconhecida e apreciada como um polo secular e de diálogo, aberto a todos e todas aqueles que desejam “combater o analfabetismo religioso, que muitas vezes antecipa o analfabetismo democrático”, a livraria sempre teve importância na cidade. Mas é em momentos difíceis como os que enfrentamos nos últimos anos - a instrução da prática remonta a 2019, pouco antes do início da pandemia, com tudo o que significou e ainda hoje significa - que símbolos como estes (as livrarias Claudiana também foram recentemente inscritas no Cadastro de Biblioteca de Qualidade do Ministério da Cultura, DDG n. 561 de 01.08.2022) elas servem para lembrar que lugares como a nossa biblioteca são importantes, pedaços da nossa cidade: devem por isso ser frequentado e vivido, resistindo à tentação, quando não ao medo real, de ficar encerrado em casa". Ontem, acrescenta, "também significou muito para quem lá trabalha na livraria e, sendo uma livraria também o espelho de quem a vive, o que só podia ser um símbolo torna-se agora um importante reconhecimento, até porque foi feito pelos representantes dos cidadãos. O que faremos agora é partilhar este momento com todos aqueles que apoiaram (e apoiam) a biblioteca nos últimos anos, talvez com um dia de festa, através do qual fique ainda mais evidente a importância dos nossos lugares e a energia com que defendemos eles". ...

Ler artigo
Martin Luther King em Tor Bella Monaca

Martin Luther King em Tor Bella Monaca

Aprendo o que vivo, Roma - janeiro de 2023. Foto Bimbo Aquilone Roma (NEV), 26 de janeiro de 2023 – “Se vivo na lealdade, aprendo a justiça. Se vivo em aprovação, aprendo a aceitar. Se vivo na aceitação, aprendo a encontrar o amor no mundo”. Estas são as palavras de apresentação do projeto "Aprendo o que vivo" que está a decorrer no Istituto Comprensivo "Melissa Bassi" de Tor Bella Monaca, distrito de Roma, em algumas classes IV e V elementares. Foto Criança Pipa "Professor" por um dia, ontem, o editor da agência de notícias NEV-Evangélica Elena Ribet ofereceu aos meninos e meninas uma aula-jogo sobre Martin Luther King. Pastor batista, líder do movimento pelos direitos civis e ganhador do Prêmio Nobel da Paz, King foi inspirado pelos princípios de não-violência de Gandhi. Os Estados Unidos comemoraram recentemente o Dia de Martin Luther King. Este ano, entre outras coisas, marca o 60º aniversário do famoso discurso "Eu tenho um sonho" (I have a dream). “Gostaria de agradecer especialmente aos meninos e meninas da escola Bassi. Com suas palavras, suas perguntas e suas emoções me proporcionaram um dia maravilhoso – declara o jornalista -. Obrigado também aos professores pela preciosa colaboração e pela presença. Esta é a escola do presente: uma escola já projetada no futuro e com raízes na história individual e coletiva, atenta e aberta à troca. Obrigado, então, a todas as pessoas que contribuíram para esta experiência, à Associação Bimbo Aquilone e aos referentes. A escola na Itália tem seus momentos de glória e seus momentos de abandono – continua Elena Ribet. Se, por um lado, a Câmara avançou com o projeto de lei das competências não cognitivas, para uma escola que ensine empatia e criatividade, por outro ainda estamos na retaguarda na Europa. Do abandono escolar precoce, com quase 13% de abandono escolar (dados de setembro de 2022. Leia mais sobre as causas aqui). Aos investimentos. A Itália gasta 15% menos que a média em educação. Sem falar na construção de escolas (tornando os prédios escolares seguros, eficiência energética e acesso a serviços básicos). O caminho é uma subida, como anunciou a Legambiente no recente lançamento do XXII Relatório Nacional sobre a qualidade dos edifícios e serviços escolares. A boa vontade dos particulares é extraordinária, porém é necessária uma visão de futuro por parte do Estado”, conclui. Ao final das aulas, a jornalista fez uma pequena homenagem aos meninos e meninas. Uma cópia do CD de música protestante “Da bimbo a bimbo. Canções de ontem e de hoje", produzida pelo Serviço de Educação e Educação da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), sob a direção artística do Maestro Charles Lella, Ministro de Música da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI). E o livro de receitas "Dai-nos hoje também o pão de ontem", para não desperdiçar pão seco, com as receitas de Clara Manfredi. Este último, editado pela Globalization and Environment Commission (GLAM) da FCEI e também disponível em pdf. aprendo o que vivo O projeto está ativo há vários anos nas escolas romanas, graças à Associação Bimbo Aquilone. É um projeto de legalidade e educação para a cidadania que trabalha a sensibilização para os direitos da criança e a prevenção do bullying. Destinado a escolas de ensino fundamental e médio, o projeto Aprendo o que vivo já contou com o apoio de 8 por mil da Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI). Esta edição é produzida com verbas ministeriais e com o contributo e parceria de várias realidades e associações. Entre os temas abordados: respeito pelos outros, diversidade como fonte de riqueza, mas também cyberbullying, direitos da criança e sua defesa. Em encontros anteriores, o jornalista Alfredo Sprovieri falou sobre direitos humanos e diversidade cultural. Enquanto você os defende Frances Aliberti E Daniela Barbuscia propôs a aula "Juntos com Bull: vamos contrastar o fenômeno do bullying e do cyberbullying". Para saber mais Todos os artigos do NEV sobre o projeto. A página FB de Aprendo o que vivo. Acesse o NEV FACTSHEET sobre Martin Luther King e o movimento pelos direitos civis. Nesta página do Spotify, uma série de comícios e discursos públicos do pastor batista, ganhador do Prêmio Nobel da Paz. Aqui a entrevista de 15 de janeiro de 2021 a Paulo Nasopor ocasião da publicação do livro "Martin Luther King, uma história americana" (ed. Laterza). ...

Ler artigo
A igreja valdense de Florença ao lado dos trabalhadores Gkn

A igreja valdense de Florença ao lado dos trabalhadores Gkn

Roma (NEV), 12 de dezembro de 2022 - “A vocação e a defesa dos trabalhadores e a sua dignidade coincidem”. Para Francisco Marfe, pastor da Igreja Valdense de Florença, que sediou uma votação no referendo convocado pelos operários no fim de semana, apoio à luta dos trabalhadores do ex-Gkn "não é notícia": "O contrário seria estranho - declara -, se não houvesse estávamos manifestados do lado desta gente” que há mais de um ano e meio pede direitos e trabalho, depois da chegada dos famosos emails de despedimento. Desde o início do protesto, a igreja evangélica local se posicionou ao lado dos trabalhadores. Uma escolha natural, portanto, “em continuidade e no espírito do documento do Sínodo sobre questões trabalhistas, aprovado em agosto passado na Torre Pellice (aqui o texto publicado por chiesavaldese.org), entre outras coisas”, acrescenta o pároco. A decisão de sediar também uma cadeira no referendo que os trabalhadores promoveram, dirigido aos florenenses, é apenas o último passo de um processo iniciado meses atrás, perto das 422 demissões, quando "muitos evangélicos participaram da grande manifestação" lançada pelos trabalhadores. Era 18 de setembro de 2021 e mais de 15 mil desfilaram em Florença, “Vamos nos levantar” lia-se em seus estandartes. Um caminho de solidariedade, aquele desejado pela igreja evangélica florentina, muito concreto e participativo: "A primeira coisa que fizemos como igreja, uma vez que decidimos como Consistório nos comprometer, foi pedir uma reunião na fábrica operária Gkn Coletivo, para entender como e a quem poderíamos ajudar”, explica Patrícia Barbanotti, membro do consistório da igreja valdense da capital toscana. E os trabalhadores responderam a partir das necessidades do povo, indicando não a si mesmos, mas outros colegas de indústrias afins, afetados pela falta de salário. “Duas famílias, um núcleo paquistanês, que ficaram durante a noite sem rendimentos”, a quem a igreja protestante florentina pagou a renda da casa. “Optamos por destinar recursos da Diaconia Comunitária para ajuda concreta no apoio a essas famílias. Ao mesmo tempo temos dedicado outros recursos a várias formas de apoio, pagando contas e serviços públicos, cobrindo outras despesas, garantindo alimentos. E depois da ajuda concreta, o diálogo continuou. “Realizamos uma reunião sobre questões trabalhistas em março passado, convidando os trabalhadores a falar”, continua Barbanotti. Até hoje, com a adesão ao referendo, uma consulta popular autogerida e a instalação de uma mesa de voto dentro das dependências da igreja. “Nos encheu de alegria poder contribuir também com este momento, que é importante do ponto de vista democrático e de conscientização dos cidadãos para a disputa, foi uma experiência positiva e mais de cinquenta pessoas votaram”, acrescenta o representante do Consistório. Qual o significado desta iniciativa? “Um impacto de testemunho – conclui Barbanotti -. Queremos dizer aos trabalhadores que estamos aqui e estaremos lá”. A luta continua. Última atualização (13/12 às 13) sobre os resultados da consulta, Checchino Antonini no pop-off Para saber mais: rádio de ondas de choquesobre o referendo convocado pelos trabalhadores O posterDe Ricardo Chiari"Em Florença, votamos no ex-Gkn" o postoDe Ângelo Mastrandrea“E o Gkn?” As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.