Jovens transexuais, suas vidas importam

Jovens transexuais, suas vidas importam

Karollyne Hubert, antisplash

Roma (NEV), 13 de março de 2023 – O bem-estar dos jovens transgêneros e não-binários é importante. Isso foi sublinhado pela Igreja Unida de Cristo (UCC), manifestando-se a respeito de inúmeras medidas atualmente em discussão em vários estados dos EUA. No início de março, de acordo com a igreja, “385 projetos de lei anti-LGBTQ foram apresentados, incluindo 108 destinados a acabar com os cuidados de saúde de afirmação de gênero para jovens trans e não binários. Isso coloca em risco mais de 54.000 jovens trans que estão assumindo ativamente cuidados médicos que salvam vidas – as leis mais anti-LGBTQ já introduzidas em uma única temporada legislativa.

A Conferência Indiana-Kentucky UCC, que sediará o Sínodo Geral em junho, segue especificamente 20 projetos de lei anti-LGBTQ. Que a UCC define como “tentativas violentas de interromper o florescimento da criação de Deus”.

A juventude trans, continua o site da igreja, “são membros sagrados de nossa família coletiva. Agora, mais do que nunca, a juventude trans precisa de nós. E, neste momento, nossa resposta cristocêntrica só pode ser retornar à abundância que o próprio Deus nos dá para florescer.

Aos jovens trans e não binários, “saibam que a Igreja Unida de Cristo atua em solidariedade a vocês”, continua o texto.

No portal encontram-se também várias formas e sugestões para atuar diretamente, mobilizar e fazer ouvir a sua voz. Por exemplo, enviando uma mensagem aos representantes do Congresso ou organizando eventos de conscientização.
“Podemos agir com amor, graça e justiça por nossos irmãos e irmãs trans e não binários”, conclui o UCC.


Para saber mais:

ACLU (União Americana pelas Liberdades Civis)

Tempo

REFO Rede Evangélica fé e homossexualidade

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Igrejas católicas e protestantes europeias pedem o fim da guerra

Igrejas católicas e protestantes europeias pedem o fim da guerra

Roma (NEV), 22 de março de 2022 – O Comitê Conjunto das Igrejas Católicas e Protestantes da Europa emitiu uma declaração hoje. É um grupo de trabalho que reúne a Conferência das Igrejas da Europa (KEK) e o Conselho das Conferências Episcopais da Europa (CCEE). Apelando aos dirigentes das nações e à comunidade internacional, as entidades religiosas pedem que se façam todos os possíveis para pôr fim à guerra em curso “que está a destruir vidas e a causar sofrimentos indescritíveis”. A declaração foi redigida na reunião de 21 de março em Bratislava, Eslováquia. “O coração da fé cristã é a paz e a reconciliação, exemplificadas na vida de Jesus Cristo – reafirmam os signatários, citando a encíclica papal 'Fratelli Tutti' -. Jesus Cristo nunca convidou a fomentar a violência ou a intolerância. Ele mesmo condenou abertamente o uso da força para se impor aos outros”. A religião, escrevem ainda as duas entidades, “não pode servir de meio para justificar esta guerra. Todas as religiões, e nós como cristãos, estamos unidos para condenar a agressão russa, os crimes cometidos contra o povo da Ucrânia e a blasfêmia que representa o uso indevido da religião neste contexto”. A Comissão Mista agradeceu às Igrejas e ONGs envolvidas nas zonas fronteiriças e de conflito, junto com as autoridades de seus respectivos países, no acolhimento dos que fogem da guerra. “Continuemos a rezar pelo dom da paz. Convidamos todos os cristãos a unirem-se a nós em oração, fortalecendo seus esforços para afirmar o valor da vida e promover ativamente a reconciliação”. A reunião de Bratislava também foi uma oportunidade para discutir o compromisso das Igrejas europeias pela paz na Ucrânia, o estreitamento das relações entre as duas organizações e o atual processo sinodal da Igreja Católica. Entre os representantes do CEC estavam o presidente, pastor Christian Krieger. O vice-presidente, pároco Guli Francis-Dehqani. ainda é Valerie Duval-Poujol. Leah Schlenker. O arquimandrita Ignatios Sotiriadis. O Metropolita Joseph da Europa Ocidental e Meridional da Igreja Ortodoxa Romena. O secretário-geral Jørgen Skov Sørensen. O Secretário Executivo do CEC para o Diálogo Teológico Katerina Pekridou. ...

Ler artigo
O pré-sínodo das mulheres

O pré-sínodo das mulheres

Roma (NEV), 11 de agosto de 2023 – Na véspera do Sínodo Valdense, vários encontros estão agendados na Torre Pellice, na província de Turim. Entre eles, no sábado, 19 de agosto, o pré-sínodo organizado pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) em colaboração com a Federação das Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas (FFEVM). Este ano, o pré-sínodo tem como título “Mulheres – protagonistas de uma sociedade em mudança”. “Será uma oportunidade de focar nossa atenção no papel da mulher na sociedade atual entre saltos, abordagens originais e contradições, com o olhar voltado para aspectos temáticos relacionados como a violência contra a mulher em suas diversas formas (física, psicológica, econômica) e a dependência econômica que não permite que muitos se emancipem de situações violentas e restritivas”, escreve o pastor Mirella Manocchiopresidente da FDEI, no comunicado de convite à iniciativa.“Partilharemos estímulos e reflexões que nos advirão do trabalho e das experiências pessoais dos nossos três bem-vindos – continua a nota -: Bárbara Oliveri Tornozelopresidente do Hospital Evangélico Internacional de Gênova (OEIGE); Sara Rossi Guidicelliescritor e jornalista; Antonella Visintinmembro da Comissão GLAM (Globalização e Meio Ambiente) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI)”.Moderar a reunião Alberto Corsani, diretor da Riforma-Eco delle Valli. Segue-se uma discussão com o público. Descarregue o cartaz: PRESINODE 19 23 de agosto A nomeação é para sábado 19 às 15 no salão Filippo Scroppo da Civica Galleriad'Arte Contemporanea, na via R. D'Azeglio 10, na Torre Pellice, ou online ao vivo no YouTube e no Facebook nestes links ...

Ler artigo
Lamento, Esperança e Coragem – Nev

Lamento, Esperança e Coragem – Nev

Capa da Revisão Anual do WCC 2021. Foto: WCC Roma (NEV), 4 de maio de 2022 - "Não devemos ter medo, não devemos nos desesperar quando vemos o que está acontecendo em nosso mundo hoje, mas enfrentá-lo com coragem". Com estas palavras, Ioan Sauca, secretário-geral interino do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), apresenta o relatório anual da organização, publicado ontem, 3 de maio, no site oikoumene.org. Em particular, o texto traça o compromisso das igrejas protestantes pela paz na Ucrânia, de 24 de fevereiro até hoje. “Tendo visto o impacto do conflito nos rostos dos refugiados que chegam aos países vizinhos e estando cientes da situação e dos perigos para os civis ainda presos e incapazes de fugir, enfatizamos fortemente a necessidade urgente de corredores humanitários eficazes e seguros para permitir a população para fugir dos combates”, continua a nota. Antes da escalada do conflito na Ucrânia, em 2021, a comunidade do Conselho Mundial de Igrejas “reuniu-se em oração de forma inédita”, prossegue Sauca, referindo-se às mudanças impostas pela pandemia. “Acredito que Deus ouviu nossas orações. Pedimos a Deus coragem e sabedoria. Confiávamos na promessa de Deus de vencer qualquer coisa que surgisse em nosso caminho. E passamos por muita coisa. Perdemos muitas pessoas na família ecumênica devido ao Covid19 e além. Em meio a essa tristeza, talvez até por causa dessa tristeza, cresceu um novo compromisso de compaixão ativa uns pelos outros. Se a pandemia atingiu todas as regiões do nosso planeta, também revelou nossa inesperada vulnerabilidade e interdependência”, conclui o secretário-geral do CMI. Aqui o texto completo do relatório anual do Concílio Ecumênico. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.