Mântua, uma cidade ecumênica em evolução graças ao novo Concílio de Igrejas

Mântua, uma cidade ecumênica em evolução graças ao novo Concílio de Igrejas

foto Pixabay

Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Abre hoje a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC). Neste contexto, importantes nomeações serão realizadas em Mântua, incluindo a eleição da Presidência do novo Conselho de Igrejas. Uma entidade cidadã ecumênica que representa a realidade ecumênica existente, mas que pretende consolidar atividades e oportunidades de intercâmbio.

Falamos sobre isso com a pastora Ilenya Goss, pastor da igreja valdense de Mântua e Felonica. Formado em filosofia e medicina-cirúrgica, Goss é membro da Comissão de Bioética das Igrejas Batista, Metodista e Valdense. Ela também é teóloga e musicista.

No primeiro domingo do Advento (28 a 21 de novembro) houve a assinatura do Estatuto pelos representantes das 4 Igrejas fundadoras deste novo Concílio. A presidência será eleita em 23 de janeiro. Pastor Goss explica:

“Na primeira semana do Advento de 2021, as Igrejas cristãs presentes em Mântua e na região de Mântua se reuniram por meio de seus representantes, convidados da Igreja Ortodoxa Romena de Mântua, para ler o Estatuto que institui o Conselho das Igrejas Cristãs de Mântua”.

A componente valdense, cuja igreja está presente em Mântua desde a segunda metade do século XIX, deu uma contribuição fundamental para a redação deste Estatuto.

A igreja valdense, de fato, “está empenhada na redação deste texto, que foi depois submetido aos demais participantes do Concílio das Igrejas Cristãs” e aprovado por todos os presentes, ou seja, “pelos delegados que cada um dos as igrejas-membro tem desejado enviar neste momento fundacional”, explica o pastor novamente.

No dia 23 de janeiro, por ocasião da vigília ecumênica organizada no âmbito do SPUC, será realizada a eleição do Conselho da Presidência. “No momento temos quatro igrejas cristãs participantes – continua Goss -. Eles são os fundadores desta nova realidade ecumênica, que quer se dotar de uma institucionalidade para poder trabalhar com mais liberdade e dar continuidade ao trabalho ecumênico nesta cidade”.

Estamos falando da Igreja Valdense, da Igreja Católica, da Igreja Ortodoxa Romena e da Igreja Ortodoxa do Patriarcado de Moscou. Há também uma igreja pentecostal que, relata o pároco, “queria estar presente como observadora. De fato, o Estatuto prevê a possibilidade de serem igrejas observadoras. Naturalmente essas igrejas, mesmo que indiquem um de seus deputados, têm voz consultiva, mas não deliberativa”.

Em suma, trata-se de um “trabalho que está, de facto, em continuidade com os trabalhos anteriores que já estão presentes na área há muitos anos”. Essa roupagem mais “institucional” fará com que “as pessoas comprometidas com o ecumenismo possam se mover, mudar de interesses ou, em todo caso, não ser sempre as mesmas, mas haverá um elemento de estabilidade e solidez. As várias atividades podem ser incluídas neste quadro, com uma possível mudança de pessoas e intérpretes, para que a atividade ecumênica não fique presa a interesses individuais, mas permaneça uma realidade coletiva permanentemente presente – concluiu o Pastor Goss -. Esperamos poder dar continuidade a este trabalho, com uma presença que pode ser informativa, formativa, diaconal, mas também cultural e teológica, neste território”.

os compromissos

sábado 22, Estudo da Bíblia organizado pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) com o pároco Ilenya Goss e don Roberto Fiorini. Evento online; link para entrar: [email protected]

domingo, 23, vigília de oração ecumênica organizada pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Mântua. Aos 18, presencialmente, na igreja paroquial de San Giorgio Bigarello. Você pode acompanhar o encontro no canal YouTube da paróquia de San Giorgio Martire Mantua. Isto é seguido pela reunião do Conselho Mundial de Igrejas para eleger o Comitê Presidencial.

domingo 30à tarde, a marcha pela paz participou e foi apoiada pela igreja valdense de Mântua.

Para saber mais

Leia também o‘entrevista em Notícias da semana para Samuel Bignotti, jovem sacerdote delegado da diocese de Mântua para o ecumenismo e o diálogo inter-religioso. O Conselho com seu Estatuto – explica Bignotti no artigo – “retrata em extrema síntese a realidade ecumênica da cidade e da província […] A forma do Concílio de Igrejas é defendida por várias fontes. Sentiu-se e sente-se a necessidade de um lugar de encontro ‘igual’ que possa garantir uma certa continuidade da ação ecumênica”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Conselho para as relações com o Islã, um novo começo

Conselho para as relações com o Islã, um novo começo

foto por Utsman Media, unsplash Roma (NEV), 3 de dezembro de 2020 – O Conselho para as relações com o Islã está de volta em movimento. Conforme refere uma nota do Ministério do Interior datada de 2 de Dezembro, "Com efeito, foram identificados os membros do órgão chamados a exercer funções consultivas para o aprofundamento de questões relacionadas com a integração e o exercício da função civil direitos daqueles que professam a fé islâmica na Itália". Entre os membros do conselho, órgão consultivo do ministério para desenvolver as relações com o Islã italiano, estão personalidades do mundo da cultura, professores e especialistas de várias disciplinas e religiões, incluindo a Valdense Paulo Nasoprofessor de ciência política na Sapienza e coordenador do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da FCEI. Reunião do Conselho para as Relações com o Islã Italiano, por videoconferência, no dia 19 de novembro (Foto do site do Ministério do Interior). “Na última fase do Conselho para as relações com o Islão - explica Paolo Naso -, iniciada em 2015, o resultado mais importante foi a assinatura de um acordo, em 2017 (Naso era então coordenador do Conselho, ed.), com o Islã italiano, assinado por todas as principais associações islâmicas da Itália. Um resultado importante, concebido e orientado para um entendimento com o Islã italiano, de acordo com o artigo 8 da Constituição”. Por que isso é tão importante? “Como se sabe, há mais de dois milhões de muçulmanos na Itália. Constituem assim uma presença numericamente e não só muito significativa no panorama cultural, social e religioso nacional. No entanto, por várias razões, esta comunidade de fé ainda não teve o devido reconhecimento legal". Portanto, entre os principais objetivos deste conselho “está, portanto, o de iniciar, facilitar e acompanhar as comunidades islâmicas em um processo de reconhecimento legal no âmbito das normas vigentes e do ordenamento jurídico italiano”. O conselho presidido pelo ministro ou por um subsecretário delegado passa a ter a seguinte composição: Francisco Alcinoprofessor de direito eclesiástico no Lum “Jean Monnet” de Casamassima (Ba), Stefano Allieviprofessor de sociologia da Universidade de Pádua, Pasquale Annicchinopesquisador do Cambridge Institute on Religion & International Affairs, Rosaria Maria Domianelloprofessor de direito eclesiástico na Universidade de Messina, Alexandre Ferrari, professor de direito eclesiástico na Universidade de Insubria (Varese), Maria Chiara Giordaprofessor de história das religiões na Universidade "Roma Tre" (Roma), Shahrzad Houshmand Zadecprofessor de estudos islâmicos na Pontifícia Universidade Gregoriana e na Pontifícia Faculdade Teológica "Marianum (Roma), Paolo Naso, professor de ciência política e coordenador do mestrado em religiões e mediação cultural na Universidade La Sapienza de Roma, Vincent Paceprofessor de sociologia da Universidade de Pádua, Younis Tawfikprofessor de língua e literatura árabe na Universidade de Gênova e escritor, Francesco Zanniniprofessor de língua e cultura árabe na Lumsa (Roma), Ida Zilio Grandiprofessor de língua e literatura árabe na Universidade “Ca' Foscari” (Veneza). Para além deste caminho mais estritamente jurídico, “outros também se vão abrindo – prossegue Naso – . A referência é à validade de algumas experiências de anos anteriores. Como o curso de formação de ministros de religião, não só muçulmanos, mas de diferentes comunidades de fé. Ou ainda uma prática de encontro com jovens de segunda geração, uma novidade muito importante também dentro da comunidade islâmica, porque nascidos e educados na Itália, eles expressam assim uma sensibilidade específica, que merece ser valorizada”. Finalmente, com base no que está acontecendo na Europa, "é importante promover programas e políticas para combater a radicalização: mesmo que na Itália não tenham sido registrados os eventos dramáticos de violência gravíssima ocorridos em outros países, ainda é necessário não baixar a guarda e envolver em primeiro lugar a comunidade e as associações islâmicas, para que se protejam a si próprias e à comunidade nacional que as rodeia do pernicioso e destruidor "vírus" da radicalização religiosa". Quanto à contribuição de Paolo Naso aos trabalhos do Concílio, "dada a minha biografia, a minha perspectiva pessoal - conclui - é a de contribuir para o pleno reconhecimento, não só jurídico, mas também social e cultural, do pluralismo religioso na Itália, do qual O Islã é uma carta decididamente importante”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Turim, chamada aberta para bolsas de estudo 2022

Turim, chamada aberta para bolsas de estudo 2022

Roma (NEV), 31 de julho de 2022 – A Igreja Valdense de Turim lançou uma chamada para inscrições para a atribuição das seguintes bolsas de estudo: 4 bolsas «FAV (Fondo Artigianelli Valdesi)», de € 500,00 cada, destinadas a alunos do ensino secundário (3º, 4º e 5º ano). 1 Bolsa «Ettore Graziani», de € 500,00. Em memória do irmão Ettore Graziani e sustentado pela família, destinado a alunos do ensino médio (3º, 4º e 5º ano). 4 bolsas «FAV (Fondo Artigianelli Valdesi)», de € 1.800,00 cada, destinadas a estudantes universitários. 1 Bolsa «Lea Vinay», no valor de € 1.800,00. Em memória da irmã Leah Vinay e apoiado pelo Consistório da Igreja Valdense de Turim, destinado aos alunos do Conservatório de Turim matriculados em cursos acadêmicos. 1 bolsa "Beppe Molinari, doutor em Alba", de € 1.800,00. Em memória do irmão Beppe Molinari e sustentado por sua família e pelo fundo FAV. Destina-se a alunos do curso de licenciatura em Medicina (ou profissões de saúde). A última bolsa, «YWCA – UCDG» (Young Christian Union), é de € 1.800,00. Apoiado por cônjuges Enrico e Mitzi Rusconidestina-se a alunos dos cursos de licenciatura em Medicina (ou profissões de saúde) ou Engenharia (ou área técnico-científica), preferencialmente em contacto com a YWCA – UCDG (a aguardar confirmação). Na página dedicada lê-se: “O concurso para candidaturas a bolsas está aberto a quem o solicitar. No entanto, o desembolso do mesmo será decidido pela Comissão tendo em conta os resultados escolares, o rendimento desfavorável e a possível pertença a uma Igreja evangélica. As bolsas são reservadas para estudantes matriculados em Institutos localizados em Turim ou na Cidade Metropolitana de Turim”. Detalhes Mais informações, formulário de inscrição, requisitos e documentação necessária para participar podem ser encontrados em www.torinovaldese.org/bando-di-attribuzione-di-borse-di-studio-2022/ As solicitações preenchidas com todos os anexos necessários devem ser enviadas em formato digital para o endereço de e-mail [email protected] até as 12h00 de sexta-feira, 21 de outubro de 2022. artigo anteriorEntrevista com Alessandra Trotta, moderadora do Conselho ValdensePróximo artigoAgosto. 5 quilômetros pela justiça climática Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo
Oração Ecumênica pela Declaração Conjunta sobre a Justificação

Oração Ecumênica pela Declaração Conjunta sobre a Justificação

Imagem de arquivo retirada de www.lutheranworld.org Roma (NEV), 22 de novembro de 2019 - A oração ecumênica pelo 20º aniversário da Declaração Conjunta sobre a Doutrina da Justificação (JDDJ), o histórico documento ecumênico assinado por ocasião da comemoração da Reforma Protestante, em 31 de outubro de 1999, acontecerá hoje em Roma. O JDDJ é o resultado de mais de três décadas de diálogo entre luteranos e católicos que efetivamente resolveram um dos principais conflitos da Reforma, pondo fim às suas respectivas excomunhões. Assinado em Augsburg (Alemanha) por representantes da Federação Luterana Mundial (WLF) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUP), foi posteriormente adotado também pelo Conselho Metodista Mundial (em 2006), pela Comunhão Mundial de Igrejas reformadas e pela Comunhão Anglicana (em 2017). O JDDJ levou católicos e luteranos a superar a profunda divisão da Igreja no Ocidente por meio do que se chamou de "consenso diferenciado", ou seja, um acordo alcançado respeitando diferentes pontos de vista superando os conflitos do passado. Em 2019, para o 20º aniversário da JDDJ, católicos, luteranos, metodistas, reformados e anglicanos de todo o mundo continuam reunidos em oração para comemorar juntos seu batismo. A oração ecumênica convocada hoje pelo cardeal Kurt Koch prevê uma liturgia conjunta na qual, entre outros, o pároco decano da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) Heiner Bludauo pastor luterano Michael Jonasa pastora Mirella Manocchiopresidente do Comitê Permanente da Obra para as Igrejas Metodistas na Itália (OPCEMI) e pastor valdense Rio Emanuel. O encontro marcado para a oração ecumênica de 22 de novembro de 2019 é na abadia de Sant'Anselmo às 18h na piazza dei Cavalieri di Malta, 5. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.