30 perguntas a partidos e candidatos políticos da Diaconia Valdense

30 perguntas a partidos e candidatos políticos da Diaconia Valdense

Roma (NEV), 6 de setembro de 2022 – Trabalho, saúde, meio ambiente, idosos e migrantes. Estes são os cinco temas sobre os quais a Diaconia Valdense questiona os partidos e candidatos políticos, tendo em vista as eleições de 25 de setembro.

As 30 candidaturas foram apresentadas esta manhã, 6 de setembro, numa conferência de imprensa online.

Francisco Sciottopresidente da Diaconia Valdense (Comissão Sinodal para a Diaconia-CSD), sublinhou que o fundamento desta iniciativa é a Constituição.

Ouça as últimas

“Todos os dias lidamos com pessoas desfavorecidas – disse Sciotto -. Nossa intenção é ouvir as novidades. Para isso pretendemos, entre outras coisas, saber como é que os partidos pretendem combater a pobreza e com que recursos”.

São 6 perguntas sobre o tema “migração”, desde um pedido explícito sobre a proteção dos direitos humanos e a condenação do racismo, até formas de apoio a novas formas de acolhimento como os Corredores Humanitários ou o patrocínios privados.

Ambiente, bem comum internacional.
Saúde, para todos e todas.

Do meio ambiente, que Sciotto define como “um bem comum internacional”, passamos ao conceito de “autodeterminação de homens e mulheres idosos”. Por fim, a saúde: outras 6 questões, incluindo uma sobre como superar as desigualdades quantitativas e qualitativas dos serviços de saúde nos territórios e nas Regiões.

“As pessoas que são utentes dos Serviços Nacionais de Saúde são muitas vezes consideradas ‘objectos’ de cuidados. Estamos profundamente convencidos de que toda pessoa tem direito aos cuidados e ao acesso à saúde. Cada pessoa é portadora de escolhas, portanto, os usuários são, na verdade, sujeitos ativos. Até os últimos”.

Perguntas e respostas

A Diaconia Valdense entrará em contato com as secretarias locais e provinciais para abrir um diálogo sobre essas questões com todas as partes no âmbito constitucional: “Seja escrita ou verbal, respondendo a todas ou apenas algumas perguntas, estamos preparados para coletá-las e publicá-las em nossos canais de informação. Esperamos receber respostas e nos mantemos à disposição para discussões – disse Sciotto, que completa – Estamos falando de temas para os quais acreditamos ter o preparo e a experiência de quem trabalha há anos na área. Como Diaconia Valdense fazemos parte de muitas redes e mesas, refletimos juntos sobre temas como o da autossuficiência (e contribuímos com o respectivo projeto de lei, atualmente parado). É um compromisso que faz parte da nossa identidade protestante. A igualdade de género, o reconhecimento de qualificações, as intervenções no PNRR, etc., podem parecer apenas questões técnicas, mas por detrás estão sempre pessoas individuais. E pretendemos colocar as pessoas no centro das atenções”.


Leia as 30 perguntas da Diaconia Valdense para partidos políticos e candidatos

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dia Mundial de Oração 2019

Dia Mundial de Oração 2019

Detalhe da obra de Rezka Arnuš Roma (NEV), 20 de fevereiro de 2019 - Cultos e encontros de oração serão realizados em mais de 170 países ao redor do mundo por ocasião do Dia Mundial de Oração (GMP) 2019, uma iniciativa ecumênica consolidada organizada por mulheres e destinada a todas as comunidades . O material deste ano foi preparado pelas mulheres cristãs da Eslovênia. A data oficial do dia é sexta-feira, 1º de março, mas também serão realizados eventos e reuniões antes e depois. Na Itália, o GMP é organizado pelo comitê ecumênico presidido por Marialuisa Garçom, da Igreja Metodista de Trieste, que disse à agência NEV: “Até hoje, 20 de fevereiro, temos a adesão de mais de 40 grupos de mulheres de toda a Itália que celebrarão este Dia de Oração. Os materiais de preparação incluem um livrinho com a liturgia, o estudo bíblico, o programa da catequese, uma apresentação em Power Point e as fichas geo-históricas da Eslovênia - explica Cameriero -. Tudo pode ser solicitado enviando um e-mail para [email protected]. Na liturgia são apresentadas 5 mulheres do país, nascidas em diferentes períodos históricos; há quem tenha conhecido o socialismo comunista, depois da Segunda Guerra Mundial, a discriminação religiosa, até aos dias de hoje onde as mulheres ciganas vivem na marginalização social e sem perspetivas, para elas e para os seus filhos, de integração no trabalho e na sociedade”. O tema da Jornada Mundial de Oração 2019, intitulada "Vinde, tudo está preparado", é a parábola do grande banquete do Evangelho de Lucas 14, 15-24, onde Jesus compara o reino de Deus a um banquete. Jesus fala de um homem que havia convidado muitos convidados, mas todos recusaram o convite, com uma desculpa. O senhorio, cheio de indignação, decidiu então hospedar os pobres, marginalizados e deficientes em vez dos convidados, para que a festa ainda pudesse acontecer. A pintura do artista Rezka Arnuš para o Dia Mundial de Oração 2019 O pôster do GMP 2019 foi criado por Rezka Arnuš, artista com visão reduzida, e representa seu país em relação à história bíblica: ao centro, uma mesa repleta de especialidades do país; ao redor, mulheres eslovenas dançando em trajes tradicionais e pessoas com várias deficiências. As arrecadações arrecadadas por ocasião do GMP financiarão projetos na Eslovênia voltados para mulheres, incluindo vítimas de tráfico de pessoas, mulheres desfavorecidas e mães em dificuldade. Em particular, o produto das arrecadações do GMP italiano será doado ao projeto da ONG eslovena "Centro de luta contra o tráfico de seres humanos". “As mulheres receptoras vítimas de tráfico – prossegue Marialuisa Garçom – serão incluídos num curso de formação psicossocial, de saúde e profissional. A ONG também faz o possível para conseguir uma autorização de residência de longa duração”. O GMP nasceu em 1887 nos Estados Unidos da América no rescaldo da guerra de secessão, por iniciativa de um grupo de mulheres protestantes que envolveu mulheres de todas as confissões cristãs, dando vida a um movimento ecuménico mundial. ...

Ler artigo
“A gramática do cuidado”.  Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

“A gramática do cuidado”. Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

foto por Tim Mossholder, unsplash.org Roma (NEV), 23 de dezembro de 2020 - "A gramática do cuidado", como a pandemia nos mudou, o novo significado que nossos lares adquiriram. ele falou sobre isso Lídia Maggi, Pastor batista, biblista e teólogo, convidado de um episódio do programa "La cura" da Rádio Rai 3, em um diálogo, dias atrás, com Marinho Sinibaldi, diretor da Rádio3. Ela não é a primeira convidada evangélica desta resenha. Outro erudito, outra mulher protestante, a historiadora Bruna Peyrot, aliás, foi protagonista do mesmo programa em agosto passado, no primeiro ciclo da jornada da Rádio 3 composta por “conversas em torno da pandemia”. No centro da reflexão, o sentido de “casa”, entendida como um lugar físico e além. Também nós quisemos, a partir deste diálogo radiofónico, aprofundar este tema juntamente com o pároco. Você mencionou que há uma disparidade de gênero em casa. Alguma coisa mudará nesse sentido após a crise? “A crise nos permitiu enxergar um problema estrutural: é no lar que a desigualdade de gênero se amplifica. Esses meses aceleraram uma disparidade atual, com escolas fechadas, smartworking e o "mito" da mulher eficiente e multitarefa: uma representação que é uma armadilha. Mas pode ser uma oportunidade de voltar a questionar o modelo existente”. Descreveu a casa como uma metáfora da vida, da sua complexidade, dos vários espaços. Mas há espaço para a complexidade, na mídia, na velocidade das redes sociais, no mundo pós-moderno? “Existe se os sujeitos responsáveis ​​pela comunicação a colocarem no centro. Os sujeitos não são apenas jornalistas, mas também ouvintes e leitores. Onde haverá leitores que se rebelam contra a banalização da informação, isso estimulará cada vez mais aqueles que fornecem informações. E agora que passamos mais tempo na mídia, temos a oportunidade de aprofundar, ir além das simplificações, buscar a complexidade”. “A Bíblia nasceu na Babilônia”, lembrou ele. Você realmente acredita que grandes oportunidades podem surgir da crise, das carências? “Eu realmente acho que sim, a crise é uma oportunidade de parar automaticamente. Acho que sim porque a história que herdei me conta, a história antropológica e minha experiência pessoal me contam. O parto também ocorre através de dores de parto. A crise pode ser uma oportunidade para transformar a realidade, porque ela nos questiona: não há mudança sem questionamentos. Claro que também envolve riscos, se não for acompanhada de um impulso vital pode levar à entrega, à imobilidade do olhar. É como você está em uma crise que faz a diferença. Nesse contexto, a sabedoria bíblica pode ajudar – e isso é demonstrado pela atenção do mundo secular a esses instrumentos, demonstrada também por uma transmissão como a da Radio3, que me emocionou – nos faz perceber a crise como uma possibilidade e ver o nascimento do novo, precisamos mudar de postura”. Ele pediu para "ficar em desconforto". Cesare Pavese escreveu que “Você não se livra de algo evitando-o, mas apenas passando por ele”. Como você passa pelo desconforto da doença, do medo, da morte? “Definitivamente não negando. Não pensar que a doença e o luto são um tempo suspenso. Pensamos neles como um interlúdio, embora talvez seja um limite, porque também é a vida. Li que nestas horas muitos desejam “cancelar” 2020. Mas tal ano não pode ser negado ou cancelado, deve ser elaborado. Devemos encontrar ritos, linguagens, espaços narrativos para revisitar este ano. Tudo o que é removido, mais cedo ou mais tarde, retorna. Assim como de uma doença não voltamos como antes, assim este ano nos marcou. Querer afastá-lo sem uma análise séria é ingenuidade”. Em outra de suas entrevistas, na Famiglia Cristiana, refletindo sobre o significado da casa, disse que “não é um lugar para idealizar”. Nem a família é um refúgio, mas na verdade pode ser um espaço de negação de direitos, para quem sofre violência, para quem não tem recursos materiais ou simbólicos para escolher onde morar. Por que comemorar, então? “Temos que lidar com a família porque é lá que aprendemos a gramática das relações que nos permitem permanecer no mundo. Precisamos ficar atentos a essas línguas agramaticais que nos colocam no mundo sem ter adquirido sabedoria. Fora da metáfora, todo tipo de relação afetiva, de amor, cuidado e intimidade é um espaço onde aprendemos a confiança e a alteridade. Sempre que há um mal-estar na família, não afeta apenas o presente, mas o nosso olhar mais amplo para a realidade. Por isso é muito importante estar vigilante: este é o papel das igrejas. A fé cristã não é familista. De fato, em Jesus há uma recusa do patriarcal, uma forte crítica social, uma crítica feroz à família como espaço de poder. O celibato de Cristo vai nessa direção. Só Deus é pai. Tirando o poder dos humanos e especificamente dos machos. E nisso Jesus, que era uma expressão do gênero masculino, trabalhou muito”. A partir de amanhã estaremos todos de volta, devido ao lockdown, para ficar em casa, para quem tem, pelo menos. Você tem um desejo, uma mensagem ou mesmo apenas um conselho para dar? “Não é fácil desejar algo, mas talvez aprender a mudar o olhar sobre a própria história já seja uma possibilidade. Não fique parado, mas encontre forças para voltar ao caminho rumo ao novo que vem. Recomece, teimosamente, de uma forma diferente, mas recomece”. No momento em que saímos de uma imagem de autossuficiência para reconhecer que somos criaturas necessitadas dos outros, o cuidado assume um papel central. A experiência espiritual e de vida de Lidia Maggi a #A curaaqui pic.twitter.com/VmLejxfLmt — Rai Radio3 (@Radio3tweet) 21 de dezembro de 2020 As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Mensageiros da Esperança – Nev

Mensageiros da Esperança – Nev

Roma (NEV), 29 de dezembro de 2021 – Em sua primeira mensagem de Ano Novo como Secretária Geral da Federação Luterana Mundial, a pastora e teóloga Anne Burghardt encoraja as igrejas a serem "arautos da esperança no mundo de hoje", colocando "a fé em ação", contribuindo para a inclusão e lutando pela unidade. “Que Deus conforte todas as pessoas que sofrem e todos aqueles que lutam contra a pandemia e suas consequências. […] Oramos pelo fim da violência, injustiça e opressão […] Cristo nos encoraja a cruzar com coragem o limiar de 2022. Levados por seu amor, entramos no novo ano sabendo que ele está conosco todos os dias. Livres do medo e do desespero poderemos partilhar com os outros os dons que recebemos: ser luz no mundo e para o mundo, servir o próximo, difundir a paz e a reconciliação e defender a dignidade humana onde quer que estejamos, seja o que for as circunstâncias, seja qual for a necessidade. Devemos acolher-nos uns aos outros, como Cristo nos acolheu (Rm 15,7), sem nos afastar nem separar. Somos chamados não a ser mensageiros de exclusão, mas de inclusão; não os que contribuem para a fragmentação, mas os que lutam pela unidade”, lê-se no texto do Pr. Burghardt. Aqui o texto completo da mensagem, em inglês. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.