Mulheres vítimas de tráfico, uma discussão sobre o tema da prostituição

Mulheres vítimas de tráfico, uma discussão sobre o tema da prostituição

Karlsruhe (NEV), 7 de setembro de 2022 – Um workshop para discutir como as igrejas podem combater a prostituição e o tráfico de mulheres. Aconteceu nos últimos dias em Karlsruhe, Alemanha, à margem dos trabalhos da 11ª Assembleia Geral do Conselho Mundial de Igrejas. “A iniciativa sobre a prostituição, sobre como as igrejas podem ajudar a prevenir e até mesmo se opor à prostituição e ao mercado de carne humana que isso implica – explica Claudia Angeletti da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália -, foi muito bem organizado pelo pároco da igreja protestante de Baden Claudia Roloff, que me contatou pela Federação Feminina enquanto editava o caderno de 16 dias de 2021 justamente sobre o tema da prostituição. Tendo gostado muito deste trabalho, fomos convidados como FDEI a participar para apresentar a situação, especialmente da legislação, na Itália. O objetivo desta reunião foi, de fato, tentar criar uma rede para lutar pela abolição da prostituição, para favorecer uma mudança na legislação vigente aqui na Alemanha em particular. Depois de vários contactos decidi enfrentar esta aventura, juntamente com uma freira, que faz parte do Mouvement du Nid, que acolhe e ajuda as prostitutas, agora também muito envolvida na questão do direito francês, e uma psicoterapeuta, Brigitte Schmidt Angermeier que falou sobre os efeitos da síndrome de estresse pós-traumático de quem tenta sair da prostituição e sempre vai levar no corpo e na alma as marcas desse tipo de experiência de vida”.

A reunião contou com a presença majoritária de mulheres, principalmente alemãs. “Uma oportunidade importante para entrar em contato com outras pessoas envolvidas nesta questão e talvez até contribuir para uma mudança desta lei, especialmente com as irmãs de Baden”, acrescenta Angeletti.

a pastora de Baden Claudia Roloff

Pastor da igreja protestante em Baden Claudia Roloff, membro do Sínodo desta igreja alemã, que também se ocupa da formação, explicou que “está em curso uma petição para a afirmação do modelo nórdico na legislação sobre a prostituição. Minha igreja está discutindo justamente essas questões e é muito importante para nós nos confrontarmos com outros países e outras igrejas”. Por que falar sobre prostitutas e não sobre profissionais do sexo? “Porque pensamos que a prostituição não é sexo nem trabalho: porque o sexo depende do consentimento e este não existe quando é feito por dinheiro e não por desejo, nem é trabalho porque as outras ocupações são muito mais regulamentadas, do ponto de desde o ponto de vista da saúde até aos horários de trabalho, contratos e condições de segurança, etc”.

Na Alemanha, segundo o pastor protestante, na frente da prostituição “tudo é permitido, há poucas regras e temos cerca de 2 casos por ano de assassinato de prostitutas, todos os anos. Na Suécia, por outro lado, não houve assassinatos contra prostitutas nos últimos vinte e dois anos: é um modelo que protege as mulheres e a sociedade como um todo. E não há ideia de que a pessoa, nenhuma pessoa, possa ser colocada à venda”.

Na frente abolicionista, a prostituição “não pode ser considerada um trabalho como qualquer outro porque está intimamente ligada ao tráfico de pessoas – explica Angeletti -; na Europa estão todos sujeitos ao tráfico de seres humanos, nunca ou muito raramente existe uma escolha voluntária para fazer este testamento. Além disso, como mulheres cristãs também contestamos a ideia de que esta poderia ser uma forma digna de viver a sexualidade, porque ocorre uma transação econômica, portanto não é uma experiência gratificante, alegre, bonita, mas a mulher se adapta a ser um objeto de prazer para quem paga, para o cliente. Daí a escolha de uma postura abolicionista, na tentativa de reafirmar valores cristãos que se vão perdendo, no mercado geral que nos envolve a todos. Interpretamos a prostituição como um produto do capitalismo, como uma exploração do mais fraco pelo mais forte, bem como uma forma de violência contra a mulher, dada a mercantilização do corpo”.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Chile Via Crucis Popular

Chile Via Crucis Popular

Roma (NEV), 16 de abril de 2019 - As comunidades cristãs, as organizações ecumênicas, pelos direitos humanos e pela memória do Chile, como todos os anos, organizam uma marcha pela cidade para o dia 19 de abril, Sexta-feira Santa, a popular Via Sacra de Santiago do Chile com chegada a Villa Grimaldi, hoje um lugar de memória e durante os anos da ditadura, um centro clandestino de detenção e tortura no qual operava a DINA (Direção de Inteligência Nacional), a polícia secreta de Pinochet. Muitas das comunidades e pessoas que participam da Via Crucis Popolare fizeram parte do movimento cidadão que entre o final dos anos oitenta e o início dos anos noventa se empenhou em dar a conhecer a realidade deste lugar de tortura e desaparecimento e que depois continuou a mobilizar até ao reconhecimento deste espaço como lugar de memória, em 1997. A Via Crucis Popular, que agora é uma celebração recorrente, é realizada em memória da "Via Crucis" que milhares de chilenos sofreram neste lugar. Há muitos anos as comunidades cristãs populares realizam esta caminhada coletiva que une o caminho de Cristo rumo à cruz com a luta pela verdade e pela justiça, contra a impunidade e em defesa dos homens e mulheres que hoje lutam pelos direitos humanos. O tema da Via Sacra Popular de 2019 é o poder. “Toda Sexta-Feira Santa, este grupo de comunidades olha para a realidade do país e a torna visível através da participação nesta popular Via Sacra – lê-se no convite à marcha -. A realidade deste período leva-nos a revelar o exercício abusivo do poder como uma constante na vida social, económica e cultural da nossa sociedade. Milhares de vítimas clamam por justiça e encontram a ocultação, o descaso, o descrédito e a hipocrisia daqueles que tiveram e têm a responsabilidade de exercer democraticamente o poder e administrar a justiça”. Estas são as organizações que convocam a Via Crucis Popolare: Comunidad Ecuménica Martin Luther King, Agrupación de Familiares de Ejecutados Políticos (AFEP), Red Laical, Observatorio por el Cierre de la Escuela de las Américas, Committee Oscar Romero – Chile, Coalición Ecuménica por el Cuidado de la Creación, Centro Ignacio Ellacuría, Corporación Parque por la Paz Villa Grimaldi, Servicio Paz y Justicia, SERPAJ- Chile, Centro Ecuménico Diego de Medellín, Amerindia, Fraternidades Laicas Carlos de Foucauld, Revista Reflexión y Liberación, Periódico Electrónico Crónica Digital, Fundación Helmut Frenz, Iglesia Luterana El Buen Samaritano, Movimiento con la Niñez y la Juventud en Chile, Comunidad Eclesial de base Jesús buenas nuevas de La Legua, Mujeres Iglesia, Comunidad de San Vicente de Paul, Comisión Etica contra la Tortura. ...

Ler artigo
Junho em Fiji, a Escola Teológica Global das Igrejas Reformadas retorna

Junho em Fiji, a Escola Teológica Global das Igrejas Reformadas retorna

Roma (NEV), 19 de janeiro de 2023 – Até 31 de janeiro, você pode se inscrever para a sessão de 2023 do Global Institute of Theology (GIT). Título do treinamento: "Perturbando a Palavra em um mundo perturbado". O GIT “alimenta e encoraja jovens de todo o mundo que estudam teologia. Um programa acadêmico intenso para aprender, ensinar e fazer teologia de forma intercontextual e ecumênica, vinculando a teologia nos níveis local, regional e global”, diz o site da Comunhão Mundial de Igrejas Reformadas (CMCR-WCRC), que lança e promove a iniciativa. As inscrições para o GIT 2023 estão abertas. O treinamento será realizado de 15 a 30 de junho de 2023 em Suva, Fiji. As candidaturas devem ser submetidas até 31 de janeiro de 2023. Aqui o formulário de inscrição: PDF, Word Doc Os quatro objetivos específicos do GIT Estes são os quatro objetivos do GIT, explica o CMCR: Construa uma comunidade de aprendizado e fé entre alunos e professores trabalhando juntos em questões vitais da Bíblia e da teologia hoje, em um contexto internacional. Conhecer as abordagens bíblicas e teológicas contemporâneas das diferentes dimensões interconfessional, intercultural e inter-religiosa também no contexto das missiologias vividas e vivas. Apresentar diferentes perspectivas sobre o testemunho cristão da família reformada global, tendo em mente a compreensão da missão de Deus em cada continente e estando ciente do que as igrejas podem aprender com o testemunho umas das outras ao redor do mundo. Fortalecer redes globais de compartilhamento e reflexão entre estudantes e professores de teologia, trabalhadores eclesiásticos, instituições teológicas e igrejas para continuar a ação e reflexão na Comunhão. Isso também contribuirá para o treinamento ecumênico de uma nova geração de líderes da igreja dentro da comunidade reformada. No nível organizacional, para atender a todos esses objetivos, serão oferecidos cursos básicos obrigatórios e disciplinas eletivas. Quem pode se inscrever? O Instituto Global de Teologia é destinado a estudantes de teologia masculinos e femininos e pastores masculinos e femininos iniciando seu ministério. Incentiva-se a inscrição de mulheres e homens, estudantes – 40 anos, de todos os continentes – que se preparam para o ministério cristão em uma escola teológica vinculada a uma igreja membro da CMCR; recém-formados em teologia que se preparam para estudos teológicos superiores; pastores em seus primeiros anos de ministério, recomendados pelas igrejas membros da CMCR. Os candidatos devem ter um interesse particular em teologia e missão ecumênica. Será dada atenção ao equilíbrio regional e de gênero e, portanto, à diversidade da família reformada no mundo de hoje. A CMCR está empenhada em formar novas gerações de líderes reformados com plena consciência da dimensão da fé em desafios contemporâneos como: injustiça econômica, destruição ambiental, justiça de gênero, solidariedade inter-religiosa, renovação espiritual, uma igreja inclusiva e acolhedora e unidade cristã. O GIT colabora com faculdades e institutos teológicos de todo o mundo Por meio do GIT, a Comunhão das Igrejas Reformadas Mundiais pretende fortalecer seus laços com instituições teológicas relacionadas às suas igrejas membros, bem como facilitar ainda mais a comunicação e a cooperação entre escolas teológicas de diferentes regiões do mundo. ...

Ler artigo
Há cinco anos em Turim, um dia histórico

Há cinco anos em Turim, um dia histórico

Moderador Eugenio Bernardini e Papa Francisco no templo de Turim, 22 de junho de 2015 Roma (NEV), 22 de junho de 2020 – Um dia histórico: assim descrevi o evento de segunda-feira, 22 de junho de 2015, em Turim, cinco anos atrás, para esses mesmos microfones, quando pela primeira vez um papa cruzou a soleira de um templo valdense , local de culto de uma igreja que aderiu à Reforma Protestante em 1532, relembrando mais de três séculos de vida e perseguições, como um movimento evangélico centrado na pobreza e na pregação gratuita do Evangelho. “Em nome da Igreja Católica – disse o Papa Francisco no templo valdense de Turim – peço seu perdão pelas atitudes e comportamentos não cristãos, até mesmo não humanos, que, na história, tivemos contra você. Em nome do Senhor Jesus Cristo, perdoe-nos!”. Esse pedido de perdão, declarou o então moderador da Mesa Valdense, pároco Eugênio Bernardini, “nos tocou profundamente e nós o acolhemos com alegria. Naturalmente, o passado não pode ser mudado, mas há palavras que a certa altura precisam ser ditas, e o Papa teve a coragem e a sensibilidade de dizer a palavra certa”. Um dia histórico, portanto: cinco anos depois podemos certamente confirmá-lo. Também pela franqueza fraterna e pela qualidade dos discursos proferidos pelas duas partes. Particularmente importante, no discurso do Papa Francisco, é a afirmação de que “a unidade que é fruto do Espírito Santo não significa uniformidade. Na verdade, os irmãos compartilham a mesma origem, mas não são idênticos entre si. Isso fica muito claro no Novo Testamento, onde, embora todos aqueles que compartilharam a mesma fé em Jesus Cristo sejam chamados de irmãos, entende-se que nem todas as comunidades cristãs a que pertenciam tinham o mesmo estilo ou uma organização interna idêntica. Com efeito, dentro de uma mesma pequena comunidade podiam-se discernir diferentes carismas (cf. I Cor. 12-14) e também no anúncio do Evangelho havia diferenças e às vezes contrastes (cf. At 15, 36-40). Infelizmente aconteceu e continua acontecendo que irmãos não aceitam suas diferenças e acabam fazendo guerra entre si”. Com estas palavras, o Papa mostrou que aceitava plenamente uma ideia de ecumenismo - definida como "diversidades reconciliadas" - que está a anos-luz daquele "ecumenismo de retorno" (o regresso a Roma dos "irmãos separados") que caracterizou abordagem católica até algumas décadas atrás. A visita do Papa Francisco ao templo valdense em Turim abriu novos horizontes para a colaboração ecumênica na Itália; poderíamos citar como exemplos o fato de que desde 2016 as conferências ecumênicas nacionais da Conferência Episcopal foram organizadas em conjunto com protestantes e ortodoxos, ou a iniciativa ecumênica de corredores humanos promovida pela Federação de Igrejas Evangélicas e a Comunidade de Sant'Egidio. Claro, ainda há um longo caminho a percorrer; mas, para citar a saudação de despedida do diácono Alessandra Trotta (que era então presidente da Obra Metodista e hoje é o novo moderador da Mesa Valdense) devemos continuar caminhando juntos “com esperança, para levar esperança”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.