“A responsabilidade como exercício da liberdade”

“A responsabilidade como exercício da liberdade”

Roma (NEV), 29 de maio de 2020 – “Para atravessar o tempo atual, é preciso pensar em termos de responsabilidade. As regras jurídicas intervêm na ausência ou ausência de sentido de responsabilidade, mas quando limito uma das minhas liberdades por um bem maior, exerço uma escolha de responsabilidade e nessa escolha faço uma transição da limitação da liberdade para o exercício da liberdade. A história do coronavírus deveria ter nos ensinado que há muitos aspectos da vida individual que estão ligados a um interesse geral, coletivo, e que se morre de individualismo”.

Como Gustavo Zagrebelskyex-presidente do Tribunal Constitucional, em entrevista a Paulo Emílio Landique será transmitido no próximo episódio do Protestantesimo, transmitido no domingo, 31 de maio, por volta das 8 da manhã, no RAI2.

“Direitos e saúde” será o tema analisado pela coluna editada pela Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) que vai explorar as regras e protocolos que estão marcando a vida dos italianos durante a chamada Fase 2, e vai contar como também a realidade das Igrejas, de suas comunidades, da minoria evangélica na Itália, se transformou depois da experiência do coronavírus.

“Que liberdades estamos dispostos a abrir mão em nome de valores maiores, como o direito à saúde e ao bem comum?” pergunta o protestantismo.

As respostas a esta questão serão construídas através de um percurso que põe em jogo, para além da entrevista a Zagrebelsky, a história da assinatura dos protocolos que as várias comunidades religiosas nacionais assinaram com o governo, assinados para os evangélicos pelo pastor Luca Maria Negro presidente da FCEI; uma reflexão dos líderes das igrejas evangélicas italianas e europeias sobre o futuro da igreja e a história da reabertura da igreja valdense em Florença após o bloqueio.

“Nossa Constituição prevê a possibilidade de limitar, por questões de segurança e saúde, o direito de circular e circular. Essas restrições, que restringem a liberdade individual para o bem altruísta maior, devem ser razoáveis, propositais e temporárias. O Parlamento terá de zelar por isso”, concluiu Zagrebelsky.

No estúdio junto com o apresentador, Cátia Barãoo pastor da igreja valdense na Piazza Cavour em Roma, Marco Fornerone.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Battisti, uma sala virtual onde celebrar a Semana dos Direitos

Battisti, uma sala virtual onde celebrar a Semana dos Direitos

Roma (NEV), 1º de abril de 2020 - "O aniversário da semana dos direitos este ano infelizmente não pode ocorrer da mesma forma como sempre, mas ainda podemos continuar no caminho de afirmar a lei e a justiça em todos os lugares deste planeta , que percebemos que estamos cada vez mais interligados”. A notícia foi anunciada pelo Departamento de Evangelização da União Evangélica Batista Cristã da Itália (UCEBI), que publicou ontem o programa com todas as iniciativas previstas para a Semana dos Direitos 2020, e que obviamente será realizada online, devido às restrições impostas para combater o coronavírus. Para celebrar estes dias, os batistas decidiram criar "uma sala virtual no link meet.jit.si/liberacidalmale onde podemos nos encontrar, ler, rezar, compartilhar testemunhos e, acima de tudo, ouvir quem está sozinho ou simplesmente procurando um pouco de companhia". “O lema norteador que já havíamos escolhido há muitos meses para esta semana – lê-se no site da UCEBI – é “O Senhor me enviou para anunciar a libertação aos prisioneiros”, claramente inspirado no versículo de Lucas 4:8. Um verso em que Jesus define a sua missão e a sua própria identidade com as palavras do profeta Isaías". Assim, a partir de ontem, 31 de março, e até sábado, 4 de abril, será garantida uma escuta pastoral das 16h às 18h. No mesmo dia, no aniversário da morte do pastor batista Martin Luther Kinga UCEBI publicará um vídeo que reproduz algumas frases retiradas da sua famosa carta escrita na prisão de Birmingham. ...

Ler artigo
Sete semanas para mudar seu estilo de vida.  Quaresma começa

Sete semanas para mudar seu estilo de vida. Quaresma começa

A iniciativa é proposta por uma aliança ecumênica nacional que inclui 25 organizações. Igrejas regionais protestantes e igrejas livres, (arqui)dioceses, associações diocesanas e grandes agências humanitárias como Misereor e Brot für die Welt. (Aqui a lista completa). Pelo bispo da Nordkirche e comissário da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) pela responsabilidade pela criação Kristina Kühnbaum-Schmidt“Nossa ação, como nossa imobilidade, será decisiva para nossas condições de vida”. “Estamos no meio de uma crise climática global provocada pelo homem – pressionou Kühnabaum-Schimdt – que põe em perigo a vida em nosso planeta“. Portanto, é necessário que as pessoas se perguntem o queorienta nossos pensamentos, decisões e ações e qual pode ser nossa contribuição para mitigar as consequências das mudanças climáticas“, concluiu o bispo. A ação quaresmal, como tem sido designada a iniciativa, pretende desenvolver sete temas para cada uma das sete semanas que antecedem a Páscoa, desde o passado dia 22 de fevereiro até ao próximo dia 9 de abril. Com algumas propostas de ações diárias das pessoas. Os temas serão estes: aumento da energia, necessidade (das coisas), consumo do solo, mobilidade diferente, melhor iluminação, biodiversidade, felicidade (esses diferentes temas foram traduzidos para o italiano agrupados em um pdf editado por Gianluca Fiusco, resp. comunicaçãoCELI, disponível para download aqui). Uma ação quaresmal, dissemos, inserida no âmbito da tradição cristã, que “comemora o sofrimento no tempo que antecede a Páscoa e pratica conscientemente a renúncia para se libertar para novos pensamentos e comportamentos diversos”. Com uma consciência básica: que a mudança climática causa sofrimento porque põe em risco a vida de pessoas, animais e plantas. É por isso que a proteção do clima requer sacrifícios. No entanto, sacrifícios que nos permitem “tornar a nossa vida mais respeitosa com o clima, sozinhos ou em comunidade”. Uma espécie de "rápido" climático, como é rebatizado pelos organizadores. Potencializar a partilha de experiências e ideias com os outros: amigos, grupos eclesiásticos, vizinhos, comunidades. E uma hashtag para fazer isso #climatefasting (lit. jejum climático). Leia no site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI). Nesta semana, vamos valorizar a energia. Para consumo consciente, leia o pdf em "Sete semanas para mudar seu estilo de vida", o que posso fazer? ...

Ler artigo
Corredores humanitários em audiência com o Papa

Corredores humanitários em audiência com o Papa

"Corredores humanitários", desenho de Francesco Piobbichi, operador da FCEI-Mediterrânea Esperança Roma (NEV), 15 de março de 2023 – No próximo sábado, 18 de março, às 11h30, o Papa Francisco receberá em audiência refugiados e refugiadas que chegaram à Itália e à Europa graças aos corredores humanitários criados pela Federação de Igrejas Evangélicas, Tavola Valdese, Comunità Sant' Egidio, Caritas Italiana e Cei. A notícia foi divulgada ontem à tarde pela agência Ansa, que também foi divulgada hoje pelo jornal vir. Este é o primeiro evento público do Papa com migrantes após a tragédia de Cutro. A Sala Paulo VI estará repleta de famílias de países como Síria, Iraque, Afeganistão, Somália, Sudão do Sul, Nigéria, Congo, RDC e Líbia. De fevereiro de 2016 até hoje, mais de seis mil pessoas chegaram à Europa com este modelo, das quais mais de cinco mil na Itália. Além dos promotores dos corredores humanitários, haverá também associações, dioceses, paróquias, comunidades e famílias que acolhem refugiados, entre as quais a Diaconia Valdense, a Comunidade Papa João XXIII, Arci e outras. Durante a audiência, que terminará com um discurso do Papa Francisco, serão ouvidos alguns testemunhos de refugiados, assim como de italianos que se empenham em acolhê-los. O presidente estará presente para a FCEI Daniele Garrone. No que diz respeito às igrejas protestantes, os corredores humanitários são um projeto financiado em grande parte pelo Otto per mille Waldensian, criado pela FCEI, Tavola Valdese e, na parte relativa ao acolhimento dos beneficiários, com a Valdensian Diaconia. AQUI um infográfico sobre corredores humanitários. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.