“Precisamos de um novo horizonte cultural”

“Precisamos de um novo horizonte cultural”

“O Mundo de Banksy”, Turim – foto ER/NEV

Roma (NEV), 3 de abril de 2023 – Nossa “liberdade religiosa especial” termina com este editorial de Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

A situação é clara. A Itália é cada vez mais “plural” do ponto de vista religioso, e não apenas por causa da imigração. A mesma confissão cristã majoritária, a católica romana, já não tem a relevância social que mesmo em poucas décadas teve importantes repercussões também na política. Perante esta realidade, que se revela evidente por exemplo nas aulas do ensino obrigatório, parecem existir carências evidentes, tanto a nível legislativo como cultural. O direito à liberdade religiosa, consagrado na Carta Constitucional, parece ser gradual, por assim dizer: um regime privilegiado para a Igreja Católica; reconhecimento e proteção às confissões que já tiveram acesso aos Acordos previstos no art. 8 da Carta; depois todos os outros, ainda sujeitos a regras que remontam à legislação fascista sobre “cultos permitidos”. Vários pedidos de adesão a uma Entente por algumas confissões, em alguns casos numerosas, como muçulmanos ou ortodoxos romenos, ainda permanecem pendentes.

Daí a urgência de uma nova lei orgânica sobre liberdade e consciência religiosa, coerente com as novas e cada vez mais evidentes dinâmicas religiosas que também registamos em Itália.

O problema é que o tema da liberdade religiosa e do pluralismo é pouco ouvido. Não chama a atenção dos parlamentares porque basicamente a maioria deles acha que é um assunto de “nicho”, que diz respeito a poucos e pequenas minorias. Não é assim por duas razões: por um lado, há milhões de cidadãos no total (pense nos muçulmanos, e nos ortodoxos, a segunda religião e a segunda confissão cristã na Itália por consistência). Por outro lado, e sobretudo, trata-se da qualidade da nossa democracia e da plena aplicação da sua Carta Constitucional e a condição de minorias é um indício do reconhecimento das liberdades e direitos, iguais para todos os cidadãos. Enfrentar esses problemas requer sensibilidade para as formas, que em direito são substância; a convicção de que liberdades e direitos não podem ser declinados ou graduados de várias maneiras; uma abertura cultural que supera a preguiça intelectual e supera os limites da propaganda.

A falta de sensibilidade para o pluralismo religioso e a urgência de abordá-lo parecem atravessar os alinhamentos partidários, e isso é ainda mais grave porque estamos lidando com questões “liberais” no sentido mais elevado do termo.

Resta, pois, insistir em colocar o problema e, sobretudo, apostar na cultura e na sensibilização e a FCEI e os CCERS* assumem esta tarefa. Não estamos sozinhos: a conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias” organizada pela Fundação Basso e o Confronti mensal (Roma, 17-18 de fevereiro de 2023) foi uma importante oportunidade de reflexão e conscientização em vários níveis: reflexão jurídica, horizonte cultural, interlocução com a política.


Os outros artigos do especial:

A Agência NEV inaugura uma série de entrevistas para abordar os temas da conferência “Pluralismo religioso, integralismos, democracias”, realizada recentemente em Roma. Vamos começar este “Especial liberdade religiosa” juntamente com Paolo Naso, coordenador da Comissão de Estudos de Integração da FCEI, consultor para as relações institucionais do programa de refugiados e migrantes FCEI/Mediterrâneo Esperança, além de professor da Universidade Sapienza e membro da Comissão Científica da o Centro de Comparações de Estudos.

Segundo episódio do especial do NEV para voltar aos temas da conferência “Pluralismo religioso, integralismos, democracias”, realizada recentemente em Roma. Entrevista de Gian Mario Gillio com a assessora jurídica da FCEI, Ilaria Valenzi.

Terceira parcela do NEV especial. Entrevista com o presidente da Federação das Igrejas Pentecostais (FCP), pastor Carmine Napolitano.

Quarta prestação. Entrevista com o vice-presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, Fausto Tortora.


*Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS)

Desde 1985, a FCEI promove a criação de uma Comissão das Igrejas Evangélicas para as Relações com o Estado (CCERS). Presidida estatutariamente pelo presidente da FCEI, a CCERS mantém-se independente da Federação e reúne cerca de quinze realidades do evangelicalismo italiano. Desde suas origens o CCERS foi estruturado como um fórum de discussão entre as várias vozes do evangelismo italiano sobre temas de interesse comum ligados às relações com o Estado e à legislação Estado-Igreja, reunindo especialistas e representantes das várias Igrejas para elaborar estratégias comuns e propostas de intervenção legislativa . Além da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália e de todas as suas igrejas membros, elas fazem parte da CCERS as Assembléias de Deus na Itália, a União Italiana das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia, a Federação das Igrejas Pentecostais, a Obra das Igrejas dos Irmãos, a Igreja do Nazareno, a Igreja Apostólica na Itália, a Igreja Evangélica Internacional, a Aliança Comunidade Evangélica Italiana, Comunidade Cristã Rios da Vida, Igreja Evangélica da Reconciliação, União das Igrejas Bíblicas Cristãs, Conferência Evangélica Nacional.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

A Função Pública que constrói a paz.  XXI Relatório Anual do CNESC

A Função Pública que constrói a paz. XXI Relatório Anual do CNESC

Roma (NEV), 14 de abril de 2023 – O XXI Relatório Anual das Entidades que fazem parte da Conferência Nacional das Entidades da Função Pública (CNESC) descreve uma comunidade engajada na construção da paz. A Diaconia Valdense (Comissão Sinodal para a Diaconia - CSD) também faz parte do CNESC. O relatório, disponível para download no seguinte link, Relatório Cnesc 2020.pdf, refere-se ao edital ordinário 2020, cujas atividades se desenvolveram em 2021 e 2022. Uma primeira fotografia da entrada em vigor dos programas de intervenção e da passagem definitiva à Função Pública Universal, escreve o CNESC. “A leitura do Relatório permite-nos apreender a riqueza e amplitude das intervenções junto das comunidades activadas no biénio 2020-2021, num momento histórico verdadeiramente difícil, ainda marcado pelos efeitos da pandemia - declara o Presidente do CNESC Laura Milani -. No entanto, as organizações membros do CNESC conseguiram se organizar e interceptar o desejo de muitos jovens, após um ano de bloqueio, de se comprometer e fazer algo concreto em apoio às comunidades. De facto, cerca de 19.680 jovens prestaram o seu serviço num dos projectos propostos pelas entidades aderentes: mais de 50% na assistência, 26,7% na educação e promoção cultural, 9,6% na protecção e valorização do património histórico, artístico e cultural património e, em menor grau, na proteção civil, na agricultura social, na proteção do ambiente e no estrangeiro. Formas diferentes, mas concretas, de construir a paz”. As entidades do CNESC investiram quase 110 milhões de euros para o concurso de 2020, mais cerca de 36 milhões do que os investidos no concurso anterior. “Um investimento devido em parte ao aumento da entrada de jovens no serviço – escreve o CNESC -, mas sobretudo ao aumento da complexidade, da burocracia, dos encargos dos órgãos, a todos os níveis. Daí os pedidos de simplificação por parte do CNESC, que pede nomeadamente que se passe dos programas de intervenção apresentados anualmente para uma apresentação trienal, com um horizonte temporal que permita assim ter um impacto real nos problemas e necessidades identificados, evitando ter de voltar a apresentar projetos todos os anos com conteúdos muito semelhantes aos do ano anterior.” Este XXI Relatório, cujas atividades interceptam entre outras coisas o 50º aniversário do reconhecimento da objeção de consciência ao serviço militar e da instituição do funcionalismo público, conclui o comunicado, "relata uma comunidade vivaz capaz de adquirir espaços de reflexão, comparação e inovação , o que coloca o CNESC em condições de qualificar o seu contributo para a concretização da função pública, numa lógica de colaboração entre os sujeitos do sistema SCU que - esperamos - seja cada vez mais assumida e valorizada, a partir do Departamento e das regionais e instituições locais”. CNESC – Conferência Nacional dos Órgãos da Função Pública reúne algumas das principais organizações credenciadas junto à Secretaria da Juventude e à Função Pública. Seus escritórios estão presentes em 3.557 municípios, 108 províncias e 101 países estrangeiros. Representa 7.171 organizações sem fins lucrativos e 247 órgãos públicos, com 17.859 escritórios de implementação. www.cnesc.it ...

Ler artigo
XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão: “Conforte meu povo”

Detalhe do cartaz do encontro para o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão em Parma Roma (NEV), 11 de janeiro de 2023 – No dia 17 de janeiro de 2023 será celebrado o XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão. Por volta desta data, várias nomeações em toda a Itália envolvem as comunidades católica, protestante e judaica. Entre eles, destacamos três: o episódio especial de quinta-feira, 12 de janeiro, na Teleradiopace e na Teleliguria Sud, com a participação do pároco Ilenya Goss. A mesa redonda de domingo, 15 de janeiro, em Roma, organizada pela Christian Jewish Alliance e pela Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) com, entre outros, o pároco Eric Noffke. O encontro com Felipe Alma da Faculdade Teológica Adventista de Florença, terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, organizada pelo Conselho das Igrejas Cristãs de Parma juntamente com a Comunidade Judaica de Parma. O tema desta edição é "Conforte, console o meu povo” (Isaías 40:1-11). O Dia do Diálogo Judaico-Cristão, entre outras coisas, acontece justamente na véspera da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC), que representa um importante momento ecumênico e inter-religioso. Pedimos ao Pastor Goss um comentário sobre esta jornada, agora em sua 34ª edição. “Fazer um balanço do diálogo judaico-cristão neste dia significa falar para um público mais amplo do que o especializado: muitos aspectos do diálogo inter-religioso adquirido hoje entre os 'insiders' não são tão comuns. Estou pensando na continuidade entre o mundo judaico e os Evangelhos, bem reconhecida hoje entre os estudiosos, mas também na história de sombras e conflitos que caracterizou a relação entre judeus e cristãos ao longo dos séculos”, diz Goss. Tudo passa pela superação do clima geral de preconceito que caracterizou o passado. "Precisamos de uma releitura de nossas tradições animada pelo desejo de conhecimento mútuo - continua o pároco - partindo do estudo da Escritura a duas vozes, até um compromisso ético e social comum, com respeito às diferenças e identidades, mas também em um espírito sinceramente cooperativo. Sobre a história do diálogo judaico-cristão, em 2015, Ilenya Goss falou com o ensaio "A raiz e a seiva da oliveira" ("A caminho de um novo ecumenismo", anais da 52ª Sessão de Formação Ecumênica, SAE, ISE "San Bernardino” Veneza). Começa com uma citação de Karl Barth: "Em última análise, há apenas um grande problema ecumênico: o de nosso relacionamento com o povo judeu". Foto Achim Ruhnau – Unsplash Em seu ensaio, Goss reconstitui algumas viradas históricas fundamentais, desde o trabalho realizado no âmbito protestante desde o pós-guerra, até o realizado no âmbito católico com o Concílio Vaticano II. A intenção era deixar de lado a “teologia da substituição” de Israel que, em sua exegese, havia tentado entender o “povo eleito” como “a Igreja”. O alinhamento sobre isso vem depois de uma série de documentos, desde o de 1948 em Darmstadt até o do Sínodo de Berlim de 1950, onde está escrito: "Cremos que a promessa de Deus ao povo de Israel que ele elegeu ainda é válida, mesmo depois da crucificação de Jesus Cristo”. Na Itália, o Sínodo Valdense também se manifestou sobre o assunto em 1982. A esse respeito, Goss aponta: "A imagem de dois grandes galhos em um único tronco parece-me eficaz para descrever o judaísmo rabínico e o cristianismo". Uma metáfora botânica que, conclui a pastora, “embora reelaborada, devemos ao apóstolo Paulo que, na carta aos Romanos, fala de enxertos, oliveiras e oliveiras bravas para descrever as relações entre os cristãos do judaísmo e do paganismo. Após a queda do Templo em 70 dC, o judaísmo encontrará seu caminho e, da mesma forma, o cristianismo encontrará sua identidade distinta”. Para saber mais Leia o ensaio de Ilenya Goss “A raiz e a seiva da oliveira” (do volume “A caminho de um novo ecumenismo”, atas da 52ª Sessão de formação ecumênica, SAE, ISE “San Bernardino” Veneza). Cortesia do autor e editora. Há um mês terminaram as conversações judaico-cristãs nacionais, das quais o pároco também participou Daniele Garronepresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e o mesmo Ilenya Goss. EVENTOS do Diálogo Cristão Judaico (seleção) Uma análise aprofundada promovida pelas dioceses da Ligúria será transmitida na quinta-feira, 12 de janeiro, no Telepace. Artigo do SIR A partir das 21h00, transmissão televisiva em directo pela Maurício Garreffa e don Gabriel Maria Corinieles vão intervir José Momiglianorabino chefe da comunidade judaica de Gênova, e outros. No domingo, 15 de janeiro, em Roma, por ocasião do XXXIV Dia do Diálogo Judaico-Cristão, a Aliança Judaico-Cristã e a Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) da capital organizam a mesa redonda sobre o tema "Conforte, console Meu povo, Isaías 40:1-11“. eles intervêm Ariel Di Porto, Eric Noffke e Lilia Sebastião. Saudações de Guido Coen E Pinheiro Pulcinelli. eles moderam Roberta Ascarelli E Stephen Ercoli. Às 16h30, presencialmente, na casa de hóspedes do mosteiro das monjas camaldulenses, via Clivio dei Publicii 2. O encontro será transmitido em directo no canal YouTube da SAE. Terça-feira, 17 de janeiro, em Parma, reunido com Felipe Alma (Faculdade Teológica Adventista de Florença). Eles organizam o Conselho das Igrejas Cristãs de Parma, a Comunidade Judaica de Parma. Membros: Grupo Sae de Parma, Associação de Viajantes. Às 20h30, nas Missões Estrangeiras, viale S. Martino 8 Parma. Baixe o Cartaz Diálogo Parma. ...

Ler artigo
Emilia Romagna, chame as coisas pelo nome

Emilia Romagna, chame as coisas pelo nome

Markus Spiske, unsplash Roma (NEV), 18 de maio de 2023 - “Talvez tenhamos desclassificado o reparo da Criação como uma moda passageira, em vez de pensar constante e ativamente sobre o que podemos fazer como crentes, devemos ser responsáveis ​​como parte de um mundo interconectado. Um rio transbordante não deveria ser uma calamidade, sempre existiram, até a Bíblia fala disso (Isaías - 66, 12) e ao contrário se torna um problema porque os assentamentos humanos foram além da Criação”. A pastora valdense diz isso de Bolonha Giuseppina Bagnatopoucas horas depois dos acontecimentos que atingiram a Emilia Romagna. Entre a noite e a manhã, na província de Ravenna, Lugo e Cervia foram inundados. Ainda dezenas de estradas fechadas ou danificadas por deslizamentos de terra ou inundações. Milhares de pessoas evacuadas. Mais inundações na zona de Ravenna, um metro de água no centro histórico de Lugo. «Devemos centrar a atenção na relação a que somos chamados como crentes - continua o pároco da comunidade metodista e valdense que conta com cerca de 100 pessoas, entre Bolonha e a província de Modena -, com todos os súbditos, leigos, crentes e não -crentes, para construir projetos que possam melhorar os territórios e as cidades em que vivemos. Somos chamados a fazê-lo, como Igrejas, desde baixo, porque a Igreja deve ser profética e por isso é necessário agir pessoalmente, esperando uma mudança ainda mais ampla, “acima”, naqueles que fazem escolhas políticas”. Na capital da Emília, a situação parece estar sob controle, “os maiores problemas não estão apenas na Romagna, mas também nas províncias, nas aldeias das colinas”. O pastor valdense Alexandre Esposito, em Rimini há pouco menos de dois anos, fala de uma situação pouco grave na cidade, mas "estamos nos organizando com outras entidades para ajudar os feridos e as pessoas que vivem nos centros mais afetados. Aproveito para agradecer a todos os socorristas e a todos os que estão a fazer o seu melhor para apoiar a população. Como igrejas, estamos à disposição de todos os necessitados". Mesmo para ele, porém, é preciso entender e refletir sobre “nossa falta de atenção”, como cidadãos, para com a emergência climática. Na zona mais afectada pelas chuvas, a de Cesena, "a situação é caótica e muito difícil, estamos a tentar ajudar as famílias em dificuldade, a dar a mão como podemos", afirma Nicodemos Fabiano, pároco da Igreja Evangélica Batista de Cesena e Rimini. “Em Forlì, as instalações da igreja evangélica são invadidas por um metro de água. Até na minha casa a chuva causou estragos. Agora é preciso rezar pela cidade, pelas vítimas destes dias”. O número de mortos subiu para nove nas últimas horas. 10 mil deslocados, segundo estimativa do governador da região da Emilia Romagna Stefano Bonaccini. E os prejuízos – diríamos de alguns bilhões – ainda não foram contabilizados. Hoje em Ferrara o sol brilha, mas "as pessoas estão com medo, devemos responder também a esta necessidade: o medo das pessoas", explica o pároco batista Emmanuel Casalino da cidade Este. Para isso, talvez, precisemos de uma maior consciência ou, pelo menos, da vontade de “chamar as coisas pelo nome”. “É inútil falar de chuva – conclui o pároco, que também segue a comunidade de Livorno -: o que aconteceu diz respeito às mudanças climáticas, ao consumo do solo, às construções excessivas. Deve nos fazer pensar: agora é a hora de agir, devemos almejar a transição ecológica, imediatamente”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.