União Budista Italiana e FCEI assinam protocolo de colaboração

União Budista Italiana e FCEI assinam protocolo de colaboração

Daniele Garrone, presidente da FCEI, e Filippo Scianna, presidente da UBI, aquando da assinatura do protocolo assinado hoje, 14 de fevereiro. Foto de Nadia Addezio (Comparações)

Roma (NEV), 14 de fevereiro de 2022 – A União Budista Italiana (UBI) e a Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI) iniciam uma colaboração destinada a acolher os refugiados que chegaram à Itália através dos “corredores humanitários” abertos nos países vizinhos com Afeganistão no âmbito de um acordo entre a FCEI, a Comunidade de Sant’Egidio, o Conselho Valdense e os Ministérios do Interior e das Relações Exteriores. Em particular, o Protocolo de Colaboração entre a UBI e a FCEI prevê o acolhimento de 20 refugiados afegãos. O acordo de colaboração é válido ao longo de 2022 e será renovável para os anos seguintes.

A UBI apoiará as atividades de acolhimento e integração coordenadas e implementadas pela FCEI, garantindo recursos que irão cobrir despesas de alojamento, escolarização, apoio educativo e psicológico, aprendizagem da língua italiana, formação e colocação profissional.

O projeto visa garantir proteção humanitária a indivíduos que, sob o poder dos talibãs que tomaram o poder no Afeganistão em agosto, correm riscos muito altos, inclusive de serem mortos por suas ideias, sua fé religiosa e seu papel no regime anterior. Nesta conjuntura, a segurança das mulheres que estudaram e desempenharam papéis importantes na sociedade civil afegã está particularmente em risco.

“A FCEI e a UBI partilham o compromisso civil e social por uma sociedade aberta, inclusiva e solidária que coloca no centro o indivíduo, as suas necessidades, aspirações e potencialidades. Pretendem também promover modelos comunitários baseados nos princípios da justiça e da paz, no reconhecimento da dignidade humana e no respeito por todas as formas de vida. Bem como o compromisso de salvaguardar o ambiente e os ecossistemas numa perspetiva de estreita inter-relação entre a comunidade humana e o planeta que habitamos” – declaram Philip Sciannapresidente da UBI e Daniel Garronepresidente da FCEI.

Paralelamente, a UBI e a FCEI estão empenhadas em lançar um processo comum de reflexão e diálogo, visando tanto aprofundar as questões do direito de asilo, novas formas de pobreza, sofrimento social, como propor ações concretas aos decisores políticos , tanto no italiano como no europeu. Nesta perspetiva, a UBI e a FCEI pretendem promover encontros, seminários, conferências e publicações que expressem a posição das duas tradições relativamente a questões cruciais do nosso tempo.


Para mais informações sobre os Corredores Humanitários e o Programa FCEI para Migrantes e Refugiados: www.mediterraneanhope.com.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Dois novos hinos para o Tempo da Criação

Dois novos hinos para o Tempo da Criação

Foto Michael C/Unsplash Roma (NEV), 16 de setembro de 2022 – Para o Tempo da Criação 2022, o Ministério de Música da União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI) propõe dois novos hinos. Criado por Virgínia Mariani, integram o Dossiê da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Intitulado “Empatia. Escuta, dúvida, misericórdia”, o Dossiê GLAM contém ideias homiléticas, meditações, liturgias, materiais e insights. Os dois hinos propostos por Virginia Mariani são intitulados "E Deus vê" e "Sua criação". Entrevistamos o autor para descobrir como surgiram os hinos e aprender mais sobre o ministério de música. Quem é Virgínia Mariani? Eu sou um moça 50 anos que cresceu entre escola, piano, igreja batista e também igreja valdense na província de Taranto. Uma cidade esplêndida, que eu mesmo estou aprendendo a conhecer cada vez mais e que, infelizmente, continua degradada, feia, poluída, maculada pela indústria siderúrgica, que monopolizou sua economia desde os anos 60. Taranto não é valorizado. Poderia ser, por exemplo, como a última cidade espartana e, portanto, a Magna Grécia. Assim como Mottola, uma cidade no topo de uma colina onde moro agora. Aqui ensino Literatura há 21 anos. Também dedico aulas, projetos, iniciativas e reuniões públicas ao território, ao meio ambiente e à Criação, ao respeito por todas as criaturas, tendo como referência primeiro a Agenda 2020 agora 2030. [L’Agenda 2030 è l’attuale quadro di riferimento globale delle Nazioni Unite. Essa definisce 17 Obiettivi di sviluppo sostenibile da raggiungere entro il 2030, articolati in 169 sotto-obiettivi, ndr]. “E Deus vê”: sobre o que é este hino? "E Deus vê" nasceu durante a pandemia, graças ao concurso organizado pela Mesa Valdense. Nesse contexto, o hino recebeu menção especial. Canta uma humanidade que esqueceu que recebeu toda a Criação como dom e sob custódia, uma humanidade que ainda não cresce em responsabilidade e brinca com as vidas. Fala também de Deus que, vendo então que tudo era "bom e belo", ainda vê sempre o que somos e o que fazemos ou deixamos de fazer. A música termina com a exortação para discernir agora e em todos os momentos o que é certo fazer. Louvar, sim, com cantos e orações, mas antes de tudo com nossas existências individuais e com nosso testemunho. Baixe aqui o texto e a partitura: E Deus vê “Sua criação”. Aqui a música é livremente inspirada no Minueto 1 de Bach, o “músico teólogo”como definiu o jurista e musicólogo Gianni Long em 1997. Porquê esta escolha? Esse Minueto é uma das primeiras peças que você aprende ao estudar piano. Com o tempo, percebi que muitas vezes isso tocava em minha mente. Então, como na Reforma as melodias das canções populares se tornaram hinos, pensei, com a colaboração de M° Iannitti Piromallo na adaptação, transformar uma peça de Bach, precisamente o "músico teólogo" protestante, numa curta canção dedicada a Deus e à sua Criação, citando os elementos da natureza, quase como uma novela de Francisco de Assis. A ideia é transmitir confiança em Jesus e no poder inspirador do Espírito Santo, por exemplo, na gestão dos conflitos e desafios da vida quotidiana. Baixe o texto e a partitura aqui: Sua Criação Há muito tempo o Ministério de Música da UCEBI está empenhado em trazer a música para o dia a dia, não só na igreja, nas liturgias, mas também em outros contextos. Agora ele traz sua contribuição para o Tempo da Criação 2022. Podemos dizer que este é o começo de uma jornada, também para o futuro? Comecei uma certa colaboração com o Ministério desde o seu início, antes mesmo de participar das reuniões do Grupo de Animação Teológica (GRANT) e do Grupo de Música Evangélica (GRUME) com Charles Lella. Não sou músico, no entanto gosto muito de animar momentos de culto ou momentos dedicados às crianças. Também trago essa paixão pela música e pelo canto para a escola, por exemplo. Então, sim, tenho certeza que nesse futuro, que sempre já está presente no olhar que devemos ter ao viver a promessa e a presença do Reino dos Céus, o caminho continuará também na experimentação musical. O Ministério da Música da UCEBI O Ministério de Música da UCEBI tem uma longa história, que passa também pela esfera federativa (Federação das Igrejas Evangélicas da Itália -FCEI-) para depois se tornar, em 2012, um Ministério específico instituído pela Assembleia Geral da UCEBI. Existe agora uma verdadeira descrição do trabalho, que inclui, entre outras coisas, visitas e seminários de atualização em igrejas de música cristã e litúrgica, cursos de formação, multimédia, eventos e colaborações. Dentre elas, destacamos as atividades com a Comissão Batista-Metodista e Valdense de Culto e Liturgia (CCL). Temporada da Criação 2022 Para a Temporada da Criação, além do Dossiê, a GLAM também produziu uma série de insights sobre a água, a seca e o entorno. Todos os materiais podem ser baixados nas páginas dedicadas ao Tempo da Criação 2022. Eles podem ser usados ​​por todas as pessoas interessadas em celebrar este período litúrgico ecumênico que acontece em todo o mundo entre 1º de setembro e 4 de outubro. ...

Ler artigo
um presente ecumênico ao Papa Francisco

um presente ecumênico ao Papa Francisco

Foto Mulheres de fé em diálogo por Religiões pela Paz Itália (RFP). Líderes religiosos de diferentes fés entregam um "presente ecumênico" ao Papa Francisco. 9 de novembro de 2022 Roma (NEV), 9 de novembro de 2022 – O pastor batista Gabriela LioPresidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), juntamente com o grupo Mulheres de Fé no Diálogo das Religiões pela Paz Itália (RFP), participou esta manhã da audiência de quarta-feira com o Papa Francisco. Mulheres, líderes religiosas de diferentes fés, trouxeram seu "presente ecumênico": uma pintura da jovem artista iraniana Safári Rasta e uma placa comemorativa, trazida à Praça de São Pedro pelo fundador do grupo, França Coen. Na delegação, acompanhada pela coordenadora da rede italiana Mulheres de Fé em Diálogo da RFP Frances Baldini (que entregou a placa), também Francesca Evangelista. Evangelisti é secretário do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da União Italiana de Igrejas Adventistas (UICCA), bem como membro da Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes na Itália (FCEI). Foto: Grupo Mulheres de Fé em Diálogo das Religiões pela Paz Itália (RFP) ...

Ler artigo
Corpos brancos e corpos negros

Corpos brancos e corpos negros

Noom Peerapong, unsplash De Pedro CiaccioMembro do Conselho da FCEI, Presidente da Associação de Cinema Protestante “Roberto Sbaffi” – Giovanni não sabe para qual mulher olhar: a melancólica e deprimida Lídia ou a jovem e cheia de vida Valentina? Vamos falar sobre A noite por Michelangelo Antonioni. A câmera consegue transmitir o charme de ambos. sensualidade de Lídia (Jeanne Moreau) e Valentina (Monica Vitti) está fechada no rosto: nos olhos, na boca, nos cabelos. O dilema de Giovanni (Marcello Mastroianni) é o de uma burguesia hipocritamente casta, que tolera a infidelidade conjugal, mas não a sexualidade vulgar (adjetivo negativo que deriva, não por acaso, do latim Vulgoisto é, pelo povo como uma classe inferior). Antes mesmo de Valentina entrar em cena, Giovanni e Lídia vagam pela noite milanesa e vão a uma boate onde se apresentam uma dançarina e uma dançarina contorcionista: ele de cueca, ela de cueca e sutiã. Ambos são negros: seus corpos estão expostos à câmera. Faz parte do espetáculo uma brincadeira que a mulher joga com uma taça de vinho, que passa entre os pés, pernas, braços, até que o vinho seja bebido pela dançarina de cabeça para baixo, tudo acompanhado por um sax travesso. Enquanto isso acontece no palco, Lídia bebe e compõe sua bebida em um copo comum. Corria o ano de 1961 e talvez agora seja difícil rastrear os nomes das duas dançarinas negras, o que não é relatado nas várias páginas da internet dedicadas a A noite. Quem sabe quem eram, de onde vinham, quanto ganhavam. Quem sabe se eles apareceram em outros filmes. No entanto, seus corpos estavam mais expostos do que os rostos de Moreau e Mastroianni. Hoje não prestamos mais atenção a isso, mas, contorcionismo à parte, nem Moreau, nem Vitti, nem Mastroianni poderiam ter se mostrado assim, pelo menos não antes de dez anos. Qual era a diferença entre Jeanne Moreau e a dançarina anônima? A cor da pele que, no caso de Moreau, coincidia com a do público a quem o filme se destinava. É claro que o corpo branco deve ser tratado com modéstia, enquanto o corpo negro pode ser facilmente exibido: enfim, “eles” não andam nus na África? Mesmo em um grande filme como A noite de um diretor sensível como Antonioni, o corpo negro e anônimo se oferece ao olhar do público branco, está à disposição do olhar branco. Imagine o que poderia acontecer em filmes mais "comerciais". Podemos pensar que isso foi um pecado dos anos sessenta, del estrondoda Itália burguesa que quer ser "Italietta". Mas basta ligar um noticiário hoje para ver, por exemplo, os rostos de crianças pixeladas, que ficam irreconhecíveis, protegidas do olhar do público. Claro, progresso. Mas essas são crianças brancas; e o que acontece com as crianças negras? Os seus rostos e, mais uma vez, os seus corpos são expostos, e muitas vezes por aqueles que trabalham por eles, pelas associações e organizações que trabalham para ajudar e apoiar as pessoas mais desfavorecidas. Quase todas as campanhas de combate à fome na África mostram corpos negros. Eles não têm nome, podem estar desnutridos ou sorridentes e saudáveis, mas o que importa é que são negros. Quem é o destinatário dessas imagens? O olhar branco. Assim como em 1961. Este fim de semana será realizada a primeira edição do Festival de Cinema de Rosarno, uma pequena tentativa de sair dessa dicotomia preto-branco, porque não é uma lei da natureza que as imagens devam ser oferecidas principalmente ao olhar branco. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.