Decreto de imigração, eu era estrangeiro: simplificações de fluxos são boas, mas não são suficientes

Decreto de imigração, eu era estrangeiro: simplificações de fluxos são boas, mas não são suficientes

Roma (NEV), 22 de março de 2023 – A campanha Eu era estrangeiro, da qual também participa a FCEI, enviou hoje uma contribuição à primeira Comissão do Senado para a análise do decreto-lei sobre os fluxos migratórios, decreto que aborda questões centrais questões na atividade da campanha, começando pela gestão das entradas para o trabalho através do decreto de fluxos, a que se dedicam os três primeiros artigos.

Conforme refere o documento, “face a algumas medidas positivas que simplificam o procedimento de entrada e visam, nomeadamente, permitir o rápido emprego de trabalhadores e trabalhadoras, subsistem algumas questões críticas relativas ao próprio sistema de entrada em vigor, que permanece substancialmente inalterado”. A campanha propõe “algumas intervenções retificadoras para oferecer maiores garantias aos trabalhadores e trabalhadoras e seus empregadores”.

O documento destaca que, “se por um lado é bem-vindo o aumento das cotas, a possibilidade de avançar com mais decretos de fluxos no mesmo ano e o triênio de planejamento como intervenção tampão para atender às demandas dos setores produtivos, de Ainda há muitos nós para desatar. Aliás, o que fará o Governo quando, no click day de 27 de março, as candidaturas apresentadas ultrapassarem em muito as 82.000 quotas previstas, como facilmente se pode esperar dado que em 2022 foram apresentadas 200.000 candidaturas mas cerca de 70.000 quotas disponíveis? É certo que o decreto em questão prevê no art. 2 que os pedidos que excedam as cotas possam ser examinados no âmbito dos demais decretos adotados. Mas quanto tempo levará para abrir uma nova janela? Que resposta damos aos empresários do sector do turismo que precisam de começar a época balnear dentro de um mês e têm pessoal suficiente? Ou às dezenas de milhares de trabalhadores que têm apenas esta loteria disponível para poder entrar na Itália e trabalhar sem riscos? Por que não permitir que um empregador chegue à Itália e contrate um trabalhador ou trabalhadora a qualquer momento, com todas as garantias previstas em lei, mas sem a necessidade de definir um dia de clique? Evitando assim, entre outras coisas, sobrecarregar os escritórios envolvidos no processo, em particular as prefeituras e as sedes da polícia, que já estão perpetuamente com problemas e com falta de pessoal. A introdução de um canal adicional, como o do patrocinador – conforme previsto em nosso projeto de lei – com a possibilidade de apoiar a entrada de estrangeiro para permitir o ingresso no mercado de trabalho, mediante uma série de garantias iniciais, tornaria entrada em nosso país verdadeiramente flexível”.

Depois há, segundo os promotores da iniciativa, outra questão a resolver. “Com a legislação em vigor – explicam -, não há como contratar e regulamentar uma pessoa que já está na Itália mas não tem documentos, porque talvez tenha entrado com visto de turista e depois ficado em nosso país, encontrou um trabalho, mas não tem como obter uma autorização de residência. Esta é a história de dezenas de milhares de pessoas empregadas no setor doméstico ou de cuidados em particular, que nos últimos vinte anos foram regularizadas por meio de várias anistias, a última em 2020. Para essas pessoas, o decreto de fluxo é o único. forma de poder regularizar a sua situação mesmo à custa de sair e regressar de Itália. Não é por acaso que em junho de 2022, entre as intervenções de simplificação do governo Draghi ao decreto de fluxos, muitas das quais também contempladas no decreto-lei, se vislumbrou a possibilidade de permitir o acesso de pessoas já presentes na zona ao recrutamento procedimento e imediatamente disponível para trabalhar. Acreditamos que essa possibilidade deve estar sempre assegurada nos decretos de fluxo e que, portanto, deve constar no decreto de conversão. Sem prejuízo da nossa proposta de introdução de um mecanismo de regularização individual, sempre acessível quando há oferta de emprego, o que permitiria enfrentar a montante o problema da irregularidade”.

Por ser estrangeiro, é “imprescindível intervir para garantir maior proteção aos trabalhadores sujeitos ao procedimento de entrada. Constatamos que no passado, em muitos casos, após a chegada à Itália, o recrutamento não foi bem-sucedido, deixando essas pessoas na mais absoluta incerteza e sem autorização de residência. Por este motivo, é necessário prever que nos casos de não finalização do recrutamento por motivos exclusivamente imputáveis ​​ao empregador, seja emitida ao cidadão estrangeiro uma autorização de residência para aguardar emprego, que confira a possibilidade de encontrar outro posto de trabalho e convertê-lo em visto de trabalho”.

Por fim, Eu era estrangeiro manifesta “uma preocupação muito forte com outras intervenções previstas no decreto, a começar pelos limites colocados ao acesso à instituição de proteção especial. As cerca de 10.000 pessoas a quem esta forma foi reconhecida saíram da precariedade, são regulares e podem trabalhar legalmente com todas as proteções. Por que eliminar essa possível ferramenta de inclusão, relegando milhares de pessoas a uma condição de irregularidade e, consequentemente, de exploração e chantagem, em total contradição com as necessidades de segurança enfatizadas pelo governo?”

A concluir, a campanha sublinha como “as intervenções previstas no decreto governamental estão desorganizadas, sem rumo, sem uma visão global sobre a questão migratória: penas mais duras, falar sem distinção de traficantes e contrabandistas, aumentar os centros de repatriação, limitar o reconhecimento de especial proteção, remodular os decretos de fluxos sem mudar o sistema são medidas inadequadas para gerir um fenômeno complexo que requer uma reforma profunda e estrutural que coloque no centro a vida e a dignidade das pessoas”.


A campanha Eu era estrangeiro é promovida por: Radicais Italianos, Fundação Casa da Caridade “Angelo Abriani”, ARCI, ASGI, Centro Astalli, CNCA, A Buon diritto, CILD, Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Oxfam Italia, ActionAid Italia, ACLI, Legambiente Onlus, ASCS – Agência Scalabriniana de Cooperação para o Desenvolvimento, AOI, com o apoio de numerosos prefeitos e dezenas de organizações.

Para informações e contactos: [email protected]

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Diário da Assembléia-Sínodo Batista, Metodista e Valdense

Diário da Assembléia-Sínodo Batista, Metodista e Valdense

Roma (NEV), 22 de agosto de 2022 – No coração dos vales valdenses no Piemonte, mais precisamente na Torre Pellice, as vozes protestantes das igrejas batista, metodista e valdense se entrelaçam. Reunidas aqui desde domingo, 21 de agosto, as delegações trabalham para fazer um balanço de mais de 30 anos de colaboração. E lançar as bases para o futuro, sob a bandeira de oportunidades cada vez maiores de intercâmbio, encontro, reconhecimento mútuo e unidade de propósito. Os temas: problemas éticos colocados pela ciência. Fé, gênero e sexualidade. Adoração e liturgia. Relações Ecumênicas. Formação Pastoral. Estas igrejas reformadas estão a fazer um caminho simultaneamente voltado para fora, através de trabalhos diaconais, serviços pessoais, relações de ajuda, apoio e cuidado, luta contra a pobreza e a injustiça, construindo uma cultura sobre temas ecológicos e teológicos… E um caminho para dentro, de renovação das respectivas identidades, para alimentar as respectivas raízes. Como ele observa Sara Tourn em seu editorial sobre Riforma, é também "o momento de olhar 'para dentro' e, falando de colaborações territoriais, formação, multiculturalismo, e depois batismo, evangelização, tentar responder à pergunta básica: como e por que continuar esta comunhão viagem”. O trabalho em andamento na Torre Pellice em uma sessão conjunta batista, metodista e valdense está repleto de debates e reflexões. A votação de uma moção programática final está marcada para amanhã. Existem muitas iniciativas paralelas. Abaixo estão os links para mais informações. “Deus é um artista. Deus é um poeta" – A apresentação do livro de Paulo rico "Deus. Apologia”, narrado por Pedro Ciaccio. É o décimo segundo volume da editora Claudiana “I libri di Paolo Ricca”. O autor foi apresentado pelo pastor batista Lydia Maggi, que apresentou o texto, escreve Ciaccio, “como uma mão estendida, que conta sinteticamente o mundo que tentou emancipar-se de Deus e da visão de Deus das outras religiões. No meio há uma reflexão que olha para o horizonte bíblico, para recuperar uma 'gramática' para falar de Deus”. Autismo: um "espectro" que não assusta - De Samuel Rev. Na consulta pré-sinodal “Frontiere Diaconali” foi explorado o tema dos transtornos do espectro do autismo. Organizado pela Diaconia Valdense. Jovem de idade e de espírito – De Gian Mario Gillio. O pré-sínodo da Federação da Juventude Evangélica na Itália (FGEI). Música, jogos, ideias… e a “beleza de mil vozes”. Descolonizando o olhar sobre as migrações – De Cláudio Geymonat. Pré-Sínodo da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. ...

Ler artigo
Martin Luther King, aquele sonho que perdemos há 52 anos

Martin Luther King, aquele sonho que perdemos há 52 anos

Roma (NEV), 3 de abril de 2020 – Em 4 de abril de 1968 nos Estados Unidos, em Memphis, Tennessee, Martin Luther King foi morto por um tiro de espingarda enquanto estava na varanda de um motel, baleado de James Earl Ray, um criminoso racista e defensor da segregação. Condenado a 99 anos de prisão, ele morreu enquanto cumpria sua pena em 1998 de hepatite. Martin Luther King esteve em Memphis em solidariedade aos catadores de lixo da cidade, que estavam em greve para exigir o reconhecimento de seus direitos. Washington, protestos após o assassinato de MLK Durante os distúrbios que se seguiram ao assassinato do pastor batista, líder do movimento pelos direitos civis, protestos que duraram vários dias, dez pessoas morreram, várias casas foram incendiadas e lojas foram saqueadas.Hoje, 52 anos depois, o mundo inteiro, incluindo os Estados Unidos, vive a pandemia global de Covid19, com milhares de mortos, feridos, uma emergência sanitária sem precedentes, a consequente crise social e económica.Repassemos, pois, a mensagem de uma das figuras carismáticas mais importantes do século passado, que só hoje mais do que nunca pode testemunhar valores e ideias essenciais, para sair da crise atual, para recomeçar, quando será possível. Martin Luther King nasceu em uma família de pastores da Igreja Batista em 15 de janeiro de 1929 em Atlanta, Geórgia, no extremo sul dos EUA. Seu pai, Martin Luther King Sr., era um pregador da igreja batista e sua mãe, Alberta Williams, um professor. Em 1948, Martin mudou-se para Chester, Pensilvânia, onde estudou teologia e ganhou uma bolsa de estudos que lhe permitiu obter um doutorado em filosofia em Boston. Aqui ele sabe Coretta Scottcom quem se casou em 1953 e desde o mesmo ano é pastor da Igreja Batista em Montgomery, Alabama, um dos lugares onde a situação racial era uma das piores de todos os Estados. Em 1955, naquela mesma cidade, uma costureira de família metodista, Rosa Parques, tornou-se, com seu gesto histórico, recusar-se a ceder seu lugar a um homem branco em um ônibus, A Mãe do Movimento dos Direitos Civis. Foi o pastor Martin Luther King, após aquele episódio extraordinário, quem liderou o protesto que se seguiu, promovendo uma campanha massiva de boicote de todos os afro-americanos contra o transporte público local. Após o sucesso da campanha, em 1956 King e outros líderes do movimento pelos direitos civis afro-americanos fundaram a Southern Christian Leadership Conference, que ele presidiu, uma organização dedicada a alcançar a igualdade e os direitos civis por meio de formas não públicas de protesto. a mensagem de Jesus Cristo e o método de Gandhi. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=_IB0i6bJIjw[/embed] A luta pacífica durará toda a sua vida, apesar das prisões e ameaças que sofreu. A Marcha de Washington Em 1963, em Washington, diante do Lincoln Memorial e de 200.000 pessoas, ele fez seu discurso mais famoso, "I have a dream", no final da marcha "For work and freedom". Em 1964 ele ganhou o Prêmio Nobel da Paz; no ano seguinte organizou a marcha antirracista de Selma. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=tVymzWrBTww[/embed] Por fim, abaixo propomos, em um vídeo do Guardian, não seu discurso mais famoso, mas seu último, "Eu estive no topo da montanha“, que ele realizou em 3 de abril, 52 anos atrás, esperando que pudesse ser uma mensagem de esperança ou conforto para esses tempos sombrios. “Não sei o que vai acontecer agora. Dias difíceis nos esperam. Mas eu realmente não me importo agora, porque já estive no topo da montanha. E eu não me preocupo. Como qualquer pessoa, gostaria de viver uma vida longa; longevidade tem seu valor. Mas agora não me preocupo com isso. Eu só quero fazer a vontade de Deus e ele permitiu que eu subisse a montanha. E olhei para baixo e vi a Terra Prometida. Posso não alcançá-lo com você. Mas eu quero que você saiba esta noite que nós, como povo, iremos. Estou tão feliz esta noite. Não me preocupo com nada, não temo homem algum. Meus olhos viram a glória da vinda do Senhor”. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=e49VEpWg61M[/embed] As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
#IoCelebroACasa.  Uma proposta ecumênica para o Pentecostes

#IoCelebroACasa. Uma proposta ecumênica para o Pentecostes

Roma (NEV), 27 de maio de 2020 – Esta proposta litúrgica para o Pentecostes nasceu informalmente na web, entre católicos e protestantes. Uma celebração doméstica em duas versões, uma para adultos e jovens ou pequenos grupos, outra para famílias com crianças, que inclui, entre outras coisas, orações, canções de ninar, "ginástica da alma" e a construção de um cata-vento da paz. O auxílio litúrgico pode ser baixado aqui e utilizado no Domingo de Pentecostes, domingo 31 de maio de 2020: Livreto Definitivo de Pentecostes. Muitas igrejas, especialmente no norte, decidiram por precaução permanecer fechadas por mais algum tempo, apesar da possibilidade de retomar o culto após a assinatura dos protocolos no Palazzo Chigi em 15 de maio. A liturgia proposta pelo grupo ecumênico pode ser praticada em casa por quem quiser, mesmo por quem por diversos motivos não pode ir à igreja. “O contexto do coronavírus nos levou a nos perguntar como ser uma igreja aberta apesar da impossibilidade de nos encontrarmos”, explica à agência NEV Lydia Maggipastora batista que desenvolve seu "ministério itinerante" para a União Cristã Evangélica Batista da Itália (UCEBI). Lidia Maggi, que está envolvida na iniciativa, conta: “Voltar para casa como um lugar para viver a fé é uma das formas de sentir que a igreja não está fechada. Há novos ministros, que são familiares. Um grupo católico havia proposto o roteiro de preparação para a Páscoa #IoCelebroACasa. Depois da experiência pascal, sentiu-se a necessidade de estender este caminho de Pentecostes ao mundo ecuménico. Parece-nos a ocasião ideal para uma proposta que encontramos alinhada não só com o espírito ecuménico que caracteriza as nossas Igrejas, mas também por outro motivo. Existe uma espiritualidade que corremos o risco de perder, que é a dimensão da meditação diária em casa. Talvez o coronavírus nos ofereça a oportunidade de recuperar esse espaço. Não há apenas a web e o zoom, mas podemos redescobrir a igreja doméstica, a dimensão doméstica da celebração onde podemos dar autoridade aos pais e familiares que se reúnem em torno da Palavra”. A intenção é “transformar a tragédia do coronavírus em uma oportunidade – conclui o pastor Maggi – de entender o que o espírito diz às nossas vidas, de permitir que o espírito transforme o que é ruim em bom”. O projeto de uma liturgia doméstica católica e protestante “mista” nasceu na web em meio à pandemia de covid-19 e reúne pessoas de diferentes origens. A subvenção #IoCelebroACasa di Pentecostes foi elaborada poralguns membros do grupo "juntos no mesmo barco" (Alexandre Cortesi,André Grillo, Simone Morandini, Serena Nogueira, Morena Baldacci), depertencente ao movimento Pax Christi (rosa siciliana, Tonio dell'Olio, Máximopreço), do pastor Lydia Maggi E Ulrike Jourdan e pelo pastor William Jourdan. Baixe aqui: Livreto Definitivo de Pentecostes ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.