“A gramática do cuidado”.  Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

“A gramática do cuidado”. Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

foto por Tim Mossholder, unsplash.org

Roma (NEV), 23 de dezembro de 2020 – “A gramática do cuidado”, como a pandemia nos mudou, o novo significado que nossos lares adquiriram. ele falou sobre isso Lídia Maggi, Pastor batista, biblista e teólogo, convidado de um episódio do programa “La cura” da Rádio Rai 3, em um diálogo, dias atrás, com Marinho Sinibaldi, diretor da Rádio3. Ela não é a primeira convidada evangélica desta resenha. Outro erudito, outra mulher protestante, a historiadora Bruna Peyrot, aliás, foi protagonista do mesmo programa em agosto passado, no primeiro ciclo da jornada da Rádio 3 composta por “conversas em torno da pandemia”.

No centro da reflexão, o sentido de “casa”, entendida como um lugar físico e além. Também nós quisemos, a partir deste diálogo radiofónico, aprofundar este tema juntamente com o pároco.

Você mencionou que há uma disparidade de gênero em casa. Alguma coisa mudará nesse sentido após a crise?

“A crise nos permitiu enxergar um problema estrutural: é no lar que a desigualdade de gênero se amplifica. Esses meses aceleraram uma disparidade atual, com escolas fechadas, smartworking e o “mito” da mulher eficiente e multitarefa: uma representação que é uma armadilha. Mas pode ser uma oportunidade de voltar a questionar o modelo existente”.

Descreveu a casa como uma metáfora da vida, da sua complexidade, dos vários espaços. Mas há espaço para a complexidade, na mídia, na velocidade das redes sociais, no mundo pós-moderno?

“Existe se os sujeitos responsáveis ​​pela comunicação a colocarem no centro. Os sujeitos não são apenas jornalistas, mas também ouvintes e leitores. Onde haverá leitores que se rebelam contra a banalização da informação, isso estimulará cada vez mais aqueles que fornecem informações. E agora que passamos mais tempo na mídia, temos a oportunidade de aprofundar, ir além das simplificações, buscar a complexidade”.

“A Bíblia nasceu na Babilônia”, lembrou ele. Você realmente acredita que grandes oportunidades podem surgir da crise, das carências?

“Eu realmente acho que sim, a crise é uma oportunidade de parar automaticamente. Acho que sim porque a história que herdei me conta, a história antropológica e minha experiência pessoal me contam. O parto também ocorre através de dores de parto. A crise pode ser uma oportunidade para transformar a realidade, porque ela nos questiona: não há mudança sem questionamentos. Claro que também envolve riscos, se não for acompanhada de um impulso vital pode levar à entrega, à imobilidade do olhar. É como você está em uma crise que faz a diferença. Nesse contexto, a sabedoria bíblica pode ajudar – e isso é demonstrado pela atenção do mundo secular a esses instrumentos, demonstrada também por uma transmissão como a da Radio3, que me emocionou – nos faz perceber a crise como uma possibilidade e ver o nascimento do novo, precisamos mudar de postura”.

Ele pediu para “ficar em desconforto”. Cesare Pavese escreveu que “Você não se livra de algo evitando-o, mas apenas passando por ele”. Como você passa pelo desconforto da doença, do medo, da morte?

“Definitivamente não negando. Não pensar que a doença e o luto são um tempo suspenso. Pensamos neles como um interlúdio, embora talvez seja um limite, porque também é a vida. Li que nestas horas muitos desejam “cancelar” 2020. Mas tal ano não pode ser negado ou cancelado, deve ser elaborado. Devemos encontrar ritos, linguagens, espaços narrativos para revisitar este ano. Tudo o que é removido, mais cedo ou mais tarde, retorna. Assim como de uma doença não voltamos como antes, assim este ano nos marcou. Querer afastá-lo sem uma análise séria é ingenuidade”.

Em outra de suas entrevistas, na Famiglia Cristiana, refletindo sobre o significado da casa, disse que “não é um lugar para idealizar”. Nem a família é um refúgio, mas na verdade pode ser um espaço de negação de direitos, para quem sofre violência, para quem não tem recursos materiais ou simbólicos para escolher onde morar. Por que comemorar, então?

“Temos que lidar com a família porque é lá que aprendemos a gramática das relações que nos permitem permanecer no mundo. Precisamos ficar atentos a essas línguas agramaticais que nos colocam no mundo sem ter adquirido sabedoria. Fora da metáfora, todo tipo de relação afetiva, de amor, cuidado e intimidade é um espaço onde aprendemos a confiança e a alteridade. Sempre que há um mal-estar na família, não afeta apenas o presente, mas o nosso olhar mais amplo para a realidade. Por isso é muito importante estar vigilante: este é o papel das igrejas.

A fé cristã não é familista. De fato, em Jesus há uma recusa do patriarcal, uma forte crítica social, uma crítica feroz à família como espaço de poder. O celibato de Cristo vai nessa direção. Só Deus é pai. Tirando o poder dos humanos e especificamente dos machos. E nisso Jesus, que era uma expressão do gênero masculino, trabalhou muito”.

A partir de amanhã estaremos todos de volta, devido ao lockdown, para ficar em casa, para quem tem, pelo menos. Você tem um desejo, uma mensagem ou mesmo apenas um conselho para dar?

“Não é fácil desejar algo, mas talvez aprender a mudar o olhar sobre a própria história já seja uma possibilidade. Não fique parado, mas encontre forças para voltar ao caminho rumo ao novo que vem. Recomece, teimosamente, de uma forma diferente, mas recomece”.

As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Campobasso.  Uma mesa inter-religiosa para a reconstrução social

Campobasso. Uma mesa inter-religiosa para a reconstrução social

Detalhe da capa da publicação sobre lugares de encontro e lugares de oração em Roma e na Província editada por Caritas-Migrantes Roma (NEV), 11 de dezembro de 2020 - Cristãos de várias confissões (protestantes, católicos, ortodoxos), muçulmanos e representantes do Instituto Budista Italiano Soka Gakkai montaram uma mesa inter-religiosa em Campobasso. A própria Mesa deu-o a conhecer num comunicado divulgado hoje, destacando uma palavra comum para enfrentar a crise pós-covid: “juntos”. As comunidades de fé presentes em Campobasso “decidiram reunir-se em permanente discussão e mesa de apoio para testemunhar publicamente que uma nova forma de comunidade é possível e necessária”, lê-se na nota. “Esta é a era do necessário mascaramento de rostos e do distanciamento mútuo de segurança, é a hora do medo de estar muito perto, é a hora das exclusões sociais, é a hora dos fechamentos e da comunicação sem o corpo, da comunicação quase apenas telemática. . Neste tempo queremos afirmar juntos, nas nossas especificidades mútuas, que este é também o tempo de preparação para o futuro”, prosseguem os representantes religiosos. A Mesa Inter-religiosa pretende colaborar na criação de um sentido de comunidade e cidadania: "As religiões que representamos em Campobasso não se furtarão à responsabilidade da reconstrução social", escrevem novamente, sublinhando a sua vontade e compromisso de intervir contra o racismo, a exclusão, a violência , medo e ignorância. Leia o comunicado de imprensa completo em Riforma.it ...

Ler artigo
Felicidade e bem-estar no mundo digital

Felicidade e bem-estar no mundo digital

Foto Shannon Potter / Unsplash Roma (NEV), 16 de janeiro de 2023 – A revolução digital, como todas as revoluções, traz consigo algo novo e uma série de “efeitos colaterais”. Entre esses efeitos é possível incluir a sustentabilidade social e ambiental, o problema do controle de sistemas e dados, a questão da privacidade, a do acesso igual ou desigual às tecnologias. “A digitalização não é um passo tecnológico neutro”, escreve ele Antonella Visintinem relatório para a Comissão de Globalização e Meio Ambiente (GLAM) da Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). O relatório diz respeito ao seminário realizado recentemente em Mannheim, na Alemanha, "Rumo a uma digitalização sustentável". O encontro, o segundo de uma série “Erasmus+” sobre bem-estar em sociedades e locais de trabalho digitalizados, foi promovido pela rede “Ação da Igreja sobre Trabalho e Vida” – Ação das igrejas pelo trabalho e pela vida (CALL). Visintin escreve novamente: A digitalização é baseada na extração e posterior capitalização e concentração de informações, mesmo dentro da UE. O mercado digital é comandado por poucas empresas, onde os interesses econômicos e dos países produtores se entrelaçam”. Portanto, segundo Visintin, os objetivos desse tipo de mercado estão orientados para “uma produção competitiva e acumulativa e uma sociedade de controle”. Outro efeito deste processo diz respeito à “difusão da comunicação digital em todas as áreas da vida”, afirma Visintin, que cita também os objetivos do Programa Estratégico 2030 sobre a transformação digital da UE. Precisamos de transparência e equilíbrio. Na Europa, entre outras coisas, de acordo com dados sobre a digitalização da economia e da sociedade (DESI), o processo de digitalização está avançando, mas as relações "não digitais" ainda são a maioria. Riscos e benefícios da digitalização “Porquê este investimento da UE no digital? – pergunta Visintin -. Pela competitividade econômica, pois aumentam a produtividade e a possibilidade de controle remoto, reduzindo erros e desperdícios. Pela interconectividade, como digital potencializa relacionamentos e desenvolve canais de encontro remoto que antes não existiam e permite otimizar a extensão das cadeias produtivas”. No entanto, isso afeta custos trabalhistas, de segurança e “aumenta a vigilância civil e militar por parte de grandes empresas e nações mais poderosas, por meio da concentração de informações”. Além disso, no que diz respeito ao potencial da inteligência artificial, é preciso dizer que “a aprendizagem de máquina pressupõe que mais informação leva a melhores decisões, embora isso dependa da sua organização e, portanto, da definição dos algoritmos, ainda desenhados por pessoas. Isso, por sua vez, pressupõe a calculabilidade dos processos, com uma visão mecanicista da economia. Estamos falando de instrumentos de governança social e desenvolvimento industrial, civil e militar”. A digitalização, nesse sentido, representa “o processamento digital da informação com incrível capacidade de cálculo e memória, que consome uma quantidade significativa de recursos e energia elétrica. A informação processada pode ser os impulsos vitais de um organismo, um processo de produção, as palavras de uma conversa ou um motor de busca”. O algoritmo é capaz de influenciar as decisões com base em como ele é construído. Felicidade e redefinição digital O que tudo isso tem a ver com felicidade? O seminário de Mannheim tentou mostrar como o bem-estar e os objetivos digitais podem convergir. É possível fazê-lo, mas “com a condição de repensarmos o sistema atual e valorizarmos as experiências que já caminham para a sustentabilidade”. As tecnologias digitais devem promover a vida, a dignidade e a justiça. Às vezes, porém, eles os enfraquecem. “A digitalização, se orientada para as pessoas, pode liberar tempo, pois aumenta a produtividade do trabalho. Pode contribuir para o 'bom' trabalho, conforme concebido pelo CALL. Poderia ajudar a implementar o conceito de interdependência e assim permitir a construção de comunidades”. Trata-se de restabelecer “orientações e práticas de mudança, com vista à codeterminação da economia social de mercado”, volta a escrever Visintin, que cita o relatório “Digital reset - Reorientando as tecnologias para uma profunda transformação da sustentabilidade” ( Berlim, setembro de 2022). O relatório é o resultado do projeto “Digitalization for Sustainability – Science in Dialogue” (D4S), um diálogo científico de dois anos entre 15 especialistas europeus. O "Digital Reset" é baseado em princípios para os quais as tecnologias são construídas de acordo com projetos regenerativos. Objetivo: "buscar inovações sistêmicas que promovam a circularidade e a suficiência, melhorem a resiliência econômica e promovam a soberania digital e a equidade social". O relatório detalha como esses princípios podem transformar profundamente a agricultura, a mobilidade, a indústria, a energia, o setor da construção, o consumo geral de bens e serviços. Para que a digitalização funcione a favor da sustentabilidade, três requisitos devem ser atendidos, segundo o relatório. A primeira é reduzir o impacto social e ambiental da fabricação e operação de dispositivos digitais, infraestrutura e data centers. O que o relatório chama de “uma estratégia combinada para suficiência digital, reparabilidade, circularidade e eficiência”. O segundo requisito diz respeito aos modelos de negócios "orientados para o crescimento", que devem ser "monitorados e substituídos por modelos de negócios orientados para o bem comum". Em terceiro e último lugar, “A governança de dados e inteligência artificial deve buscar ativamente uma economia circular baseada em informações”. Ao serviço da sustentabilidade. Visintin conclui: “Para escolher e usar conscientemente a tecnologia digital, é necessário um caminho educacional que não diga respeito apenas à competência técnica, mas também aos problemas relacionados à ferramenta e aos direitos relacionados. Por exemplo, o sistema económico e social em que se insere, a subjetividade do algoritmo, a gestão da informação introduzida, a responsabilidade e correção ao longo da cadeia de abastecimento. Desde quem recolhe os dados até ao utilizador final. Em troca de acesso gratuito, você tem direito à privacidade e controle de suas informações, incluindo a capacidade de excluir seus dados. Como foi apontado, a teia de aranha (a teia) tanto apóia quanto aprisiona. Portanto, o direito de acesso e o direito de desconexão e o sistema dual analógico e digital devem coexistir”. ...

Ler artigo
“Fiquei impressionado com sua humildade”

“Fiquei impressionado com sua humildade”

Papa Francisco visita o Conselho Mundial de Igrejas, Genebra (Suíça), 21 de junho de 2018 - foto: Albin Hillert/WCC Genebra (NEV), 22 de junho de 2018 – Papa Francisco prestou homenagem ontem ao Conselho Mundial de Igrejas (CEC) em Genebra por ocasião do 70º aniversário da organização mundial que inclui 350 igrejas cristãs nos cinco continentes. A "visita ecumênica" teve três momentos significativos: a "oração ecumênica" na capela do Centro Ecumênico nas alturas da "Genebra Internacional"; almoço no Instituto Ecumênico de Bossey no cantão de Vaud, com troca de presentes; as "mensagens ecumênicas" à tarde novamente na sede do CMI, com discursos de Olav Fykse Tveitsecretário-geral do CMI, Agnes Abuommoderador do CMI, e Papa Francisco. foto: Albin Hillert/WCC A visita do pontífice, que decorreu sem grandes surpresas (não se colocaram questões sobre a não adesão, nem sobre o que ainda divide as várias confissões), serviu sobretudo para consolidar uma relação de colaboração que já existia há algum tempo entre o Vaticano e o WCC em várias áreas. Da parte de Bergoglio, uma demonstração de reconhecimento e gratidão pelo que o CMI conseguiu nestes 70 anos no “caminho da visível unidade cristã”. Christian Krieger; foto CEC. Numerosos convidados foram convidados para celebrar este aniversário junto com representantes das igrejas do CMI: representantes do mundo das religiões, instituições, das Nações Unidas e da sociedade civil suíça. Em representação da Conferência das Igrejas Europeias (KEK) esteve o pároco Christian Krieger, recentemente eleito presidente do órgão. Nós o entrevistamos. Pastor Krieger, você preside um corpo de igrejas em um dos continentes mais secularizados. Qual é a sua primeira reação no final deste dia? Fiquei particularmente impressionado com a humildade do Papa que veio honrar o caminho percorrido por este corpo ecumênico em 70 anos. O pontífice disse ter herdado este caminho e reconhecido a audácia das pessoas que o traçaram. E então, em seu discurso da tarde, fiquei impressionado com a conexão que ele desenvolveu entre o ecumenismo e a evangelização como uma abordagem missionária. A este propósito, o Papa lançou um apelo: é o sopro missionário que poderá fortalecer a unidade das Igrejas. Um tema também debatido na recente assembléia do CEC em Novi Sad na Sérvia? Sim, naquele encontro foi reconhecida a necessidade de as nossas igrejas-membro relançarem a dimensão missionária, também através daquele ecumenismo de ação e da consolidação das relações eclesiais. É claro que, diante do desafio humanitário que nos colocam os migrantes e os “nossos” pobres, o caminho da ação ecumênica parece ser o mais fácil de seguir, comparado ao diálogo ecumênico entre teólogos e instituições. Agnes Abuom – foto Albin Hillert/WCC A moderadora Agnes Abuom anunciou uma conferência internacional intitulada "Migração, Xenofobia e Populismo" que o Vaticano e o CMI estão promovendo conjuntamente em Roma em setembro. Uma iniciativa resultante de uma longa colaboração a favor dos migrantes, pelo acolhimento dos diferentes, contra a cultura do ódio. Nesse sentido, o que você espera para o futuro? Minha esperança é que os estados da Europa, seus líderes e as igrejas européias possam se arrepender para que a Europa volte a ser uma terra de boas-vindas e hospitalidade. Espero que o resultado desta conferência seja um forte sinal para avançar nessa direção. Uma etapa importante nesse sentido serão as eleições europeias de maio de 2019, com sério risco de achatar o debate político apenas sobre a questão migratória, ainda que lá verdadeiro desafio para toda a Europa e não apenas para a União Europeia. Por ocasião da visita do Papa Francisco ao #WorldCouncilOfChurches @Oikoumeneo irmão Alois está #Genebra hoje. Na foto: com o Rev. Christian Krieger, recém-eleito Presidente da @ceceurope.foto por @MarieRenaux / #WCC70 #PapeGenève pic.twitter.com/415AD44KGZ — Taize (@taize) 21 de junho de 2018 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.