“O cuidado do mundo me preocupa”

“O cuidado do mundo me preocupa”

Roma (NEV), 22 de outubro de 2021 – O 20º Dia do Diálogo Cristão-Islâmico é celebrado em 27 de outubro. O tema e título desta edição especial é “O cuidado do mundo me preocupa”. O dia é dedicado à memória do Diretor da revista “Il Dialogo” John Sarubbi, faleceu recentemente. Sarubbi foi um dos promotores da iniciativa, perseguindo tenazmente seus objetivos por vinte anos.

Em particular, Sarubbi será lembrado durante a reunião nacional de zoom marcada para 26 de outubro às 20h45. eles participam Brunetto Salvarani, Rosanna Maryam Sirignano, Marisa Iannucci, Letizia Tomassone. Haverá um momento de testemunho gratuito. Para obter o link escreva para [email protected]

Leia em Reforma o programa mais detalhado.

Várias iniciativas estão planejadas em outras cidades da Itália. O O comitê promotor nacional do Dia Ecumênico do Diálogo Cristão-Islâmico escreve: “A dimensão do cuidado, que ganhou destaque na época da pandemia de Covid-19, continua mais atual do que nunca. Os crentes encontram suas raízes em suas respectivas revelações e tradições religiosas. Reavivando nossa relação com Deus, receberemos força e humildade para honrar um compromisso que nos constitui”.

Parafraseando o discurso do Papa Francisco em 5 de março em Ur dei Caldei, o Comitê também declara: “Cabe a nós, cristãos e muçulmanos de hoje, transformar nossos fechamentos identitários em diálogo e confronto vital. Cabe a nós zelar e cuidar da casa comum junto com todos os seus seres vivos. Cabe a nós rejeitar a guerra e fazer a paz. Cabe a nós promover o direito ao cuidado e à alimentação para todos. Cabe a nós proteger os desempregados, libertar os novos escravos e as mulheres exploradas e violentadas. Cabe a nós enxugar as lágrimas, assumir com coragem o caminho traçado por Giovanni e pelos outros criadores do Dia, e celebrá-lo em sua memória olhando para o futuro que já está aqui”.

Todos os amigos da paz e do diálogo, todas as comunidades cristãs e muçulmanas, todas as instituições democráticas que têm no coração a defesa da Constituição, concluem os organizadores, são convidadas a mobilizar-se para o dia 27 de outubro, “com uma saudação fraterna de shalom, salaam, paz”. .


Breve história do Dia do Diálogo Cristão-Islâmico

A Jornada nasceu da iniciativa de um grupo de intelectuais, religiosos e professores universitários que, em 2001, após a tragédia das Torres Gêmeas, decidiram lançar um apelo ao diálogo com o Islã. “Nós, cristãos de várias confissões e leigos, que há anos estamos engajados no árduo processo de diálogo com os muçulmanos italianos ou no trabalho cultural sobre o Islã – disse o primeiro apelo – acreditamos que o horrendo atentado em Nova York e Washington constitui um desafio não apenas contra o Ocidente, mas também contra aquele Islã, majoritariamente em todo o mundo, que se baseia nos valores da paz, da justiça e da convivência civil”.

Os promotores pretendiam evitar “um alarme preocupante”, nomeadamente que o sucedido poderia “pôr em causa ou travar o diálogo com os nossos irmãos muçulmanos, companheiros de viagem no caminho da construção de uma sociedade pluralista, acolhedora, respeitadora dos direitos humanos e dos valores democráticos ”.

Esse convite deu vida ao primeiro dia nacional do Diálogo Cristão-Islâmico na sequência de dois documentos, o conciliar da “Nostra Aetate” e o da “Charta Oecumenica” assinado apenas alguns meses antes em Estrasburgo pelos cristãos europeus. Um Dia que este ano chega à sua vigésima edição e que, já há alguns anos, se realiza no dia 27 de outubro “no espírito de Assis”: o primeiro e grande encontro mundial das Religiões pela Paz, desejado pelo Papa João Paulo II em 1986 na cidade úmbria.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Tudo começou com Jerry Maslo, morto em 25 de agosto de 1989

Tudo começou com Jerry Maslo, morto em 25 de agosto de 1989

Roma (NEV/Riforma.it), 21 de agosto de 2019 - Há trinta anos, em 25 de agosto de 1989, ele faleceu Jerry Essan Masslo, um refugiado sul-africano de 30 anos, morto em Villa Literno (Ce) por uma quadrilha de criminosos que roubaram os frutos de alguns meses de trabalho como operário na colheita de tomate. Trinta anos depois daquele assassinato, sentimos que podemos dizer que "tudo" começou com aquela história dramática. Com este "tudo" queremos dizer que antes daquele assassinato, a Itália não compreendia a extensão do fenômeno da imigração. Não só a Itália da política, mas também a dos estudiosos e iniciados que pareciam não compreender a extensão da novidade que se espalhava pela sociedade italiana: o país, historicamente um país de emigração, já havia se tornado um destino para centenas de milhares de imigrantes que se inseriram em alguns “interstícios” do mercado de trabalho nacional. Estes incluem o trabalho agrícola no Sul, com pa ghe baixo e vivendo na precariedade de vistos para "turismo". Na época, poucos – gostaria de citar nomes de sociólogos como Giovanni Mottura e Enrico Pugliese – compreenderam a dimensão estrutural e permanente daquele fenômeno. Principalmente se dizia que era um processo contingente e reversível porque a Itália, quase por destino e fatalidade, “não era um país para imigrantes”. Sabemos que não foi assim e hoje, com 8% de população imigrante, o nosso está entre os países com maior densidade imigratória da Europa.Ao contrário do que aconteceu nos anos seguintes, o assassinato de Jerry Masslo não passou despercebido e, a pedido da CGIL, foi-lhe concedido um funeral de Estado. As imagens oficiais que nos chegam dessa cerimónia falam de uma Itália que ainda sabe chorar um imigrante e que consegue ouvir o seu pranto. Como aquele que poucos dias antes de sua morte Jerry havia lançado das câmeras de Nonsolonero, um programa da Rai2 sobre imigração que hoje é difícil até mesmo imaginar na programação da TV pública: «Ter pele negra neste país é um limite para a cidadania coexistência Jerry disse. O racismo está aqui também... Nós do terceiro mundo estamos contribuindo para o desenvolvimento do seu país, mas parece que isso não tem peso. Mais cedo ou mais tarde, alguns de nós serão mortos e então perceberemos que existimos».Outras coisas, entretanto, não foram mencionadas, como o fato de Jerry ser um pregador batista. No entanto, talvez pelo preconceito segundo o qual na Itália o cristão é "naturalmente" católico ou pela lógica institucional de um funeral de Estado que parecia ser celebrado apenas no rito católico, Masslo não teve o funeral evangélico que teria apreciado. Foi um péssimo acidente para o ecumenismo, bem denunciado pelos líderes das igrejas batistas. Mas na história de Jerry também havia um gesto ecumênico, o dos jovens da Comunidade de Sant'Egidio que o conheceram, seguiram sua história e, conhecendo sua fé evangélica, entregaram-lhe um exemplar da Bíblia no Versão padrão em inglês. Quem quiser pode encontrá-lo junto com outros em um altar na igreja de Trastevere, onde fica a Comunidade de Sant'Egidio, e folheando-o você encontrará notas e sublinhados.Com Jerry, idealmente, também começa outro processo, aquele geralmente definido como "Estar juntos na igreja" e que trouxe milhares de irmãos e irmãs imigrantes aos bancos das igrejas evangélicas italianas.Aquele assassinato e uma ampla mobilização pelos direitos dos imigrantes também abriram um processo político que, em poucos meses, levou à aprovação da primeira lei orgânica da imigração, a famosa "Martelli", dispositivo que se comparava às posteriores ainda hoje ela nos parece inovadora e corajosa.O aniversário da morte de Jerry Masslo nos obriga a refletir sobre o que nos tornamos, como povo e como Igrejas, nos últimos anos. Chamemo-lo de “balanço ético” da nossa civilização política e do nosso testemunho evangélico para com os imigrantes. ...

Ler artigo
#SPUC2020.  Oração ecumênica unidade cristã na África

#SPUC2020. Oração ecumênica unidade cristã na África

Foto de Albin Hillert/FLM Roma (NEV), 24 de janeiro de 2020 - Também os cristãos na África se uniram às celebrações ecumênicas e aos momentos de oração por ocasião da anual Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, celebrada em todo o mundo de 18 a 25 de janeiro. Em Nairóbi, líderes religiosos, indivíduos, órgãos ecumênicos e representantes de organizações religiosas oraram juntos na Catedral Anglicana de Todos os Santos em um culto do "Movimento Ecumênico Internacional". Angeline Okola, coordenadora do programa do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Rede Ecumênica de Defensores da Deficiência de Nairóbi, disse que a bondade é um atributo fundamental da humanidade que supera todas as divisões. “Como parte das atividades desta semana, exortamos o corpo de Cristo a mostrar essa bondade às pessoas com deficiência, ouvindo, conversando e interagindo conosco. Isso fortalecerá nosso sentimento de pertencer ao corpo unido de Cristo”. Innocent Maganya, professor da Tangaza University College em Nairóbi, presidente do Movimento Ecumênico Internacional do Quênia, em um comunicado, pediu às igrejas, como parte de seu testemunho ecumênico, que demonstrem bondade em um mundo que experimenta experiências sociais, políticas, econômicas e espirituais. Sublinhou que o Quénia acolheu "muitos estrangeiros", incluindo refugiados da Somália, Sudão do Sul, Etiópia, Burundi, Ruanda e República Democrática do Congo. O bispo católico romano Alfred Rotich, presidente da Comissão de Ecumenismo na Conferência dos Bispos Católicos do Quênia, enfatizou a compaixão, humildade e amor, proferindo o sermão durante o serviço realizado na Catedral Anglicana. Segundo Rotich, as igrejas e os cristãos têm o mandato de abrir suas portas e receber os outros porque são feitos à imagem de Deus: “Eles saberão que somos cristãos se abrirmos nossas portas”, disse o bispo. ...

Ler artigo
Culto evangélico.  Garrone sobre o anti-semitismo e a Semana da Liberdade

Culto evangélico. Garrone sobre o anti-semitismo e a Semana da Liberdade

Foto de Luca Rüegg - Unsplash Roma (NEV), 12 de janeiro de 2020 - A Federação das Igrejas Evangélicas da Itália elegeu o antissemitismo como tema principal da Semana da Liberdade 2020 - evento realizado todos os anos por volta de 17 de fevereiro, data em que, em 1848, os direitos civis aos valdenses e, alguns dias depois, aos judeus. Conversamos sobre essa escolha com Daniele Garrone, professor de Antigo Testamento na Faculdade de Teologia Valdense e membro do Conselho da Federação Evangélica. O anti-semitismo será o tema da próxima Semana da Liberdade que os protestantes italianos celebram em fevereiro. Porquê este tema e porquê este ano? Daniele Garrone As palavras e atos de ódio contra os judeus estão aumentando, especialmente na Itália na web, em outros lugares da Europa e do mundo, inclusive com ataques físicos, às vezes assassinatos, profanação de cemitérios e outros ultrajes. Tudo isto num quadro que vê tons cada vez mais virulentos, muitas vezes ultrajantes, no confronto no espaço público, e em que frustrações, mal-estar e medos se vertem sobre supostos inimigos. É um terreno fértil desse tipo que viu a propagação do anti-semitismo nas últimas décadas do século XIX e início do século XX. Os sinais de anti-semitismo devem ser levados a sério antes de tudo por solidariedade com aqueles que são objeto dessa infâmia, mas também em defesa de nossas democracias constitucionais parlamentares, que quiseram reagir à época do ódio. Quais são as responsabilidades das igrejas e o que elas podem fazer para se opor ao crescente anti-semitismo em todo o mundo? A tradição cristã contribuiu durante séculos para difundir uma visão negativa do judaísmo. Após o Holocausto, iniciou-se um processo de denúncia de visões polêmicas do judaísmo e reconhecimento de suas consequências. As igrejas, também como lugares de formação, devem cultivar esta memória crítica de sua própria história e promover uma relação não conflituosa com o povo judeu. Recentemente, você supervisionou a publicação de um livro intitulado “L'ebraismo. Guia para não-judeus” Do que se trata? O título original do volume, publicado na Alemanha e distribuído em mais de 100.000 exemplares, era: “O que todos devem saber sobre o judaísmo”. Assim como durante séculos o "qualquer cristão" trazia na bagagem toda uma série de preconceitos e visões negativas em relação aos judeus, agora trata-se de enfrentar esse passado, de conhecer o judaísmo em sua realidade e de conceber a identidade cristã em termos não polêmicos. Com informações básicas, reconstrução histórica e teológica, o volume pretende contribuir, em linguagem acessível a todos, para desenvolver uma relação entre cristãos e judeus baseada no conhecimento, respeito e solidariedade O que você espera desta Semana da Liberdade 2020? Que os judeus da Itália sintam a proximidade de nossas igrejas nestes tempos sombrios, que nossas igrejas mantenham uma alta vigilância com relação à degradação do discurso de ódio e façam da "Semana" uma ocasião para refletir sobre como lidar com responsabilidade e decisão deste passagem histórica. A entrevista pode ser ouvida aqui, a partir do minuto '12 “20. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.