O trabalho do Sínodo Metodista e Valdense continua

O trabalho do Sínodo Metodista e Valdense continua

Pastor Marcelo Nicolau, Moderador da Mesa Valdense del Rio de la Plata, ramo sul-americano da igreja valdense. Foto de Daniele Fly

Torre Pellice (TO), 24 de agosto de 2022 – O Sínodo das Igrejas Valdenses e Metodistas continua seus trabalhos, após a sessão conjunta com a Assembleia Extraordinária da União Cristã Evangélica Batista na Itália (UCEBI), a chamada “Assembléia-Sínodo ” que terminou ontem.

Na mesa de discussão, além da vida da igreja e do trabalho dos institutos, obras e órgãos diaconais, relações ecumênicas e internacionais, cultura, projetos atuais e questões administrativas e orçamentárias.

Também é dada grande atenção ao tema da solidariedade, acolhimento e inclusão dos migrantes, com experiências como a dos corredores humanitários do Líbano, Líbia e Afeganistão, criados por Tavola Valdese, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI) e A Diaconia Valdense e construída de forma ecumênica com realidades do mundo católico como a Comunidade de S. Egídio e a sociedade civil.

Amanhã, em particular, falaremos sobre os fundos do Otto por mil das igrejas metodistas e valdenses e os inúmeros projetos humanitários apoiados.

Esta manhã o pároco Marcelo Nicolau (foto com camiseta “Todos somos familiares” dos desaparecidos) novo moderadodor de Mesa valdense que representa o órgão executivo daigreja valdense do Rio de la Plata – ramo sul-americano da Igreja Valdense -, trouxe suas saudações.

Nicolau destacou a importância da cooperação entre as igrejas. Ele também expressou seu apreço pelo caminho unitário das igrejas batista, metodista e valdense e pelo trabalho conjunto dos últimos dias com a Assembleia Sínodo, um caminho que representa um unicum em nível internacional e que também pode ser replicado em outros lugares. EU’igreja valdense del Rio de la Plata consiste em 24 igrejas entre Argentina e Uruguai, com 9 pastores cobrindo 9.500 quilômetros de norte a sul e cerca de 1.000 de leste a oeste.

Os trabalhos sinodais continuarão até 26 de agosto. A eleição dos 7 membros do Conselho Valdense com o discurso final do moderador está marcada para sexta-feira.

Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.it
Twitter: @nev_it – Facebook: @AgenziaNEV
[email protected]

Mais informações também em: www.rbe.it – www.riforma.it – www.chiesavaldese.org

(SMV01-NEVCS/22)

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ecumenismo de 1920 a 2020. A esperança da comunhão

Ecumenismo de 1920 a 2020. A esperança da comunhão

Nikos Kosmidis, Ut unum sint, aquarela 23,5 × 23,5 cm, 2020. Feito especialmente para a Conferência CEC/LOCEOC “A esperança da comunhão: de 1920 a 2020” Roma (NEV), 16 de dezembro de 2020 - A conferência online "A esperança da comunhão: de 1920 a 2020" acontece hoje e amanhã. Organizado pela Conferência das Igrejas Européias (KEK) juntamente com o Centro de Louvain para o Cristianismo Oriental e Oriental (LOCEOC), ele receberá ilustres convidados da Europa e da América do Norte. O objetivo do encontro é centrar-se nos dois textos ecumênicos fundamentais de 1920. A Encíclica do Patriarcado Ortodoxo às Igrejas de Cristo em toda parte, escrita em 1920 pelo Sínodo da Igreja de Constantinopla, e o Apelo a todo o povo cristão da Conferência de Bispos Anglicanos de Lambeth. “A conferência explorará as expectativas de unidade nesses textos. Examinará sua relação com os desenvolvimentos ecumênicos subseqüentes. Por fim, abordará a questão do que significa a esperança da comunhão para as relações entre as Igrejas hoje”, lê-se na apresentação. Entre os destaques, além da análise dos textos, também uma sessão (amanhã à tarde) dedicada a “Sinais de esperança, modelos de unidade: a paisagem ecumênica hoje”. Ir para PROGRAMA. O LOCEOC O LOCEOC é formado por professores da Faculdade de Teologia e Estudos da Religião com experiência no campo do Cristianismo Oriental. Com sede na Universidade Católica de Louvain (Louven, Bélgica), tem entre seus objetivos a promoção do estudo do cristianismo oriental a partir de uma perspectiva teológica, histórica e social. Está, portanto, ligado a uma antiga tradição de estudos sobre o cristianismo siríaco, copta e armênio, portanto das tradições ortodoxa e antigo-oriental. CEC O CEC reúne 114 igrejas de tradição ortodoxa, protestante e anglicana de toda a Europa. Entre seus objetivos, a promoção da paz e o trabalho pela unidade da Igreja. Coordena uma rede de Conselhos Nacionais de Igrejas para discussão e intercâmbio em nível nacional e regional, sobre temas como diaconia, migração, direitos dos refugiados, mulheres e jovens nas igrejas, sustentabilidade social e ambiental. A Conferência das Igrejas Europeias nasceu no contexto de um esforço de paz em 1959, para construir pontes entre o Oriente e o Ocidente durante a Guerra Fria. ...

Ler artigo
metodistas e valdenses.  Colabore pela saúde, justiça e sustentabilidade

metodistas e valdenses. Colabore pela saúde, justiça e sustentabilidade

Torre Pellice (To) (SSSMV/10), 30 de agosto de 2020 – Os eventos da semana “Gerações e Regeneração. Cuidar de pessoas, memórias e territórios”. Uma rica revisão realizada nos vales valdenses, na província de Turim, nos dias habitualmente dedicados ao Sínodo das igrejas metodistas e valdenses, adiado este ano devido ao coronavírus. Em suas saudações finais, o moderador da Mesa Valdense, diácono Alessandra Trottaagradeceu a todas as pessoas que participaram e colaboraram na semana. “Foi uma semana intensa e espero que todos tenhamos tirado dela alento para continuarmos a travar 'boas lutas' – disse Alessandra Trotta na sua intervenção, na qual sublinhou a interligação entre todos os seres humanos -. Uma das questões mais relevantes hoje é a contabilização do dinheiro que os cidadãos nos confiam por meio do Otto per mille”. Este ano a Mesa não pôde fazê-lo diante do Sínodo, que foi adiado para o próximo ano. Mas esta semana o #senzasinodo e o encontro de hoje em particular, explicou o moderador, é uma forma de “retribuir às igrejas e aos cidadãos o que estamos fazendo. Podemos dizer oficialmente que analisámos todos os pedidos e atribuímos regularmente as verbas, cuja distribuição será, como sempre, tornada pública através do site, cerca de metade Setembro". Em 2020 os recursos ascenderam a quase 43 milhões de euros “pelos quais voltamos a agradecer”, disse Trotta. é sobre o 3,2% das escolhas dos italianos. Quanto aos pedidos de financiamento de projetos apresentados através da plataforma online, já chegaram 4671, mais uns bons 500 do que no ano anterior, apesar de o número de candidaturas que cada promotor podia apresentar ter sido fixado no máximo de 2 projetos. 3.000 dessas solicitações passaram pela fase preliminar formal e foram financiadas 1243 projetos, dos quais 452 no estrangeiro e 791 em Itália, em todas as áreas de intervenção. Com relação aos setores que foram particularmente financiados, continuou o moderador, o mO maior número de projetos apoiados diz respeito ao mmelhoria das condições de vida das pessoas com deficiência física e mental, acompanhar projetos de crianças e adolescentes, projetos culturais e de saúde e por último, em termos percentuais, os relativos ao acolhimento e inclusão de refugiados e migrantes. "Precisamente em um ano tão particular - concluiu o moderador - decidimos manter em alta a atenção à normalidade, mantendo a variedade de destinações dos projetos, para promover o desenvolvimento na direção de uma maior justiça social, da proteção dos direitos dos mais vulneráveis, sustentabilidade ambiental e participação democrática". Durante a semana "#senzasinodo", numerosos convidados, especialistas e testemunhas falaram sobre os temas de administração territorial, justiça social, direitos das mulheres, direitos dos trabalhadores agrícolas e depois novamente sobre pregação, pastoral e diaconia, sobre o direito à moradia , sobre a infância, sobre informações em tempos de covid e sobre como a pandemia está afetando a vida das pessoas e comunidades. Para saber mais sobre o conteúdo e rever as intervenções propostas pelas igrejas metodista e valdense, as gravações e reportagens de todos os dias estão disponíveis no youtube ou na rádio Beckwith. Surge um quadro em que é fundamental colaborar com as instituições, igrejas e comunidades para a saúde, a justiça e a sustentabilidade na base da interligação e da cooperação. Portanto, esta é a agenda para os próximos meses. Entre os protagonistas destes dias, o presidente do Parlamento Europeu David Sassolivice-presidente da região da Emilia Romagna Elly Schleinos prefeitos dos vales, o sociólogo Maurizio Ambrosinio jornalista Sara Maniseraativista social e sindical Aboubakar Soumahoro, Dora Bognandi para a Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) e Gabriella Rusticipresidente da Federação de Mulheres Evangélicas Valdenses e Metodistas (FFEVM), Donatella Baruspara a Fundação Umberto Veronesi, Sabrina Gianninijornalista investigativo da RAI3, Diretor Geral da ASL To3 Flávio Boraso e muitos outros. Momentos artísticos não faltaram, incluindo o show da cantora e atriz Christian Voglino e o concerto de Fabíola Alemão com música de Johann Sebastian Bach para violino solo. Todos os insights desta semana estão disponíveis nesta página. FACTSHEET Igrejas metodistas e valdenses na Itália Parceiros de mídia: www.rbe.it – www.riforma.it Assessoria de Imprensa: NEV-Agência de Imprensa de Notícias Evangélicas – www.nev.it – Twitter: @nev_it – FB: @AgenziaNEV – [email protected] (NEVCS/35) ...

Ler artigo
Reparar os danos irreparáveis

Reparar os danos irreparáveis

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 8 de março de 2023 - “De uma perspectiva restaurativa, todo conflito deve ser enfrentado no campo do pequeno grupo, do grupo institucional, interinstitucional e, finalmente, da comunidade”. Este é um dos nós da “reparação”, entendida como a possibilidade de mudança e transformação pessoal e coletiva, como cuidar, como superar traumas e injustiças sociais. Estas palavras são emprestadas do discurso de Ana Ponentediretor do centro diaconal "La Noce" de Palermo, recentemente palestrante no contexto das jornadas de estudo sobre a reparação organizadas em Nápoles, na Pontifícia Faculdade Teológica do Sul da Itália, pelo Pe. E.Jula, professor de ética e mediação de conflitos. A palestra teve como tema "O campo emocional e a relação transferencial e contratransferencial na mediação: um diálogo possível?". citações de Poente Madeleine e Willy Barangerpsicanalistas franco-argentinos, Melanie Klein Psicanalista britânico naturalizado austríaco, e Jacqueline Morineau, criador da mediação humanística. Uma verdadeira jornada multidisciplinar na resolução de conflitos, mas não só. "Ao passar de uma abordagem terapêutica e de atendimento individual para uma mais social - defende Ponente -, torna-se possível desenvolver um modelo de cidade para lidar com situações de privação social, pobreza, abandono escolar precoce, conflitos, traumas". Todos os atores envolvidos representam a "comunidade reparadora", que "ajuda o outro a recuperar partes de si perdidas, danificadas por traumas e injustiças". Outro elemento fundamental do processo de reparação diz respeito à "capacidade de se preocupar com as consequências, ou melhor, com os efeitos das próprias emoções na relação com os outros". E também a “capacidade de tolerar ambivalências, ódio e amor, bem como acreditar no poder restaurador e reconstrutivo dos laços sociais e afetivos”. A experiência de reparação tem um enorme potencial, explica Ponente, "pois liberta o indivíduo da sensação de dano irreparável, dando esperança às gerações seguintes, acreditando firmemente na possibilidade de enfrentar as marcas deixadas no mundo interno por experiências de relacionamentos rompidos, e com a convicção e a confiança de que permanece sempre o desejo de estabelecer relações nas quais se possa tornar depositário da confiança e estima dos outros. No entanto, vivemos numa época de profundas mutações, mudanças económicas e sociais; uma comunidade que quer se conotar como restauradora e relacional deve, portanto, assumir o desafio de enfrentar a crise dos laços sociais e promover a mudança. Não podemos ignorar que neste momento histórico muitos homens, mulheres e crianças continuam morrendo. Diante do ocorrido em Cutro [l’11 marzo, peraltro, la Federazione delle chiese evangeliche in Italia (FCEI) aderisce e partecipa alla manifestazione nazionale “Fermare la strage” ndr], não podemos deixar de refletir sobre a responsabilidade histórica de nos encontrarmos novamente diante de um enorme trauma social que pode ser irreparável. De fato, vivemos um momento histórico onde o evento traumático e catastrófico tem um valor dramático, pois é determinado pelo ataque do homem ao ser humano. O homem ataca a necessidade fundamental que o identifica como tal, a necessidade de relações, ou melhor, o desejo de relações como primeira satisfação da necessidade de segurança e de apego aos outros e à vida. No trauma perpetrado por humanos, o que é humano também define o inumano. A matriz humana de experiências devastadoras como guerras, genocídios, torturas políticas, abusos físicos e mentais, extermínios, produz consequências no indivíduo, nos grupos, na sociedade e na comunidade. A violência fica impressa na mente e no corpo da pessoa e seus efeitos afetam não só a geração afetada, mas também as seguintes”. O significado profundo e psíquico que as pessoas atribuem ao trauma, conclui Anna Ponente, “é um dos elementos que podem determinar a gravidade do impacto do trauma no indivíduo e no grupo, juntamente com o apoio que a pessoa receberá da comunidade. Devemos lutar contra este processo de desumanização e ao mesmo tempo implementar todos os métodos de reparação e apoio, do indivíduo e da comunidade”. Para ler um trecho da fala de Anna Ponente, clique aqui: O campo emocional e a relação transferência-contratransferência na mediação – de Anna Ponente. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.