Roma (NEV/Riforma.it), 31 de maio de 2018

Roma (NEV/Riforma.it), 31 de maio de 2018

Roma (NEV/Riforma.it), 31 de maio de 2018 – Uma delegação do Comitê Nacional Alemão (CNT) da Federação Luterana Mundial (FLM) chegará à Itália de 2 a 7 de junho, liderada pelo vice-presidente Gerhard Ulrichpelo responsável Astrid Kleist e de Karl-Hinrich Manzkevice-presidente para a Europa Central e Ocidental da WLF.

A reunião oficial com o Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) será no domingo, 3 de junho, às 10h. O bispo Ulrich pregará na Christuskirche, a igreja da Comunidade Evangélica Luterana de Roma, na via Sicilia 70.

O CELI, que reúne as comunidades luteranas de toda a península, lê-se no comunicado divulgado hoje pela agência de comunicação BMP, “prepara-se para acolher a importante visita que inclui algumas conversações ecumênicas no Vaticano com Papa Franciscoem audiência privada, e com o cardeal Kurt Kochpresidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos e o arcebispo Luis Ladaria, presidente da Congregação para a Doutrina da Fé”, estão previstos outros encontros ecumênicos e institucionais, inclusive com algumas comunidades italianas do CELI.

A delegação que visita a Itália será o guia do CELI Cordelia Vitiello, vice-presidente do Consistório e membro do Conselho da FLM: “Estamos muito satisfeitos com esta visita que confirma – declarou ao Bmp – as relações profundas e fraternas entre o luteranismo na Itália e na Alemanha. E estamos ainda mais contentes porque os nossos encontros estão acontecendo em conjunção com as conversações que o Comitê Nacional Alemão da FLM está planejando com a Igreja Católica Romana: elas são, de fato, a expressão de um sentimento e um compromisso ecumênico que une os luteranos italianos, alemães e luteranos de todo o mundo”.

“Por mais de 50 anos – lê-se no comunicado – a Federação Luterana Mundial (especialmente os luteranos alemães) manteve conversas constantes com o Vaticano: a FLM é a maior comunhão eclesiástica luterana do mundo, com mais de 74 milhões de fiéis e 145 comunidades em 98 nações, enquanto o NTC representa as doze igrejas germânicas que aderem à LWF e que incluem cerca de 11,5 milhões de crentes. O CELI agradece à FLM este compromisso histórico de diálogo ecuménico com a Igreja Católica, porque o considera fundamental para o presente e o futuro do cristianismo no mundo e também porque corresponde ao compromisso análogo que leva a cabo, com alegria, na Itália não só com os católicos, mas também com outras realidades protestantes e com a Igreja Ortodoxa”.

Após os encontros na capital, a delegação se deslocará a Nápoles para uma visita ao Hospital Evangélico de Ponticelli, que a FLM apóia financeiramente, e à Torre Annunziata.

O CELI, estatutariamente bilíngue, italiano e alemão, é um corpo eclesiástico que reúne 15 comunidades, da Sicília ao sul do Tirol. Suas relações com o Estado italiano são reguladas pela lei n° 520 de 1995 (entendida de acordo com o artigo 8 da Constituição). A comunidade luterana mais antiga da Itália está em Veneza e remonta à época da Reforma implementada pelo monge agostiniano Martinho Lutero em 1517. www.chiesaluterana.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

27/29 maio.  Na Ecumene a Consulta Metodista 2022

27/29 maio. Na Ecumene a Consulta Metodista 2022

Roma (NEV), 24 de maio de 2022 – A Consulta Metodista está de volta. Esta é a nomeação anual habitual da Obra para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI). Será um momento de encontro, troca de experiências e partilha, a partir do relatório de atividades, que será apresentado pela Comissão Permanente (OPCEMI). A Consulta será realizada de 27 a 29 de maio no Centro Ecumeno de Velletri, na província de Roma. O presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Daniele Garroneele trará suas saudações. Começará na sexta-feira com um jantar, seguido do culto de abertura e uma pequena reunião para ilustrar o horário e a ordem dos trabalhos. Terminará com o almoço de domingo. a pastora Mirella Manocchiopresidente da OPCEMI, ilustra os temas e propostas de trabalho para esta importante nomeação metodista, novamente presente após dois anos de pandemia: Consulta Metodista. Redescobrindo tempos e espaços de ação, ecologia e música. O Trabalho para as Igrejas Evangélicas Metodistas na Itália (OPCEMI) A OPCEMI é membro da FCEI e é presidida pelo pároco Mirella Manocchio. As igrejas metodistas nasceram no século XVIII na Inglaterra a partir de um movimento de renascimento religioso, que mais tarde se espalhou para a América e outros países. Na Itália, grupos metodistas foram formados por pregadores ingleses e americanos no século XIX, no contexto do despertar cultural do Risorgimento. Durante os vinte anos de fascismo, a missão americana, duramente atingida pelo regime, foi incorporada à britânica. Em 1961 nasceu a Conferência Metodista da Itália, emancipada da Conferência Britânica. Atualmente existem cerca de 5.000 metodistas italianos, espalhados por todo o país, e fazem parte do Conselho Metodista Mundial, que tem cerca de 70 milhões de fiéis em 130 países. Os metodistas também são membros do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), da Conferência das Igrejas Européias (KEK) e da Comunhão das Igrejas Protestantes Européias (CCPE-Concord of Leuenberg). Desde 1979 os valdenses e metodistas estão unidos em um pacto de integração que deu origem à Igreja Evangélica Valdense (União das Igrejas Metodista e Valdense). As duas igrejas têm em comum a organização representativa sinodal, a administração (mesa valdense) e o corpo pastoral. Por outro lado, a representação ecumênica e a gestão patrimonial permanecem distintas. As relações com o Estado italiano são reguladas pelo Acordo de 1984. ...

Ler artigo
igrejas européias.  Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

igrejas européias. Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

Roma (NEV), 27 de junho de 2022 – “Segurança, inteligência artificial e direitos humanos. O que os desenvolvimentos sociais e tecnológicos nessas três áreas significam para o futuro de sociedades livres, porém seguras?” Esta é a pergunta que pessoas de toda a Europa tentaram responder na 9ª Edição da Summer School on Human Rights da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Realizada de 13 a 16 de junho em Malmö, Suécia e parcialmente online, a escola de verão explorou diferentes aspectos. Das implicações morais e éticas da tecnologia aos riscos à privacidade individual. Do reconhecimento facial em locais públicos ao risco de discriminação. O último, potencialmente, pode acontecer no acesso a serviços sociais e cuidados de saúde se for deixado muito espaço para os algoritmos fazerem o trabalho. Finalmente, falou-se de ligações entre questões teológicas, antropológicas e éticas da inteligência artificial. Neste momento, porém, não existe um quadro regulamentar europeu que salvaguarde os direitos humanos e a dignidade neste domínio cada vez mais complexo e em rápida transformação. Relatório “Temos que ajudar as pessoas a entender as novas realidades que colocam questões éticas. Acima de tudo, mantendo o princípio cristão como chave do debate", sublinhou Johan Arvid Tyberg, Bispo de Lund da Igreja da Suécia, em seu discurso de abertura. E convidou as igrejas a se manterem atualizadas sobre os assuntos relacionados à inteligência artificial. “Os Estados europeus devem responsabilizar seus cidadãos. Deve ser possível se opor às decisões relacionadas à inteligência artificial, se forem discriminatórias e potencialmente capazes de violar os direitos humanos”, disse o presidente do CEC, pastor Christian Krieger. Durante a escola de verão, o espaço foi também dedicado à segurança das comunidades religiosas e à proteção dos locais de culto. Danny Choueka do Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu realizou uma sessão de formação sobre gestão de crises. Dentro do projeto inter-religioso Safer and Stronger Communities in Europe (SASCE), ficou claro que as legislações nacionais são muito diferentes umas das outras. Não é possível adotar uma abordagem comum em toda a Europa. Isso se aplica, por exemplo, às leis que regem o uso de câmeras de CFTV em espaços públicos e em propriedades privadas abertas ao público. O SASCE é financiado pela União Europeia e o KEK participa ativamente nele. A anual Human Rights Summer School é organizada pelo CEC Human Rights Focus Group, este ano pela primeira vez em cooperação com o Bioethics Focus Group. Organizado pela Igreja da Suécia, foi financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. O diálogo inter-religioso e a cooperação no campo dos direitos humanos são as principais áreas de interesse desta experiência. ...

Ler artigo
Chile Via Crucis Popular

Chile Via Crucis Popular

Roma (NEV), 16 de abril de 2019 - As comunidades cristãs, as organizações ecumênicas, pelos direitos humanos e pela memória do Chile, como todos os anos, organizam uma marcha pela cidade para o dia 19 de abril, Sexta-feira Santa, a popular Via Sacra de Santiago do Chile com chegada a Villa Grimaldi, hoje um lugar de memória e durante os anos da ditadura, um centro clandestino de detenção e tortura no qual operava a DINA (Direção de Inteligência Nacional), a polícia secreta de Pinochet. Muitas das comunidades e pessoas que participam da Via Crucis Popolare fizeram parte do movimento cidadão que entre o final dos anos oitenta e o início dos anos noventa se empenhou em dar a conhecer a realidade deste lugar de tortura e desaparecimento e que depois continuou a mobilizar até ao reconhecimento deste espaço como lugar de memória, em 1997. A Via Crucis Popular, que agora é uma celebração recorrente, é realizada em memória da "Via Crucis" que milhares de chilenos sofreram neste lugar. Há muitos anos as comunidades cristãs populares realizam esta caminhada coletiva que une o caminho de Cristo rumo à cruz com a luta pela verdade e pela justiça, contra a impunidade e em defesa dos homens e mulheres que hoje lutam pelos direitos humanos. O tema da Via Sacra Popular de 2019 é o poder. “Toda Sexta-Feira Santa, este grupo de comunidades olha para a realidade do país e a torna visível através da participação nesta popular Via Sacra – lê-se no convite à marcha -. A realidade deste período leva-nos a revelar o exercício abusivo do poder como uma constante na vida social, económica e cultural da nossa sociedade. Milhares de vítimas clamam por justiça e encontram a ocultação, o descaso, o descrédito e a hipocrisia daqueles que tiveram e têm a responsabilidade de exercer democraticamente o poder e administrar a justiça”. Estas são as organizações que convocam a Via Crucis Popolare: Comunidad Ecuménica Martin Luther King, Agrupación de Familiares de Ejecutados Políticos (AFEP), Red Laical, Observatorio por el Cierre de la Escuela de las Américas, Committee Oscar Romero – Chile, Coalición Ecuménica por el Cuidado de la Creación, Centro Ignacio Ellacuría, Corporación Parque por la Paz Villa Grimaldi, Servicio Paz y Justicia, SERPAJ- Chile, Centro Ecuménico Diego de Medellín, Amerindia, Fraternidades Laicas Carlos de Foucauld, Revista Reflexión y Liberación, Periódico Electrónico Crónica Digital, Fundación Helmut Frenz, Iglesia Luterana El Buen Samaritano, Movimiento con la Niñez y la Juventud en Chile, Comunidad Eclesial de base Jesús buenas nuevas de La Legua, Mujeres Iglesia, Comunidad de San Vicente de Paul, Comisión Etica contra la Tortura. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.