Roma (NEV/Riforma.it), 31 de maio de 2018

Roma (NEV/Riforma.it), 31 de maio de 2018

Roma (NEV/Riforma.it), 31 de maio de 2018 – Uma delegação do Comitê Nacional Alemão (CNT) da Federação Luterana Mundial (FLM) chegará à Itália de 2 a 7 de junho, liderada pelo vice-presidente Gerhard Ulrichpelo responsável Astrid Kleist e de Karl-Hinrich Manzkevice-presidente para a Europa Central e Ocidental da WLF.

A reunião oficial com o Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) será no domingo, 3 de junho, às 10h. O bispo Ulrich pregará na Christuskirche, a igreja da Comunidade Evangélica Luterana de Roma, na via Sicilia 70.

O CELI, que reúne as comunidades luteranas de toda a península, lê-se no comunicado divulgado hoje pela agência de comunicação BMP, “prepara-se para acolher a importante visita que inclui algumas conversações ecumênicas no Vaticano com Papa Franciscoem audiência privada, e com o cardeal Kurt Kochpresidente do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos e o arcebispo Luis Ladaria, presidente da Congregação para a Doutrina da Fé”, estão previstos outros encontros ecumênicos e institucionais, inclusive com algumas comunidades italianas do CELI.

A delegação que visita a Itália será o guia do CELI Cordelia Vitiello, vice-presidente do Consistório e membro do Conselho da FLM: “Estamos muito satisfeitos com esta visita que confirma – declarou ao Bmp – as relações profundas e fraternas entre o luteranismo na Itália e na Alemanha. E estamos ainda mais contentes porque os nossos encontros estão acontecendo em conjunção com as conversações que o Comitê Nacional Alemão da FLM está planejando com a Igreja Católica Romana: elas são, de fato, a expressão de um sentimento e um compromisso ecumênico que une os luteranos italianos, alemães e luteranos de todo o mundo”.

“Por mais de 50 anos – lê-se no comunicado – a Federação Luterana Mundial (especialmente os luteranos alemães) manteve conversas constantes com o Vaticano: a FLM é a maior comunhão eclesiástica luterana do mundo, com mais de 74 milhões de fiéis e 145 comunidades em 98 nações, enquanto o NTC representa as doze igrejas germânicas que aderem à LWF e que incluem cerca de 11,5 milhões de crentes. O CELI agradece à FLM este compromisso histórico de diálogo ecuménico com a Igreja Católica, porque o considera fundamental para o presente e o futuro do cristianismo no mundo e também porque corresponde ao compromisso análogo que leva a cabo, com alegria, na Itália não só com os católicos, mas também com outras realidades protestantes e com a Igreja Ortodoxa”.

Após os encontros na capital, a delegação se deslocará a Nápoles para uma visita ao Hospital Evangélico de Ponticelli, que a FLM apóia financeiramente, e à Torre Annunziata.

O CELI, estatutariamente bilíngue, italiano e alemão, é um corpo eclesiástico que reúne 15 comunidades, da Sicília ao sul do Tirol. Suas relações com o Estado italiano são reguladas pela lei n° 520 de 1995 (entendida de acordo com o artigo 8 da Constituição). A comunidade luterana mais antiga da Itália está em Veneza e remonta à época da Reforma implementada pelo monge agostiniano Martinho Lutero em 1517. www.chiesaluterana.it

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Somos todos pecadores.  Levi e o arrependimento que cura

Somos todos pecadores. Levi e o arrependimento que cura

Unsplash foto, Billy Plasco Roma (NEV), 19 de maio de 2021 - O segundo episódio de "Bíblia e seus arredores" narra o episódio do encontro de Jesus com Levi e seus companheiros "publicanos", ou seja, cobradores de impostos. Para ouvir os outros podcasts do NEV, aqui o perfil do speaker com todos os episódios. "Bíblia e seus arredores" é a nova coluna de podcast de histórias bíblicas e mais com curadoria do Serviço de Educação e Educação (SIE) da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) em colaboração com Nev-FCEI Press Agency e o periódico para a infância "O amigo das crianças". Aqui o primeiro episódio. ...

Ler artigo
#Spuc2021 “Frutos em abundância” em Lampedusa

#Spuc2021 “Frutos em abundância” em Lampedusa

Roma (NEV), 25 de janeiro de 2021 – por don Carmelo la Magra E marta bernardini – “Há alguns anos em Lampedusa, a Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, com a paróquia de San Gerlando, celebra a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) com uma vigília ecumênica que acontece na própria paróquia. Desde que o Mediterranean Hope, programa de migrantes e refugiados da FCEI, chegou a Lampedusa em 2014, a amizade e colaboração com a Igreja Católica local sempre foi marcada pela espontaneidade, beleza e fraternidade. No entanto, este ano, tal como noutros locais, esta nomeação não pôde ocorrer devido às restrições impostas pela Covid-19. Mais uma importante ocasião de encontro e união espiritual que perdemos em um ano difícil. As comunidades de fé estão sofrendo muito com as limitações impostas pela pandemia. Por definição, uma comunidade assenta no estar junto, mas a crise do Covid-19 coloca-nos perante o risco do isolamento, da solidão e da desintegração. Em um lugar como Lampedusa, já uma ilha em si, essas oportunidades de testemunho evangélico são um dom que pudemos desfrutar com gratidão ao longo dos anos. Neste último período nos acostumamos com os rostos de sempre, os cômodos de sempre, as paredes de sempre e muitas vezes sentimentos de desânimo, desorientação e preocupação caracterizaram dias longos e lentos. Quantas vezes uma sensação de profundo tédio e inutilidade nos dominou? Quantas vezes a necessidade e impossibilidade de sair, passear, ter relacionamentos mais ou menos profundos nos trouxe frustração e peso? O verso escolhido para o SPUC deste ano foi “Permanecei no meu amor: dareis muito fruto” (Jo 15, 5-9). Encontra-se no Evangelho de João, capítulo 15, com Jesus a dirigir-se aos seus discípulos e parece querer dar as suas últimas palavras, os seus últimos conselhos antes de se separar deles. Quase palavras de despedida antes de uma partida importante. Esses versos propõem a imagem da videira e seus ramos, dos quais um lavrador cuida. Aqui diante de nós está esta árvore, uma videira, com raízes bem plantadas e muitos ramos, pequenos e grandes ramos, alguns cheios de vitalidade, outros secos. Não há muito mistério no fato de que Jesus é a videira, sólida, bem enraizada, cheia de seiva, que o lavrador é Deus e que os ramos somos todos nós. Os ramos podem ser secos, estéreis ou cheios de frutos. Quantas vezes ultimamente nos sentimos e sentimos galhos secos, inúteis, incapazes de expressar vitalidade e focar em objetivos frutíferos? Quantas vezes carregamos o peso da esterilidade, da aridez das emoções, das ideias e das relações? Mas aqui a imagem que nos é apresentada é a de uma planta viva, capaz de produzir em abundância! 'Sozinhos não podeis dar fruto meus irmãos e irmãs, se permanecerdes em mim, se permanecermos unidos entretanto estes frutos nascerão' parece-nos dizer Jesus no texto. Não se esconde o fato de haver galhos secos, mas temos diante de nós a esperança, ou melhor, a certeza de que, ao contrário, a linfa continua a correr mesmo nos galhos mais frágeis, pequenos e periféricos para dar frutos em abundância. Com efeito, na videira os primeiros rebentos surgem precisamente nos ramos mais afastados do tronco. Não sabemos exatamente como serão os frutos que vão nascer, quão grandes, suculentos e doces, nem estamos falando de frutos perfeitos. Provavelmente estes frutos não serão como imaginávamos, mas sabemos que serão muitos, abundantes, nascidos de diferentes ramos mas da mesma planta e cuidados pelo mesmo agricultor. Esta imagem definitivamente nos inspira a pensar sobre a unidade das igrejas cristãs ao redor do mundo. Diferentes ramos podem ser frutíferos e abundantes se permanecerem unidos a Deus e à mesma fonte de vida. Vida recebemos, vida espalhamos, vida criamos juntos em unidade. Aqui está, uma imagem da vida a transbordar, do amor que chega até aos lugares mais marginais, desde as raízes, ao longo do tronco, passando por cada ramo, chegando ao céu. Não há mais medo da estagnação, da esterilidade, da inutilidade, mas da vida, da abundância e do amor. Esta é a indicação que talvez Jesus nos queira dar antes de se despedir. Permaneçamos juntos no amor de Deus, aprendamos a ser ramos de uma mesma planta capazes de dar frutos em abundância. Gozamos da beleza de ver algo crescer de nós, libertos e liberados pela Palavra e pelo amor de Deus, um agricultor cuidadoso que sabe cuidar de suas plantas, com proximidade e ao mesmo tempo dando espaço para o crescimento. Num ecossistema bem conectado todos temos o nosso papel, o nosso espaço, a nossa responsabilidade uns para com os outros com as nossas diversidades, sensibilidades, origens, localizações geográficas, posições centrais ou periféricas. Unidos e unidos pelo amor de Deus, compartilhamos o compromisso e a beleza de dar frutos vivos neste mundo e neste tempo”. ...

Ler artigo
A reunião dos conselhos nacionais das igrejas europeias em Roma

A reunião dos conselhos nacionais das igrejas europeias em Roma

Roma (NEV), 3 de maio de 2019 – A reunião anual dos Conselhos Nacionais das Igrejas Europeias, as ferramentas ecumênicas por meio das quais as igrejas se comprometem em nível nacional, acontecerá em Roma de 6 a 9 de maio. Os Conselhos Nacionais Europeus de Igrejas são organismos com uma composição variada, dependendo da extensão do diálogo ecuménico alcançado nos respectivos países: na Alemanha e nos países escandinavos pertencem-lhes as três principais famílias cristãs - católica, protestante e ortodoxa; em outros países, como Polônia ou Irlanda, apenas protestantes e ortodoxos; em outros ainda, como a Itália, apenas protestantes. O encontro, convocado pela Conferência das Igrejas Europeias (KEK), será este ano acolhido e organizado pela Federação das Igrejas Protestantes em Itália (FCEI) seguindo as indicações que surgiram no encontro anterior em 2018, em Viena, e em uma reunião restrita que aconteceu em março passado em Roma. Durante os quatro dias de trabalho, os 18 delegados, para além de trocarem informações sobre os vários programas levados a cabo pelos conselhos nacionais, terão oportunidade de refletir em conjunto sobre algumas questões fundamentais para o futuro da Europa. Além dos encontros com o padre Hyacinthe Destivelle, chefe da seção oriental do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, com o pastor metodista Tim Macquiban, diretor do Escritório Metodista para o Ecumenismo em Roma, e a comunidade de Sant'Egidio , representantes da igreja participarão de seminários e mesas redondas. Debora Spini, professora de filosofia política na Universidade de Syracuse, em Florença, começará em 6 de maio com um relatório intitulado "Populismo político: a experiência italiana"; no mesmo dia haverá uma mesa redonda com o pároco Luca Maria Negro, presidente da FCEI, e dom Giuliano Savina, diretor do escritório nacional de ecumenismo e diálogo inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana (CEI). No dia 7 de maio haverá palestras sobre "Violência, inclusão, pobreza: uma perspectiva feminina" com a Pastora Gabriela Lio, presidente da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI), com a Dra. Angelita Tomaselli, presidente do Conselho Ecumênico da Juventude na Europa e a Dra. Francesca Danese, do Exército de Salvação, ex-conselheira para políticas sociais do Município de Roma. No dia 8 de maio, o tema do acolhimento e integração estará no centro da mesa redonda "Acolher o estrangeiro" com Paolo Naso, coordenador do Mediterranean Hope - programa de refugiados e migrantes da FCEI e Shari Brown, secretária-geral da Comissão para migrantes na Europa. “O encontro de Roma pretende apresentar a realidade do pequeno componente protestante italiano que pertence à FCEI, mas dentro do discurso ecumênico mais amplo que a capital pode oferecer”, disse o pastor Luca Baratto, secretário executivo da FCEI que organizou o programa de trabalho da reunião e que acompanhará os representantes das igrejas nacionais durante os quatro dias de trabalho. A reunião anual dos Conselhos Nacionais das Igrejas da Europa acontecerá na Casa La Salle, Via Aurelia, 472. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.