Protestantes italianos reunidos em Assembleia-Sínodo: fé e esperança

Protestantes italianos reunidos em Assembleia-Sínodo: fé e esperança

Torre Pellice (Turim) (AS-BMV-03), 22 de agosto de 2022 – Continua a Assembleia-Sínodo dos Protestantes Italianos, em andamento em Torre Pellice, na província de Torino.
Hoje, segunda-feira, 22 de agosto, foram aprovadas duas moções sobre o fortalecimento da colaboração entre as igrejas protestantes aqui reunidas, batistas, valdenses e metodistas (BMV), nos territórios. A situação atual das relações entre as igrejas BMV também foi fotografada. O objetivo da Assembleia-Sínodo é fortalecer essas relações, à luz das numerosas experiências virtuosas.

Amanhã, terça-feira, 23 de agosto, às 13h30, na sala de imprensa da Casa Valdense de Torre Pellice, na via Beckwith, será realizada uma coletiva de imprensa com o presidente do Sínodo Valdense Pawel Gajewskipároco de Terni e Perugia, e Sara Comparattipresidente da Assembleia Batista e vice-presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), moderado pelo pároco Pedro Ciaccio.

O encontro também será transmitido em transmissão ao vivo no site www.rbe.it e nas redes sociais das igrejas.

O trabalho do Sínodo valdense e metodista continuará até sexta-feira, 26 de agosto.

Esta noite, segunda-feira, 22 de agosto, a partir das 20h45, será realizada a noite pública intitulada “Paz e pacifismo” no Templo da Torre Pellice, ao vivo em www.rbe.it e nas redes sociais.


QUEM NÓS SOMOS
As Igrejas Batista, Metodista e Valdense (BMV) são as três principais denominações protestantes italianas, membros da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), que reúne os protestantes italianos históricos.
Eles diferem principalmente em suas origens históricas, bem como em alguns elementos organizacionais e confessionais. Os valdenses nasceram na França como um movimento no século 12, os batistas se referem às missões inglesas e norte-americanas do século 19, os metodistas nasceram na Inglaterra no século 18. A teologia comum tem suas raízes na Reforma Protestante e suas histórias convergem na Itália desde o Risorgimento até os dias atuais.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Nariz.  A liberdade religiosa não é uma questão partidária.  É o coração da democracia

Nariz. A liberdade religiosa não é uma questão partidária. É o coração da democracia

Imagem gerada com GPT-3, o modelo de geração de linguagem em grande escala da OpenAI - openai.com (ER/NEV) Roma (NEV), 24 de fevereiro de 2023 - A agência NEV está inaugurando um ciclo de entrevistas para abordar os temas da conferência "Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias", realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Vamos começar com Paulo Nasocoordenadora da Comissão de Estudos do Diálogo da Integração da FCEI, consultora para as relações institucionais do programa de refugiados e migrantes FCEI/Mediterrâneo Esperança, além de professora da Universidade Sapienza e membro da comissão científica do Centro Studi Confronti. Por que uma conferência sobre pluralismo e liberdade religiosa? É fácil dizer: relançar uma questão que há anos se esquiva do debate parlamentar, esmagada por outras prioridades e interesses. Nesse sentido, foi uma operação corajosa, que deve ser creditada aos promotores, principalmente à Fondazione Basso e à revista Confronti, que tiveram a força de relançar o debate sobre um tema certamente complexo, mas cada vez mais urgente. Por que urgente? A liberdade religiosa é garantida. A urgência reside no fato de que em poucas décadas o perfil religioso da Itália mudou como nunca se poderia imaginar e o "fator R" da religião adquiriu uma importância crescente na dinâmica social e cultural de um país multicultural como a Itália. tornou-se objetivamente. E um fenômeno novo não pode ser governado com ferramentas velhas e enferrujadas como a legislação da era fascista sobre os "cultos admitidos": aquela legislação ainda em vigor, desde o título, expressa sua intenção discriminatória e seletiva, e ainda hoje distingue juridicamente confissões reconhecidas e outras (a maioria) que não o são. É uma lei que determina quais ministros de religião e quais confissões têm livre acesso a espaços protegidos (prisões, hospitais, centros para imigrantes, residências para idosos) e quais não. É a lei que, ao não proteger o edifício do culto, cria dificuldades inultrapassáveis ​​a diversas comunidades que padecem de limitação do direito constitucional ao exercício do culto privado e público (art. 19º). Na ausência de normas rígidas sobre o assunto, algumas comunidades de fé são privadas do direito fundamental de se reunir em locais dignos e legalmente reconhecidos. "Não, a mesquita não" é apenas a expressão mais virulenta de uma intolerância à diversidade religiosa que, há poucos dias em Tortona, se traduziu no incêndio de um centro islâmico. Mas se isto é racismo islamofóbico, a outro nível da convivência multirreligiosa ordinária, é normal que em Milão, a cidade europeia e intercultural por excelência, não exista uma mesquita digna desse nome? E por que as igrejas pentecostais têm que se contentar com locais improváveis ​​e periféricos? Ou que dezenas de denominações religiosas que possuem instalações adequadas não conseguem obter a sua conversão para fins de culto? E os acordos previstos no art. 8 da Constituição? Sim, existem, mas eles "abrangem" apenas 10% do número total de não católicos que teriam direito a fazê-lo: todos juntos não ultrapassam quinhentas mil pessoas (comparações de dados IDOS de 2022): valdenses e metodistas, batistas, luteranos e anglicanos pelo protestantismo histórico; adventistas, pentecostais (das Assembleias de Deus e da igreja apostólica) para a área evangélica em sentido amplo; Judeus; budistas (da União Budista Italiana e da Soka Gakkai); ortodoxos gregos, hindus e mórmons. Por outro lado, os muçulmanos (mais de dois milhões de pessoas, incluindo um número crescente de italianos), os ortodoxos romenos (quase dois milhões), as testemunhas de Jeová (mais de 400.000, principalmente italianos), os sikhs (cerca de 100.000), um número crescente de evangélicos independentes (300.000), outras comunidades de fé para pelo menos 100.000 atendimentos. Este é o limite do art. 8: não a sua substância jurídica, mas a sua escassa e débil implementação, sorvida de critérios nem sempre compreensíveis, a ponto de parecer discricionária: isto sim, aquilo não. Falando francamente, acredita que existem as condições políticas para que este Parlamento possa pôr a mão numa disposição tão complicada e controversa como uma lei sobre a liberdade religiosa e de consciência? Desde o pós-guerra, o debate sobre a liberdade religiosa tem sido o campo de batalha de exércitos ideológicos opostos: católicos contra secularistas, crentes contra não crentes, direita contra esquerda, ocidentais contra multiculturalistas. Chegou a hora de uma trégua, na verdade de uma reconciliação sobre uma questão que, além de estar no centro da democracia liberal, está no centro de muitos eventos na Itália e no mundo. Sobre uma questão legal e constitucional de grande repercussão como esta, como já aconteceu em outros momentos da vida política italiana, é fundamental que o Parlamento decida por ampla maioria. O desafio é superar a lógica partidária para assumir a proteção da liberdade religiosa e da consciência - mesmo aqueles que não acreditam ou acreditam de forma não convencional têm seus direitos e devem ser reconhecidos e protegidos - como questão central de importância democrática universal. Renunciando à linguagem dos "tempos que não estão maduros" ou das "outras prioridades", representantes de diversas forças políticas - governo e oposição - se manifestaram dispostos a abrir o canteiro de obras sobre o tema. Correndo o risco de parecer ingênuo, é correto dar crédito às aberturas que registramos e que, creio, devem ser levadas muito a sério. Não só pela atenção às minorias, mas pela qualidade da República. ...

Ler artigo
Próxima geração Eu?  A noite pública do Sínodo

Próxima geração Eu? A noite pública do Sínodo

Roma (NEV), 20 de agosto de 2021 – A noite pública do Sínodo valdense e metodista, agendada para 23 de agosto às 20h45, tem o título do plano da UE para a recuperação após a Covid, mas com um ponto de interrogação. “Eu da próxima geração? – os jovens e a Europa, entre o sonho da recuperação e o risco da marginalização” será, de facto, o tema e o fio condutor do encontro, que decorrerá presencialmente no Templo Valdense da Torre Pellice (no cumprimento das normas sanitárias em vigor ) e online, ao vivo, nas páginas do fb da Igreja Valdense e da Rádio Beckwith, bem como no canal do YouTube da mesma emissora. Palestrantes Stefano Allievi, sociólogo da Universidade de Pádua, Brando Benifeichefe da delegação do PD no Parlamento Europeu, Annalisa Camillijornalista da Internazionale (em conexão), a pastora Daniela DiCarlo. As conclusões do debate serão confiadas ao moderador da Mesa Valdense Alessandra Trotta e ao presidente indigitado do Sínodo 2021, Valdo Spini. A reunião será moderada pelo coordenador do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, marta bernardinie o vice-diretor do Centro Ecumênico Ágape, Valéria Lucenti. ...

Ler artigo
Gottfried Locher renuncia à Comunhão das igrejas protestantes na Europa

Gottfried Locher renuncia à Comunhão das igrejas protestantes na Europa

Roma (NEV), 29 de junho de 2020 – O pastor Gottfier Locher ele não é mais o presidente executivo da Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (CCPE). Conforme noticiado em nota de imprensa do órgão protestante europeu, Locher apresentou sua renúncia durante uma sessão do Conselho do CCPE, realizada por videoconferência no dia 26 de junho. O pastor John Bradbury (United Reformed Church, Londres) recebeu a gestão executiva interinamente. As renúncias do CCPE seguem as renunciadas por Locher em 2020 da presidência da Federação de Igrejas Evangélicas na Suíça. “Sinto que agora também devo renunciar ao meu cargo no CCPE”, escreveu Locher na exposição de motivos dirigida ao Conselho do CCPE, acrescentando que “o Conselho deve ser composto pelo maior número possível de titulares de cargos”. Locher foi eleito para o Presidium de três membros do CCPE na Assembleia Geral de 2012 em Florença e foi eleito Presidente Executivo após a morte do bispo Friedrich Weber em 2015. Locher lembrou a Assembleia Geral do CCPE realizada em Basel em 2018 como o destaque de seu mandato. A eleição do novo Presidente Executivo ocorrerá durante a próxima reunião do Conselho prevista para janeiro de 2021 em Estrasburgo. “O Presidium, o Conselho e os escritórios centrais do CCPE trabalham em estreita relação de confiança – declarou Bradbury -. A recente admissão da Igreja Evangélica Luterana da Islândia e as intensas discussões das igrejas-membro sobre os efeitos da crise do vírus corona demonstram o vigor de nossa Comunhão”. O pastor valdense também participou da reunião em 26 de junho Pawel Gajewskimembro do Conselho do CCPE. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.