Páscoa sem jantar e sem Eucaristia?  As pessoas não são um acessório

Páscoa sem jantar e sem Eucaristia? As pessoas não são um acessório

Foto James Coleman – Unsplash

Roma (NEV), 9 de abril de 2020 – As mãos vazias dos presos na Páscoa, em uma prisão uruguaia, durante a ditadura militar de meados dos anos 1970. Desta história, dos presos que celebram a Páscoa tranquilamente com a partilha de um pão invisível e um copo de vinho, fica a reflexão “Jantar de mãos vazias” da pastora maria bonafede no boletim de abril da “Hospitalidade Eucarística”, que oferece várias ideias sobre a Páscoa (e a Santa Ceia) em tempo de coronavírus.

É uma história que o pastor Bonafede, ex-moderador da Mesa Valdense, ouviu há cerca de quarenta anos durante uma aula na Faculdade Valdense de Teologia em Roma pelo pastor Paulo rico e que de alguma forma está ligada à próxima Páscoa, que os cristãos de todas as confissões provavelmente experimentarão na ausência: “Hoje tudo é diferente, mas não consigo tirar da cabeça aquele fato distante e impressionante da presença de Cristo nas mãos vazias dos prisioneiros. Na situação que vivemos, devido à pandemia do COVID-19, celebraremos uma Páscoa em que não nos faltará os elementos, o pão e o vinho, mas nos faltará outro elemento indispensável, a comunhão dos crentes, estar juntos à ceia “.

Essa não é a única percepção captada por Margarida Ricciuti (valdense) e Pedro Urciuoli (católico), editores da folha que abre com uma matéria intitulada “Estar junto: um conceito a revisitar?” e continua com o artigo publicado no Reino das Mulheres Sem presbítero, não, sem povo, sim? do teólogo católico Simona Ségoloni Ruta.

“A proximidade espacial garante o controle social e a proximidade física, mas não a proximidade mental e espiritual”, escrevem Ricciuti e Urciuoli na introdução. Segoloni Ruta esboça o significado da Eucaristia e sublinha: “não é possível celebrá-la se o povo não estiver reunido”. O risco é que o povo seja declarado “acessório” para a liturgia, com consequente retorno ao “empresas desiguais centrado na prática sacramental: sem sacerdócio batismal, sem sinodalidade”.

A edição de abril da “Hospitalidade Eucarística” procura também encontrar os aspectos positivos da situação de emergência: o aumento da comunicação, ainda que virtual, e a redescoberta de alguns valores e princípios da fé cristã. A ficha também menciona Alberto Melloni, que falou sobre os ritos pascais na TV do La Repubblica no dia 5 de abril. O historiador do cristianismo se pergunta se, na atual situação de jejum eucarístico forçado, não poderia acontecer que algum “não sacerdote” parta o pão em casa para poder viver espiritualmente a Eucaristia.

Depois de uma reflexão do pároco católico de algumas comunidades da Alta Val Camonica José Magnolini“Hospitalidade Eucarística” conclui com um trecho do sermão do pároco valdense Rosário Confessor por ocasião da Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos (SPUC) 2020, na qual, parafraseando o versículo “Eles nos trataram com bondade”, questiona se não é o caso de ir além da mera “bondade ecumênica” promovendo também na nível institucional, a Hospitalidade Eucarística.


A Folha “Hospitalidade Eucarística” nasceu dentro do grupo ecumênico “Partir o Pão” nascido em 2011 em Turim, que inclui crentes individuais protestantes e católicos. O grupo envolve também igrejas, mosteiros e paróquias e está aberto a todos os interessados ​​em praticar a recepção recíproca da “Santa Ceia Protestante” e da “Eucaristia Católica” nas igrejas; em 2017 também propôs um questionário sobre o tema.

“O termo ‘hóspede’ indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Assim, a ‘hospitalidade eucarística’ é uma forma de dizer que somos todos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”.

Para informações ou para receber “Hospitalidade Eucarística” você pode escrever para os seguintes e-mails:

Margherita Ricciuti, Igreja Valdense. E-mail: [email protected]

Pietro Urciuoli, Igreja Católica. E-mail: [email protected]


admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Ativistas LGBTQIA+ no Conselho Ecumênico: respeito, direitos e liberdades

Cecilie Johnsen, unsplash Karlsruhe (NEV), 6 de setembro de 2022 – Jim Hodgson é jornalista e ativista dos peregrinos Rainbow of Faith, um coletivo global de cristãos LGBT+ e redes cristãs, igrejas, alianças e ativistas, e é membro da equipe das Igrejas Unidas do Canadá há anos, onde atuou como coordenador do programa, com uma longa experiência na América Latina e no Caribe. Nós o encontramos em Karlsruhe, por ocasião da XI Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas. Jim Hodgson “Globalmente – explica – nascemos como uma coalizão europeia trabalhando em direitos e inclusão de pessoas trans e queer, antes de Busan, na Coréia, por ocasião da anterior Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas em 2013, e desde então temos começou a desenvolver um trabalho constante de advocacia. Construímos bases sólidas para aprimorar e desenvolver esse diálogo, para ajudar as igrejas também a conversarem entre si sobre os temas e demandas que estamos atendendo. Há um relatório que foi recebido pelo Comitê Central (ver nota ao final do artigo, ed.). Também publicamos um texto, "Reconciliação das margens - histórias pessoais de pessoas queer de fé", que reúne as histórias pessoais de 28 pessoas queer, crentes de todo o mundo". O que se entende por inclusão? “É um avanço, falar primeiro com a gente. O termo "inclusão" é fraco, nós o usamos, mas gostaríamos de muito mais. Se pensarmos bem, Jesus foi muito além da inclusão, ele convidou todos para sua mesa, para compartilhar sua comida, para conversar com ele, sem perguntar quem eram, independente de sua condição, de sua religião, de quem eram, a começar por os servos, desde o mínimo. Estamos longe do “caminho de Jesus” quando falamos de 'inclusão' mas ainda é uma primeira etapa“. Quanto ao futuro e à complexa relação das pessoas lgbtqia+ com as crenças, declinadas e diversificadas de formas diversas nos muitos países aqui presentes, “as nossas são perspectivas à margem, de uma viagem, de uma peregrinação e esperamos receber a devida atenção . Não ficaremos calados quando nossa resposta determinada for necessária. Mas pedimos às igrejas que não causem mais danos. Infelizmente vemos em muitos lugares do mundo que a igreja é parte do problema. Meu trabalho está na América Latina há anos e lá tenho observado o crescente fenômeno de grupos religiosos conservadores se aliando a movimentos políticos igualmente conservadores, um exemplo é o presidente do Brasil Jair Bolsonaro. Isso é muito decepcionante e perigoso para quem luta pelos direitos humanos e exige respeito para todos e não apenas para quem está no poder”. Esses movimentos e igrejas conservadoras, segundo a ativista canadense, “afirmam que promovemos o que chamam de “ideologia de gênero” e que tentaríamos impô-la, impor “nossos valores”, mas não é verdade. Na sociedade civil deve haver espaço para todos e a liberdade religiosa não pode significar a liberdade de impor seus valores, sua visão”. Como está sendo esse diálogo no Concílio Ecumênico? “O feedback até agora é incrivelmente positivo. Em Busan houve uma manifestação contra nós, enquanto aqui o clima é claramente diferente. Os participantes da Assembleia estão muito atentos, demonstraram muito interesse pelas nossas disputas e pelas nossas histórias pessoais. Eles parecem muito felizes em nos receber aqui." O que você espera das igrejas? “O que buscamos hoje e amanhã é um sinal da vontade de continuar o confronto. Continuam os encontros e as conversas ecumênicas (na cúpula de Karlsruhe há um grupo ad hoc, Conversa Ecumênica n.11*) e o trabalho conjunto, a discussão cada vez mais aprofundada sobre a sexualidade e pode haver uma nova recomendação nos textos finais. Estou otimista com o futuro: o caminho é o do diálogo”. *As Conversas Ecumênicas são elaboradas para serem aprofundadas e vinculadas ao trabalho potencial das comissões do CMI e outros programas. Eles são extraídos de insights de redes do CMI, igrejas membros e parceiros e/ou relacionados a preocupações ecumênicas emergentes. Os resultados das Conversas serão compartilhados com os comitês da assembléia e relatórios detalhados serão compartilhados com os futuros órgãos governamentais. Cada Conversa Ecumênica acontece no mesmo grupo durante 4 dias e é aberta aos participantes da assembléia com direito a palavra. Os participantes nas conversas ecumênicas são todos os participantes oficiais da assembléia mais alunos e professores (delegados, delegados representantes, delegados observadores, conselheiros da assembléia, conselheiros da delegação, observadores, convidados, alunos e professores). Segue abaixo a apresentação da Conversa Ecumênica n.11, "Conversas de Caminho: um convite a caminhar juntos sobre os temas da sexualidade humana" Durante a Assembleia anterior do Conselho Mundial de Igrejas, dia 10, em Busan, em resposta às questões levantadas durante as conversas ecumênicas, sessões de trabalho e outras apresentações sobre os desafios que as questões da sexualidade humana têm colocado para as igrejas membros do CMI e seus constituintes, a assembleia através do Comitê de Diretrizes do Programa fez a seguinte recomendação: 'Ao estar ciente das questões que dividem as igrejas, o CMI pode servir como um espaço seguro para entrar em diálogo e discernimento moral sobre questões que as igrejas consideram desafiadoras. Exemplos que foram ouvidos com força nesta assembléia incluem questões de gênero e sexualidade humana. Questões controversas têm seu lugar dentro desse espaço seguro na agenda comum, lembrando que a tolerância não é suficiente, mas o resultado final é o amor e o respeito mútuo.' Em resposta à recomendação acima, o Secretário-Geral do WCC formou um grupo de funcionários e um Grupo de Referência em Sexualidade Humana para trabalhar em um documento que foi apresentado ao Conselho Executivo do WCC em novembro de 2019. O Conselho Executivo recebeu o documento e recomendou “ encaminhando o relatório ao comitê central para informação com a sugestão de que a 11ª Assembléia do CMI poderia ter uma conversa ecumênica sobre este assunto'. O objetivo desta conversa ecumênica é criar um espaço de diálogo e discussão sobre a sexualidade humana como ela é realizada em diferentes contextos da irmandade do CMI e como a conversa pode ser realizada no futuro, enfatizando o amor e a reconciliação”. As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Montagem CEC.  Pastor francês Christian Krieger é eleito novo presidente

Montagem CEC. Pastor francês Christian Krieger é eleito novo presidente

Christian Krieger; foto CEC. Novi Sad (NEV), 4 de junho de 2018 – O pastor francês Christian Krieger é o novo presidente da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Ele foi eleito esta noite pela Assembleia do corpo ecumênico continental reunida em Novi Sad (Sérvia). Pela primeira vez, de acordo com o novo estatuto da CEC, o presidente foi eleito diretamente pela Assembleia, numa votação evidentemente penosa, visto que foi mesmo necessária uma sessão à porta fechada, da qual o seu correspondente do NEV não tem oportunidade de prestar contas . Krieger - que sucede o bispo anglicano Christopher Hill – tem 54 anos, é presidente da Igreja Protestante Reformada da Alsácia e Lorena e vice-presidente da Federação Protestante da França (FPF). Na eleição presidencial, o CEC foi preferido ao luterano dinamarquês Anders Gadegaard. Pedro Ciaccio A Assembleia também elegeu como vice-presidentes da CEC o Metropolita Grego Ortodoxo da Suécia e de toda a Escandinávia, Cleofas Strongylise o bispo anglicano Gulnar Francis-Dehqani. A votação continuou com a eleição dos vinte membros do comitê diretivo do corpo ecumênico europeu e seus suplentes. Entre estes últimos, foi eleito o pároco metodista italiano Pedro Ciaccio. A Assembleia, que teve início no dia 31 de maio, terminará amanhã à tarde. (Libra) ...

Ler artigo
Coronavírus.  Ecumenismo e caridade segundo a Pastora Ilenya Goss

Coronavírus. Ecumenismo e caridade segundo a Pastora Ilenya Goss

Foto de Branimir Balogović - detalhe, Unsplash Roma (NEV), 5 de julho de 2020 – Em Interris.it, James Galeazzi entrevistar a pastora valdense Ilenya Goss sobre o compromisso comum dos cristãos durante a pandemia devido ao coronavírus. Com um olhar para o futuro. Ilenya Goss Goss é formado em Medicina e Cirurgia, Filosofia e Teologia e é membro da Comissão de Bioética das igrejas Batista, Metodista e Valdense. Na entrevista ao jornal digital fundado por Aldo Bonaiuto falamos não só de pandemia, mas também de fragilidade e oportunidade, de fé, de diálogo, de teologia e dos efeitos da emergência a nível individual e coletivo. “Todo choque pode provocar um impulso ao amadurecimento e ao crescimento, mas também pode provocar um bloqueio – diz a pastora Ilenya Goss -: as situações devem ser sempre observadas de perto, além de um dado geral que pode ter um caráter sociológico e estatístico, mas que pouco diz sobre o natureza das mudanças pessoais. Leia a entrevista em Interris.it ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.