Histórias sem fim.  O podcast.  Quaresma ou Tempo da Paixão?

Histórias sem fim. O podcast. Quaresma ou Tempo da Paixão?

Foto Sam Bloom – Unsplash

Roma (NEV), 17 de março de 2021 – Este episódio do podcast “NEVerending stories”, o podcast da agência de notícias NEV, é dedicado ao tempo da paixão, o período de espera pela Páscoa que na tradição cristã também é chamado ” Quaresma”. Por que as igrejas protestantes preferem chamar esse período litúrgico de “Tempo da Paixão”? Conversamos sobre isso com o pastor Luke Elderscom o reitor da Igreja Evangélica Luterana na Itália, Heiner Bludau e com Maria Elena Lacquanitida Comissão de Globalização e Meio Ambiente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Ucrânia, o compromisso da FCEI – Nev

Ucrânia, o compromisso da FCEI – Nev

foto CESVI @Spucches Roma (NEV), 20 de fevereiro de 2023 – A participação no reinício de seis creches e um projeto de ponto de aquecimento são as duas atividades financiadas pela Federação das Igrejas Evangélicas Italianas na Ucrânia, graças à colaboração com a Fundação CESVI. Ambas as intervenções foram realizadas em Bucha, uma cidade geminada com o município de Bergamo que, novamente graças à Fundação CESVI, participa ativamente na reconstrução da cidade a noroeste de Kiev. Apagões frequentes, combinados com custos crescentes de fornecimento de gás e eletricidade, além da condição de prédios danificados por bombas, expõem milhares de pessoas às condições extremas do inverno. O CESVI criou, portanto, graças à contribuição da FCEI com o Otto per mille Waldensian e o Município de Bergamo, 11 pontos de aquecimento, estruturas aquecidas onde a população civil pode se refugiar durante o dia para se aquecer, conectar-se à Internet, receber alimentos e bebidas quentes. Dentro dos pontos de aquecimento também são fornecidas as necessidades básicas: leite, barras energéticas, papinhas para crianças menores de 3 anos, biscoitos, açúcar, chá e café. Trata-se, portanto, de unidades móveis constituídas em colaboração com a administração local, nomeadamente em algumas zonas próximas de escolas para poderem utilizar as instalações sanitárias e os abrigos de proteção em caso de ataques com mísseis. Eles têm uma área de pelo menos 17 metros quadrados e podem ser usados ​​por mais de 20.000 pessoas que poderão se refugiar durante as horas de apagão e receber alimentos e bebidas quentes. Eles serão equipados com sistemas de aquecimento que podem ser alternados entre eletricidade, madeira e gás, dependendo da disponibilidade. Além disso, com o fornecimento de lençóis e colchões, o projeto também previa a reorganização e recuperação das áreas de descanso das creches da cidade, atendidas por cerca de 500 crianças, que foram ocupadas durante a invasão da área e utilizadas como base apoiada pelo Militar russo, e por isso precisava de reposição de todos os materiais, desde camas a lençóis passando por material didático. Também neste projeto, a FCEI tem contribuído financeiramente para apoiar a atividade do CESVI. Enquanto isso, 24 de fevereiro fará um ano desde o início da guerra. De acordo com as últimas estimativas do escritório do Alto Comissariado da ONU para os Direitos Humanos, há mais de 7.000 vítimas entre os civis ucranianos. Quase oito milhões de pessoas fugiram do país. “Estamos próximos da população ucraniana – declara Daniele Garrone, presidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália – Não esqueçamos os sofrimentos sofridos e todas as dificuldades de quem teve que deixar seu país. E daqueles que estão tentando reconstruí-lo e terão que continuar a fazê-lo. Por isso, temos o prazer de colaborar com uma ONG como o CESVI, presente nessa área, para dar nossa contribuição e ajudar as pessoas de forma concreta. Continuaremos a apoiar mulheres, homens, crianças, na Ucrânia, bem como em qualquer outra situação de guerra, crise, pobreza". “Ao medo das bombas soma-se outro perigo: o frio. A Organização Mundial da Saúde estima que até três milhões de pessoas poderiam deixar suas casas em busca de lugares mais quentes e seguros. Graças ao apoio da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália, esperamos atingir cerca de 20.000 pessoas, principalmente mulheres, crianças e idosos - declara Roberto Vignola, vice-diretor geral da Fundação CESVI – Nossa equipe de emergência atua no distrito de Bucha com base operacional, desde maio de 2022, para a promoção de atividades e iniciativas voltadas principalmente para os mais vulneráveis. O reinício dos jardins de infância quer ser o símbolo da esperança de que possamos voltar à normalidade mesmo em pleno conflito e que cada criança, graças a este gesto, possa encontrar o seu quotidiano feito de companheiros, professores, sonhos e projetos de crescimento”. ...

Ler artigo
igrejas européias.  Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

igrejas européias. Entrelaçamento entre segurança, inteligência artificial e direitos

Roma (NEV), 27 de junho de 2022 – “Segurança, inteligência artificial e direitos humanos. O que os desenvolvimentos sociais e tecnológicos nessas três áreas significam para o futuro de sociedades livres, porém seguras?” Esta é a pergunta que pessoas de toda a Europa tentaram responder na 9ª Edição da Summer School on Human Rights da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Realizada de 13 a 16 de junho em Malmö, Suécia e parcialmente online, a escola de verão explorou diferentes aspectos. Das implicações morais e éticas da tecnologia aos riscos à privacidade individual. Do reconhecimento facial em locais públicos ao risco de discriminação. O último, potencialmente, pode acontecer no acesso a serviços sociais e cuidados de saúde se for deixado muito espaço para os algoritmos fazerem o trabalho. Finalmente, falou-se de ligações entre questões teológicas, antropológicas e éticas da inteligência artificial. Neste momento, porém, não existe um quadro regulamentar europeu que salvaguarde os direitos humanos e a dignidade neste domínio cada vez mais complexo e em rápida transformação. Relatório “Temos que ajudar as pessoas a entender as novas realidades que colocam questões éticas. Acima de tudo, mantendo o princípio cristão como chave do debate", sublinhou Johan Arvid Tyberg, Bispo de Lund da Igreja da Suécia, em seu discurso de abertura. E convidou as igrejas a se manterem atualizadas sobre os assuntos relacionados à inteligência artificial. “Os Estados europeus devem responsabilizar seus cidadãos. Deve ser possível se opor às decisões relacionadas à inteligência artificial, se forem discriminatórias e potencialmente capazes de violar os direitos humanos”, disse o presidente do CEC, pastor Christian Krieger. Durante a escola de verão, o espaço foi também dedicado à segurança das comunidades religiosas e à proteção dos locais de culto. Danny Choueka do Centro de Segurança e Crise do Congresso Judaico Europeu realizou uma sessão de formação sobre gestão de crises. Dentro do projeto inter-religioso Safer and Stronger Communities in Europe (SASCE), ficou claro que as legislações nacionais são muito diferentes umas das outras. Não é possível adotar uma abordagem comum em toda a Europa. Isso se aplica, por exemplo, às leis que regem o uso de câmeras de CFTV em espaços públicos e em propriedades privadas abertas ao público. O SASCE é financiado pela União Europeia e o KEK participa ativamente nele. A anual Human Rights Summer School é organizada pelo CEC Human Rights Focus Group, este ano pela primeira vez em cooperação com o Bioethics Focus Group. Organizado pela Igreja da Suécia, foi financiado pelo Fundo de Polícia Interna da Comissão Europeia. O diálogo inter-religioso e a cooperação no campo dos direitos humanos são as principais áreas de interesse desta experiência. ...

Ler artigo
#CECWACC2019 Igrejas europeias: proféticas, críticas, políticas

#CECWACC2019 Igrejas europeias: proféticas, críticas, políticas

Roma (NEV), 15 de abril de 2019 – Como as igrejas respondem ao discurso de ódio? Eles são eficazes no combate às notícias falsas? Há esperança para o futuro da Europa? Estas são algumas das questões que surgiram da conferência da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa “O que nos deixa tão zangados? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação” realizada em Helsínquia e Estocolmo de 10 a 12 de abril, em colaboração com a Conferência das Igrejas Europeias (KEK). As conclusões do trabalho foram confiadas a Philip Leediretor de programas WACC, Praxedis Bouwmando comitê de comunicação das igrejas minoritárias da Federação Luterana Mundial (WLF), e ao Secretário Geral da CEC Heikki Huttunen. “O discurso de ódio ocorre de diferentes formas nos contextos locais, mas uma dimensão transversal é a de gênero – disse Lee -. As mulheres são mais propensas a sofrer ciberviolência e discurso de ódio do que os homens, como mostra um estudo do Parlamento Europeu”. A pesquisa mostrou que as mulheres sofrem violência online nas mídias sociais, fóruns de discussão, mecanismos de busca, serviços de mensagens, aplicativos de namoro, chats e comentários, com ameaças de natureza sexual: "A ciberviolência ameaça os direitos humanos e as liberdades fundamentais das mulheres, sua dignidade e igualdade e afeta suas vidas em todos os níveis”. Entre as palavras-chave que emergiram da conferência, direitos humanos, liberdade de expressão e opinião, proteção da privacidade e segurança: "A tecnologia digital contribuiu para o progresso do direito à liberdade de opinião e expressão, o direito de receber e compartilhar informações, do direito de se comunicar – observou Lee –, no entanto, também aumentou o comportamento ilegal de governos e prestadores de serviços que podem violar os direitos das pessoas e aumentar a vulnerabilidade digital. Abusos potenciais incluem interrupção ou desligamento completo de sistemas, uso indevido de informações para vigilância, censura, exclusão ou bloqueio de dados e manipulação. “É importante que os jovens participem ativamente dos processos de informação e comunicação, e todos devemos ser proativos nas soluções – concluiu Lee -. Para isso, temos que começar com as palavras, temos que definir o que queremos dizer quando falamos de redes sociais, ódio ou notícias falsas. Devemos ser proféticos, críticos e políticos”. Bowman enfatizou o quanto é importante que as igrejas definam seu papel e que a representação das mulheres seja garantida em todos os níveis. Precisamos de uma presença justa de mulheres e jovens nos júris ecumênicos, nas cabeças dos organismos culturais e em todos os níveis: "Como cristãos, devemos ser críticos e levantar nossas vozes para ser ouvidos". O secretário do KEK, Huttunen, concluiu os trabalhos partindo dos três fundamentos do plano estratégico das igrejas europeias "Juntos na esperança e no testemunho". “Por que nossas igrejas deveriam cooperar, compartilhar seus recursos e se comunicar umas com as outras? Huttunen se pergunta. Precisamos da voz das Igrejas na Europa, precisamos de um trabalho teológico e de uma contribuição concreta para o futuro da Europa, um futuro de paz, segurança e diálogo. Há esperança? Se falamos dela é porque nos falta e devemos renová-la no Evangelho, na mensagem cristã – concluiu -. Quanto ao testemunho, como Igrejas nos perguntamos como ser relevantes, não só com palavras seculares, mas também entre nós, com transparência e colaborando em desafios comuns. Devemos ser globais, somos uma só humanidade, habitantes do mesmo planeta”. Cerca de 50 delegados de toda a Europa e numerosos oradores participaram na conferência, incluindo Stephen BrownPresidente da WACC para a Europa, Anders Gadegaardpastor da Igreja Evangélica Luterana na Dinamarca e coordenador da equipe de comunicação do CEC, Philip Lee, secretário-geral da WACC, Sara SpeicherSecretário-Geral Adjunto da WACC, Max Arhippainendiretor de comunicação do Ministério da Defesa da Finlândia, Agnieszka Godfrejow-Tarnogorska da Igreja Evangélica da Confissão de Augsburg na Polônia, Dora Laborczida Igreja Evangélica Luterana da Hungria, o pároco Kimmo Saaresgerente de programa da Igreja Evangélica Luterana na Finlândia, Eva Brunnebispo da Igreja da Suécia, Jacob Schwartzpresidente da juventude da Igreja da Suécia, Ralf Peter Reimannda Igreja Evangélica da Renânia. Eleito o novo executivo para a região da Europa. Stephen Brown é confirmado como presidente da WACC para a Europa A Assembléia da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa, que se reuniu entre Helsinque e Estocolmo por ocasião da conferência “O que nos deixa tão zangados? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação”, elegeu seus representantes e novo comitê gestor: Stephen BrownPresidente. Ralf Peter Reimannvice-presidente. Julienne Munyanezasecretário. Freddy Dutz, tesoureiro. O comitê gestor é composto por: Arni Svanur Danielsson, Jean Luc Gaderau, Alba Sabate Gauxachs, Agnieszka Godfrejow-Tarnogorska, Eeva-Kaisa Heikura, Tuomo Pesonen, Marian Kneteman, Aleksic Mladen. Galeria de fotos da conferência da World Association for Christian Communication (WACC) sobre discurso de ódio, fake news e direitos à informação e comunicação. Helsinque-Estocolmo, 10 a 12 de abril de 2019. Do Twitter “Confiança e segurança não são construídas erguendo muros contra o desconhecido”. A campanha da Igreja da Suécia contra o racismo e contra o discurso de ódio: A confiança e a segurança não serão construídas levantando muros contra o desconhecido. o @svenskakyrkan campanhas contra #racismo e #HateSpeech #cecwacc2019 pic.twitter.com/Nags2cMcEz — Jim McDonnell (@jimmcdonnell) 11 de abril de 2019 ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.