Carsten Gerdes é o novo reitor da Igreja Luterana na Itália

Carsten Gerdes é o novo reitor da Igreja Luterana na Itália

Roma (NEV), 30 de abril de 2022 – Carsten Gerdes é o novo reitor da Igreja Luterana na Itália (CELI). A eleição ocorreu hoje, por volta das 19h30, durante o Sínodo da Igreja Protestante, que está sendo realizado em Roma. Gerdes, eleito com 49 votos a favor em 50, presidirá o Consistório, órgão executivo da igreja, por quatro anos. Vice-reitor foi confirmado Kirsten Thiele, pároco da comunidade de Nápoles por oito anos, que exerceu este cargo por três anos.

Gerdes e Thiele

“O maior desafio que vejo para nossa igreja – declarou o pastor luterano Carsten Gerdes em seu discurso antes da votação – é fazer com que nossas comunidades saiam desse período de pandemia, devemos voltar juntos. Para mim, comunidade realmente significa estar junto. A tarefa mais importante, reiterada também nestes dias, é a ocupação dos ofícios pastorais (há alguns na Itália sem pároco ou que não o terão em breve, ed.)”.

“Agradeço a Bludau, com quem sempre tivemos uma relação fraterna e estou confiante de que esta relação pode continuar com o novo reitor – disse Kirsten Thiele, apresentando-se ao Sínodo antes da votação -. Acho que vamos trabalhar muito bem juntos.”

Carsten Gerdes, nascido em 5 de janeiro de 1963 em Bremerhaven, no norte da Alemanha, é pastor luterano na comunidade de Ispra-Varese – “onde quero continuar celebrando o culto e estando em contato com as pessoas” – há quase 4 anos. Está casado há 28 anos com um pastor – “o contrato mais importante da minha vida” – como disse na apresentação da sua candidatura, e têm dois filhos.

acontece com Heiner Bludaureitor desde 2014, alemão mas natural de Bagdá (Iraque), pároco da Comunidade Luterana de Turim.

Carsten Gerdes

Neste link, o canal do YouTube da Igreja Luterana na Itália, juntamente com outras entrevistas com os protagonistas do Sínodo 2022, vários vídeos de apresentação do novo reitor, com algumas de suas reflexões, incluindo seu papel e relação com a Federação de Evangélicos Igrejas na Itália.

Kirsten Thiele

Na tarde de hoje, o orçamento de 2022 da igreja luterana na Itália também foi aprovado pelos 47 sínodos. O Sínodo Luterano terminará amanhã de manhã na Christuskirche na via Sicilia em Roma, com uma cerimônia de posse do reitor e do vice-reitor.


AQUI o comunicado final do Sínodo Luterano 2022.

Para mais informações, do NEV especial sobre o Sínodo Luterano 2022:
– Segundo dia do Sínodo Luterano 2022, “Liberdade e responsabilidade”

– Sínodo Luterano 2022, “a paz não se faz com armas, se faz com amor”

– Sínodo Luterano 2022, “A Europa precisa de paz”

sinodal

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

“A gramática do cuidado”.  Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

“A gramática do cuidado”. Pastora Lidia Maggi apresentada pela Radio3

foto por Tim Mossholder, unsplash.org Roma (NEV), 23 de dezembro de 2020 - "A gramática do cuidado", como a pandemia nos mudou, o novo significado que nossos lares adquiriram. ele falou sobre isso Lídia Maggi, Pastor batista, biblista e teólogo, convidado de um episódio do programa "La cura" da Rádio Rai 3, em um diálogo, dias atrás, com Marinho Sinibaldi, diretor da Rádio3. Ela não é a primeira convidada evangélica desta resenha. Outro erudito, outra mulher protestante, a historiadora Bruna Peyrot, aliás, foi protagonista do mesmo programa em agosto passado, no primeiro ciclo da jornada da Rádio 3 composta por “conversas em torno da pandemia”. No centro da reflexão, o sentido de “casa”, entendida como um lugar físico e além. Também nós quisemos, a partir deste diálogo radiofónico, aprofundar este tema juntamente com o pároco. Você mencionou que há uma disparidade de gênero em casa. Alguma coisa mudará nesse sentido após a crise? “A crise nos permitiu enxergar um problema estrutural: é no lar que a desigualdade de gênero se amplifica. Esses meses aceleraram uma disparidade atual, com escolas fechadas, smartworking e o "mito" da mulher eficiente e multitarefa: uma representação que é uma armadilha. Mas pode ser uma oportunidade de voltar a questionar o modelo existente”. Descreveu a casa como uma metáfora da vida, da sua complexidade, dos vários espaços. Mas há espaço para a complexidade, na mídia, na velocidade das redes sociais, no mundo pós-moderno? “Existe se os sujeitos responsáveis ​​pela comunicação a colocarem no centro. Os sujeitos não são apenas jornalistas, mas também ouvintes e leitores. Onde haverá leitores que se rebelam contra a banalização da informação, isso estimulará cada vez mais aqueles que fornecem informações. E agora que passamos mais tempo na mídia, temos a oportunidade de aprofundar, ir além das simplificações, buscar a complexidade”. “A Bíblia nasceu na Babilônia”, lembrou ele. Você realmente acredita que grandes oportunidades podem surgir da crise, das carências? “Eu realmente acho que sim, a crise é uma oportunidade de parar automaticamente. Acho que sim porque a história que herdei me conta, a história antropológica e minha experiência pessoal me contam. O parto também ocorre através de dores de parto. A crise pode ser uma oportunidade para transformar a realidade, porque ela nos questiona: não há mudança sem questionamentos. Claro que também envolve riscos, se não for acompanhada de um impulso vital pode levar à entrega, à imobilidade do olhar. É como você está em uma crise que faz a diferença. Nesse contexto, a sabedoria bíblica pode ajudar – e isso é demonstrado pela atenção do mundo secular a esses instrumentos, demonstrada também por uma transmissão como a da Radio3, que me emocionou – nos faz perceber a crise como uma possibilidade e ver o nascimento do novo, precisamos mudar de postura”. Ele pediu para "ficar em desconforto". Cesare Pavese escreveu que “Você não se livra de algo evitando-o, mas apenas passando por ele”. Como você passa pelo desconforto da doença, do medo, da morte? “Definitivamente não negando. Não pensar que a doença e o luto são um tempo suspenso. Pensamos neles como um interlúdio, embora talvez seja um limite, porque também é a vida. Li que nestas horas muitos desejam “cancelar” 2020. Mas tal ano não pode ser negado ou cancelado, deve ser elaborado. Devemos encontrar ritos, linguagens, espaços narrativos para revisitar este ano. Tudo o que é removido, mais cedo ou mais tarde, retorna. Assim como de uma doença não voltamos como antes, assim este ano nos marcou. Querer afastá-lo sem uma análise séria é ingenuidade”. Em outra de suas entrevistas, na Famiglia Cristiana, refletindo sobre o significado da casa, disse que “não é um lugar para idealizar”. Nem a família é um refúgio, mas na verdade pode ser um espaço de negação de direitos, para quem sofre violência, para quem não tem recursos materiais ou simbólicos para escolher onde morar. Por que comemorar, então? “Temos que lidar com a família porque é lá que aprendemos a gramática das relações que nos permitem permanecer no mundo. Precisamos ficar atentos a essas línguas agramaticais que nos colocam no mundo sem ter adquirido sabedoria. Fora da metáfora, todo tipo de relação afetiva, de amor, cuidado e intimidade é um espaço onde aprendemos a confiança e a alteridade. Sempre que há um mal-estar na família, não afeta apenas o presente, mas o nosso olhar mais amplo para a realidade. Por isso é muito importante estar vigilante: este é o papel das igrejas. A fé cristã não é familista. De fato, em Jesus há uma recusa do patriarcal, uma forte crítica social, uma crítica feroz à família como espaço de poder. O celibato de Cristo vai nessa direção. Só Deus é pai. Tirando o poder dos humanos e especificamente dos machos. E nisso Jesus, que era uma expressão do gênero masculino, trabalhou muito”. A partir de amanhã estaremos todos de volta, devido ao lockdown, para ficar em casa, para quem tem, pelo menos. Você tem um desejo, uma mensagem ou mesmo apenas um conselho para dar? “Não é fácil desejar algo, mas talvez aprender a mudar o olhar sobre a própria história já seja uma possibilidade. Não fique parado, mas encontre forças para voltar ao caminho rumo ao novo que vem. Recomece, teimosamente, de uma forma diferente, mas recomece”. No momento em que saímos de uma imagem de autossuficiência para reconhecer que somos criaturas necessitadas dos outros, o cuidado assume um papel central. A experiência espiritual e de vida de Lidia Maggi a #A curaaqui pic.twitter.com/VmLejxfLmt — Rai Radio3 (@Radio3tweet) 21 de dezembro de 2020 As duas guias a seguir alteram o conteúdo abaixo. ...

Ler artigo
Montagem CEC.  Uma mensagem do Oriente

Montagem CEC. Uma mensagem do Oriente

À esquerda, Souraya Bechealany Novi Sad (NEV), 5 de junho de 2018 – “Agradecemos a acolhida que oferece aos nossos irmãos e irmãs que vêm do Oriente Médio. Sua recepção nos toca profundamente e o convidamos a abrir portas ainda maiores. No entanto, pedimos a vocês, acima de tudo, que trabalhem para que os cristãos permaneçam no Oriente Médio”. Esta é "a mensagem que vem do Oriente", lançada ontem, 4 de junho, pelos libaneses Souraya Bechealanysecretário-geral do Conselho de Igrejas do Oriente Médio (MECC), na Assembleia Geral da Conferência das Igrejas da Europa (KEK) em Novi Sad (Sérvia, 31 de maio - 5 de agosto). “Sem a presença dos cristãos, ou com sua presença reduzida, o Oriente Médio não será mais o mesmo e perderá seu sentido de alteridade – continuou Bechealany -. No Oriente Médio, nós, cristãos, não somos hóspedes, estamos em casa e participamos da construção das sociedades dos países em que vivemos”. Bechealany então falou sobre a situação libanesa: “A ONU e a União Européia querem que o Líbano receba 2,5 milhões de refugiados sírios e palestinos de uma população total de 4 milhões de pessoas. Somos um país endividado, como podemos lidar com esta emergência?”. Se as Igrejas européias podem oferecer ajuda às do Oriente Médio, o contrário também é verdadeiro: “Podemos ajudá-los a compreender e construir caminhos concretos de unidade na diversidade em seu continente, onde hoje chegam muitos cristãos orientais e muçulmanos. Temos para si as 'instruções de utilização' desta nova situação”. “Finalmente – concluiu o expoente do Oriente Médio – não fale por nós, não pense por nós, não decida por nós. Reflitamos juntos, unidos na Palavra e no testemunho”. (Libra) ...

Ler artigo
Liberdade religiosa, onde está a Itália?

Liberdade religiosa, onde está a Itália?

Nathan Dumlao, unsplash Roma (NEV), 16 de novembro de 2022 - "Dar plena regulamentação às realidades e sujeitos religiosos presentes na Itália, para que possam viver em pé de igualdade com os outros", superando discriminações e obstáculos. Esta será uma das questões centrais do debate desta tarde, a partir das 16h00, em Roma, na Fundação Basso, no Dia da Consciência e da Liberdade e em particular no encontro intitulado “Liberdade religiosa e consciência na Itália. Agenda para a nova legislatura”. ele fala sobre isso Ilaria Valenziassessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), antecipando o conteúdo de seu discurso na mesa redonda de hoje. Ao longo de seu relatório, a advogada Valenzi ilustrará antes de tudo "em que situação de fato nos encontramos: um novo pluralismo religioso, novas presenças, mas também presenças históricas que ainda não encontram uma posição jurídica plena, ou melhor, encontram uma, mas esta colocação muitas vezes e voluntariamente não responde à necessidade de proteger todos os direitos dessas realidades. É o caso, por exemplo, de algumas realidades evangélicas de segunda e terceira geração, portanto não do protestantismo histórico, como algumas das igrejas pentecostais que também têm sede na CCERS, a Comissão das igrejas evangélicas para as relações com o Estado (da qual Valenzi é chefe do escritório jurídico e, nessa função, participará da iniciativa de hoje, ed). E não encontram um lugar, porque muitas vezes o sistema os coloca, mas esse lugar não satisfaz suas necessidades, e corre o risco de criar uma espécie de discriminação com outras figuras de outras realidades religiosas que, ao contrário, tinham a capacidade de responder primeiro aos pedidos que o Estado sempre fez para com eles, ou seja, eles se conformaram mais facilmente. Isso não acontece sobretudo para realidades religiosas de presença mais recente na Itália, fora do cristianismo: o Islã, por exemplo, tem um estatuto que ainda não foi reconhecido pelo ordenamento jurídico italiano, seguimos uma política também meritória de acordos, convenções, com tabelas, até a nível ministerial, mas isto não esgota o problema central que é dar plena regulamentação aos sujeitos religiosos que possam viver plenamente a sua condição como os outros”. Segundo Valenzi, “esses “maus funcionamentos do sistema” correm o risco de se agravar neste momento histórico. Vimos isso no período da pandemia, durante as chamadas religiões minoritárias, porque não havia instrumento para regulá-las. Como, por exemplo, a questão dos enterros rituais para os fiéis da religião islâmica ou a assistência espiritual em prisões e hospitais. Temas e problemas que ressurgiram, se possível de forma mais forte durante a crise pandémica e que têm uma componente jurídica mas também expressam uma vontade política: a de não regulamentar ou de deixar uma série de realidades numa espécie de limbo perene porque isso significa não os legitimam". Segundo Valenzi, um dos riscos mais concretos que enfrentamos é, portanto, “que os direitos de liberdade religiosa sejam o espelho do que acontece em termos políticos com as minorias, de todas as minorias, no caso dessas minorias religiosas. Uma defesa da identidade cultural deste país, com argumentos populistas que conhecemos bem, que é usada de forma muito forte contra o que se percebe como arriscado para a manutenção desta identidade religiosa: os símbolos, as raízes culturais…” Um desses símbolos é o crucifixo mas não é o único: “falamos sempre do crucifixo e está certo mas culturalmente não percebemos a importância de alguns símbolos religiosos, pois são religiosos também para outras religiões. Por exemplo, não consideramos o véu, o kirpan para os crentes da religião sikh, como necessário. E muitas vezes leva a um choque cultural". Por fim, a questão da laicidade, principalmente na escola. A aula de religião, mas também em geral “o reconhecimento da escola como lugar onde se vive a partilha e a integração entre pessoas e não entre culturas. Na escola, a possibilidade da diversidade é vivida num plano de igualdade e isso corre o risco de ser usada como uma gazua para alunos que vêm de diferentes culturas, contextos e origens migratórias. Corre o risco de se tornar mais um campo de batalha que, se fomentado do ponto de vista político, pode ser explosivo”. Aqui o programa completo do evento. Os Dias de Consciência e Liberdade acontecerão na quarta-feira, 16 de novembro de 2022, às 16h, no salão da Fundação Lelio e Lisli Basso, na Via della Dogana Vecchia n. 5 em Roma. Entrada gratuita sem reserva. Eles também serão transmitidos na página do Facebook Consciência e Liberdade e no site www.hopemedia.it. Para saber mais: A FCEI inaugura a Secretaria Escolar do Pluralismo Laico ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.