uma série de sermões sobre Ló, Sansão e Judas

uma série de sermões sobre Ló, Sansão e Judas

Roma (NEV), 4 de julho de 2020 – Há mais a aprender com os erros do que com os acertos. Esta é a convicção que anima o curto ciclo dedicado às histórias bíblicas de fracasso que termina amanhã, 5 de julho, no Culto Evangélico, programa da Radiouno RAI, transmitido todos os domingos de manhã às 6h35.

“Alguns anos atrás – explica o pároco Luca Baratto que supervisionou os três sermões – aconteceu de eu ver um livro intitulado ‘As consequências da Bíblia’ em uma vitrine. Entrei na livraria e comprei imediatamente, sem ver!”

A série exibida no Culto Evangélico é inspirada justamente no volume do biblista canadense Walter Vogels. Os protagonistas dessas histórias bíblicas de fracasso são personagens de excelência, ricos em talento e humanidade, cuja vida, porém, deu um rumo errado por causa de suas falhas ou azar ou porque Deus, por algum motivo, os abandonou. Vogels manifesta simpatia explícita por eles, advertindo os leitores a não julgarem para não serem julgados por sua vez com a severidade e, às vezes, malevolência, que usamos para com os outros

O primeiro sermão, transmitido em 14 de junho, contou a história de muito, o patriarca falhou. Sua vida procede primeiro em paralelo e depois em oposição à de seu tio Abraão. Os dois saem de Ur juntos, mas a cada novo movimento de sua caravana eles se afastam cada vez mais um do outro, até se separarem (Gênesis 13).

“É interessante como a Bíblia mostra o andamento dessa separação – explica Baratto -. Nas listas das caravanas de Abraão, o nome de Ló desliza imperceptivelmente da primeira para a última posição. Prima está no começo com seu tio Abraham; depois é cotado em segundo, terceiro e quarto lugar na caravana. É um pouco como sentar à mesa e descobrir que o seu lugar está cada vez mais distante do do anfitrião!”

21 de junho foi a vez de Sansão, “uma história de violência, amor, sexo e até humor, perfeita para o cinema. É uma história de excessos, cujo fracasso se deve principalmente às expectativas, também enormes, ligadas ao nascimento de Sansão”, explica Baratto.

“Na verdade, Sansão é o 13º juiz – ou seja, líder militar – de Israel, e isso por si só deve nos dizer muito. As tribos de Israel são de fato 12, um número completo em si. Ser o 13º significa ser um excedente, uma pessoa não agendada de quem pouco se espera. E, no entanto, a história entre Sansão e Dalila é muito mais intrigante do que parece à primeira vista, e sempre vale a pena contar”.

A última personagem, no episódio do Culto Evangélico transmitido no domingo, 5 de julho, é a mais trágica das três: para baixo de, o traidor. “Sim, o traidor – reitera Baratto -. Porque Judas é marcado por sua culpa. Quando os Evangelhos mencionam seu nome, Judas Iscariotes, sempre acrescentam: ‘aquele que o traiu’.

“Judas está arrasado com a sentença de morte que condena Jesus e para a qual, paradoxalmente, ele mesmo contribuiu. Jesus é derrotado e Judas é derrotado; Jesus morre e Judas morre. Judas não teve tempo de ouvir o julgamento da vida pronunciado por Deus sobre Jesus com a ressurreição. E ele ainda está esperando para ouvir esta palavra”.

Todos os episódios do culto evangélico estão disponíveis para reouvir na Rádio RaiPlay; enquanto os textos são publicados no site www.fcei.it e na edição impressa de “Riforma”, a revista semanal das igrejas batistas, metodistas e valdenses.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Confie em uma “temporada de direitos civis”.  Entrevista com Fausto Tortora

Confie em uma “temporada de direitos civis”. Entrevista com Fausto Tortora

Aaron Blanco Tejedor, unsplash Roma (NEV), 14 de março de 2023 - O "Especial de Liberdade Religiosa" da Agência NEV continua com a voz de Fausto Maria Tortora, vice-presidente da Fundação Lelio e Lisli Basso, que promoveu a conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”. Entre os parceiros da iniciativa, também a Revista Confronti e Centro de Estudos, a Biblioteca Jurídica Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). Para ver o especial completo, clique AQUI. Entrevista com Fausto Tortora. A Fundação da qual o senhor é vice-presidente organizou recentemente a conferência intitulada: “Pluralismo religioso, fundamentalismo, democracias”. Que equilíbrio você gostaria de fazer em termos de participação e conteúdo? A conferência a que se refere e da qual a Fundação Lelio e Lisli Basso foi uma das organizadoras, a partir de uma solicitação que nos foi enviada por um grupo de Magistrados altamente qualificados, foi sem dúvida um sucesso. Em primeiro lugar, após a pandemia e os consequentes métodos de encontro que todos sofremos, ver salas cheias, estilos de interlocução não mediados por telas de computador, foi emocionante. Mas, ao lado desses dados (que não são puramente quantitativos), eu diria que conseguimos uma conversa de primeira, que foi recebida por um público generoso e atento. Acredito que acima de tudo temos evidenciado a necessidade e uma vontade coletiva de repropor o grande tema da liberdade religiosa neste país, sem tabus nem timidez. Todas as confissões religiosas que convidamos sabiam e quiseram aproveitar para reconhecer o local da Conferência como um lugar para relançar uma batalha pela civilização e pela liberdade. E a amplitude, mesmo internacional, dos oradores deu um forte prestígio a toda a iniciativa. Na sua opinião, quais são as principais resistências da política em relação à questão da liberdade religiosa? Ignorância e preguiça intelectual: estes são os dois pólos que explicam a estagnação da política italiana nesta matéria. Gostaria de fazer um questionário entre os nossos parlamentares: deputados e senadores, para saber quantos deles sabem se movimentar no "mundo das religiões", além dos boatos. No entanto, a realidade da Itália, país de imigração, obrigaria qualquer figura que ocupe um cargo público a saber para decidir, pelo menos para questionar além dos clichês. E, no entanto, testemunhas do pluralismo religioso habitam nossas próprias casas, os bairros de nossas cidades: do lojista ao "pizzettaro", da empregada à auxiliar de idosos ou à enfermeira que encontramos nos mesmos hospitais públicos. Digo também preguiça intelectual porque para muitos políticos o lema "quieto não se mexa” parece ser o imperativo válido para qualquer temporada. Também por isso, que mesmo sob o impulso do atual pontificado poderia permitir que os “católicos” obedientes ousassem alguma manifestação de secularismo, ou melhor, de liberdade e, talvez, de maior fidelidade aos valores e à mensagem do Evangelho. Do ponto de vista, porém, da sociedade italiana: na sua opinião, existe o medo do pluralismo religioso? Ou estamos diante de uma incapacidade coletiva e mútua de reconhecer as próprias identidades e as dos outros? Também neste caso eu falaria de ignorância: medo resultante da desconfiança ou desconhecimento do outro. O que é certo é que, se a política não fizer o seu trabalho, principalmente educacional, e fomentar a competição em vez do espírito de coesão, os fechamentos culturais em vez da curiosidade sobre a diversidade que cada um de nós traz, os problemas conflitantes estão destinados a aumentar e, talvez, , alguém poderia obter uma vantagem política mesquinha e míope. Claro que, deste ponto de vista, a escola é a instituição fundamental, e não só para as crianças e jovens, mas também para as famílias e as comunidades: também assim se derrubam os muros e se cria a cultura comunitária. Ele acha que esse assunto pode ser tratado considerando todos os aspectos da questão, incluindo: o estado laico; símbolos religiosos, edifícios e roupas; ensino da religião católica nas escolas públicas; disponibilidade e transparência na aplicação dos recursos (oito por mil in primis)? Se eu não confiasse que não só deveria, mas poderia dar conta do assunto, aproveitando inclusive a "janela histórica" ​​oferecida pela atitude de um papa da Igreja Católica que vem do "fim do mundo ", certamente não teria me comprometido com a Fundação onde trabalho. Em vez disso, sinto um novo interesse na temporada dos direitos civis e, portanto, no declínio dos privilégios anti-históricos que a denominação majoritária tem desfrutado há alguns séculos. Neste contexto, não considero tabu discutir publicamente os 8 por mil e a sua utilização, mas acima de tudo gostaria de uma discussão pública sobre o privilégio do ensino (e dos professores) da religião católica nas escolas e sobretudo sobre o escândalo dos capelães militares: padres empregados nas fileiras do exército na época da terceira guerra mundial em pedaços. ...

Ler artigo
Diálogo entre a Igreja Católica e a Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa

Diálogo entre a Igreja Católica e a Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa

Foto PCPCU/CPCE, Basel, abril de 2022 Roma (NEV), 10 de maio de 2022 – A primeira sessão de diálogo entre o Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos (PCPUC) e a Comunhão das Igrejas Protestantes na Europa (GEKE/CCPE) aconteceu em abril passado em Basel, na Suíça. Este é um processo que começou em 2018. A reunião aconteceu no palácio episcopal da Catedral de Basel, a convite da Igreja Evangélica Reformada da cidade de Basel, e coordenada pelo secretário cessante do GEKE Martin Friedrich. O objetivo do diálogo é a elaboração de um documento com o título provisório "Auf dem Weg zu einem gemeinsamen Verständnis von Kirche. Vergewisserung, Vertiefung, Ausblick” [In cammino verso una comprensione comune delle Chiese. Confronti, approfondimenti, prospettive]. Os objetivos desta primeira sessão foram aprofundar o conhecimento mútuo e identificar temas e ações para o futuro. A segunda sessão está marcada para Augusta, no início de novembro. O GEKE foi fundado em 2003 como um corpo ecumênico continental que reúne 106 igrejas luteranas, metodistas, reformadas e unidas de mais de 30 países europeus, representando cerca de 50 milhões de cristãos protestantes. Sua história, no entanto, tem suas raízes no período da Reforma. O diálogo com a Igreja Católica, até poucos anos atrás, era construído principalmente em encontros bilaterais com as diversas confissões. O encontro de Basileia representa uma novidade no panorama ecumênico mundial. As igrejas do Concorde de Leuenberg Como é bem sabido (aqui o arquivo NEV que fala sobre isso em detalhes), no século XVI os dois principais ramos da Reforma – os luteranos e os reformados – estavam divididos quanto ao entendimento da Ceia do Senhor. Martinho Lutero acreditava que Cristo estava corporalmente presente nos elementos do pão e do vinho. Huldrych Zwinglio em vez disso, ele acreditava que a presença de Cristo era espiritual. Durante muito tempo, as duas famílias protestantes não se reconheceram em plena comunhão. A divergência amenizou-se ao longo dos séculos e encontrou solução em 1973 com a formulação e assinatura do chamado "Acordo de Leuenberg". O fato de as igrejas de Concordia e da Igreja Católica se encontrarem é, portanto, um passo a mais no diálogo. “O Concorde de Leuenberg é um exemplo concreto (e talvez único) de 'unidade na diversidade' – continua o perfil aprofundado -. Graças a ela, hoje, as igrejas autônomas e independentes reconhecem mutuamente seus ministros do culto, a validade dos sacramentos, praticam a intercomunhão e acolhem os fiéis de outras igrejas em suas comunidades”. Este documento expressa “uma compreensão comum do evangelho e da administração dos sacramentos compartilhada pelas igrejas que assinaram o acordo. Cumprindo assim os dois únicos requisitos que, segundo a teologia protestante, determinam a unidade da Igreja. Com base no que afirma a Confissão de Augsburgo (1530), quando se chega a um acordo sobre a pregação do Evangelho e a celebração dos sacramentos, segue-se automaticamente a comunhão eclesial, para além das diferentes estruturas, ritos e tradições de cada Igreja”. A Igreja Evangélica Valdense – União das Igrejas Metodista e Valdense e a Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) também aderem ao Acordo de Leuenberg. Para ver a composição das delegações católica e protestante presentes em Basileia em abril, clique AQUI (leia mais em alemão, inglês, italiano e francês). ...

Ler artigo
Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Unsplash foto Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Acabaram de terminar as festividades natalinas, mas de 18 a 25 de janeiro a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos nos oferece novamente um tema natalino, o da estrela avistada pelos Magos: “No oriente nós viu sua estrela aparecer e viemos aqui para honrá-lo” (Mateus 2:2). Por mais de meio século, o material para a Semana de Oração pela Unidade foi preparado conjuntamente por Protestantes, Ortodoxos e Católicos através do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, em colaboração com as igrejas de um determinado país ou região do mundo. Este ano, a Semana foi preparada com a ajuda do Conselho das Igrejas Cristãs do Oriente Médio. E a escolha do tema não é acidental. Com efeito, como lemos na introdução teológico-pastoral, "enquanto no Ocidente muitos cristãos celebram solenemente o Natal, para muitos orientais a festa mais antiga, e ainda a principal, é a Epifania, ou seja, quando a salvação de Deus foi revelada aos as nações. Essa ênfase no teofaniaou seja, do evento [alle nazioni] é, em certo sentido, o tesouro que os cristãos do Oriente Médio podem oferecer aos seus irmãos e irmãs no mundo inteiro”. A introdução destaca vários aspectos do tema da estrela da Epifania. Eu gostaria de levar dois. O primeiro é "a universalidade do chamado divino simbolizado pela luz da estrela que brilha do leste... Os Magos nos revelam a unidade de todos os povos queridos por Deus. Eles viajam de países distantes e representam culturas diferentes, mas todos são movidos pelo desejo de ver e conhecer o Rei recém-nascido”. Ao mesmo tempo, os Magos são símbolo da diversidade dos cristãos: "Embora pertençam a diversas culturas, raças e línguas" e - devo acrescentar - a diversas confissões - "os cristãos partilham uma comum busca de Cristo e um comum desejo de adorá-lo", apesar de sua diversidade. O segundo aspecto é a homenagem que os Magos prestam a Jesus, oferecendo-lhe vários dons que, "desde os primeiros tempos do cristianismo, foram entendidos como sinais dos vários aspectos da identidade de Cristo: o ouro pela sua realeza, o incenso pela sua divindade e a mirra que prenuncia a sua morte. Esta diversidade de dons dá-nos uma imagem da percepção particular que as várias tradições cristãs têm da pessoa e da obra de Jesus: quando os cristãos se reúnem e abrem os seus tesouros e os seus corações em homenagem a Cristo, enriquecem-se com a partilha dos dons de essas diferentes perspectivas. Por outras palavras, cada encontro ecuménico é semelhante à adoração dos Magos: oferecemos-nos a Deus e uns aos outros ao mesmo tempo, com os dons específicos que Deus concedeu a cada uma das nossas tradições cristãs. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.