Conselho Ecumênico abre indicações para comunicadores da Assembleia 2022

Conselho Ecumênico abre indicações para comunicadores da Assembleia 2022

Foto de arquivo Albin Hillert/CEC

Roma (NEV), 13 de julho de 2021 – Até 15 de agosto é possível se inscrever para integrar a equipe de comunicação da 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas (CMI), prevista para 2022 na Alemanha.

O CEC convida comunicadores de todo o mundo a se juntarem à equipe.

“Estamos procurando jovens comunicadores de 18 a 30 anos, bem como comunicadores seniores mais experientes, para nos ajudar a cobrir a comunicação da Assembleia em vários canais, globalmente”, escreve o CEC.

Durante a 11ª Assembléia em Karlsruhe, Alemanha, a maioria dos comunicadores trabalhará remotamente em seus países de origem, sob a supervisão de pessoal experiente da equipe de comunicação do CMI. Um programa de treinamento abrangente será oferecido aos candidatos aprovados. Jovens comunicadores também aprenderão sobre ética na comunicação, seu papel fundamental na prevenção da disseminação de desinformação e padrões jornalísticos básicos, como verificação de fatos e citação responsável.

“Não se espera que os jovens candidatos tenham tanta experiência, mas devem ter genuinamente interesse pela comunicação e vontade de aprender mais sobre o movimento ecumênico”, explica. Marianne Ejderstendiretor de comunicação do WCC.

Proficiência total em inglês não é esperada, mas os candidatos devem ser capazes de se comunicar bem em inglês.

Proficiência nas demais línguas oficiais do CMI (alemão, francês e espanhol) são consideradas preferenciais

Os jovens finalistas serão selecionados para curtas entrevistas online em agosto e setembro de 2021 e iniciarão o treinamento básico de comunicação em outubro-dezembro de 2021. Espera-se uma certificação emitida pelo escritório de comunicação do CEC.

Os finalistas seniores serão selecionados para curtas entrevistas online de setembro a dezembro de 2021.

Os cargos de comunicador júnior e sênior são voluntários. A CEC arcará com as despesas de viagem e hospedagem dos selecionados para estarem presentes em Karlsruhe.

Prazo para inscrições 15 de agosto de 2021.

As perguntas devem ser enviadas para [email protected]

Apenas as candidaturas online serão consideradas de acordo com os procedimentos indicados. Para mais informações sobre requisitos e procedimentos:

Comunicador sênior da Assembleia – para candidatos seniores

Junior Assembly Communicator – para candidatos juniores

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

Notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK)

O pastor Christian Krieger (à direita), presidente da Conferência das Igrejas Européias (KEK), visita as igrejas ucranianas. Foto CEC Roma (NEV), 2 de maio de 2022 – Estas são as últimas notícias da Conferência das Igrejas Europeias (KEK). Christian Krieger, presidente do KEK: “Ucrânia. Ore e trabalhe pela justiça e pela verdade. Manter o horizonte da reconciliação e da paz" O pastor Christian Krieger, presidente da Conferência das Igrejas Européias, visitou o oeste da Ucrânia. Aqui ele conheceu o bispo Pavlo Shvarts da Igreja Evangélica Luterana Alemã da Ucrânia e outros líderes religiosos comprometidos em responder às necessidades humanitárias e espirituais. Algumas igrejas ortodoxas estão tentando mudar sua afiliação, para deixar o Patriarcado de Moscou, informa o CEC. Krieger pediu esperança, solidariedade, justiça e verdade. Num contexto de grave insegurança física e espiritual, a ajuda das igrejas é fundamental. “As igrejas estão fornecendo ajuda humanitária massiva e ajudando os mais vulneráveis: os idosos abandonados sozinhos, mães com filhos pequenos e muitas pessoas que simplesmente não sabem onde comer”. Por fim, o pároco os convidou a trilhar caminhos de reconciliação. “Muitas vezes a verdade é a primeira baixa da guerra, devido à propaganda de ambos os lados – disse -. Construir uma paz duradoura significa criar espaços nas igrejas e na vida das pessoas para caminhar e trabalhar juntos, para escrever a história comum do que aconteceu”. Para saber mais, clique aqui. Resposta das Igrejas CEC para a Ucrânia Uma nova página no site da CEC reúne as iniciativas das igrejas parceiras em resposta à guerra na Ucrânia. O impacto da guerra nas igrejas, os apelos à oração, o compromisso pela paz e as iniciativas humanitárias encontram espaço nesta página dedicada. Também publicou uma lista de sites úteis. Para mais informações, clique aqui. Assembleia Geral da CEC: oração, reflexão e celebração “A Assembleia da CEC será uma oportunidade para nos conhecermos melhor, refletindo sobre as raízes históricas e o potencial intrínseco da nossa fé comum”. O secretário-geral do CEC, Jørgen Skov Sørensen, fala sobre a 16ª Assembleia Geral a ser realizada no próximo ano em Tallinn. Homens e mulheres de todas as idades discutirão o futuro da Europa, em colaboração com as instituições europeias, também numa perspectiva teológica. Em um vídeo, Sørensen convida as igrejas-membro a trabalharem juntas em vista deste importante evento. Veja abaixo: [embed]https://www.youtube.com/watch?v=qeUoSF9_zT0[/embed] ...

Ler artigo
Imigração, eu era estrangeiro: práticas sem saída e escritórios com falta de pessoal

Imigração, eu era estrangeiro: práticas sem saída e escritórios com falta de pessoal

Roma (NEV), 17 de maio de 2023 - Três anos após a aprovação da regularização extraordinária de 2020, as organizações que promovem a campanha Eu era estrangeiro, que também inclui a Federação de Igrejas Evangélicas da Itália, publicam uma nova atualização sobre o estado das práticas ainda nos gabinetes do Ministério do Interior. “Milhares de trabalhadoras e trabalhadoras ainda esperando para obter seus documentos e sair da precariedade – lê-se uma nota de Eu era estrangeiro -: uma derrota para todo o país que luta. A 13 de maio de 2020, em plena emergência pandémica, foi aprovada com o decreto de “relançamento” a regularização extraordinária dos trabalhadores indocumentados e em situação irregular nos setores doméstico e agrícola. Mais de 200.000 solicitações enviadas por famílias e empregadores. Hoje, três anos depois daquele decreto, o procedimento de emersão ainda não terminou: ainda existem dezenas de milhares de papéis não cumpridos nas prefeituras e quartéis da polícia e, portanto, trabalhadores que ainda aguardam para poder obter uma autorização de residência”.A campanha acompanhou a implementação da medida de emergência de maio de 2020 através de pedidos de acesso a documentos e diversos dossiers de aprofundamento. Passados ​​três anos, escrevem os promotores, “nos vemos mais uma vez obrigados a denunciar os graves atrasos das repartições, sobretudo nas grandes cidades. Situação, afinal, inevitável, uma vez que os mesmos gabinetes – cronicamente insuficientes – estão também envolvidos na instrução de requerimentos relativos ao procedimento de entrada do decreto de fluxo e em outros procedimentos relativos a estrangeiros no nosso país”.Hoje, portanto, a campanha publica uma atualização ad hoc da situação a partir dos dados a nível nacional, obtidos pelo Ministério do Interior a 10 de maio, relativos às autorizações de residência emitidas fisicamente pela sede da polícia: “Existem 65.166 em 207.000 pedidos apresentados, apenas 31,5% do total. Outros dados de âmbito nacional de que dispomos referem-se a pedidos indeferidos que a 10 de maio são 30.535, 14,75% do total dos recebidos”.Em Milão, até o dia 19 de abril, das 26.225 candidaturas apresentadas, pouco mais da metade foi concluída. Em Roma, de acordo com os dados fornecidos pela mesma prefeitura, das 17.371 solicitações apresentadas, até 6 de abril de 2023, 52% das solicitações recebidas foram concluídas. “Mas se compararmos esses dados com a situação em 31 de dezembro de 2022, o resultado é dramaticamente sensacional: em quatro meses os escritórios da prefeitura de Roma completaram 88 práticas, um número alarmante que denota um verdadeiro impasse em detrimento de as milhares de pessoas que ainda aguardam a definição do procedimento. A mesma prefeitura, na carta de resposta ao nosso pedido de acesso aos documentos, esclarece os motivos dessa inatividade: desde dezembro de 2022 o escritório está privado de 14 unidades de efetivo, ou seja, quase metade da força de trabalho que até então ele estava a lidar com os pedidos de emergência: por isso, perante uma carga de trabalho tão enorme e um número tão pequeno de pessoal, é inevitável que avancemos a um ritmo muito lento e inaceitável para a administração pública”.Conforme já descrito no dossiê anterior editado pela campanha em dezembro passado, “esses pesados ​​atrasos na definição do processo de regularização deram origem a inúmeros recursos administrativos e uma série de sentenças. Em particular, duas ações coletivas estão em andamento em Roma e Milão promovidas por trabalhadores emergentes contra os graves e persistentes atrasos das respectivas prefeituras, apoiadas por algumas associações. No que diz respeito à ação coletiva contra a prefeitura de Milão, movida por cerca de 100 trabalhadores, em 28 de abril, o Tribunal Administrativo Regional da Lombardia, reconhecendo a grave situação em curso, ordenou à prefeitura de Milão que apresentasse um relatório detalhando como os recursos econômicos e humanos disponível para os escritórios e explicar quais medidas foram tomadas para lidar com os atrasos. Uma intervenção significativa que vem confirmar a ilegitimidade do estado em que se encontram estes gabinetes e a gravidade desta carência para com os trabalhadores que aguardam há demasiado tempo os seus documentos. A consciência da gravidade desta situação e o aumento do contencioso relativo a processos ainda pendentes conduziu finalmente, nos últimos dias, a uma intervenção esperada e solicitada por diversas vezes nos últimos anos pela campanha Eu era estrangeiro, mais recentemente com uma carta ao ministro Piantedosi em março passado: o Departamento de liberdades civis e imigração do Ministério do Interior emitiu uma circular que prevê que as práticas relacionadas à regularização de 2020 ainda pendentes sejam sujeitas a simplificação processual e possam avançar para a etapa final do procedimento previsto para o surgimento. Esta intervenção permitirá, sem dúvida, abreviar o processo de dezenas de milhares de casos ainda pendentes. Além disso, a circular é um reconhecimento claro, ainda que tardio, de uma condição de dificuldade que agora se tornou gangrenosa para os gabinetes da administração do interior”.À luz do que emerge do dossiê, “temos uma pergunta para o Ministro do Interior: não é uma clara situação de emergência? O que pode ser mais urgente do que colocar os gabinetes em condições de proceder em tempo razoável à apreciação dos vários pedidos e à emissão da autorização de residência essencial para tirar muitas pessoas da invisibilidade e permitir uma real inclusão na sociedade ? Se, como afirmado, o objetivo do governo é incentivar a imigração regular, por que não começar a cuidar das pessoas que vivem e trabalham em nosso país, permitindo que sejam tratadas em total conformidade com a lei?”.A campanha apela assim ao ministro, ao Governo e à Assembleia da República a “trabalharem para que se proceda com celeridade ao recrutamento de novos quadros estáveis ​​e em número adequado às reais necessidades dos gabinetes. Outra mudança necessária para que a máquina administrativa funcione bem e evite atrasos ilegítimos é – como prevê nossas propostas de reforma – a adoção de políticas migratórias de longo prazo que permitam planejar as entradas sem recorrer aos famigerados click days e estabelecer a emergência em de forma individual, acessível a qualquer momento, sem recurso a amnistias periódicas, como se tem feito nos últimos vinte anos. Daqui passa uma gestão eficaz do fenómeno migratório: de uma administração que funciona sem ser submetida a pressões por processos extraordinários, que sabe planificar as suas atividades e é capaz de cumprir prazos e responder às exigências da cidadania, sem discriminação, contribuindo para a inclusão de trabalhadores e trabalhadoras que optaram por se instalar em nosso país e fazer parte de nossa sociedade". Para saber mais: ...

Ler artigo
A educação cristã no centro do Sínodo da Iglesia Valdense del Rio de la Plata

A educação cristã no centro do Sínodo da Iglesia Valdense del Rio de la Plata

Roma (NEV), 3 de fevereiro de 2020 - A 57ª Assembleia Sinodal da Igreja Evangélica Valdense do Rio da Prata, que reúne representantes das comunidades valdenses do Uruguai e da Argentina, juntamente com pastores e representantes dos trabalhos diaconais que a igreja realiza nas duas nações, iniciou suas atividades na tarde de sábado, dia 1º de fevereiro, com o tema “Reconhecendo-nos no contexto: uma abordagem de nossas práticas educativas comunitárias” no centro. O pastor Ariel Charbonnier – como a mais velha – deu as boas-vindas a todos os participantes e fez o credenciamento dos deputados e pastoras com direito a voto, bem como do moderador da área italiana, Alessandra Trotta. 59 são as reuniões sinodais com voz e voto. Como em todas as edições, as pessoas com direito à palavra foram apresentadas uma a uma; entre estes, os conselheiros das obras diaconais, as comissões sinodais e o delegado fraterno da American Waldensian Society, David Stubbs. A Mesa Sinodal, encarregada de moderar os trabalhos da assembléia, é composta por: Sérgio Bertinatpároco da Colônia Belgrano, presidente; mabel gonnetde Montevidéu, vice-presidente; marta garnierda comunidade de San Gustavo, secretário e pároco Hugo Armand Pilon como conselheiro. Por se tratar de um sínodo temático, os dois primeiros dias de trabalho foram dedicados ao tema escolhido, a educação cristã, e somente a segunda-feira será dedicada a questões administrativas e à eleição dos cinco membros da Mesa Valdense. Abaixo, uma galeria de fotos das obras. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.