Insônia e memória

Insônia e memória

Roma (NEV), 29 de dezembro de 2019 – Publicamos o texto do terceiro e último sermão do ciclo natalino proferido pelo pároco Raffaele Volpe esta manhã durante o programa “Culto evangélico” da Radiouno RAI. O pároco nos convida a refletir sobre a relação entre insônia e memória: uma insônia que pode ser cheia de sonhos ou pesadelos, dependendo do quanto conseguimos nos lembrar do nosso passado.


Faltam apenas dois dias para o final deste ano. Espero que tenha sido um bom ano para você, mas se não foi, espero que o próximo ano seja capaz de devolver o que você perdeu. Como bons crentes, pelo menos esperançosamente, confiamos na Palavra de Deus para nos preparar para a despedida do ano velho e o início de um novo ano.

Oremos: Senhor para o ano que está por vir, te peço mais memória. Amplia a capacidade de memória não só do nosso computador, mas também do nosso cérebro e dos nossos sentimentos. Capacita-nos a recordar sem rancor e a não esquecer superficialmente. Dá-nos a paixão da memória. Amém.


Ouçamos a leitura do texto bíblico para a meditação de hoje: ” Naquela noite, o rei, incapaz de dormir, ordenou que lhe trouxessem o livro de Memórias, as Crônicas; e foi lido na presença do rei“, (Ester 6:1).

Ainda jovem, em 1934, o filósofo judeu Emmanuel Levinas escreve em uma revista cristã francesa um artigo intitulado “Algumas reflexões sobre a filosofia do hitlerismo“. O filósofo diz: “O sucesso de Hitler, diz o filósofo, reside na sua capacidade de despertar sentimentos básicos básicos: a voz do sangue, o apelo a um legado e um passado, o uso da força. Mas é por essas razões que o racismo não se opõe apenas a um ponto particular da cultura cristã ou liberal, a um tipo de democracia ou não. Ela se opõe à própria humanidade do homem“.

O racismo se opõe à própria humanidade do homem! A insônia de um jovem filósofo de vinte e oito anos diante dos pesadelos que assombravam a Europa naqueles anos me lembrou a curta passagem bíblica que acabamos de ouvir: um rei insone, Mordecai, manda que o livro de memórias seja trouxe para ele.

A insônia de Levinas também traz à mente um conto de Dino Buzzati “Novos amigos estranhos”. Aqui, o engenheiro Stefano Martella se encontra, após sua morte, em um lugar estranho onde não há desejos, onde não há medos, onde não há pesadelos, até porque os sonhos não se sonham naquele lugar. No entanto, só se você tiver coragem de sonhar, você pode ter pesadelos, e só se você tiver pesadelos você fica acordado à noite se revirando na cama com o livro de memórias no travesseiro.

Bem-vindos, então, aos sonhos e bem-vindos à insônia em nossa era de dorminhocos que não sonham e esquecidos sem pesadelos. Bem-vindos os sonhos e bem-vindos à insônia se corremos o risco de perder a memória. Se, novamente, se ouvem as vozes dos tocadores de pífano que adoram despertar sentimentos elementares demais. Se permanecermos indiferentes aos slogans de punho de ferro de que a substituição étnica está em andamento.

Nasceu há cem anos Primo Levi. Preso por milícias fascistas em dezembro de 1943, foi levado para Auschwitz. Ainda me lembro das noites sem dormir que passava lendo seus livros. O horror e a gratidão que viviam em meu coração. E sua poesiaSe isso é um homem“, que como um disco que se encanta na mesma nota, sempre parava na minha memória no mesmo ponto: “Medite que isso foi“. Ele me atacou como um medo que eu poderia esquecer. Eu temia que o que tinha acontecido pudesse não apenas ser esquecido, mas também se repetir.

Evgenia Ginzburg

Levi em Auschwitz recita os versos de dante da Divina Comédia, Evgenia Solomonovna Ginzburg recita no trem que a leva para a Sibéria os versos de Pasternak. Não é um simples jogo intelectual. É elevação espiritual. É manter a memória como resistência desperta, mesmo na insônia produzida pelos pesadelos do racismo e do totalitarismo. É uma transgressão de uma cultura que quer permanecer humana. Para Levi e para Ginzburg, a paixão pela memória era absolutamente necessária.

Para nós, cristãos, as palavras paixão e memória estão no centro da nossa fé. A mensagem da fé cristã baseia-se na memória da paixão de Cristo. Uma memória como modéstia diante de tanta violência banal contra o corpo de Cristo, primeiro preso, depois detido ilegalmente, depois torturado e depois morto. Uma modéstia que não se transforma em esquecimento, mas, ao contrário, em memória, memória daquela paixão porque há salvação precisamente em não esquecer.

Há salvação em reconhecer Cristo como inocente e confessar o pesadelo da cruz. Há salvação em confessar que Cristo deu a sua morte como último brado de Deus ao mundo inteiro: “Medite que isso foi“. Em Cristo, Deus ordena que a dor de toda criatura viva receba atenção humana. Aqui recompõe-se um quadro de palavras ainda desconexas entre si, recompõe-se a partir da palavra dor. Da sensibilidade à dor que Deus implora na cruz. Sensibilidade à dor que é também um lembrete radical da responsabilidade humana, da sua culpa (palavra que desapareceu do vocabulário de hoje). E esse novo amontoado de palavras – dor, responsabilidade, culpa – lança luz sobre as outras – memória, sonhos, pesadelos, racismo.

É precisamente da memória da paixão que pode nascer uma paixão da memória como responsabilidade humana que nos deve manter acordados neste tempo racista. O que deve nos dar forças para voltar a sonhar, mas também para acordar abruptamente sem tentar adoçar o pesadelo de nossa culpa. É necessário que a voz de nossas igrejas seja ouvida claramente ao contar a história de um Cristo inocente crucificado. Faça isso agora, logo após a celebração do Natal. Pouco antes do Ano Novo. Faça isso agora, não espere a sexta-feira antes da Páscoa para lembrar a cruz, quando com pressa mal podemos esperar para fechar o caso com uma ressurreição tranquilizadora. Amém.


Oremos: Senhor, nós italianos somos facilmente esquecidos. Dá-nos, pois, a paixão da memória, tu que já nos deste, em Cristo, a memória da paixão. Aquela paixão de Cristo que não foi apenas uma história de sofrimento, uma história de cruz, mas também uma história de resistência, de coragem, de amor, de doação. Faça de nós a paixão da memória para o novo ano que está por vir. Amém.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Os Magos, imagem da universalidade do chamado divino

Unsplash foto Roma (NEV), 18 de janeiro de 2022 – Acabaram de terminar as festividades natalinas, mas de 18 a 25 de janeiro a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos nos oferece novamente um tema natalino, o da estrela avistada pelos Magos: “No oriente nós viu sua estrela aparecer e viemos aqui para honrá-lo” (Mateus 2:2). Por mais de meio século, o material para a Semana de Oração pela Unidade foi preparado conjuntamente por Protestantes, Ortodoxos e Católicos através do Conselho Mundial de Igrejas (CMI) e do Pontifício Conselho para a Promoção da Unidade dos Cristãos, em colaboração com as igrejas de um determinado país ou região do mundo. Este ano, a Semana foi preparada com a ajuda do Conselho das Igrejas Cristãs do Oriente Médio. E a escolha do tema não é acidental. Com efeito, como lemos na introdução teológico-pastoral, "enquanto no Ocidente muitos cristãos celebram solenemente o Natal, para muitos orientais a festa mais antiga, e ainda a principal, é a Epifania, ou seja, quando a salvação de Deus foi revelada aos as nações. Essa ênfase no teofaniaou seja, do evento [alle nazioni] é, em certo sentido, o tesouro que os cristãos do Oriente Médio podem oferecer aos seus irmãos e irmãs no mundo inteiro”. A introdução destaca vários aspectos do tema da estrela da Epifania. Eu gostaria de levar dois. O primeiro é "a universalidade do chamado divino simbolizado pela luz da estrela que brilha do leste... Os Magos nos revelam a unidade de todos os povos queridos por Deus. Eles viajam de países distantes e representam culturas diferentes, mas todos são movidos pelo desejo de ver e conhecer o Rei recém-nascido”. Ao mesmo tempo, os Magos são símbolo da diversidade dos cristãos: "Embora pertençam a diversas culturas, raças e línguas" e - devo acrescentar - a diversas confissões - "os cristãos partilham uma comum busca de Cristo e um comum desejo de adorá-lo", apesar de sua diversidade. O segundo aspecto é a homenagem que os Magos prestam a Jesus, oferecendo-lhe vários dons que, "desde os primeiros tempos do cristianismo, foram entendidos como sinais dos vários aspectos da identidade de Cristo: o ouro pela sua realeza, o incenso pela sua divindade e a mirra que prenuncia a sua morte. Esta diversidade de dons dá-nos uma imagem da percepção particular que as várias tradições cristãs têm da pessoa e da obra de Jesus: quando os cristãos se reúnem e abrem os seus tesouros e os seus corações em homenagem a Cristo, enriquecem-se com a partilha dos dons de essas diferentes perspectivas. Por outras palavras, cada encontro ecuménico é semelhante à adoração dos Magos: oferecemos-nos a Deus e uns aos outros ao mesmo tempo, com os dons específicos que Deus concedeu a cada uma das nossas tradições cristãs. ...

Ler artigo
Milão, a livraria Claudiana entre as lojas históricas

Milão, a livraria Claudiana entre as lojas históricas

Roma (NEV), 18 de outubro de 2022 – A Livraria Claudiana de Milão é uma das 35 novas 'lojas históricas' premiadas ontem pela Prefeitura da capital lombarda. 'Oficinas históricas' são atividades comerciais que operam há pelo menos 50 anos no mesmo setor de produtos. Ontem, segunda-feira, 17 de outubro de 2022, foi realizada a tradicional cerimônia de premiação no Palazzo Marino, na presença do prefeito, José Salae o Conselheiro para o Desenvolvimento Econômico, Alessia Cappello. O município milanês, com resolução de 2004, estabeleceu o Registro de Lojas Históricas "[…] com o objetivo de proteger e defender as atividades comerciais e artesanais com fortes raízes urbanas que confiram valor a bens culturais e em risco de extinção”. Ontem, portanto, às mais de 500 atividades comerciais já inscritas neste Registo, juntaram-se mais 35, algumas com mais de cem anos de história. A livraria Claudiana, em Milão, é a única do grupo e foi apontada pelos participantes da cerimônia como um dos mais importantes centros culturais da cidade. Todo o grupo que atualmente trabalha na livraria da via Francesco Sforza (Martina Bianchi, Samuele Carrari, Rebeca Malla) E Samuele Bernardinilivreiro histórico da Claudiana, que a comandou por mais de quarenta anos. "A livraria Claudiana de Milão abre suas portas na cidade no final de 1968 - declara Samuele Carrari - por isso, em 2019, passados ​​os 50 anos necessários, achamos importante declinar, mesmo que simbolicamente, a importância dessa atividade através a inscrição em tal registo. Sempre reconhecida e apreciada como um polo secular e de diálogo, aberto a todos e todas aqueles que desejam “combater o analfabetismo religioso, que muitas vezes antecipa o analfabetismo democrático”, a livraria sempre teve importância na cidade. Mas é em momentos difíceis como os que enfrentamos nos últimos anos - a instrução da prática remonta a 2019, pouco antes do início da pandemia, com tudo o que significou e ainda hoje significa - que símbolos como estes (as livrarias Claudiana também foram recentemente inscritas no Cadastro de Biblioteca de Qualidade do Ministério da Cultura, DDG n. 561 de 01.08.2022) elas servem para lembrar que lugares como a nossa biblioteca são importantes, pedaços da nossa cidade: devem por isso ser frequentado e vivido, resistindo à tentação, quando não ao medo real, de ficar encerrado em casa". Ontem, acrescenta, "também significou muito para quem lá trabalha na livraria e, sendo uma livraria também o espelho de quem a vive, o que só podia ser um símbolo torna-se agora um importante reconhecimento, até porque foi feito pelos representantes dos cidadãos. O que faremos agora é partilhar este momento com todos aqueles que apoiaram (e apoiam) a biblioteca nos últimos anos, talvez com um dia de festa, através do qual fique ainda mais evidente a importância dos nossos lugares e a energia com que defendemos eles". ...

Ler artigo
A voz das mulheres afegãs contra a violência

A voz das mulheres afegãs contra a violência

Roma (NEV), 23 de maio de 2022 – A nova etapa do projeto promovido pela Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI) “Vamos começar com você” será realizada em Milão nos dias 27 e 28 de maio. Entre outras coisas, está agendada uma reunião com o ativista Batool Haidari (que também será a protagonista de uma entrevista que será transmitida no domingo, 29 de maio, no "Protestantismo", em Rai Due, ed) sobre "A voz das mulheres afegãs além do silêncio e da violência". A seguir, um espetáculo com as meninas da especialização contemporânea do Centro de Estudos Coreográficos do Teatro Carcano, intitulado "Hijab", com a coreografia de Jorge Azzone. A iniciativa "Recomeçar com você", também implementada em Nápoles, Gênova e Gravina, visa combater a violência contra as mulheres. Os destinatários também são os próprios homens. Importa actuar ao nível da prevenção do fenómeno, responsabilizando não só os potenciais actores da violência, mas também aqueles que a testemunham e aqueles que, por medo ou por ignorância, negam a sua dimensão social, cultural e significado psicofísico. A etapa de Milão conta com uma colaboração ecumênica, com a participação, entre outras coisas, da Caritas Ambrosiana, que colabora participando da mesa redonda de sábado à tarde intitulada "A resiliência é uma mulher". O projeto FDEI responde, entre outras coisas, a solicitações do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), que desde 2015 incentiva igrejas e organizações a trabalhar nessas questões. Para superar as atitudes que predispõem à violência sexual e de gênero, segundo o FDEI e o CEC, é preciso envolver as realidades locais e os indivíduos. Para saber mais, baixe o flyer. Leia a análise aprofundada com o presidente da FDEI, pároco Gabriela Lio. Plano Sexta-feira 18h30, «A voz das mulheres afegãs para além do silêncio e da violência». Igreja Evangélica Batista (via Pinamonte da Vimercate 10), com Batool Haidari, ativista do movimento pelos direitos das mulheres. 19h45, «Hijab», do coreógrafo Giorgio Azzone com intérpretes femininas do Centro de Estudos Coreográficos do Teatro Carcano. Sábado 10h00, «Encontros de resiliência feminina», na CasArché (via Michele Lessona 70). 16h00, «Resiliência é mulher», mesa redonda. Igreja Metodista (via Luigi Porro Lambertenghi 28). Com Renata Rossi (Caritas Ambrosiana), Silvia Gissi (Radam Csd Project) e Massimo Aprile (pastor batista); moderado por Anna Maffei, pastora batista. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.