2ª Sessão do XXIII Sínodo Luterano

2ª Sessão do XXIII Sínodo Luterano

Roma (NEV), 16 de abril de 2021 – Faltam menos de duas semanas para a abertura da 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. A Presidência Sinodal e o Reitor estão ocupados preparando o evento digital. “O objetivo é ambicioso – explicam os promotores -: um formato acessível a todos, mas que respeite os mais elevados padrões de segurança informática. A digitalização da Igreja já foi tema da 1ª Sessão do XXIII Sínodo e será também a segunda. Um ponto da agenda que inevitavelmente se impôs devido à pandemia do Coronavírus, varrendo dúvidas e incertezas sobre os cultos e a pastoral digital que ainda eram tema de debate há sete meses. Mas um sínodo via web, pelo menos é a esperança de todos, deve permanecer uma exceção”.

Estão programados dois dias e meio de trabalho sob o tema “Continuidade, mudança, futuro – A misericórdia como responsabilidade da Igreja”, inspirado no versículo do ano de 2021, “Sede, tornai-vos misericordiosos, como o vosso Pai é misericordioso”.

Seis salas digitais serão criadas especificamente para abrigar o maior número de grupos de trabalho sobre os temas: meio ambiente, juventude, digitalização, elaboração do período Covid, diaconia. Particular atenção foi dada ao sexto grupo de trabalho, encarregado de discutir o documento programático sobre justiça de gênero, elaborado pela comissão sinodal “Gênero”, que será submetido à aprovação do plenário. “O CELI – lê-se na nota de apresentação do evento – está profundamente enraizado nos seus próprios valores de fé, mas ao mesmo tempo posiciona-se como uma igreja independente e moderna que leva a sério as questões de relevância urgente. Uma igreja que se interprete como um sujeito capaz de ouvir e dialogar com a sociedade e que esteja ao lado das pessoas em todos os aspectos da vida”.

O relatório do convidado de honra do sínodo, o pároco Martin Jungesecretário-geral da Federação Luterana Mundial, será um dos destaques do Sínodo 2021. Junge falará em streaming na sexta-feira, 30 de abril, a partir das 15h (em alemão com tradução simultânea para o italiano).

Uma vantagem do formato digital do Sínodo é que os convidados poderão acompanhar os trabalhos onde quer que estejam. O mesmo se aplica aos membros do CELI espalhados por toda a Itália, que podem exercer seu direito de participar (passivamente) do Sínodo, conectando-se de casa e para aqueles que não pertencem à igreja, mas se interessam por questões religiosas, ou ao CELI em especial. Convidados e interessados ​​devem se registrar no site do CELI, www.chiesaluterana.it/synode-2021/, para receber um código de acesso. O Sínodo será realizado em italiano e alemão. A tradução simultânea também está disponível para convidados e participantes não sinodais.

Nenhuma eleição está marcada para a 2ª Sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália. Mas o título “Continuidade, mudança, futuro – a Misericórdia como responsabilidade da Igreja”, e as questões abordadas pelos grupos de trabalho – assim acredita o Presidium do Sínodo, Wolfgang Prader E Ingrid Pfrommere o Consistório do CELI – “prometem importantes impulsos para o caminho futuro da Igreja Evangélica Luterana na Itália”.

Para inscrições e informações:


A Igreja Evangélica Luterana na Itália, CELI, reúne 15 comunidades distribuídas por toda a península. Uma comunidade na diáspora que tem apenas alguns milhares de membros e não possui grandes bens móveis e imóveis. No entanto, ser pequeno não significa ser irrelevante. Pelo contrário, a Igreja Evangélica Luterana na Itália é muito ativa em muitos campos sociais, solidários e culturais com vários projetos e programas que vão muito além do território de cada comunidade. Ajuda imediata aos migrantes e pessoas carenciadas, questões como a igualdade de oportunidades, a protecção do ambiente, a luta contra a discriminação… É uma igreja que faz ouvir a sua voz na sociedade, que não se detém e intervém em todas as questões candentes da acontecimentos atuais de natureza política, ética e religiosa. Isso também é possível graças às cotas 8xmille que muitos contribuintes italianos atribuem ano após ano ao CELI.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Vinte Anos do Artigo 21 – Nev

Vinte Anos do Artigo 21 – Nev

foto não salpicada Roma (NEV/Riforma.it), 4 de julho de 2022 – A noite Article21 será realizada hoje, 4 de julho, em Roma, na Casa Internazionale delle Donne, para celebrar os primeiros vinte anos da associação que reúne jornalistas, escritores, diretores, juristas para promover o princípio da liberdade de expressão. “Um momento compartilhado com muitos amigos para repassar as muitas batalhas e iniciativas em defesa da liberdade de expressão na Itália e no mundo” e para discutir os compromissos atuais e futuros. Vamos comemorar juntos #20anosArt21 no@CasaIntDonne_Rm na via della Lungara 19 a #Roma.Para inscrições tem ativo o IBAN IT19D0335901600100000106255, registado na associação #Item21Via Adolfo Ravà, 106 – 00142 Roma. Esperamos que muitos de vocês venham! — article21.info (@Artventuno) 3 de julho de 2022 “Vinte anos e tantas coisas por dizer, caminhos por percorrer – continua no site do Artigo 21, livre para… –, ideias para pôr em circulação e ideais para defender. O Artigo 21 entra em seu auge e relança os temas que caracterizam o negócio desde o primeiro dia. Ou seja, aquela “fixação” pela liberdade de expressão que, no entanto, não coincide com “sinal verde para os insultos”. De 2002 até hoje muitas coisas aconteceram ao nosso redor, dentro de nós, graças a nós ou apesar de nós, a Associação Artigo 21 cresceu graças à contribuição e atenção de um mundo que não coincide com o dos jornalistas e que tem ajudou-nos a iluminar as periferias geográficas, sociais, econômicas e a contar o que muitos não quiseram ver ou contar na Itália e no mundo. Por isso, o aniversário do Artigo 21 (que foi precisamente no último dia 27 de fevereiro) foi uma longa comemoração, estendida aos círculos regionais e com a presença de associações, órgãos, universidades, fundações e colaboradores, parte de uma grande família que sulca a liberdade e o respeito para o outro. "Os vinte anos do Artigo 21 celebrados oficialmente no dia 4 de julho não serão uma ocasião meramente simbólica - especifica o porta-voz nacional Elisa Maríncola –. Com a memória deste longo e intenso período juntos e com cada uma das iniciativas nacionais e sobretudo locais, pretendemos relançar as campanhas que temos promovido, partilhado com outras realidades e que continuamos a relançar porque a emergência democrática não parece terminam na Itália e no mundo, e a implementação dos princípios constitucionais ainda requer uma longa jornada e o compromisso de todos nós por muito tempo”. Artigo 21 "nunca sofreu de ciúmes de siglas e organização, nunca aspirou ser" o primeiro ", melhor ser o último - escreve Joseph Giulietti, um dos fundadores e ainda mentor do Artigo 21 sobre Liberdade e Justiça – mas chegando à linha de chegada junto com as tantas diversidades e diferenças, sem as quais haveria apenas o coro de pensamento único. Então, quando tivemos que defender a Constituição e nos opor às mordaças, junto com a Federação Nacional da Imprensa, decidimos reunir todos na Piazza del Popolo em Roma, sem bandeiras partidárias, sem espírito corporativo, todos unidos atrás de uma enorme bandeira tricolor e com a Constituição em mãos”. Eles estarão presentes para a Federação das Igrejas Evangélicas na Itália Gian Mario Gillio da Reforma e porta-voz do Círculo Piemonte do Artigo 21 (gerente de relações externas da Fcei e diretor-gerente da agência de imprensa Nev), Cláudio Paravatidiretor do Confronti e apresentador da coluna Rai3 Protestantismo. ...

Ler artigo
Especial Karlsruhe// Dorothee Mack, “um coração para o ecumenismo”

Especial Karlsruhe// Dorothee Mack, “um coração para o ecumenismo”

4 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Um serviço ecumênico com protestantes, católicos evangélicos da igreja livre e comunidade de língua farsi em Schlosshof Ettlingen na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema "O Amor de Cristo Leva o Mundo à Reconciliação e à Unidade". Karlsruhe (NEV), 8 de setembro de 2022 – Dorothee Mack é teólogo e pastor valdense, há pouco mais de um ano em Karlsruhe, cidade que sediou a décima primeira Assembleia do Conselho Ecumênico de Igrejas, após mais de dez anos de serviço pastoral na Igreja Evangélica Valdense de Milão. E foi de certa forma a "dona da casa" – no sentido mais acolhedor do termo – da delegação italiana que participou da semana de trabalho na Alemanha. 4 de setembro de 2022, Karslruhe, Alemanha: Um serviço ecumênico com protestantes, católicos evangélicos da igreja livre e comunidade de língua farsi em Schlosshof Ettlingen na 11ª Assembleia do Conselho Mundial de Igrejas, realizada em Karlsruhe, Alemanha, de 31 de agosto a 8 de setembro, sob o tema “O amor de Cristo move o mundo à reconciliação e à unidade”. Como foi a jornada das igrejas locais rumo ao evento WCC/WCC? “Tenho um 'coração para o ecumenismo' e por isso já durante o ano de preparação para a assembléia dediquei vários serviços, cerca de um por mês, aos convidados da Ecumene. Por exemplo, fiz um culto sobre a liturgia da renovação do pacto, que é metodista, e disse a mim mesmo 'vamos dar a conhecer à comunidade daqui', justamente para explorar as mil formas de expressar o cristianismo. Seguimos, portanto, este caminho de aproximação à assembléia e também de entrevistas, primeiro online e depois no jardim da igreja, com convidados ecumênicos, como um jovem protestante da República Tcheca, com o pároco William Jourdan da Mesa Valdense, da Itália, e outros. Durante os dias da Assembléia de Karlsruhe, "realizamos culto ecumênico em nosso bairro, com convidados da Itália, almoço de domingo com o Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação de Igrejas Evangélicas na Itália, e com Juliano Savinadiretor da Unedi – Escritório Nacional de Ecumenismo e Diálogo Inter-religioso da CEI”. Além disso, todas as manhãs Mack participava do coro da assembléia, com cantos, músicas e orações "de todo o mundo". Para o pároco valdense, o evento na Alemanha foi “um mergulho na interculturalidade, que vivi muito na igreja de Milão. É bom estar no meio de pessoas que vêm de todo o mundo, talvez tenham havido poucas oportunidades de aprofundamento, mas também momentos verdadeiramente preciosos. Numa dessas noites, por exemplo, através de uma jovem voluntária de nossa comunidade que se disponibilizou para organizar o encontro, recebemos um telefonema de um bispo anglicano da Tanzânia; no final foi adicionado ao nosso jantar e passamos uma noite todos juntos, com os voluntários da comunidade. Um bom momento de partilha”. ...

Ler artigo
Natal do trabalhador, dedicado aos trabalhadores da antiga Ilva

Natal do trabalhador, dedicado aos trabalhadores da antiga Ilva

Foto Creative Common Zero Roma (NEV), 25 de dezembro de 2019 – Publicamos o texto do sermão do pastor Raffaele Volpe foi ao ar na manhã desta quarta-feira, 25 de dezembro, durante o programa "Culto Evangélico" da Radiouno RAI. O Natal é o nascimento de Jesus, o Filho de Deus, mas também o filho de José, o carpinteiro, operário e trabalhador. E é precisamente aos trabalhadores, e em particular aos da ex-Ilva, que o Pr. Volpe dedica este Natal de 2019, valendo-se tanto das passagens bíblicas como da sua experiência pessoal. Caro ouvinte e querida ouvinte, Feliz Natal! Somos guardiães e testemunhas de um milagre: a gruta de Belém é o lugar onde Deus decidiu nos chamar. Devemos deixar nossas casas, nossas moradas aquecidas, nossos lugares seguros e caminhar rumo ao grande milagre da história da humanidade: na gruta de Belém, o próprio Deus se fez humano. Oremos: Senhor, decidiste encontrar-nos na carne e no sangue daquele menino chamado Jesus. Ali quiseste dizer-nos que as nossas misérias, as nossas angústias, as nossas tentações, o nosso pecado, toda a nossa humanidade não está abandonada a si mesma, mas se tornou seu. Assumiste as nossas fragilidades para que pudéssemos encontrar neste gesto de amor a força para sermos mais humanos. Amém. Agora vamos ouvir a leitura do texto bíblico para a meditação de hoje: "Não é este o filho do carpinteiro? Sua mãe não se chama Maria e seus irmãos Tiago, José, Simão e Judas?“, (Mateus 13:55) O Natal é a festa dos filhos e filhas. Celebração das famílias, mesmo diferentes. Festa para os pais que sonham em construir o futuro dando a vida. A passagem do Evangelho de Mateus que ouvimos nos lembra que Jesus também era um filho. Imediatamente pensamos em Jesus como o Filho de Deus e nos esquecemos de Jesus, filho do carpinteiro, filho de Maria, irmão de Tiago, José, Simão e Judas. Filho de uma família da classe trabalhadora. Aquela que vive pensando no futuro dos filhos. Compras no supermercado tentando economizar dinheiro. Em uma família da classe trabalhadora você luta de manhã à noite, mas os filhos e filhas não precisam saber disso; você luta para avançar, peça por peça, passo a passo. O Italsider de Bagnoli Meu pai era um simples trabalhador em Olivetti. Ele havia perdido quatro dedos de uma das mãos no canteiro de obras da estação central de Nápoles. Tinha sido sua sorte, disse ele, porque lhe permitiu ter um pouco de deficiência e encontrar um emprego na Olivetti. Cresci em uma família da classe trabalhadora, aprendendo a respeitar o próximo e a viver com o essencial, nada mais, mas nunca menos. E nunca tive vergonha de não ter dinheiro suficiente no bolso aos domingos com os amigos. Em neste dia de Natal, como filho de um trabalhador, gostaria de dedicar este culto aos trabalhadores da antiga Ilva de Taranto. O pastor trabalhador Umberto Delle Donne Lembro-me da sensação de calor quando meu pastor, Umberto Delle Donne, um trabalhador da Italsider em Bagnoli, me levou em frente ao quarto alto-forno. Era tudo um brilho de chamas, uma luz intensa, toda concentrada naquela boca do forno e escuridão ao redor. Não foi o inferno, mas apenas graças àqueles trabalhadores que alimentaram o forno, mexeram como uma panela. ele disse bem Pier Paolo Pasolini: “O que permanece original no trabalhador é o que não é verbal: por exemplo, sua fisicalidade, sua voz, seu corpo. O corpo: aqui está uma terra ainda não colonizada pelo poder”. Uma fábrica não é um inferno graças aos corpos de trabalhadores e trabalhadoras. Ainda que muitas vezes até os corpos não colonizados pelo poder sucumbam à lógica do poder. José, o pai de Jesus, também era trabalhador. E Jesus foi apelidado: filho do carpinteiro. Aí esse apelido sumiu e chamaram de Jesus"o carpinteiro, filho de Maria, e irmão de Tiago e de José, de Judas e de Simão", (Marcos 6:3). O pai, Giuseppe, desapareceu repentinamente. Os Evangelhos não nos dizem onde foi parar José, mas conhecendo a vida de um trabalhador não é descabido imaginá-lo esmagado sob o peso de uma longa trave de madeira, essa mesma trave onde se encontrava o seu filho, e também o Filho de Deus, então subirá esmagando a ganância do mundo sob o peso de seu corpo. Muitos se perguntam: o que Jesus fez em seus trinta anos antes do início de sua peregrinação da Galiléia a Jerusalém anunciando a esperança aos desabrigados de que Deus estava ali perto deles? Muitos têm levantado esta questão. E mais uma vez que resposta mais simples e natural do que pensar que depois da morte de José, Jesus trabalhou como carpinteiro na mesma carpintaria. Jesus, trabalhador, filho de trabalhador. Então, a quem dedicar este Natal senão a vocês, trabalhadores e trabalhadoras da antiga Ilva de Taranto? Você que certamente sabe mais sobre José e Jesus do que eu. Gostaria de dedicá-lo a vocês, a vocês que trabalham dia e noite, muitas vezes juntos, deixando seus filhos com os avós. Para vocês, especialistas em orçamento mensal. Para você que sussurra uma oração: Senhor, deixe-me voltar para casa hoje também. A você que, por outro lado, reivindica em voz alta o direito ao trabalho e o direito à saúde ao mesmo tempo. Mesmo que mecanismos diabólicos tenham tornado essa afirmação antinatural. Taranto e Ilva Dedico a vocês este Natal, trazendo-lhes uma boa notícia: Jesus, o carpinteiro, filho de carpinteiro, também era o Filho de Deus, aquele Deus dos profetas que chamou os governantes a juízo; que denunciaram aqueles que constroem suas casas pisoteando os pobres; aquele Deus que no monte Sião fez do respeito à lei o fundamento de toda liberdade; aquele Deus que não parou no julgamento, mas se fez trabalhador em Jesus até sua morte e morte de cruz. Este Deus está do seu lado! O Natal está do seu lado! O Filho de Deus está com você! Feliz Natal então. Adriano Olivetti Então, depois das férias, será necessário recomeçar um projeto simples: tornar novamente humano o trabalho de um trabalhador. “Ao trabalhar todos os dias entre as paredes da fábrica e as máquinas e bancadas e outros homens para produzir algo que vemos correr pelas ruas do mundo e nos devolver em salários que são pão, vinho e casa, participamos todos os dias na pulsante vida da fábrica, nas suas pequenas coisas e nas suas grandes coisas, acabamos por amá-la, apegando-nos a ela e então ela torna-se verdadeiramente nossa, a obra vai-se tornando aos poucos parte da nossa alma, portanto torna-se uma imensa força espiritual”, assim ele se expressou Adriano Olivetti. A partir daqui, depois das férias, teremos que recomeçar. Enquanto isso, no entanto, muitas felicidades e que Deus os abençoe e proteja. Amém Oremos: Senhor neste dia extraordinário, neste dia de Natal, quero rogar-te pelos trabalhadores da antiga Ilva. Eu quero orar a você por todos os trabalhadores. Proteja-os, Senhor, proteja suas famílias e suas vidas. Amém! ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.