Conselho Ecumênico visitando igrejas na Itália

Conselho Ecumênico visitando igrejas na Itália

O monumento “Porta di Lampedusa, Porta d’Europa” de Mimmo Paladino

Roma (NEV), 18 de maio de 2022 – Uma delegação do Conselho Mundial de Igrejas (CEC em italiano, WCC em italiano) estará na Itália nos próximos dias, em particular de 20 a 25 de maio, como convidada do Federação das Igrejas Evangélicas da Itália. O foco principal da missão serão as políticas migratórias e, em particular, as experiências relacionadas com o acolhimento de refugiados, levadas a cabo por protestantes italianos.

Os chefes de delegação serão Agnes Regina Murei Abuomda Igreja Anglicana do Quênia, e Torsten Moritzsecretário da Comissão de Igrejas para Migrantes na Europa (CCME).

O grupo passará os primeiros dias em Palermo, onde visitará o centro diaconal La Noce, e em Lampedusa, onde terá a oportunidade de conhecer a experiência e o trabalho do Mediterranean Hope, o programa de migrantes e refugiados da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália.

Posteriormente, a delegação deslocar-se-á a Roma, onde estão agendados vários encontros institucionais, com associações, igrejas, comunidades e realidades do mundo católico e não católico.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Questionário online sobre Eucaristia Católica e Santa Ceia Protestante

Questionário online sobre Eucaristia Católica e Santa Ceia Protestante

Ilustração retirada do número 9 da "Hospitalidade Eucarística" Roma (NEV), 15 de setembro de 2021 – Um novo questionário para explorar as teorias e práticas de recepção mútua da Eucaristia Católica e da Santa Ceia Protestante. Pode ser preenchido no seguinte link: Lançado em 2017 na forma de papel, o questionário agora está online, para ampliar a pesquisa e a reflexão. A iniciativa é lançada juntamente com a publicação da edição de setembro do boletim “Acolhimento Eucarístico”. Os editores escrevem: “Estamos agora no início do 4º ano do nosso boletim, e no editorial você encontrará algumas notícias importantes relacionadas à nossa reorganização. Esperamos que isso ajude a melhorar nosso conteúdo e sua participação." Em suporte de Margarida Ricciuti E Pedro Urciuoliagora também estão colaborando com o projeto Alexandre Foriero (valdense), Mateus Ricciardi (pastor da Igreja do Nazareno) e Marco Sillini (Católico). No número de setembro, outras novidades: um projeto de formação, pesquisas sobre o tema da hospitalidade eucarística e a contribuição de Paulo rico“Apartheid Eucarístico”. . Para informações escreva para: [email protected] O boletim "Hospitalidade Eucarística" é editado por alguns membros do grupo ecumênico "Spezzare il pane", que inclui alguns crentes protestantes e católicos. O grupo, nascido no âmbito ecumênico em 2011 em Turim, envolve igrejas, mosteiros e paróquias.“O termo 'hóspede' indica tanto aquele que oferece hospitalidade como aquele que a recebe, pois ambos os sujeitos, embora com papéis diferentes, estão unidos por um valor superior: a hospitalidade – lê-se no subtítulo da folha -. Portanto, a 'hospitalidade eucarística' é uma forma de dizer que todos somos hóspedes do único Senhor que nos acolhe e acolhe com todas as nossas diferenças. A Ceia pertence ao Senhor, não às Igrejas”. ...

Ler artigo
Liberdade religiosa, onde está a Itália?

Liberdade religiosa, onde está a Itália?

Nathan Dumlao, unsplash Roma (NEV), 16 de novembro de 2022 - "Dar plena regulamentação às realidades e sujeitos religiosos presentes na Itália, para que possam viver em pé de igualdade com os outros", superando discriminações e obstáculos. Esta será uma das questões centrais do debate desta tarde, a partir das 16h00, em Roma, na Fundação Basso, no Dia da Consciência e da Liberdade e em particular no encontro intitulado “Liberdade religiosa e consciência na Itália. Agenda para a nova legislatura”. ele fala sobre isso Ilaria Valenziassessor jurídico da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), antecipando o conteúdo de seu discurso na mesa redonda de hoje. Ao longo de seu relatório, a advogada Valenzi ilustrará antes de tudo "em que situação de fato nos encontramos: um novo pluralismo religioso, novas presenças, mas também presenças históricas que ainda não encontram uma posição jurídica plena, ou melhor, encontram uma, mas esta colocação muitas vezes e voluntariamente não responde à necessidade de proteger todos os direitos dessas realidades. É o caso, por exemplo, de algumas realidades evangélicas de segunda e terceira geração, portanto não do protestantismo histórico, como algumas das igrejas pentecostais que também têm sede na CCERS, a Comissão das igrejas evangélicas para as relações com o Estado (da qual Valenzi é chefe do escritório jurídico e, nessa função, participará da iniciativa de hoje, ed). E não encontram um lugar, porque muitas vezes o sistema os coloca, mas esse lugar não satisfaz suas necessidades, e corre o risco de criar uma espécie de discriminação com outras figuras de outras realidades religiosas que, ao contrário, tinham a capacidade de responder primeiro aos pedidos que o Estado sempre fez para com eles, ou seja, eles se conformaram mais facilmente. Isso não acontece sobretudo para realidades religiosas de presença mais recente na Itália, fora do cristianismo: o Islã, por exemplo, tem um estatuto que ainda não foi reconhecido pelo ordenamento jurídico italiano, seguimos uma política também meritória de acordos, convenções, com tabelas, até a nível ministerial, mas isto não esgota o problema central que é dar plena regulamentação aos sujeitos religiosos que possam viver plenamente a sua condição como os outros”. Segundo Valenzi, “esses “maus funcionamentos do sistema” correm o risco de se agravar neste momento histórico. Vimos isso no período da pandemia, durante as chamadas religiões minoritárias, porque não havia instrumento para regulá-las. Como, por exemplo, a questão dos enterros rituais para os fiéis da religião islâmica ou a assistência espiritual em prisões e hospitais. Temas e problemas que ressurgiram, se possível de forma mais forte durante a crise pandémica e que têm uma componente jurídica mas também expressam uma vontade política: a de não regulamentar ou de deixar uma série de realidades numa espécie de limbo perene porque isso significa não os legitimam". Segundo Valenzi, um dos riscos mais concretos que enfrentamos é, portanto, “que os direitos de liberdade religiosa sejam o espelho do que acontece em termos políticos com as minorias, de todas as minorias, no caso dessas minorias religiosas. Uma defesa da identidade cultural deste país, com argumentos populistas que conhecemos bem, que é usada de forma muito forte contra o que se percebe como arriscado para a manutenção desta identidade religiosa: os símbolos, as raízes culturais…” Um desses símbolos é o crucifixo mas não é o único: “falamos sempre do crucifixo e está certo mas culturalmente não percebemos a importância de alguns símbolos religiosos, pois são religiosos também para outras religiões. Por exemplo, não consideramos o véu, o kirpan para os crentes da religião sikh, como necessário. E muitas vezes leva a um choque cultural". Por fim, a questão da laicidade, principalmente na escola. A aula de religião, mas também em geral “o reconhecimento da escola como lugar onde se vive a partilha e a integração entre pessoas e não entre culturas. Na escola, a possibilidade da diversidade é vivida num plano de igualdade e isso corre o risco de ser usada como uma gazua para alunos que vêm de diferentes culturas, contextos e origens migratórias. Corre o risco de se tornar mais um campo de batalha que, se fomentado do ponto de vista político, pode ser explosivo”. Aqui o programa completo do evento. Os Dias de Consciência e Liberdade acontecerão na quarta-feira, 16 de novembro de 2022, às 16h, no salão da Fundação Lelio e Lisli Basso, na Via della Dogana Vecchia n. 5 em Roma. Entrada gratuita sem reserva. Eles também serão transmitidos na página do Facebook Consciência e Liberdade e no site www.hopemedia.it. Para saber mais: A FCEI inaugura a Secretaria Escolar do Pluralismo Laico ...

Ler artigo
De norte a sul, proposto pelas 4 Conferências Distritais Metodistas e Valdenses

De norte a sul, proposto pelas 4 Conferências Distritais Metodistas e Valdenses

O coro ganense saúda a procissão à porta do Templo. Sínodo 2019, imagem de arquivo Roma (NEV), 12 de julho de 2022 – Durante o mês de junho, as igrejas Valdenses e Metodistas reuniram-se democraticamente nas habituais “Conferências Distritais”. É um momento programático importante para essas igrejas protestantes, divididas em quatro distritos territoriais (Vales Valdenses, Norte, Centro e Sul da Itália). Entre os objetivos, a identificação de temas e pedidos a serem apresentados ao Sínodo das igrejas metodistas e valdenses, que será realizado no final de agosto na Torre Pellice, na província de Turim. Entre os temas que atravessam as quatro Conferências estão o pós-covid, o compromisso diaconal, a fé e o futuro das igrejas. Outro tema que vem surgindo há algum tempo a nível nacional diz respeito à transformação dos órgãos de gestão das igrejas. Por um lado, é necessário harmonizar e otimizar o trabalho vocacional e administrativo. Por outro lado, sente-se a urgência de uma vida nova, tanto em termos de visão de futuro como em termos quantitativos. No sentido de que seria necessário um novo “chamado”, para envolver diretamente mais pessoas na vida das comunidades. Entre os temas, porém, que de alguma forma caracterizaram especificamente os vários territórios, o Distrito dos Vales Valdenses se concentrou no envolvimento dos jovens. Foi elaborado um projeto articulado que, entre outras coisas, pretende criar e consolidar espaços de encontro que favoreçam o crescimento na fé, mas também o aprofundamento das raízes histórico-religiosas e a cidadania ativa. O Distrito do Norte da Itália explorou algumas questões de "Being the Church Together" (ECI), o programa de trabalho da Federação das Igrejas Evangélicas na Itália (FCEI) lançado há mais de vinte anos para promover relacionamentos e encontros multiétnicos e multiculturais nas igrejas, que ao longo do tempo viram aumentar o número de seus membros graças à imigração de diferentes países do mundo. Em particular, falou-se de integração com irmãos e irmãs de Gana. O III Distrito, o da Itália Central, encarou uma reflexão sobre os “sinais de cansaço e desconforto das igrejas”, fazendo algumas propostas. Além disso, destacou a importância da capacitação e apoio a atividades que agregam valor às igrejas. Falou também das linguagens da fé e da colaboração entre entidades locais. Do IV Distrito saem as avaliações de cinco trabalhos diaconais, inclusive alguns que envolvem diretamente a FCEI. Uma palavra de ordem: “concretude”. Precisamos de um testemunho evangélico e de uma pregação que tenha implicações práticas. Entre as propostas, a de capacitação para ajudar as igrejas a superar a crise e o isolamento pós-pandemia. Finalmente, palavras duras contra a guerra e a violência, com o compromisso cristão de testemunhar a paz e o amor, a resolução de conflitos e a diplomacia, denunciando a corrida armamentista. Conferência Distrital do 1º Distrito (Vales Valdenses) Conferência Distrital do II Distrito (Itália Norte) Conferência Distrital do III Distrito (Itália Central) Conferência Distrital do Distrito IV (Sul da Itália) ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.