De massacre em massacre.  Dez anos depois de Lampedusa

De massacre em massacre. Dez anos depois de Lampedusa

Foto de Nadia Angelucci

Roma (NEV), 6 de março de 2023 – A imagem é de partir o coração: uma praia com os destroços de um barco, alguns sapatos e um macacão de criança. Nada se sabe sobre o corpo que deveria conter, exceto que foi engolido pelo mar durante a última tragédia migratória, a que ocorreu em Cutro, perto de Crotone, na madrugada de 27 de fevereiro. Uma avaliação inicial assume quase 70 vítimas, mas teme-se um número muito maior.
Cutro como Lampedusa, no ano em que teremos que recordar 10 anos desde o massacre de 3 de outubro de 2013, quando houve 368 vítimas. Estima-se que 26.000 migrantes morreram no Mediterrâneo em dez anos.
Dez anos é muito tempo e 26.000 mortos são um fardo moral intolerável para a consciência italiana e europeia. Portanto, é possível e necessário nos perguntar o que tem sido feito para proteger a vida dos migrantes na rota do Mediterrâneo.
Após o massacre de Lampedusa, foram ativados dispositivos de salvamento marítimo como o Mare Nostrum ou Sofia: unidades da Guarda Costeira, da Guardia di Finanza e, posteriormente, de várias marinhas europeias foram assim utilizadas para patrulhar as rotas migratórias e garantir o resgate no caso de um naufrágio. Foi uma temporada curta, contada em filmes e dramas de televisão que exaltaram o profissionalismo das forças militares italianas; capitães e capitães que presenciaram o nascimento de crianças a bordo tornaram-se heróis folclóricos expressando o espírito humanitário italiano. Nessa mesma fase intervieram as primeiras ONGs, associações privadas que lançaram unidades de busca e salvamento e, sempre naqueles anos, colaboraram eficazmente com os meios militares.
Então, por volta de 2017, o clima mudou. A presença de navios de resgate em vez de uma guarnição humanitária tornou-se um “fator de atração” da imigração irregular, um ímã que, em vez de desencorajar as saídas, as encorajou. O fator pull – fator de atração – tornou-se a palavra-chave, esquecendo-se porém de outra: fator push. E é por isso que as pessoas estão dispostas a sacrificar qualquer dinheiro guardado e a confiar na cínica loteria de uma viagem organizada por criminosos sem escrúpulos. Por que eles fazem isso? porque são pais e mães inconscientes e irresponsáveis, como alguns ministros italianos moralmente fora do tempo e fora do lugar? Não, fazem-no porque estão desesperados, desprovidos da mais remota esperança de que a sua permanência na Líbia, nas zonas desertas da África subsaariana, nos campos de refugiados do Norte de África lhes garanta o mínimo para viver e olhar para o futuro .
E assim começou a guerra contra as ONGs, desprezadas como “táxis marítimos”, acusadas de cumplicidade com os contrabandistas.
Assim chegamos a algumas semanas atrás, quando outro pacote de medidas definidas como “por segurança” complicou ainda mais as ações de resgate, alongou os tempos de cada operação de resgate e obrigou os navios a fazer longas viagens para chegar aos portos designados com base no o mais irracional dos critérios: o mais longe possível da zona crítica de salvamento.
O resultado está diante de nós: menos navios em zonas de resgate, operações mais lentas e resgates mais difíceis. As vítimas de Cutro são consequência direta desse dispositivo. Aqueles que, por outro lado, acusam os migrantes de serem responsáveis ​​pelas mortes sobem em vidro ensaboado com argumentos ilógicos e desumanos.
Nesse contexto, os corredores humanitários promovidos também pelas igrejas evangélicas italianas indicam um importante caminho, corroborado pelas recentes declarações da presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, que os citou como eixo estratégico das políticas europeias de imigração. Mas cuidado, corredores humanitários para alguns milhares de pessoas não podem ser o álibi de uma Europa que constrói muros e fecha fronteiras. Para se tornarem um eixo estratégico das políticas europeias de imigração, o número atual de corredores humanitários deve aumentar significativamente. Ao mesmo tempo, é ainda necessário reforçar os mecanismos de salvamento no mar, pelo menos até que os canais migratórios ordinários inutilizem as migrações irregulares. Isso sugere a lógica das coisas.
Se, por outro lado, se prefere enfurecer-se com as vítimas, significa que perdemos não só o caminho da racionalidade, mas também o do direito e dos princípios humanitários.


Aqui é possível ouvir a transmissão do Culto evangelico e em particular a transmissão do domingo, 5 de março de 2023.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

Vinte Anos do Artigo 21 – Nev

Vinte Anos do Artigo 21 – Nev

foto não salpicada Roma (NEV/Riforma.it), 4 de julho de 2022 – A noite Article21 será realizada hoje, 4 de julho, em Roma, na Casa Internazionale delle Donne, para celebrar os primeiros vinte anos da associação que reúne jornalistas, escritores, diretores, juristas para promover o princípio da liberdade de expressão. “Um momento compartilhado com muitos amigos para repassar as muitas batalhas e iniciativas em defesa da liberdade de expressão na Itália e no mundo” e para discutir os compromissos atuais e futuros. Vamos comemorar juntos #20anosArt21 no@CasaIntDonne_Rm na via della Lungara 19 a #Roma.Para inscrições tem ativo o IBAN IT19D0335901600100000106255, registado na associação #Item21Via Adolfo Ravà, 106 – 00142 Roma. Esperamos que muitos de vocês venham! — article21.info (@Artventuno) 3 de julho de 2022 “Vinte anos e tantas coisas por dizer, caminhos por percorrer – continua no site do Artigo 21, livre para… –, ideias para pôr em circulação e ideais para defender. O Artigo 21 entra em seu auge e relança os temas que caracterizam o negócio desde o primeiro dia. Ou seja, aquela “fixação” pela liberdade de expressão que, no entanto, não coincide com “sinal verde para os insultos”. De 2002 até hoje muitas coisas aconteceram ao nosso redor, dentro de nós, graças a nós ou apesar de nós, a Associação Artigo 21 cresceu graças à contribuição e atenção de um mundo que não coincide com o dos jornalistas e que tem ajudou-nos a iluminar as periferias geográficas, sociais, econômicas e a contar o que muitos não quiseram ver ou contar na Itália e no mundo. Por isso, o aniversário do Artigo 21 (que foi precisamente no último dia 27 de fevereiro) foi uma longa comemoração, estendida aos círculos regionais e com a presença de associações, órgãos, universidades, fundações e colaboradores, parte de uma grande família que sulca a liberdade e o respeito para o outro. "Os vinte anos do Artigo 21 celebrados oficialmente no dia 4 de julho não serão uma ocasião meramente simbólica - especifica o porta-voz nacional Elisa Maríncola –. Com a memória deste longo e intenso período juntos e com cada uma das iniciativas nacionais e sobretudo locais, pretendemos relançar as campanhas que temos promovido, partilhado com outras realidades e que continuamos a relançar porque a emergência democrática não parece terminam na Itália e no mundo, e a implementação dos princípios constitucionais ainda requer uma longa jornada e o compromisso de todos nós por muito tempo”. Artigo 21 "nunca sofreu de ciúmes de siglas e organização, nunca aspirou ser" o primeiro ", melhor ser o último - escreve Joseph Giulietti, um dos fundadores e ainda mentor do Artigo 21 sobre Liberdade e Justiça – mas chegando à linha de chegada junto com as tantas diversidades e diferenças, sem as quais haveria apenas o coro de pensamento único. Então, quando tivemos que defender a Constituição e nos opor às mordaças, junto com a Federação Nacional da Imprensa, decidimos reunir todos na Piazza del Popolo em Roma, sem bandeiras partidárias, sem espírito corporativo, todos unidos atrás de uma enorme bandeira tricolor e com a Constituição em mãos”. Eles estarão presentes para a Federação das Igrejas Evangélicas na Itália Gian Mario Gillio da Reforma e porta-voz do Círculo Piemonte do Artigo 21 (gerente de relações externas da Fcei e diretor-gerente da agência de imprensa Nev), Cláudio Paravatidiretor do Confronti e apresentador da coluna Rai3 Protestantismo. ...

Ler artigo
#CECWACC2019 Igrejas europeias: proféticas, críticas, políticas

#CECWACC2019 Igrejas europeias: proféticas, críticas, políticas

Roma (NEV), 15 de abril de 2019 – Como as igrejas respondem ao discurso de ódio? Eles são eficazes no combate às notícias falsas? Há esperança para o futuro da Europa? Estas são algumas das questões que surgiram da conferência da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa “O que nos deixa tão zangados? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação” realizada em Helsínquia e Estocolmo de 10 a 12 de abril, em colaboração com a Conferência das Igrejas Europeias (KEK). As conclusões do trabalho foram confiadas a Philip Leediretor de programas WACC, Praxedis Bouwmando comitê de comunicação das igrejas minoritárias da Federação Luterana Mundial (WLF), e ao Secretário Geral da CEC Heikki Huttunen. “O discurso de ódio ocorre de diferentes formas nos contextos locais, mas uma dimensão transversal é a de gênero – disse Lee -. As mulheres são mais propensas a sofrer ciberviolência e discurso de ódio do que os homens, como mostra um estudo do Parlamento Europeu”. A pesquisa mostrou que as mulheres sofrem violência online nas mídias sociais, fóruns de discussão, mecanismos de busca, serviços de mensagens, aplicativos de namoro, chats e comentários, com ameaças de natureza sexual: "A ciberviolência ameaça os direitos humanos e as liberdades fundamentais das mulheres, sua dignidade e igualdade e afeta suas vidas em todos os níveis”. Entre as palavras-chave que emergiram da conferência, direitos humanos, liberdade de expressão e opinião, proteção da privacidade e segurança: "A tecnologia digital contribuiu para o progresso do direito à liberdade de opinião e expressão, o direito de receber e compartilhar informações, do direito de se comunicar – observou Lee –, no entanto, também aumentou o comportamento ilegal de governos e prestadores de serviços que podem violar os direitos das pessoas e aumentar a vulnerabilidade digital. Abusos potenciais incluem interrupção ou desligamento completo de sistemas, uso indevido de informações para vigilância, censura, exclusão ou bloqueio de dados e manipulação. “É importante que os jovens participem ativamente dos processos de informação e comunicação, e todos devemos ser proativos nas soluções – concluiu Lee -. Para isso, temos que começar com as palavras, temos que definir o que queremos dizer quando falamos de redes sociais, ódio ou notícias falsas. Devemos ser proféticos, críticos e políticos”. Bowman enfatizou o quanto é importante que as igrejas definam seu papel e que a representação das mulheres seja garantida em todos os níveis. Precisamos de uma presença justa de mulheres e jovens nos júris ecumênicos, nas cabeças dos organismos culturais e em todos os níveis: "Como cristãos, devemos ser críticos e levantar nossas vozes para ser ouvidos". O secretário do KEK, Huttunen, concluiu os trabalhos partindo dos três fundamentos do plano estratégico das igrejas europeias "Juntos na esperança e no testemunho". “Por que nossas igrejas deveriam cooperar, compartilhar seus recursos e se comunicar umas com as outras? Huttunen se pergunta. Precisamos da voz das Igrejas na Europa, precisamos de um trabalho teológico e de uma contribuição concreta para o futuro da Europa, um futuro de paz, segurança e diálogo. Há esperança? Se falamos dela é porque nos falta e devemos renová-la no Evangelho, na mensagem cristã – concluiu -. Quanto ao testemunho, como Igrejas nos perguntamos como ser relevantes, não só com palavras seculares, mas também entre nós, com transparência e colaborando em desafios comuns. Devemos ser globais, somos uma só humanidade, habitantes do mesmo planeta”. Cerca de 50 delegados de toda a Europa e numerosos oradores participaram na conferência, incluindo Stephen BrownPresidente da WACC para a Europa, Anders Gadegaardpastor da Igreja Evangélica Luterana na Dinamarca e coordenador da equipe de comunicação do CEC, Philip Lee, secretário-geral da WACC, Sara SpeicherSecretário-Geral Adjunto da WACC, Max Arhippainendiretor de comunicação do Ministério da Defesa da Finlândia, Agnieszka Godfrejow-Tarnogorska da Igreja Evangélica da Confissão de Augsburg na Polônia, Dora Laborczida Igreja Evangélica Luterana da Hungria, o pároco Kimmo Saaresgerente de programa da Igreja Evangélica Luterana na Finlândia, Eva Brunnebispo da Igreja da Suécia, Jacob Schwartzpresidente da juventude da Igreja da Suécia, Ralf Peter Reimannda Igreja Evangélica da Renânia. Eleito o novo executivo para a região da Europa. Stephen Brown é confirmado como presidente da WACC para a Europa A Assembléia da Associação Mundial para a Comunicação Cristã (WACC) – Região Europa, que se reuniu entre Helsinque e Estocolmo por ocasião da conferência “O que nos deixa tão zangados? Discurso de ódio, notícias falsas e direitos de informação”, elegeu seus representantes e novo comitê gestor: Stephen BrownPresidente. Ralf Peter Reimannvice-presidente. Julienne Munyanezasecretário. Freddy Dutz, tesoureiro. O comitê gestor é composto por: Arni Svanur Danielsson, Jean Luc Gaderau, Alba Sabate Gauxachs, Agnieszka Godfrejow-Tarnogorska, Eeva-Kaisa Heikura, Tuomo Pesonen, Marian Kneteman, Aleksic Mladen. Galeria de fotos da conferência da World Association for Christian Communication (WACC) sobre discurso de ódio, fake news e direitos à informação e comunicação. Helsinque-Estocolmo, 10 a 12 de abril de 2019. Do Twitter “Confiança e segurança não são construídas erguendo muros contra o desconhecido”. A campanha da Igreja da Suécia contra o racismo e contra o discurso de ódio: A confiança e a segurança não serão construídas levantando muros contra o desconhecido. o @svenskakyrkan campanhas contra #racismo e #HateSpeech #cecwacc2019 pic.twitter.com/Nags2cMcEz — Jim McDonnell (@jimmcdonnell) 11 de abril de 2019 ...

Ler artigo
Sínodo luterano, de 29 de abril a 1º de maio, online

Sínodo luterano, de 29 de abril a 1º de maio, online

Roma (NEV), 9 de fevereiro de 2021 – A segunda sessão do XXIII Sínodo da Igreja Evangélica Luterana na Itália será realizada online, de 29 de abril a 1º de maio próximo. “A pandemia – escreve o presidente do Sínodo no convite aos participantes, Wolfgang Prader – mudou radical e profundamente nossas vidas. Nem a igreja, nem a sociedade, nem os indivíduos esperavam efeitos tão massivos. Como nós cristãos queremos e como devemos enfrentar os novos desafios? “Continuidade, mudança, futuro – a misericórdia é responsabilidade da Igreja” será o tema do Sínodo deste ano”. A reunião acontecerá no zoom e terá início na quinta-feira, dia 29 de abril, às 17h30. Para maiores informações: artigo anteriorUnidade dos Cristãos. Uma carta conjunta de católicos, ortodoxos e protestantesPróximo artigoMestrado em "Liberdade religiosa, liberdade de consciência, direitos e geopolítica das religiões" Agência de Imprensa da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.