“Combater o racismo, uma tarefa ecumênica global”

“Combater o racismo, uma tarefa ecumênica global”

A comemoração antirracista dos 400 anos da chegada dos primeiros africanos escravizados às margens do Old Point Comfort. Foto cortesia de Steven D. Martin / NCCCUSA

Roma (NEV), 18 de outubro de 2019 – Em mensagem dirigida aos participantes do Christian Unity Gathering (CUG), em Hampton, Virgínia (EUA), o secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), pároco Olav Fykse Tveit falou de “raça, arrependimento e reparação como oportunidade ecumênica”.

O CUG é a reunião anual patrocinada pelo Conselho Nacional de Igrejas de Cristo nos Estados Unidos da América (NCCCUSA). O tema deste ano é “Acabar com o racismo: comparar nosso passado, revisitar nosso presente e nomear o futuro preferido de Deus”. Entre outras coisas, Tveit participou da comemoração dos 400 anos da chegada dos povos africanos escravizados em Jamestown, Virgínia (EUA).

“O racismo em todas as suas formas é exatamente o oposto de nossos valores cristãos, como igrejas e como movimento ecumênico – declarou Tveit -. O racismo vai contra todos os aspectos do nosso trabalho como Conselho Mundial de Igrejas. O racismo também é contrário ao nosso trabalho pela unidade da Igreja”.

Na presença de muitos líderes de diferentes tradições cristãs presentes na comemoração, Tveit também sublinhou que o racismo é um pecado que não pode ser enfrentado apenas em um setor, mas deve ser combatido “em tudo o que fazemos: é uma preocupação constante da irmandade mundo das igrejas e, na verdade, de todo o movimento ecumênico”.

30 anos após o colapso do apartheid, continuou Tveit, “hoje vemos uma nova fase e uma nova face do racismo: nos movimentos racistas recentemente encorajados e em tendências e ideologias políticas como a supremacia branca nos Estados Unidos e na Europa, mas também nas novas expressões do mesmo veneno, em todas as partes do mundo”. As próprias igrejas não são isentas de culpa, insistiu Tveit: “O apartheid, lembremo-nos, era fundamentalmente uma heresia religiosa – concluiu -. Ainda hoje, a política e a prática cristã muitas vezes se revelam inúteis na luta contra o racismo moderno”.

O moderador do comitê central do CMI também esteve presente em Hampton Agnes Abuom, que recebeu o Prêmio NCCCUSA de Excelência em Liderança. Durante a comemoração, Abuom falou da imagem legítima de Deus, destacando como foi a fé no verdadeiro Deus de justiça e graça que ajudou os escravos africanos a sobreviver naquele período sombrio da história da humanidade.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

As mulheres libertam o sagrado

As mulheres libertam o sagrado

Foto Adista Roma (NEV), 26 de junho de 2020 - O semanário de informação independente "Adista" relata em um dossiê "o caminho nada fácil que levou as mulheres das Igrejas cristãs não católicas ao acesso a ministérios e pastorados, ainda excluídas da Igreja de Roma" . Uma história multifacetada da qual emergem as tentativas de desmantelar estruturas e privilégios machistas, autoritarismo e clericalismo. “Os companheiros de viagem deste número da Adista – lê-se na apresentação –, pela ordem em que aparecem os seus ensaios, são o pastor valdense Alexandre Esposito; o luterano Gabriela Woller; o pastor batista Cristina Arquidiácona; Maria Vitória Longhitanopresbítero da Convocação das Igrejas Episcopais na Europa; Basil Petràdecano da faculdade de teologia da Itália central; David Romanodiretor do Departamento de Assuntos Públicos e Liberdade Religiosa da União Italiana das Igrejas Adventistas do Sétimo Dia (UICCA)”. A imagem inteiramente masculina de Deus "influencia não só as práticas religiosas, mas também as culturas, o bom senso e as práticas cotidianas" escrevem novamente os editores, que nos convidam a investigar a palavra bíblica "a partir de uma leitura mais cuidadosa, crítica, historicista das Escrituras", o que significa também "contextualizar e libertar a mensagem bíblica das superestruturas culturais do passado, das 'traduções' inadequadas e insuficientes que derivam de uma má compreensão dos textos, para tornar as religiões não mais dogmáticas, fechadas e separadas dos recintos do sagrado ' (sempre declinado no singular masculino), mas inclusivo e plural”. O dossiê faz parte da série de números especiais da Adista intitulado "As Igrejas face à violência de género" e pretende explorar temas como os preconceitos e os instrumentos de repressão e exclusão das mulheres na Igreja e na sociedade, os "carismas" femininos e a presença feminina no púlpito, na pregação da Palavra ou na administração dos sacramentos, elementos que tornam visível "a diferença dos corpos, presença muitas vezes perturbadora - sobretudo aos olhos católicos e por ocasião das celebrações ecumênicas - porque manifesta a existência de um ministério não mais vinculado ao corpo masculino e à masculinidade de Jesus e da Igreja". O dossiê também foi compartilhado na página do Facebook da Federação das Mulheres Evangélicas da Itália (FDEI). ...

Ler artigo
Construindo na rocha.  O culto das mulheres de Vanuatu

Construindo na rocha. O culto das mulheres de Vanuatu

Foto tirada de worlddayofprayer.net Roma (NEV/CELI), 2 de março de 2021 – Faltam poucos dias para o Dia Mundial de Oração (PMM). A Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI) também explora os temas e o contexto desta importante nomeação. O GMP hoje envolve um movimento ecumênico cristão cada vez mais amplo para as mulheres. O tema deste ano é "Edificar sobre a rocha", do versículo do Evangelho de Mateus no capítulo 7. "Raramente esta resolução foi tão sentida como no início deste 2021 - escreve Nicole Steiner no site do CELI -, exatamente um ano após a eclosão da pandemia de coronavírus na Itália, quando ainda não vemos o fim da emergência". É “mais uma ocasião para convidar à oração compartilhada e à solidariedade – continua Steiner -. Quando o tradicional cântico de encerramento 'O dia que deste, Senhor, acabou' for entoado, ao final desta celebração que abrange mais de 150 países, muitas almas sentirão um raio de esperança penetrar”. As mulheres de Vanuatu, um arquipélago do Pacífico na orla oriental do Mar de Coral, prepararam textos e canções para esta oração compartilhada que "dá a volta ao mundo". E que também oferece ajuda concreta para projetos solidários, com uma arrecadação dedicada. O Comitê Italiano para o Dia Mundial de Oração foi fundado em 1999. Ana Rosa Lier da Comunidade Evangélica Luterana de Bolzano, bem como da Rede de Mulheres CELI, sempre foi uma de suas forças motrizes. Vanuatu – foto de arquivo GMP Leia o artigo completo do CELI AQUI. Para informações sobre o evento italiano clique AQUI. Baixe o Culto Online de Mulheres de Vanuatu com membros do Comitê Executivo de todas as regiões do mundo. [embed]https://www.youtube.com/watch?v=edQMgNFdRdo[/embed] ...

Ler artigo
igreja luterana.  30 anos de Entendimento com o Estado

igreja luterana. 30 anos de Entendimento com o Estado

Roma (NEV/CELI), 21 de abril de 2023 – Você já se perguntou o significado da palavra "entendido"? Do latim intentus particípio passado do verbo intentar. Isso é ir juntos em direção a um objetivo. Um acordo. Corria o ano de 1993, há 30 anos, numa sexta-feira, quando a Igreja Evangélica Luterana da Itália (CELI) e o Estado italiano assinaram um pacto para uma lei que regularia suas relações. Por um lado, a delegação luterana, que incluía também o então Presidente do Sínodo Hanna Brunow Franzoi e o então vice-reitor Jurg Kleemann; do outro, o Estado italiano, representado pelo então Presidente do Conselho, Julian Amato. Uma Igreja, representada por uma mulher, fato mais singular do que raro naquele momento histórico, visto que os acordos anteriores traziam muitas assinaturas masculinas. Milhares de anos parecem ter se passado e, na verdade, passaram-se apenas trinta anos desde um ato que abriu as portas para a lei de 29 de novembro de 1995 n. 520. O acordo, de fato, estabeleceu um caminho, a lei teria permitido esse caminho para atingir um objetivo: a relação de reciprocidade, em direitos e deveres, entre o Estado e o CELI. Um convênio que o CELI já havia começado a preparar em 1985 graças ao trabalho de italianos e alemães, vividos, como recordou o vice-reitor Kleemann, “folheando livros e datilografando durante longas noites, com intermináveis ​​discussões, reuniões e viagens” . Um acordo que antecipou, inesperadamente, temas muito modernos hoje. Como o sentimento de pertença à Itália dos jovens nascidos de pais não italianos. Keemann continua: "Claudia, estudante do 1º ano de direito, me acompanhava, já que ela era bilíngue" […] também “lavrar a ata. Ela me forneceu a preciosa prova: «Sou italiana, tenho mãe dinamarquesa, pai italiano e fui crismada em Florença como luterana»». Continue lendo no site do CELI ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.