“Desenvolvendo uma religião de liberdade”

“Desenvolvendo uma religião de liberdade”

Detalhe da capa do livro “Os pentecostais na Itália. Leituras, perspectivas, experiências”, editado por Carmine Napolitano para as edições Claudiana –

Roma (NEV), 6 de março de 2023 – Terceiro episódio do Especial liberdade religiosa da Agência NEV, para retomar os temas da conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias” realizada recentemente em Roma. A conferência foi promovida pela Fundação Lelio e Lisli Basso, o Centro de Estudos e Revisão Confronti, a Biblioteca Legal Central, a revista Questione Giustizia e a Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI).

Após as primeiras entrevistas, um Paulo Naso está em Ilaria Valenzié a vez do presidente Federação das Igrejas Pentecostais (FCP), pároco carmim napolitano.

Na conferência “Pluralismo religioso, fundamentalismos, democracias”, realizada recentemente em Roma, falou-se da liberdade religiosa como questão cultural. O que você acha?

Acredito que a liberdade religiosa na Itália sempre foi principalmente uma questão cultural. Em nosso país, é muito difícil imaginar formas de cultura e prática religiosa diferentes da maioria e mesmo quando isso é reconhecido, a confissão religiosa majoritária é considerada como parâmetro de avaliação jurídica inclusive das demais confissões religiosas. A conferência destacou como é complicado, em todos os níveis, chamar a atenção política e cultural para o pluralismo religioso que já constitui um fato vivenciado diariamente em diferentes contextos, como escolas; e isso favorece um sério atraso também na aplicação da legislação ligada ao direito à liberdade religiosa, apesar das amplas e claras disposições constitucionais.

Os meios de comunicação de massa e as academias correm o risco de retratar os fenômenos religiosos de maneira superficial ou abstrata ou, em todo caso, distante da realidade? Por que, na sua opinião?

Exatamente pelos motivos citados. A defasagem cultural na compreensão e legitimação da diversidade religiosa produz desinteresse e estrabismo na leitura do pluralismo religioso. Você acha que em um artigo científico de um ano atrás em uma renomada revista jurídica eu li que Lutero era um heresiarca! E em um manual de história moderna ler que o princípio da cuius regio eius et religio sancionado com a paz de Augusta em 1555 deve ser considerado o primeiro ato jurídico de liberdade religiosa na Europa moderna. Se essas mensagens são transmitidas nas universidades onde se formam as classes dominantes, o que queremos esperar que digam os alunos que ouviram essas coisas quando se tornarem operadores dos meios de comunicação de massa ou divulgadores científicos e culturais? Em suma, muitas vezes falta uma abordagem séria e qualificada para a leitura do pluralismo religioso e acabamos falando dele por boatos, por slogans e usando terminologia ultrapassada e ofensiva.

Quantas comunidades a Federação das Igrejas Pentecostais representa?

Atualmente existem mais de 400 comunidades locais ligadas à Federação por diversos motivos; muitos deles fazem parte de redes nacionais e algumas dessas redes também têm reconhecimento legal. Mas a Federação representa apenas uma parte do mundo pentecostal na Itália, que é muito mais amplo e estima-se que cerca de 500.000 pessoas adiram a ela, se levarmos em conta também as comunidades formadas por imigrantes.

Que tipo de dificuldades as Igrejas pentecostais encontram para professar sua fé, do ponto de vista jurídico e prático?

Na Itália sempre houve um ‘caso pentecostal’ quando se tratava de medir a profundidade ou o progresso da liberdade religiosa. Os pentecostais foram uma ‘chance’ quando tiveram que enfrentar o regime fascista em uma luta desigual e solitária; foram quando, depois da guerra, tiveram que sofrer a discriminação dos primeiros governos republicanos, fornecendo muito material para a batalha relativa à liberdade religiosa que naqueles anos era travada nos meios de comunicação, nos tribunais e no Parlamento; são hoje porque não conseguem ver reconhecida a sua pluralidade e diversidade. Em suma, é difícil compreender a sua articulação múltipla Se considerarmos a vastidão do movimento, a sua difusão pelo mundo e a pluralidade de experiências eclesiais anteriores que nele convergiram dada a sua transversalidade como movimento de despertar, compreendemos que configura-se como um mundo variado de grupos, organizações e sujeitos eclesiais que deram vida a um denominacionalismo pentecostal específico; neste mundo existem referências culturais e teológicas homogêneas, mas também posições às vezes marcadamente diferentes umas das outras. E tudo isso não é superado pelo fato de algumas organizações pentecostais também terem conquistado reconhecimentos jurídicos de outros perfis; porque há muitos mais esperando.

O que você sugeriria à política para ampliar o horizonte da liberdade religiosa na Itália, especialmente diante do que Paolo Naso chama de “político” dos “tempos que não estão maduros” e das “outras prioridades”?

Concordo plenamente com a análise de Paolo Naso; a política está terrivelmente atrasada em relação aos desafios e exigências do pluralismo religioso neste país, tanto em termos quantitativos (já somos 10% da população que professa uma fé religiosa diferente da maioria) como em termos de qualidade, dado o recente a pesquisa realizada por Naso juntamente com outros na Lombardia sobre a relação entre imigração e locais de culto leva a considerar as comunidades religiosas como capital social. Mas o despreparo da política diante dessas mudanças é desarmante; é urgente lançar mão de uma lei de liberdade religiosa que seja capaz de implementar adequadamente os princípios constitucionais sobre a matéria. Por mais de trinta anos, porém, esse desejo não foi realizado. Acredito que para criar uma norma devemos nos referir a um princípio e para ter um princípio devemos nos referir a um valor; em outras palavras: uma lei sobre liberdade religiosa exige a crença no direito à liberdade religiosa e esse direito deve ser fundamentado na concepção da liberdade como um valor. Em suma, a liberdade religiosa só pode ser verdadeiramente concebida e realizada numa sociedade e numa cultura que saibam desenvolver uma religião de liberdade.

Consulte todos os insights do Especial liberdade religiosa.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

#ThursdaysInBlack no Sínodo Valdense contra a violência contra as mulheres

#ThursdaysInBlack no Sínodo Valdense contra a violência contra as mulheres

Foto de Pietro Romeo/Reforma Roma (NEV), 24 de agosto de 2023 – #ThursdaysInBlack, a campanha global por um mundo sem estupro e violência, no Sínodo Valdense, hoje, quinta-feira, 24 de agosto. As deputadas reunidas e reunidas na Torre Pellice (Turim) usaram o distintivo de mobilização e uma peça de roupa preta, como símbolo da luta contra a violência de género. Leia mais: Acabar com a violência contra as mulheres #ThursdaysinBlack é uma campanha nascida da Década das Igrejas em Solidariedade com as Mulheres (1988-1998), para tornar visíveis histórias sobre violação como arma de guerra, injustiça de género, abuso, violência e para tornar visíveis a resiliência e os esforços das mulheres. A campanha foi inspirada nas Mães da Plaza de Mayo em Buenos Aires, nas Mulheres de Preto em Israel e na Palestina, nas mulheres de Ruanda e da Bósnia. ...

Ler artigo
Secretariado para atividades ecumênicas.  Do machismo ao plural humano

Secretariado para atividades ecumênicas. Do machismo ao plural humano

A cruz feita com madeira de barcos naufragados em Lampedusa - foto de Laura Caffagnini Roma (NEV), 27 de julho de 2023 - A 59ª sessão de formação ecumênica da Secretaria de Atividades Ecumênicas (SAE) intitulada "Igrejas inclusivas para novas mulheres e novos homens", em andamento em Assis, termina no sábado, 29 de julho. Entre as muitas intervenções que se seguiram, a de linguagem não sexista, uma meditação judaica sobre o Deus masculino-feminino e o painel sobre "Seres humanos plurais, entre a Escritura e o hoje". Destes últimos, reportamos parte do relatório editado por Laura Caffagnini. Em particular, retomamos o pensamento de Ilenya Gosspastor valdense, teólogo, filósofo e médico, além de Coordenador da Comissão de Bioética das igrejas Batista, Metodista e Valdense sobre as questões éticas colocadas pela ciência à fé. “Ilenya Goss propôs uma nova hermenêutica capaz de captar no texto bíblico o entrelaçamento de diferentes vozes, mas também as vozes das mulheres. E destacar sem pretensão que o horizonte cultural traçado pelo texto bíblico é patriarcal, sua matriz cultural é um machismo básico, o que dificulta, portanto, fazer emergir outras vozes e outras perspectivas - escreve Caffagnini -. O teólogo fez uma exegese aprofundada de alguns versículos dos dois primeiros capítulos do Gênesis […]. Em Gênesis 1 aparecem as palavras imagem e semelhança e adão como ser humano 'macho e fêmea', enquanto a partir do capítulo 2 esta palavra, que lembra os elementos terra e sangue, desliza para um sinônimo de ser humano masculino, Adão, que tem uma derivada, Eva. O humano plural painel – SAE 2023 – foto Laura Caffagnini O teólogo lançou mão de uma hermenêutica que permite também que o sentido surja dos contrastes e lançou sugestões sobre as palavras imagem, o que emerge da própria criação – e semelhança, entendida mais como um devir. O ser humano criado à imagem é chamado a realizar a semelhança. No centro da discussão, ele explicou, está o relacionamento. «O ser humano à imagem de Deus é o ser ontologicamente relacional. No princípio é a relação, mas na sua forma harmoniosa deve concretizar-se tornando-se também semelhança. Entre Gênesis 1 e 2 a relação parece falhar: Adão nomeia Eva, mas ela não fala. A relação inscrita no ser humano está sempre exposta ao fracasso. Ele fala dela e a conhece como sua propriedade. A expressão 'Desta vez é carne da minha carne' pode ser lida de duas formas antitéticas: positivamente as palavras do homem que reconhece sua contraparte, ou uma visão do homem que vê a mulher como algo assimilável, não percebida como algo a ser 'na frente', como diz a Escritura, isto é, um limite". Referindo o discurso ao Novo Testamento, Goss observa que na carta aos Gálatas (3,27-28) Paulo de Tarso não está anulando a diferença em um unicum indiferenciado, mas está dizendo que não há mais elementos discriminantes que geram uma luta de poder e um dispositivo que estabelece que algo é assim por natureza e impõe proibições. Fazendo eco às palavras do subtítulo da sessão Sae – «Construídos juntamente para habitação de Deus (Ef 2,22)» – deparamo-nos com uma humanidade plural em todas as formas de diferenciação”. Entre hoje e amanhã a sessão da SAE aborda os temas encontro, diálogo, ética libertadora e justiça de gênero. No último dia, sábado, realiza-se a oração final e a meditação bíblica a partir das 8h30; seguido do painel "Por um futuro diferente" com o arcebispo de Catânia Luigi Renna e o pastor e teólogo valdense Letizia Tomassone; finalmente as conclusões com Erica Sfredda E Simone Morandin. Para ler todos os comunicados de imprensa e ver o programa e a galeria de fotos clique aqui. ...

Ler artigo
Jerry Pillay é o novo secretário do Conselho Mundial de Igrejas

Jerry Pillay é o novo secretário do Conselho Mundial de Igrejas

Roma (NEV/Reforma), 3 de janeiro de 2023 - No dia 1º de janeiro, o pároco Jerry Pillay assumiu o cargo de secretário-geral do CMI, Conselho Mundial de Igrejas, órgão mundial que reúne mais de 350 igrejas protestantes, evangélicas, anglicanas e ortodoxas em todos os continentes. acontece com o pai Ioan Saucaque havia assumido um longo interino desde abril de 2020 após a renúncia do bispo luterano Olav Fykse Tveit, chamado para liderar a Igreja da Noruega. Pillay, eleito em 17 de junho de 2022 pelo comitê central do CMI, torna-se assim o nono secretário-geral na história do corpo ecumênico desde que a irmandade de igrejas foi fundada em 1948. Pillay, um sul-africano, foi anteriormente reitor da Faculdade de Teologia e Religião da Universidade de Pretória e é membro da Uniting Presbyterian Church in Southern Africa. O pastor Pillay serviu como presidente da Comunhão Mundial das Igrejas Reformadas (CMCR/WCRC) de 2010 a 2017. Ele é o segundo africano a ocupar o cargo de secretário do CMI, depois do pastor metodista Samuel Kobia (Quênia), que foi de 2004 a 2009. Seu primeiro compromisso formal com o CEC foi na 9ª Assembleia do órgão em 2006, onde atuou como delegado de sua denominação. Pillay, como secretário geral, traz seu desejo de que as igrejas se unam: “Se formos fiéis ao espírito, então devemos trabalhar juntos - disse -. Isso porque o amor de Deus nos impulsiona a reconciliar o mundo”. Com a unidade da igreja como uma de suas principais prioridades, ela também acredita que as igrejas devem oferecer orientação e direção a um mundo em sofrimento. “Vamos lidar com questões de justiça, com opressão, com violência sistêmica e assim por diante. Não nos reunimos apenas para orar e louvar ao Senhor – aspectos que são muito importantes para nós – mas também nos reunimos para transformar o mundo”, concluiu. Leia sobre a reforma ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.