“Não tenha medo”.  Mensagem ecumênica da Páscoa 2020

“Não tenha medo”. Mensagem ecumênica da Páscoa 2020

Foto de Nadia Angelucci

Roma (NEV CS/09), 8 de abril de 2020 – “À medida que se aproxima a Páscoa da Ressurreição, que nossas Igrejas celebrarão em datas diversas (12 de abril na tradição ocidental e 19 na tradição oriental), com base na fraternidade que deriva desde que confessamos o mesmo Senhor, sentimos a necessidade de voltar a nos expressar juntos, pronunciando uma palavra comum diante da pandemia que atingiu nosso país e o mundo inteiro”.

Assim começa a mensagem pascal que o pároco Luca Maria Negropresidente da Federação das Igrejas Evangélicas da Itália (FCEI), Monsenhor Ambrogio Spreaficobispo de Frosinone e presidente da Comissão Episcopal para o Ecumenismo e o Diálogo Inter-religioso da Conferência Episcopal Italiana (CEI) e da Genádios, O arcebispo ortodoxo da Itália e Malta (Patriarcado Ecumênico de Constantinopla) quis se dirigir aos cristãos da Itália.

“Uma vez por ano – explica o pastor Negro – como expoentes das principais denominações cristãs nos voltamos para nossas comunidades para apresentarmos juntos a Semana de Oração pela Unidade dos Cristãos, que acontece de 18 a 25 de janeiro. Perante a emergência do coronavírus e perante esta Páscoa completamente anómala, que viveremos em isolamento, sentimos a urgência de voltar a pronunciar uma palavra comum, a partir da mensagem de coragem e esperança da ressurreição de Jesus”.

A mensagem ecuménica parte do Evangelho de Mateus (28,4-8) em que a ressurreição é anunciada por um terramoto e pelo anjo do Senhor que rola a grande pedra do sepulcro, provocando em todos os presentes – guardas e “piedosos mulheres” – um grande susto, para explicar que há um medo que imobiliza, o dos guardas – e outro que “põe em movimento”, o das mulheres que as torna “as primeiras arautos da ressurreição”.

“Como Igrejas – dizem os autores da mensagem – nos sentimos chamadas a ser, como mulheres piedosas, arautos da ressurreição, do fato de que a morte não tem a última palavra” e acrescentam que “esta pandemia também fortalece em nós o vocação para estarmos juntos, neste mundo dividido e ao mesmo tempo unidos no sofrimento, testemunhas de humanidade e hospitalidade, atentos às necessidades de todos e especialmente dos últimos, dos pobres, dos marginalizados. Com um sentimento de especial gratidão a Deus pelos tantos que trabalham incansavelmente ao lado dos que sofrem”.

Acolhendo o convite do Papa Francisco, o Patriarca Ecumênico Bartolomeu, o Conselho Ecumênico das Igrejas e a Conferência das Igrejas da Europa convidam todos a se unirem em oração com as palavras que Jesus nos ensinou: “Pai nosso que estás nos céus… Mal”.

Leia a mensagem completa aqui.

admin

admin

Deixe o seu comentário! Os comentários não serão disponibilizados publicamente

Outros artigos

na terra como no céu!

na terra como no céu!

"Cidade Santa com Herald" por Brian Whelan - Creative Commons Roma (NEV), 25 de dezembro de 2022 - Publicamos o sermão do professor Henrique Benedito foi ao ar no episódio de Natal de culto evangélico, a transmissão da RADIO1 RAI produzida pela Federação das Igrejas Protestantes da Itália (FCEI). A tradução do texto bíblico é de responsabilidade do pregador. Feliz Natal! Feliz Natal, porque o Natal é bom. Não somos nós que somos bons; é a bondade de Deus, é a bondade do Criador que investe as criaturas, 2022 anos atrás como esta manhã. Porque o anjo do Senhor passou por seu país, sua cidade, sua metrópole esta noite. Passou na sua vida, tanto na das pessoas que você ama quanto na das pessoas que você não gosta, hostil. Ele passou por cima de seus medos, seus arrependimentos, suas frustrações; como transmitiu suas alegrias, seus entusiasmos e suas aspirações. Ele não é um anjo de berço, não desce pela chaminé como o Papai Noel; nem sequer é o anjo exterminador do apocalipse: é um anjo que percorre o mundo – o mundo conhecido no tempo de Jesus e o descoberto desde então. É um Anjo sem nome, mas que tem um nome: Jesus, o Salvador. E Jesus não desce das estrelas como um marciano em uma nave espacial, mas pousa na terra como todos nós: desde o ventre de sua mãe. um parto ar livre, na noite; uma semente de esperança, um grito que se tornará um grito na cruz e uma promessa cumprida de ressurreição. O anjo passou mas sua passagem não passa, ele está presente e é o futuro de todos e de todos dois milênios depois. Vamos cantar nossa exultação! * * * * * * Domínio público da imagem “Enquanto José e Maria, sua noiva, estavam em Belém para o censo ordenado por César Augusto, chegou a hora de dar à luz a Maria: E ela deu à luz o seu filho primogênito, enrolou-o e colocou-o numa manjedoura, porque não havia lugar na hospedaria. Havia naquela região pastores que pernoitavam nos campos a cuidar dos seus rebanhos. O anjo do Senhor surgiu diante deles, e a glória do Senhor brilhou ao redor deles. Ficaram apavorados, mas o anjo lhes disse: Não temais, porque vos anuncio uma grande alegria que está destinada a todo o povo da cidade de Davi: hoje vos nasceu um Salvador, que é o Cristo, o Cavalheiro. E isto vos servirá de sinal: encontrareis um recém-nascido, enfaixado e colocado numa manjedoura. E num instante uma multidão do exército celestial juntou-se ao anjo, louvando a Deus e dizendo: Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens em quem Deus se agrada.”. (Lucas 2:1-14). * * * * * * Um anjo, pastores. Esta é a primeira epifania, não a dos Magos! Epifania, ou seja, manifestação do alto, instantânea. Jesus nasce incógnito, mas permanece assim por alguns momentos. Aqui está outra epifania, na verdade outro anúncio. O anjo anuncia mas não há ninguém anunciado, Maria, como no Evangelho de Lucas no capítulo anterior; e não há sequer aquele anunciado, José, como no Evangelho de Mateus. Há uma multidão indistinta, os pastores, que não têm nome como o anjo não tem nome. Depois disso ampliação na manjedoura, nossa história de Natal usa a teleobjetiva e aponta para o céu: o que há para ver no céu, no meio da noite? Pouco ou nada! Dá para ver o escuro, talvez até estivesse nublado porque o cometa dos Magos não faz parte da nossa narrativa!. Ou melhor, aqui o cometa é um anjo com um megafone; ele fala para uma massa desqualificada que está ali quase por engano, certamente por acaso e em todo caso por motivos puramente profissionais. Eles teriam preferido ficar aquecidos em suas camas como nós na noite de Natal, mas não há cães pastores na Bíblia, então os pastores fazem o trabalho noturno, trabalho canino! Nômades por natureza como os Magos por cultura; nômades não por contingência, como Maria e José chamados de volta a Belém por um censo imperial. São eles, os pastores, os primeiros destinatários da boa nova, e também da invocação que, trinta anos depois, Jesus não deixará de repetir: "Não tenha medo“! Sim, porque a boa notícia, boas notícias, então como agora eles são assustadores. Estamos tão equipados para os maus! E aqui um exército celeste se soma ao anjo, de modo que os leitores, os ouvintes - os radiouvitores que somos hoje - encontram-se suspensos entre duas multidões: a celeste, os anjos, e a terrestre, os pastores. Multidões correlacionadas pelo anúncio salvífico e salutar do nascimento de Jesus. A cena ilustra pela primeira vez a conexão feita pelo próprio Jesus no "Pai Nosso" com a fórmula "tanto no céu como na terra”. Aqui estão as primeiras testemunhas da glória e da graça de Deus para os homens, diz o nosso Evangelho, os homens em quem Ele se compraz. Seu protótipo são os pastores sonolentos e desavisados ​​abaixo, completos com um rebanho encolhido pelo frio esperando o amanhecer. Mas há um problema, um grande problema: Deus escolheu, escolheu como primeiras testemunhas do cristianismo nascente, pastores que não poderiam testemunhar em nenhum tribunal rabínico. Na época, os pastores eram considerados a priori portadores de testemunhos falsos e, se não falsos, duvidosos. Sem educação, muitas vezes analfabetos, eles eram acusados ​​pela reputação popular de roubar as ovelhas uns dos outros e, de fato, faziam isso regularmente. Mentirosos profissionais! E depois, com a desculpa das ovelhas, nem foram à missa nem ao culto... desculpepara a sinagoga! Mas quem são esses pastores abençoados, até agora sem nome? Bem, agora podemos arriscar um nome: estes pastores… são vocês, sou eu, somos nós, somos vocês. Deus não chama os qualificados, ele qualifica os chamados! E começou imediatamente, desde a noite de Natal, a favorecer não as canelas de um santo, não os pastorinhos do presépio, mas os humanos que procuram abrigo e paz numa noite incómoda, esperando muitas vezes sem saber - porque já não sabem esperança - por uma palavra, uma luz, uma voz que os liberte da escravidão de uma escuridão rotina. Eles estão, como nós, ao lado de Maria, José e Jesus.Sim, somos nós, esta manhã, o presépio vivo, chamados a testemunhar porque finalmente dignos da fé, embora indignos; chamados a ser, pela graça de Deus, o que não sabíamos e não esperávamos ser. Feliz Natal! * * * * * * Henrique Benedito Confessamos a fé cristã com as palavras de suas primeiras testemunhas. Com João Batista"Eis o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo”. Com André: "Nós encontramos o messias”. Com Natanael: “Mestre, tu és o filho de Deus, o rei de Israel”. Com os samaritanos, os hereges: “Sabemos que este é verdadeiramente o Salvador do mundo”. Com Pedro: "Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo”. Com Marta: "Tu és o Cristo, o Filho de Deus, aquele que vem ao mundo”. Com Tomé, o apóstolo da dúvida: “Meu Senhor e meu Deus”. Que suas palavras, confiadas à eternidade, habitem nossos corações e se unam às nossas para anunciar graça, paz e salvação a todos. Porque Jesus, dirá Pedro no Pentecostes, veio para abençoar a humanidade. Recebamos esta benção hoje, amanhã e sempre, desça sobre nós como o orvalho do monte Hermon. Amém ...

Ler artigo
Olav Fykse Tveit na Conferência Pentecostal Mundial

Olav Fykse Tveit na Conferência Pentecostal Mundial

Roma (NEV), 6 de setembro de 2019 - O secretário-geral do Conselho Mundial de Igrejas (CEC), pároco Olav Fykse Tveit, participou da 25ª Conferência Pentecostal Mundial realizada em Calgary, Canadá na semana passada. O tema do encontro foi "Spirit Now". Durante o seminário intitulado “Pentecostais e a unidade dos cristãos: conversas bilaterais e multilaterais”, realizado em 29 de agosto, Tveit agradeceu as oportunidades de diálogo ecumênico e disse: “O chamado à unidade dos cristãos é dirigido a todos os discípulos de Cristo e a todas as igrejas ou famílias da igreja confessando o Senhor Jesus Cristo como Deus e Salvador. Olav Fykse Tveit “Nossa história mútua foi muitas vezes marcada por preconceitos, divisões e até violências – disse, lembrando como o diálogo ajuda a lembrar o que temos em comum -. Nas últimas décadas, as igrejas cresceram juntas na fé por meio de muitas reuniões que resultaram em declarações comuns e testemunhos compartilhados”. Tanto o CMI quanto a Aliança Pentecostal Mundial foram fundados no final da década de 1940, após a Segunda Guerra Mundial. “O primeiro passo em nosso relacionamento foi nos conhecermos – disse Tveit novamente -. O segundo passo do nosso relacionamento foi criar uma plataforma de consulta”. De fato, em 2000 foi criado um grupo consultivo, que se reportará à Assembleia da CEC a ser realizada em 2021 em Karlsruhe, Alemanha, com o tema “O amor de Cristo impulsiona o mundo à reconciliação e à unidade”. “O terceiro passo em nosso relacionamento foi estabelecer uma plataforma de cooperação, ou seja, o Fórum Cristão Global, onde o Conselho Mundial de Igrejas, a Aliança Pentecostal Mundial, a Aliança Evangélica Mundial e a Igreja Católica Romana compartilham a responsabilidade de envolver os líderes de nossas igrejas em conversas de fé e testemunho.” “O movimento pentecostal e o movimento ecumênico têm algo em comum – concluiu Tveit -: a busca pela renovação das igrejas, a quebra de barreiras e a busca da unidade no testemunho e no serviço. O Global Christian Forum nos permitiu desenvolver novas relações entre representantes de diferentes correntes do Cristianismo mundial”. ...

Ler artigo
liberdade também significa pensar criticamente

liberdade também significa pensar criticamente

Roma (NEV), 3 de dezembro de 2019 - O bispo luterano Margot Kässmann ela era secretária-geral do Kirchentag. Em 2009 ela foi a primeira mulher eleita presidente do Conselho da Igreja Evangélica na Alemanha (EKD). Embaixadora do Jubileu da Reforma EKD de 2012 a 2017, ela foi bispa da maior igreja regional evangélica luterana da Alemanha. Mãe de quatro filhas, publicou recentemente, por ocasião do seu sexagésimo aniversário, o volume "Schöne Aussichten auf die besten Jahre - Belas perspectivas para os melhores anos". Margot Kässmann Em entrevista ao site da Igreja Evangélica Luterana na Itália (CELI), o bispo Käßmann declara: “Liberdade significa assumir responsabilidades, e para mim liberdade também significa o dever de pensar criticamente”. “Em nossa sociedade orientada para o dinheiro, temos que defender valores como caridade, responsabilidade para com os outros, solidariedade e comunidade. A Igreja cria tudo isso. Mas a Igreja também deve ser autocrítica, tantas faltas acumulou ao longo dos anos e séculos”. Sobre as relações entre católicos e protestantes, Käßmann continua: “Não gostaria de UMA igreja, mas gostaria de poder celebrar a comunhão juntos, oficialmente”. Leia a entrevista completa com Margot Käßmann no site do CELI. O Kirchentag nasceu por iniciativa de um grupo de protestantes alemães que, em 1949, após os terríveis anos da Segunda Guerra Mundial, imaginaram um grande fórum cristão aberto à sociedade, à política e aos temas espirituais. A Igreja Evangélica na Alemanha (EKD) instituiu esse tipo de Congresso com a ideia de “reunir pessoas que estão questionando a fé cristã. Reúna os cristãos protestantes e fortaleça-os em sua fé. Incentivar a responsabilidade na Igreja, capacitar o testemunho e o serviço no mundo e contribuir para a comunhão do Cristianismo mundial”. ...

Ler artigo

Otimizado por Lucas Ferraz.